Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Colocação da primeira pedra do Centro Nacional de radioterapia / Sra Dominique Ouattara (primeira-dama da Costa do Marfim): "Este centro vai permitir que os pacientes tenham acesso a cuidados adequados na Costa do Marfim"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Cérémonie

Colocação da primeira pedra do Centro Nacional de radioterapia / Sra Dominique Ouattara (primeira-dama da Costa do Marfim): "Este centro vai permitir que os pacientes tenham acesso a cuidados adequados na Costa do Marfim. A cerimônia de colocar a pedra angular do centro de radioterapia nacional foi realizada nesta quarta-feira, 23 de setembro de 2015 no interior do Hospital Universitário de Cocody, na presença de uma platéia de personalidades, incluindo a primeira-dama da Costa do Marfim, a Sra Dominique Ouattara e várias autoridades diplomáticas. Em seu discurso deu um sorriso a muitos pacientes com câncer, a primeira-dama imediatamente indicou que a construção de um centro de radioterapia é um grande passo para a Costa do Marfim e fortalece a luta contra uma das as doenças mais temidas do mundo. Segundo ela, as populações que sofrem de câncer na Costa do Marfim e que não têm os meios para se curar dele devido ao seu alto custo no tratamento.

Portanto, ela continuou, "na minha qualidade de Presidente da Fundação das Crianças de África, eu sempre usei o meu coração para trazer alívio aos doentes e pobres ...". Pelo que eu acredito que este centro de radioterapia vai permitir que os pacientes tenham acesso ao atendimento adequado no local para evitar numerosas viagens ao exterior, cujos custos são geralmente muito onerosos.

Na passagem, a primeira-dama da República prestou homenagem ao Ministro da Saúde e da luta contra SIDA, o Dr. Raymonde GOUDOU Coffie e sua alteza Lala SALMA de Marrocos devido a seu compromisso contra esta doença que é extremamente perigosa . Por sua parte, o ministro da saúde e da luta contra SIDA, lembrou ao público que o câncer, o grande flagelo, constitui um importante problema de saúde pública que assola todo o mundo, especialmente na África e, particularmente, na Costa do Marfim. No entanto, considera que esta terrível doença, sem dúvida, diminuirá na Costa do Marfim. Dito isto, o Dr. Raymonde Coffie GOUDOU prestou homenagem ao Chefe de Estado Sua Excelência Alassane Ouattara e sua esposa, ao primeiro-ministro Daniel Kablan Duncan e ao Ministro de Estado, Amadou Gon Coulibaly Sir, o Secretário-Geral da Presidência todos e todos quantos contribuíram com a bagatela de 3 mil milhões de francos CFA que é registrado no orçamento de 2015 e 5000 milhões de CFA em 2016, o orçamento para a construção do primeiro centro de radioterapia na Costa do Marfim.

Antes de concluir a sua intervenção, o Ministro Raymonde Coffie GOUDOU e pediu às populações para se apropriarem do conceito "minha saúde, minha vida", ele disse que não é apenas um rótulo que deve ser associado a um ideal da vida, mas particularmente como se fosse um negócio de todos. Lembremo-nos que o lançamento da primeira pedra do centro de radioterapia nacional realmente foi feito pela primeira-dama, a senhora Dominique Ouattara acompanhada pelo Ministro Raymonde Coffie GOUDOU e várias outras celebridades do país.

#abidjan.net

Michel Kafando oficialmente reinstalado na Presidência do Burkina Faso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Precisamente uma semana após a sua destituição pelo Regimento da segurança presidencial, Michel Kafando reocupou as suas funções com o apoio da CEDEAO. O exército e a Guarda Presidencial (RSP) chegaram a acordo.
Burkina Faso Michel Kafando Staatspräsident hält Rede in Ouagadougou

A iminente ameaça de derramamento de sangue no Burkina Faso parece ter sido evitada. Os militares golpistas entregaram de novo o poder ao Presidente de transição. Michel Kafando anunciou na manhã desta quarta-feira (23.09) que retomou o poder no país, uma semana depois de um golpe de Estado realizado pela Guarda Presidencial do ex-Presidente Blaise Compaoré.
Visivelmente cansado, mas aliviado, Michel Kafando dirigiu, a partir do palácio, em Ouagadougou, uma mensagem aos seus concidadãos.

"Lutamos juntos no sofrimento e agora vamos triunfar juntos no momento da liberdade. Livre, retomo o cargo e a transição está de regresso. Recomeço imediatamente o exercício do poder do Estado", disse Kafando.
Burkina Faso Armeeeinheit am Flughafen Ouagadougou
Exército do Burkina Faso patrulhando Ouagadougou
Ao anunciar o restabelecimento do poder do Estado, Michel Kafando aproveitou para saudar todas as forças vivas do Burkina Faso, os partidos políticos, as organizações da sociedade civil e os sindicatos, entre outros, pela sua tenacidade e combate. De igual modo, dirigiu-se aos militares: “saúdo o nosso exército que enfrentou o desafio lançado pelos golpistas e que, com o seu amor próprio, foi em socorro do povo martirizado do Burkina Faso".

Exército e golpistas chegaram a acordo

Durante a noite de terça para quarta-feira (23/24.09), o exército regular burkinabé que tinha cercado a capital do país, chegou a um acordo com os militares liderados pelo general Gilbert Diendéré para a solução da crise desencadeada com o golpe militar do passado dia 17.

Os militares amotinados aceitaram permanecer nos seus quartéis e retirar as barricadas colocadas nas principais artérias da capital, enquanto as forças leais, unidades habitualmente estacionadas no interior do país que nos últimos dias cercaram a cidade, prometeram recuar até 50 km do perímetro de Ouagadougou e garantir a segurança da Guarda Presidencial (autora do golpe) e de seus familiares.

Chefes de Estado da CEDEAO em Ouagadougou
Kafando dirigiu a mensagem à nação burkinabé numa altura em que seis chefes de Estado da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) em representação da Nigéria, Niger, Togo, Gana, Benin e Senegal chegavam a Ouagadougou para observar o restabelecimento das autoridades de transição.

Sobre as últimas propostas da CEDEAO para a saída da crise, o Presidente de transição disse no seu discurso que “é evidente que as propostas só serão aceites se respeitarem a vontade do povo burkinabé expressa de forma muito clara na Carta da transição".
Rapper Smockey do Burkina Faso
No entanto, Ralf Wittek, diretor da representação no Burkina Faso da fundação alemã Hans Seidel, ligada à União Social Cristã (CSU) criticou a mediação da organização regional nesta crise. “Deve-se simplesmente ver os factos. Faz-se um golpe de Estado que coloca em perigo as conquistas democráticas realizadas desde outubro de 2014 e, em seguida, chega-se a acordo sobre alguns pontos que de qualquer maneira reforçam os rebeldes. Para mim, isso é ridículo e não é mais do que um insulto ao povo burkinabé".

Também para o rapper Smockey, um dos líderes do movimento "Le Balai Citoyen", o acordo negociado pelos mediadores da crise burkinabé é desumano e injusto. “Será necessário que todos aqueles que tenham cometido ou ordenado crimes contra os burkinabés sejam julgados. Caso contrário, é como se disséssemos ao mundo: podem matar, podem assassinar e disparar contra a população inocente, porque sairão ilesos desses crimes e, principalmente, poderão controlar o poder".

Eleições legislativas e presidencial atrasam com o golpe militar

A ação dos militares liderados por Diendéré foi um duro golpe na organização de eleições gerais previstas para outubro e que deveriam pôr fim ao período de transição desencadeado com a destituição do ex-presidente Blaise Compaoré, derrubado do poder por grandes manifestações populares em outubro de 2014.

Compaoré, no poder durante 27 anos, queria, contra a vontade dos burkinabés, modificar a Constituição do país para se manter no cargo presidencial.
Blaise Compaoré , ex-presidente do Burkina Faso derrubado em 2014 depois de 27 anos no poder
Entretanto, observadores notam que se o regresso ao poder de Kafando é algo já concretizado, contudo, os chefes de Estado da CEDEAO devem ainda solucionar algumas questões consideradas cruciais para a saída da crise, nomeadamente a questão da amnistia exigida pelos militares golpistas ou a responsabilização dos autores da morte de pelo menos 10 manifestantes e de dezenas de outros feridos numa semana.

Por outro lado, muitos se interrogam sobre qual será o futuro imediato da RSP, a Guarda Presidencial, que não é mais do que uma tropa de elite no seio do exército burkinabé. A sociedade civil e várias forças políticas exigem a sua dissolução.
#dw.de

GUINÉ-CONACRY: REALISMO POLÍTICO - Mousa Dadis Camará finalmente retirou-se da corrida ...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

'' Eu me retiro de todo o processo da eleição presidencial de 11 de outubro, contra a minha vontade. É incompreensível, dada a desvantagem ao meu retorno para casa, eu fui levado a tomar esta decisão muito difícil de tomar '', disse o ex-chefe da junta militar guineense e líder do partido das Forças Patrióticas para a Democracia e Desenvolvimento (FPDD), Moussa Dadis Camará nesta quarta-feira, 23 de setembro de 2015 a partir da capital burkinabé.



Esta declaração é uma maneira de o homem forte de 23 de dezembro de 2008 de anunciar a sua retirada do processo eleitoral na Guiné. Ele aproveitou a ocasião para exortar a seus militantes e simpatizantes a votar no candidato de sua escolha durante as eleições de 11 de Outubro.
O Presidente de transição de CNDD tem igualmente solicitado a seus apoiantes para pararem com a greve de fome e todas as outras marchas exigindo o seu regresso à Guiné. '' Eu dirijo um povo crente. Acreditamos que nada acontece aqui na terra sem a vontade divina. Se eu não pude voltar para casa depois de duas tentativas, é certamente porque o tempo de Deus ainda não chegou. Eu aconselho vocês a seguir a Deus e ao longo da história, '' disse ele.
Dadis está no exílio há cinco anos na capital de Burkina Faso por uma questão de convalescença, que não tem fim.
De Leon KOLIE para GCI
2015-GuineeConakry.Info

Total de visualizações de página