Postagem em destaque

Admissões do Senegal no GECF: Macky Sall afirma o compromisso do país com a indústria do gás.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O Presidente Macky Sall discursou este sábado no 7º Fórum dos Países...

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Celebrando o Dia Mandela, sem o ícone.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Celebrando o Dia Mandela na África do Sul, 18 de julho de 2014 FOTO | BBC

Povos de todo o mundo comemoram o Dia de Mandela, nesta sexta-feira pela primeira vez, desde a morte do líder icônico sul-Africano que morreu fazendo boas ações quando completava o seu 96 º aniversário.

Ao longo dos últimos cinco anos, um milhão de pessoas se voluntariaram por 67 minutos de seu tempo, em 18 de julho, para o bem comum e para marcar os 67 anos de ativismo de Nelson Mandela para a liberdade da África do Sul.

Mandela morreu em 5 de dezembro do ano passado aos 95 anos após permanecer longo tempo doente.

Dezenas de milhares de pranteadores, incluindo líderes mundiais, Frequentaram os serviços fúnebres que antecederam o seu funeral.

A chamada para fazer boas ações em seu nome começou em Joanesburgo e Nova York em 2009 e se expandiu para 126 países este ano.

Para o primeiro Dia de Mandela após a sua morte, ocorreram eventos em Paris, Nova York, Dallas, Londres, Edimburgo e Glasgow, enquanto um filme Retratando a sua vida foi exibido pela primeira vez na China.

Na África do Sul, as tarefas sugeridas para os cidadãos variou-se de limpeza de uma escola a adopção de um pinguim.

Jornais têm postado também como sugestões para voluntariado em orfanatos, doar livros para escolas ou cobertores para os desabrigados, ou ajudar a esterilizar gatos vadios.

O presidente Jacob Zuma chamou os sul-africanos a levar vassouras e esfregonas para ajudar a enfeitar seu país.

"Este ano, nós, decidimos homenagear a memória do Madiba através de uma campanha maciça 'Operação  de Limpeza para Madiba", disse ele, usando um nome tribal respeitoso como Consulte o primeiro presidente negro do país.

"Nós shoulds demonstramos o nosso amor por nosso belo país, limpando o nosso meio, juntos" - o que levou alguns resmungos de contribuintes reclamando que deveria ser o trabalho do governo.

Revele uma estátua

O próprio presidente Zuma participou de limpeza de uma escola em Mvezo, no Cabo Oriental, a aldeia onde Mandela nasceu em 18 julho de 1918.

Ele foi então movido a revelar uma estátua do herói da libertação.

Outro tema para este ano é a segurança alimentar em um país onde um quarto da população passa fome.

Cidadão grupo ativista LeadSA encorajando os sul-africanos a plantar hortas e doar comida em regime de alimentação "no verdadeiro espírito de cidadania activa."

E em um país notório por altas taxas de criminalidade, uma pessoa estranha oferece um curso de 67 minutos em auto-defesa.

Entre as homenagens internacionais, Google Homenageou Mandela através das TIC do famoso logotipo, enquanto em Glasgow, sua neta Tukwini Mandela foi a convidada de honra em uma cerimônia em memória de seu avô.

Mandela passou 27 anos na prisão insistindo na sua luta contra o regime de minoria branca, no final perdoou seus opressores quando o regime do apartheid terminou com eleições livres em 1994.

Sua ação pela Reconciliação dividido ao povo de seu país lhe rendeu o respeito mundial e o prêmio Nobel da Paz.

"Sua compaixão eficaz e extraordinários pelos 27 anos de prisão mostrou que os direitos humanos e a igualdade são mais fortes do que a discriminação e ódio", disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon No início desta semana.

Nos dias que antecederam o Dia Mandela em 18 de julho, as pessoas foram instadas a pedir a amigos e colegas para postar fotos de suas boas ações em mídias sociais.

Os políticos têm em si capitalizado sobre o evento para polir sua própria imagem, anunciando onde eles arregaçariam as mangas na esperança da cobertura da mídia.

# africareview.com

Mais de 100 especialistas em Aids estavam no voo da Malaysia Airlines.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O avião da Malaysia Airlines caiu quando fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur com 298 pessoas a bordo.
O avião da Malaysia Airlines caiu quando fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur com 298 pessoas a bordo.
REUTERS/Edgar Su.

Um grupo com 108 pesquisadores e ativistas em luta contra a Aids estavam a bordo do voo MH17, que caiu na noite de quinta-feira (17) no leste da Ucrânia. As vítimas, entre elas um dos porta-vozes da Organização Mundial da Saúde (OMS), Glenn Thomas, iam para uma conferência sobre o tema organizada pelas Nações Unidas em Melbourne, na Austrália.

A Malaysia Airlines ainda não confirmou a lista dos passageiros, mas a imprensa australiana informou que 108 pessoas que estavam sendo esperadas para a 20ª Conferência internacional sobre Aids estavam no avião que caiu no leste ucraniano. O evento acontece de 20 a 25 de julho. Em seu site, a OMS diz sentir muito pela perda “de um de seus colegas, Glenn Thomas, que estava a bordo do avião da Malaysia Airlines”. Ex-jornalista da BBC, Thomas era especializado em temas ligados à saúde pública antes de integrar a organização. O diretor da Unaids, Michael Sidibe, postou uma mensagem no Twitter na qual se refere às vítimas do acidentes, “muitas delas a caminho da conferência”.
Além do porta-voz da OMS, o pesquisador holandês Joep Lange faz parte da lista dos participantes do evento que estariam no voo MH17. Médico e ativista na luta contra a doença há mais de 30 anos, ele presidiu a International AIDS Society (IAS) entre 2002 e 2004. Em 2001, ele criou o projeto "PharmAccess Foundation", uma organização sem fins lucrativos baseada em Amsterdã, que devenvolvia programas de acesso a terapias antirretrovirais nos países em desenvolvimento.
O avião da Malaysia Airlines caiu quando fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur com 298 pessoas. Segundo a última lista fornecida pela Malaysia Airlines na manhã desta sexta-feira, a aeronave transportava 154 holandeses, 43 malaios, incluindo os 15 integrantes da tripulação, 27 australianos, 12 indonésios, 9 britânicos, 4 alemães, 5 belgas, 3 filipinos e um canadense. A nacionalidades dos demais passageiros ainda está sendo verificada. A hipótese de que a aeronave pode ter sido atingida por um míssil lançado por rebeldes pró-Rússia é a mais provávels, segundo o serviço de inteligência dos Estados Unidos.
Em uma entrevista coletiva em Haia na tarde desta sexta-feira, o ministro holandês da Justiça, Ivo Opstelten, disse que o aparelho foi “provavelmente derrubado”. A Holanda enviou uma equipe de investigadores para a Ucrânia.

# RFI.FR

Total de visualizações de página