Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Brancos são cada vez mais em bairros de lata na África do Sul.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Aumenta o número de brancos residentes em bairros de lata na África do Sul

Na África do Sul, os brancos ganham seis vezes mais que os compatriotas negros, segundo o mais recente senso populacional. Apesar dessa diferença, cresce o número de sul-africanos brancos pobres.
Já se foi o tempo em que era impensável brancos vivendo nos "municípios" na Cidade do Cabo. Os conjuntos habitacionais, também chamados de “bairros de lata”, foram criados durante o Apartheid para moradores “não-brancos”. E até recentemente, não serviam de moradia para brancos. Mas este quadro está a mudar.
"Prefiro os negros aos brancos"
Blikkiesdorp foi construída na época do Apartheid Blikkiesdorp foi construída na época do Apartheid
Blikkiesdorp é um conjunto habitacional destes em questão e fica perto do aeroporto da Cidade do Cabo. Há sete anos, construíram-se neste local milhares de casas de chapa, originalmente como solução para pessoas carentes que posteriormente obteriam casas de alvenaria.
Mirinda e sua irmã Esther moram neste bairro de lata há quase um ano. A maioria em Blikkiesdorp é sul-africano negro. Quando as duas irmãs andam pelo bairro, chamam a atenção porque são brancas. “Eu digo logo às pessoas que vivo em Blikkiesdorp. Não é embaraçoso. Se não quiserem nada comigo, não me importo."
A irmã Ester mora com o marido e três filhos em aproximadamente 13 metros quadrados. A criança mais nova tem menos de um ano de idade. O irmão David, de sete anos, já fez muitos amigos em Blikkiesdorp. Às vezes, Ester pensa em voltar à antiga vida, quando morava em uma casa de alvenaria na Cidade do Cabo. Mas devido ao desemprego, o casal não conseguiu mais pagar o aluguel.
 Aqui as pessoas se unem e cuidam umas das outras
" Aqui as pessoas se unem e cuidam umas das outras"
Mesmo vivendo com a família em condições mínimas, Ester sente-se mais confortável entre as pessoas no bairro de lata. "Eu dou-me melhor com os negros do que com os brancos. É mais fácil falar com eles. Os brancos sempre se consideram melhores. Coisa que eu não gosto. Creio que Deus criou-nos como iguais. Ninguém é melhor que o outro."
O início foi difícil
No começo, a vida em Blikkiesdorp foi um choque cultural para Ester. Ela precisou de muito tempo até aceitar que neste bairro não há privacidade. As paredes, de lata, são tão finas que os vizinhos ouvem tudo o que se passa na casa ao lado.
Mas ao contrário da vida  anônima no centro da cidade, a união nos  “municípios” em torno da Cidade do Cabo é muito maior. As pessoas cuidam umas das outras. "Eu tenho três ou quatro amigos e se alguém quiser começar uma discussão, os amigos ou a família te apoiam.”
A casa de Ester tem 13 metros quadrados
Für: Projekt Destination Europe : Mangelnde Perspektiven und große Träume 
A casa de Ester tem 13 metros quadrados
A família de Ester é uma das 12 famílias brancas que atualmente vive no crescente bairro de lata de Blikkiesdorp. Apesar de no início ter sido olhada com estranheza, hoje ela é aceita pela comunidade.
Bernadette De Kock ficou chocada quando viu Ester pela primeira vez. A sul-africana negra tinha aprendido na escola, no tempo doi regime do apartheid que as pessoas brancas eram por natureza ricas. "Basta olhar para o nosso governo. Se as pessoas no topo não se entendem, como esperam que nós, cá em baixo, o façamos? Mas Blikkiesdorp é diferente. Aqui todos vivem juntos. Eu fico feliz por ver que as pessoas podem realmente reconciliar-se e unir-se."
Autoras: Kerstin Poppendieck / Carla Fernandes
Edição: Bettina Riffel / António Rocha

fonte: DW

Eloqüência de Obama ou indecisão.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Barack Obama aumentou as esperanças. Mas segundo o escritor argelino Akram Belkaid, ele não manteve as suas promessas.

Obama em Washington, em 01 de outubro de 2011. REUTERS / Jonathan Ernst


Foi há um ano atrás. Falando no fórum das Nações Unidos, Barack Obama, disse que o mundo estava "preparado um acordo que levará à criação de um Estado palestino no próximo ano." Como muitos outros de seus discursos, este discurso foi marcado pelo poder da palavra. Doze meses depois, o mesmo homem voltou a expressar sobre o assunto, mas eloquente é expressar sua rejeição de reconhecimento formal de um Estado palestino pela ONU, chamando o processo de "ilusório atalho."

Na sequência, o inquilino da Casa Branca tem se concentrado apenas com os palestinos pelo fracasso de um processo de pseudo-paz, na realidade, serve apenas para permitir que Israel possa economizar tempo e para angariar fatos consumados ou, como outra expressão, fatores multiplicadores "finalidade", em particular no que diz respeito à manutenção e expansão dos assentamentos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Em novembro de 2008, éramos milhões ao redor do mundo para se alegrar na eleição do presidente Africano-Americano primeira vez na história dos Estados Unidos. "A mudança chegou," Se tivéssemos repetido, repetir seu slogan de campanha que aludia a uma velha canção dos descendentes de escravos. É claro, não eram ingênuos sobre o seu alcance.

O presidente dos Estados Unidos não é um mágico e os seus poderes são limitados pelo projeto, os pais fundadores do país de ter tido em mente nunca se submeter a uma nova tirania aos de reis ingleses. No entanto, após oito anos de presidência de Bush, pensou-se que era hora de um pouco de ar fresco nos chegar de Washington.

Hoje, o fracasso de Obama é óbvio. Nada mudou realmente a situação nos Estados Unidos ou até mesmo na maneira de entender o mundo. Claro, tivemos a retórica como Cairo na Primavera de 2009.


Obama e a identidade complexa

Também incluem a 14 de Fevereiro de 2011, em Washington, no mesmo dia da queda de Hosni Mubarak. Mais uma vez, estes eram os episódios  a cercar o ar com inspiração profunda e comovente. Mas eram palavras e nada mais. E de repente vêm à mente as advertências do escritor Cornel West (que ainda acabou reunindo à sua candidatura). Obama? Muito falante, não é corajoso o suficiente, muito indeciso, ansioso demais para agradar os poderosos, e tinha encontrado como ativista e crítica implacável da desigualdade racial nos Estados Unidos.

Obama fala, discursos, empresta tons messiânicos quando se trata de revigorar suas tropas, mas no final é pouco. E não é só os pobres palestinos. Assim, Guantánamo ", uma vergonha para a América" ​​pela admissão de Colin Powell, ex-chefe da diplomacia americana no governo Bush, ele trabalha e ainda parece estar perto de agenda.

Na Casa Branca e do Capitólio, os lobistas de todos os tipos têm suas entradas enquanto o candidato Obama prometeu caçar, ou pelo menos limitar o seu poder. Da mesma forma, as pessoas em Wall Street estão ainda aguardar a lei, impedindo os Estados Unidos para trazer até à data, a legislação criada pelo governo Roosevelt em sua luta contra a Grande Depressão. Mesmo Medicare é, finalmente, um fiasco para o presidente dos EUA, seu texto original foi gradualmente desvendado como seu compromisso alcançado com o campo republicano.

Obama e a obsessão de agradar

E é aqui que o que é talvez a maior fraqueza de Obama. Alguns dizem que ele é fraco, incapaz de tomar qualquer iniciativa arriscada e, em suma, ele não tem coragem ao contrário de um Clinton sempre pronto para cruzar espadas com seus inimigos. É certamente isso, mas também podemos pensar que há outro motivo. Obama às suas origens e da identidade complexa que há muito atormentado (como quando era conhecido como Barry) é consumido pela obsessão de agradar. Ao tentar ser apreciado, inclusive seus adversários políticos, ele esquece que para o qual ele foi eleito.

Este comportamento também é muito comum entre os representantes das chamadas minorias visíveis. Este é o caso da França, como o famoso "beurgeois", que, para emprestar uma frase de um argelino muitos deixam de "pedir desculpas para pedir perdão" e tem apenas um desejo: provar que eles são sábios, razoável e, portanto, digno de confiança.

O discurso no final da semana passada por Obama nas Nações Unidas é, no presente, um bom exemplo. Estes não eram os Chefes de Estado e de Governo presentes, ele falou ou mesmo Binyamin Netanyahu acompanhado de seu ministro racista das Relações Exteriores Avigdor Lieberman. Na verdade, Obama estava à frente das demandas de um Congresso dominado por republicanos e claramente a favor de Israel. Ao fazer isso, o presidente dos EUA fingiu esquecer a forma como o governo de Israel muda humilhação infligida como quando ele anunciou o lançamento de novos locais de colonização até mesmo como vice-presidente Joe Biden estava visitando oficialmente o Israel.

Alinhe a posição de seus oponentes para conciliar e especialmente para evitar a humilhação de uma derrota eleitoral no Congresso, mas que estratégia para os assalariados! Que prova de impotência também. Presumivelmente, Obama agora está totalmente voltado a data das eleições de novembro de 2012. O problema para ele é que todas as concessões e todas as suas negações não são susceptíveis de servir a ele. Na verdade, é provável que ele não seja reeleito como assim entendida a multiplicidade de candidatos republicanos primários. Bata depois de tanto falar, mas tão pouco ousado: a bela lenda Obama é provável que acabe em desordem triste.

Akram Belkaid (Quotidien d'Oran)

fonte: SlateAfrique

Total de visualizações de página