Postagem em destaque

LEGISLATIVO NA GUINÉ-BISSAU: Embalo vai ganhar o seu jogo de poker?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... No passado dia 4 de Junho, os 884 mil guineenses inscritos na lista ...

quarta-feira, 26 de maio de 2021

Uma mulher, vários maridos: governo sul-africano quer legalização.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



De acordo com a lei proposta, uma mulher teria permissão para se casar com mais de um homem ao mesmo tempo, se assim desejasse. Espera-se que um projeto de lei formal seja apresentado ao Parlamento até 2024.

Além disso, de acordo com o Departamento de Assuntos Internos, o objetivo da política de casamento é estabelecer uma base política para regulamentar os casamentos de todas as pessoas que residem na África do Sul.
“O estado de casamento contemplado permitirá aos sul-africanos e residentes de todas as orientações sexuais, crenças religiosas e culturais, entrar em casamentos legais que estarão de acordo com os princípios de igualdade, não discriminação, dignidade humana e unidade na diversidade, conforme estabelecido na Constituição ”, afirma o texto do Sencaféactu.

fonte: seneweb.com

Senegal: Aumenta a controvérsia sobre o A320 neo presidencial.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Senegal vai tomar posse de um novo Airbus A320 neo em meados de julho, para substituir o A319 presidencial de vinte anos. Seu preço desconhecido gerou polêmica no país.

O governo anunciou para 16 de julho de 2021 a entrega do novo A320neo encomendado em junho de 2019, e de acordo com um comunicado para substituir o A319 presidencial construído em 2001, "adquirido em segunda mão em novembro de 2010, colocado em serviço em março de 2011 e degradado ”. Após duas décadas de operação, explicou o porta-voz Omar Gueye, o A319 batizado de La Pointe Sarène exigia “visitas técnicas frequentes e caras, e consequentemente longos períodos de imobilização e gastos com aluguel de aeronaves para garantir as missões presidenciais”. Pelo contrário, o A320neo tem apenas vantagens: é “mais eficiente em termos de combustível e mais eficiente pelo seu raio de ação. Isso reduz consideravelmente os custos de manutenção e operação, bem como os gastos com escalas técnicas ”.

Nenhum preço obviamente para o novo dispositivo destinado ao chefe de estado Macky Sall, que não se sabe se é uma versão ACJ. “Um avião presidencial está no campo militar. São coisas que não podemos divulgar neste momento por motivos de segurança ”, sublinhou o porta-voz. A Airbus não publica mais os preços de tabela de seus aviões, mas em 2018 um A320neo custava US $ 110,6 milhões. Parte dela já paga, sendo o saldo esperado na hora da entrega. O A319 presidencial será vendido.

Isso não impede a polêmica, num momento em que o Senegal está sofrendo como todos os outros países com as consequências da pandemia de Covid-19 e enfrenta dificuldades econômicas sem precedentes (com, em particular, um teto para a dívida e o esgotamento dos direitos de saque especiais ).

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Ela desvia 41 milhões de seu pai para ir para o exílio no Canadá com seu marido.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Aïda Mbaye está perdidamente apaixonada pelo marido.

Gerente da empresa "Légumes d´or Sarl" de seu pai Gora Mbaye, ela desviou 41 milhões de francos CFA.

Após sua desistência, ela informa seu marido, Papa Ababacar Cissé Thiam, e oferece a ele um exílio de ouro no Canadá.

O marido, sem hesitação, aceita entregando seu passaporte, relata The Daily.

Melhor, o marido contata um vendedor direto, a quem deu 7 milhões de francos CFA em troca de papéis.

Mas, seu sonho de ir para o exílio no Canadá vai morrer.

O pai, que descobriu o carrossel, denuncia a Divisão de Investigação Criminal (DIC) que prendeu sua filha e seu marido.

fonte: seneweb.com

Comunidade internacional discute tentativa de golpe no Mali.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O Conselho de Segurança das Nações Unidas reúne-se esta quarta-feira (26.05) numa sessão de emergência para discutir a situação no Mali, um dia depois da destituição do Presidente de transição e do primeiro-ministro.


Líder do golpe Assimi Goita (esq.), Bah Ndaw e Moctar Ouane

O vice-presidente de transição no Mali, o coronel Assimi Goita, anunciou na segunda-feira (24.05) que demitiu o Presidente Bah Ndaw, bem como o primeiro-ministro, Moctar Ouané, assegurando que "o processo de transição continua o seu curso" e que haverá eleições em 2022.

O líder do golpe que em agosto de 2020 depôs o Presidente Ibrahim Boubacar Keita justificou a ação com uma "crise de muitos meses a nível nacional", em referência às greves e várias manifestações convocadas no país por atores sociais e políticos.

Mali I Nationalfeiertag in Bamako

Coronel Assimi Goita

Mas a justificação não acalma os receios de um novo golpe de Estado no país, apenas nove meses depois. Esta terça-feira (25.05), o enviado especial da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), Goodluck Jonathan, chegou a Bamako para se encontrar com as autoridades malianas e discutir a detenção dos líderes da transição pelo Exército.

"Estamos aqui porque há alguns desenvolvimentos que preocupam a CEDEAO e, como equipa de mediação, tínhamos de vir e ouvir o que aconteceu. Não podemos dizer nada muito definitivo até falarmos com o povo, a sociedade civil, os cidadãos do Mali, o Exército e aqueles que estavam no Governo", declarou.

Apelos internacionais

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou, na terça-feira (25.05), à "calma" e pediu a "libertação incondicional" dos líderes civis do Mali. A União Africana, os Estados Unidos da América, o Reino Unido e a Alemanha condenaram também a tentativa de golpe de Estado. França, segundo o Presidente Emmanuel Macron, está disposta a ir mais longe.

"Condenámos de forma veemente, juntamente com a União Africana e a CEDEAO, a detenção do Presidente de transição, do seu primeiro-ministro e colaboradores. O que os golpistas militares levaram a cabo foi um inaceitável golpe de Estado dentro de um golpe de Estado. Estamos prontos para impor sanções contra os responsáveis", avisou Macron.

Belgien EU-Gipfel l Französischer Präsident Macron

Presidente da França, Emmanuel Macron

A detenção de Ndaw e Ouané ocorreu horas após o anúncio da composição de um novo Governo formado pelo primeiro-ministro, que terá causado desconforto entre os líderes do golpe de agosto pela exclusão de dois comandantes militares.

O diretor do Centro de Investigação para Análise Política, Económica e Social no Mali, Etienne Fakaba Sissoko, aponta duas razões para a exclusão dos ministros da Defesa, Sadio Camará, e da Segurança, Modibo Koné, do Governo de transição:

"Modibo Koné, o [antigo] ministro da Segurança, aparece em muitos relatórios das Nações Unidas sobre abusos. E o coronel Sadio Camara é acusado de estar demasiado próximo da Rússia - com desvantagens para outros parceiros, como a França. Esta é uma das razões que explicaria a sua expulsão do Governo: estaria prestes a assinar acordos importantes com a Rússia. Portanto, há questões geopolíticas e geoestratégicas em jogo. Há potências internacionais em ação que têm grandes interesses no Mali."

"Transição continua o seu curso"

Numa declaração lida na televisão nacional, na tarde de terça-feira, o vice-Presidente de transição, Assimi Goita, garantiu que, apesar da demissão do Presidente e do chefe do Governo, "o processo de transição continua o seu curso" e haverá eleições em 2022.

Era essa a missão do Governo de transição empossado em setembro, quando a Junta Militar liderada por Goita aceitou passar o poder para as mãos dos civis, sob pressão internacional. E esse poderá ser o ponto-chave dos últimos acontecimentos.

"Criticam-se frequentemente estes soldados quando se tentam proteger a si próprios. Participaram num golpe de Estado e sabem quais são os riscos. Tiveram de abandonar o Governo, mas não receberam quaisquer garantias de impunidade. Isso pode levar a uma situação como esta", explica o diretor do centro de estudos Afriglob, Boubacar Salif Traoré.

Apesar do ambiente de incerteza e tensão, o coronel Assimi Goita insistiu no "compromisso infalível" das Forças Armadas do Mali em defender a segurança do país. No entanto, não indicou pormenores sobre o paradeiro de Bah Ndaw e Moctar Ouané.

fonte: DW África

Total de visualizações de página