Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Rafael Marques chega a acordo com os generais angolanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Rafael Marques e os generais angolanos chegaram a um entendimento em tribunal, no processo de difamação sobre violação dos direitos humanos e a exploração diamantífera em Angola.

Rafael Marques e o advogado David Mendes (dir.)

O jornalista e ativista dos direitos humanos Rafael Marques e os advogados que representam os sete generais angolanos e as empresas diamantíferas que o acusam de crime de ''difamação e denúncia caluniosa'' chegaram nesta quinta-feira (21.05) a um entendimento em tribunal.
Rafael Marques comprometeu-se a não reeditar o livro “Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola”, e os generais comprometeram-se a de agora em diante trabalharem em conjunto na monitorização e respeito pelos direitos humanos nas zonas de exploração diamantífera das Lundas.
No julgamento estava prevista uma audiência com os generais, que acabaram por não comparecer.
O advogado de Rafael Marques, David Mendes, disse que tanto os generais como as empresas diamantíferas demonstraram interesse em pôr fim ao julgamento, depois das explicações do jornalista sobre os motivos que o levaram a incluir no seu livro os generais, entre eles Hélder Vieira Dias “Kopelipa”, o chefe da casa militar do Presidente da Republica.
David Mendes, advogado de Rafael Marques, espera que nenhuma pena seja aplicada ao jornalista.
“Aceitaram as explicações do Rafael Marques e demonstram que não querem continuar a litigar, e por isso foram dispensados os declarantes e as testemunhas, porque as explicações que o Rafael deu para eles foram convincentes e não encontram necessidade de continuar esse processo.”
Na próxima segunda-feira (25.05), será feita a leitura das alegações finais, e David Mendes espera que o seu constituinte venha a ser absolvido.
“Esperamos que, nos termos do artigo 418 do Código Penal, o tribunal decida aceitar as explicações, porque as partes interessadas assim já decidiram e fizeram-no em ata, e não aplique nenhuma pena contra o Rafael”, diz o advogado.
No final do julgamento, Fernando de Oliveira, um dos integrantes da equipa de advogados que representam os generais, disse à imprensa que o entendimento só foi possível após “Rafael Marques ter reconhecido que cometeu falhas na procura da versão dos generais acerca dos acontecimentos, antes do lançamento do seu livro''.
Fernando de Oliveira acrescenta que o jornalista “reconheceu de facto que se comprometia a retirar o livro de circulação. A sequência disto foi que os diferentes ofendidos, nomeadamente os representantes das empresas dos senhores generais, reagiram dizendo que, face a essas declarações, as consideravam aceitáveis, e que por isso não prosseguiriam com o processo.”
“Continuarei a lutar para que haja dignidade nas Lundas”
Rafael Marques afirmou estar satisfeito com o desfecho do caso que poderá culminar na sua absolvição.
“Qualquer solução que sirva o interesse público é sempre uma boa solução, e neste caso serve o interesse público. Não há, quer da minha parte, quer da parte dos generais, intenção nenhuma de continuar com esse caso, de modo que é uma solução satisfatória, quer para mim, quer para os generais, quer para o Estado angolano, e para todas as partes envolvidas”, declarou o jornalista.
"Diamantes de Sangue" está disponível na página da editora Tinta-da-China e da página "Maka Angola"
Rafael Marques reforçou ainda que, apesar de ter se comprometido a não reeditar o livro, continuará a denunciar as violações dos direitos humanos.
“Continuarei a monitorizar a situação dos direitos humanos nas Lundas, e espero que desta vez todas as empresas que forem contactadas respondam às minhas diligências. A informação que ficou lavrada em ata é de que continuarei a dar o meu melhor e a lutar para que haja dignidade e bem-estar entre os povos das Lundas.”
O livro de Rafael Marques, “Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola”, disponibilizado gratuitamente pela editora Tinta-da-China desde o mês de março, já ultrapassou os 55 mil downloads.
Amnistia Internacional apela à retirada das acusações
A Amnistia Internacional classificou este julgamento como “uma farsa em torno da liberdade de expressão” e defendeu que as acusações têm de ser retiradas de imediato.
A organização de defesa dos direitos humanos recolheu 10.935 assinaturas numa petição que entregou ao Ministério dos Negócios Estrangeiros português, e na qual apela ao primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, e ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros para que usem a sua influência diplomática para encorajarem o governo angolano a retirar as acusações contra Rafael Marques e “a porem fim ao processo criminal”.
#dw.de

Gâmbia: Excursão do presidente Jammeh chegando ao fim.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O passeio agrícola nacional de Sua Excelência Sheikh professor Alhaji Dr. Yahya Jammeh já está chegando ao fim com poucas visitas a fazendas e reuniões a serem realizadas na região da Costa Oeste, dos Municípios de Kanifing e Banjul.

A turnê começou na segunda-feira, 04 de maio, no âmbito da sua Visão no horizonte 2013-2016.

Do Banco do Norte, Central e do superior ao mais baixo Regiões do rio, o Presidente Jammeh e comitiva visitaram campos de arroz e outras terras para avaliar as suas potencialidades e progresso para a produção agrícola em grande escala.

Ele disse em uma reunião em Medina Lamin Kanteh em CRR que a iniciativa da Visão 2016 engloba o cultivo e produção de qualquer cultura agrícola comestível. "Este lado do país tem as terras mais férteis adequadas para a produção agrícola", disse ele de CRR, observando que muitas pessoas têm estreitado seus pensamentos para apenas o cultivo de arroz quando se trata da Visão 2016.

A Visão no horizonte 2016

O presidente disse que 98% de todos os produtos alimentares importados pela Gâmbia é arroz e é por isso que primeiro alvo da visão está focada no arroz. Assim, observou ele, que a CRR tem o potencial de alimentar toda a Gâmbia com arroz, amendoim, arrulhos e até mesmo carne.

Durante o passeio, o presidente Jammeh liderou a temporada da colheita de arroz seco em Pacharr em um dos muitos campos de arroz cultivados em vastas áreas da Região Central do rio ao sul. Esta última análise, marca o início da colheita da estação seca nos campos de arroz na Visão 2016 nas comunidades provinciais abrindo caminho para os agricultores ligados a combates a estação seca no meio rural da Gâmbia.

O campo é uma das maiores entre as muitas na Visão 2016 para campos de arroz, que são especificamente cultivados em partes do país como parte da da agenda ampla da implementação da auto-suficiência alimentar na Visão 2016. Eles são os únicos campos de arroz a serem colhidas na estação seca no país como no atual contexto da agenda de auto-suficiência alimentar na Visão 2016. A primeira colheita da Visão 2016 nas fazendas de arroz foi em novembro de 2014.

Campos de arroz de Pacharr, por exemplo, têm sido experimentados para servir como principal cesta de alimentos da Gâmbia este ano, ele foi transformado em enormes unidades de produção do Presidente Jammeh para servir o propósito de sua existência.

O campo Pacharr abrange cerca de 1105 hectares e entre 1966 e 1969, um Chinês (Taiwan), a equipe agrícola introduziram o cultivo de arroz através do método de irrigação da Ilha de Janjangbureh.

A turnê deu ao presidente a oportunidade de acesso por si mesmo, a informação de primeira classe sobre o nível de progresso para a realização da visão, que é cerca de sete meses seguidos.

Determinado com a realização plena da Visão 2016 para auto-suficiência alimentar, o líder gambiano também anunciou a redução no preço de um saco de adubo no país de D1.250 para D750 (D - significa Dinar, moeda local) na compra em dinheiro e D800 a crédito. Ele disse que a redução foi concebido para capacitar a comunidade agrícola para a realização da visão.

Nos campos de Janjangbureh, um sistema de bombeamento de água através do gerador ligado ao rio está preparado. Através do sistema de irrigação, a água é bombeada para os campos através de cannais. Na fazenda, enquanto uma quantidade pouca de arroz está prestes a atingir a colheita, outras são transplantados para o berçário que também está preparado.

Em Jakoto, no niamina dankunku Distrito do Rio Central da Região-norte um vasto potencial de terras férteis para a produção agrícola foi visitada. Já, há uma estrada de cascalho para facilitar o acesso aos campos. Os campos com ligações rodoviárias de cidades de Jakoto para Kaur Warf, outro centro de pesca potencial no norte de CRR.

Promessas feitas

Em todos os seus compromissos, o presidente Jammeh apelou aos gambianos para desconsiderarem o tribalismo étnico e e concentrarem-se na realização da visão de crescimento e desenvolvimento nacional. "Quando falo de orgulho nacional, dignidade e independência, eu sei que eu não posso avançar sem ser suficiente em alimentos", disse ele em uma das reuniões.

De Barra, no primeiro dia da turnê para Farafenni, e de Janjangbureh para Basse e em Foni, o presidente manteve suas promessas para as mulheres, prometendo um desenvolvimento de mudança de vida para elas, fornecendo-lhes mais apoio e capacitação. Isso, segundo ele está na reciprocidade de seu compromisso firme e honesto com ele e a realização de todas as suas iniciativas de desenvolvimento.

O Presidente Jammeh também se comprometeu a trazer iniciativas de desenvolvimento enorme em Kiang Ocidental antes de 2020; o cronograma para a realização do seu governo na Visão Incorporada para 2020.

Ele disse: "Pela graça de Deus, antes dos próximos cinco anos, a eletricidade será instalada a partir das cidades de Sankandi, Kemoto, Burong, Jali, Tankularr e Bankuling."

Migração irregular

Em quase todas as suas reuniões, o presidente Jammeh também alertou contra a vida e as perdas econômicas envolvidas na migração irregular para a Europa e outros países. Ele lembrou aos pais que não deve haver riquezas apenas quando pensam mandar seus filhos para viajar através do mar Mediterrâneo em viagens arriscadas.

Amadou Jallow por Musa & Ndow

#www.observer.gm

Senegal: Quebra de contrato - Os empregados da Agência Sul African Airways em Dakar estão pendurados na barra.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image
Quebra de contrato - Os empregados da Agência Sul African Airways em Dakar

A empresa sul-Africana denominada South African Airways está atravessando tempos difíceis. Após o cancelamento de sua filial senegalesa e os contratos de "rescisão unilateral e injusta", os trabalhadores, os empregados reagrupados no grupo de empregados-unidos em Dakar (Eusaad) decidiram arrastar a empresa para a barra e pedir a intervenção do Estado Senegalês. Isso é o que eles disseram em um comunicado recebido pelo Editorial Seneweb.


Acreditando que a empresa Sul-Africana brandiu "uma falsa aparência de razões econômicas" para se afastar de sua equipe em Dakar, o grupo acredita que o governo senegalês deve parar "esses abusos a que nenhuma empresa senegalesa estabelecida no exterior ousaria se aventurar. "


De acordo com os trabalhadores, o diretor comercial da sociedade, Sylvain Bosc em missão em Dakar em 2 de fevereiro, anunciou a intenção da agência de mudar os seus voos entre Dakar e Washington para Abidjan e Accra e servirá a capital senegalesa quatro vezes por semana via Libreville. O qual tem sido um fracasso total, tendo em conta os prazos.


Para os trabalhadores, é, na verdade, "uma transferência contínua de atividade para um GSA (agente de vendas geral), ou representação comercial, no qual uma franja de gestão teria interesse com a cumplicidade nacional: uma mão senegalesa cedida a estrangeiros para sacrificar seus próprios compatriotas. " Eles julgam inaceitável que uma multinacional líquida personalidade local e reimplementa,  ao mesmo tempo, uma qualquer outra forma de negócio sustentável e rentável, sem restrições.


Eles lamentam a falta de apoio do ministério de tutela e das autoridades aeroportuárias, e neste caso, depois que eles foram todos informados.


Por: Cheikhou Aidara para Seneweb.com

Total de visualizações de página