Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 7 de setembro de 2014

Serra Leoa impôs 3 dias de quarentena por causa do Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


DAKAR, Senegal - Com os governos da África Ocidental cada vez mais desesperados para conter a epidemia de Ebola de forma mais rápida, Serra Leoa decretou uma nova medida rigorosa confinando os moradores em suas casas neste mês de setembro. 

Durante três dias, a partir de 19  até 21 setembro, "todo mundo deve ficar dentro de sua casa", a medida vai permitir que 7.000 equipes de trabalhadores de saúde e comunitários vão de porta em porta para erradicar pacientes de Ebola escondidos, disse o porta-voz do governo, Abdulai Bayraytay, neste sábado a partir da capital, Freetown. Os militares e a polícia vai reforçar a medida, acrescentou o Sr. Bayraytay. 

"É claro que temos pilotões de resistência, em termos de negação", disse ele. "As pessoas ainda estão abrigando os seus entes queridos em casa." 

"Às vezes, os vizinhos nos chamam" com informações sobre os pacientes de Ebola, acrescentou. "Isso nos deu a clara indicação de que as pessoas ainda estão abrigando os pacientes." 

As organizações internacionais de saúde opõem a tais medidas coercitivas na luta contra a epidemia, argumentando que elas adicionam um elemento punitivo, aumentam as dificuldades para as comunidades atingidas pelo vírus e diminuem a confiança necessária e cooperação. 

No sábado, um representante de uma agência expressou reservas sobre a nova política de Serra Leoa, expressando dúvidas de que seria eficaz. Ele sugeriu que o plano inicial do governo - para educar as comunidades que podem estar abrigando pacientes sobre os riscos de tal comportamento - se transformou em algo mais severo. Ele pediu para não ser citado pelo nome por causa da delicadeza do assunto. 

Os médicos do grupo Sem Fronteiras, que tem vindo a trabalhar na região, alertaram que o bloqueio poderia piorar a situação. "Tem sido nossa experiência que bloqueio e quarentenas não ajudam a controlar o Ebola, porque os familiares acabam levando as pessoas ao enterro e pondo em risco a confiança entre as pessoas e os profissionais de saúde", disse neste sábado, de acordo com a agência de notícias. 

Mas um alto funcionário das Nações Unidas na Serra Leoa disse que apoiou a idéia. "Durante três dias, vamos de casa em casa para chegar a todas as famílias", disse Roeland Monasch, o representante da UNICEF no país. "A realidade é que a luta contra o Ebola não será vencida na clínica de Ebola. Pela campanha de casa em casa, você tenta passar informação a nível de família. "

A Organização Mundial de Saúde, disse nesta sexta-feira que o número de mortos por Ebola na África Ocidental havia ultrapassado 2.000 - o número total de confirmados, prováveis ​​e suspeitos de mortes é agora 2097 - sem nenhum sinal de que o surto está diminuindo. Serra Leoa registrou 491 mortes. 


Como as agências de ajuda a implorar por mais ajudas, Sr. Bayraytay disse que os pagamentos de incentivos de US $ 150 por semana seriam repassados aos trabalhadores de sepultamento e enfermeiros na luta contra a epidemia, graças aos fundos dos doadores internacionais.

# nytimes.com

Subida de preços na África Ocidental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Fotografia: Reuters

A imposição de quarentena na Guiné Conacri, Serra Leoa e Libéria, os países da África Ocidental mais atingidos pelo surto de ébola, dificulta as colheitas e faz disparar os preços dos alimentos, alertaram as Nações Unidas.

Nestes países, refere um comunicado da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), as zonas de quarentena e as restrições de deslocações de pessoas “limitaram seriamente o movimento e a comercialização dos alimentos, provocando compras ditadas pelo pânico, penúria alimentar  e preços inflacionados de certos produtos, particularmente nos centros urbanos". A FAO emitiu um "alerta especial" porque a situação agravou-se devido à falta de mão-de- obra numa altura em que se aproximam campanhas agrícolas na região, “pondo em perigo a segurança alimentar de um elevado número de pessoas".  Os três países são importadores de cereais, principalmente a Libéria, “o mais dependente do fornecimento externo".
A FAO recomendou a avaliação imediata das “medidas susceptíveis de atenuar o impacto da falta de mão de obra durante o período de colheita e para as actividades depois da colheita".  O Programa Alimentar Mundial (PAM) lançou uma operação de emergência, durante a qual deve distribuir 65 mil toneladas de alimentos a cerca de 1,3 milhões de pessoas.

Países afectados
A ONU saudou os esforços dos países afectados pelo ébola que assola a África Ocidental, e pediu mais solidariedade regional e internacional na luta contra o surto, o mais grave da história. Responsáveis regionais da ONU, que se reuniram em Dakar a convite do enviado do Secretário-Geral da ONU para a África Ocidental para avaliar os esforços envidados para conter a pandemia, deploraram as consequências socioeconómicas da propagação do vírus, o isolamento dos países afectados pela doença e o risco de estigma das suas populações.
Sublinharam que a restrição das viagens não é solução, é preferível garantir a aplicação de medidas preventivas e curativas eficazes e revelaram os impactos potenciais sobre a segurança alimentar, a liberdade de circulação e a prestação dos serviços, que podem influenciar os esforços envidados pelas equipas dos Governos da região. O enviado da ONU e os directores regionais reiteraram o apoio a uma resposta comum, coerente e coordenada, sob a égide das autoridades nacionais.  Também pediram maior compromisso por parte da comunidade internacional para apoiar os esforços regionais contra a propagação do vírus, através da mobilização dos recursos.

Ébola está a ganhar 

A ONG Médicos Sem Fronteiras (MSF) alertou que o mundo está a perder a batalha contra o ébola e pediu o envio “imediato"de equipas médicas civis e militares para combater o surto na África Ocidental.  A directora-geral  da MSF lamentou que a resposta internacional até o momento se tenha concentrado “em Ministérios da Saúde sobrecarregados e ONG", e acusou os líderes mundiais de “falharem no combate a esta ameaça global" e “entrarem numa coligação global de inactividade".
# jornaldeangola

Total de visualizações de página