Postagem em destaque

Veículo robótico russo pode destruir facilmente tanques de Leopard e Abrams.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A versão de combate do veículo robótico russo Marker será capaz de d...

domingo, 7 de junho de 2015

Dirigentes do G7: vocês querem realmente por em perigo a vossa parceria com África - Por Ellen Johnson Sirleaf ( Presidente da Libéria )

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Ellen Johnson Sirleaf da Libéria

Por quinze anos, uma parceria global para o financiamento do desenvolvimento tem gerado resultados notáveis ​​em África. No entanto, esta parceria está agora seriamente comprometida.

Segunda-feira, durante a minha reunião com os líderes do G7, ao lado de outros chefes de Estado africanos, eu desejaria que nós aproveitássemos esta rara oportunidade para remediar esta situação com urgência. Desde 2000, 100 bilhões de dólares em cancelamento da dívida foram concedidos aos países africanos, e assistência financeira à região mais do que dobrou.

Durante o mesmo período, os recursos nacionais africanos dedicados ao desenvolvimento mais do que quadruplicou. Este financiamento, acompanhado por uma forte mobilização local, teve um impacto significativo.

A pobreza extrema diminuiu

Na Libéria, a mortalidade infantil foi reduzida em dois terços, e é o mesmo em muitos outros países. Em todo o continente, um milhão de crianças ao menos morrem todos os anos de doenças evitáveis. Milhões de meninas vão à escola. Nove milhões de africanos têm agora acesso a medicamentos anti-retrovirais para salvar suas vidas. O crescimento económico acelerou, milhões de pessoas têm encontrado empregos, e a extrema pobreza está em declínio.

Em poucas semanas, as nações do mundo vão se reunir em Addis Abeba para decidir a melhor maneira de renovar esta parceria de financiamento. Mas muito poucos levarão este assunto a sério o suficiente e podemos estar perdendo uma oportunidade histórica para reforçar esta dinâmica.

As apostas são altas. Tomemos o caso da Libéria, por exemplo, enquanto nós temos feito enormes progressos, ainda nos situamos como um dos países mais pobres do mundo e nós temos tão pouco recursos financeiros. Nós produzimos os melhores resultados possíveis com os meios à nossa disposição. Mas isso não é suficiente.

Embora os doadores aumentaram o seu financiamento nos últimos anos, a sua contribuição total representa apenas 0,3% da sua riqueza nacional. É crucial que os doadores estão mais perto do objetivo internacional, levou um longo tempo, apenas 0,7% do rendimento nacional bruto destinado à ajuda ao desenvolvimento.

Os países menos desenvolvidos devem receber metade da ajuda, e a maior parte desta ajuda deve ir para os países mais pobres do mundo, os países menos desenvolvidos. Atualmente, ao contrário do que certamente pensam os contribuintes do mundo desenvolvido, menos de um terço da ajuda internacional é concedida a estes países. Eles devem receber metade. Países como a Libéria precisa deste apoio e fazer o seu bom uso.

É claro que, a ajuda é apenas um elemento desta parceria. Os países em desenvolvimento também devem comprometer-se a aumentar as suas receitas fiscais na medida do possível, com o objectivo de melhoria de cerca de 20% do PIB para os países menos desenvolvidos. Uma meta que devemos estar mais perto de atingir até metade de 2020. Desde que nossas economias estejam crescendo, aumentando os recursos internos que devem seguir de mãos dadas.

Combater a corrupção e fuga de capitais ilícitos

Para atingir esse objetivo, devemos investir na modernização da arrecadação de impostos, reduzir a corrupção, a cooperação com nossos parceiros globais para conter a fuga de capitais ilícitos e tomar medidas contra a evasão fiscal.

Se os doadores e os países menos desenvolvidos fazem cada um a sua parte, podemos aumentar o financiamento para os serviços essenciais para 300 dólares, ao menos por pessoa, por ano para os países mais pobres, o mínimo para satisfazer as necessidades básicas dos nossos cidadãos.

Estes fundos devem ser cuidadosamente orientados para onde nós achamos que terão o maior impacto. Muitos exemplos sugerem que o melhor investimento é o que é feito a favor das mulheres e das meninas porque tem um impacto sobre toda a sociedade.

Prioridades para a agricultura e energia

A parceria para o desenvolvimento também deve fazer um maior uso do investimento público e privado em África, particularmente em infra-estrutura rural, agricultura e energia, para criar novas oportunidades econômicas, onde muitas das pessoas mais pobres do mundo vivem de pequenas explorações agrícolas.

Enfim, como argumentou o filantropo e empresário Mo Ibrahim e bem os outros, temos de assegurar que esta nova parceria deve ser reforçada através de uma maior transparência e melhor acesso aos donativos informando sobre o que funciona ou não. Uma  revolução dos  donativos é necessária para garantir que a ajuda chegue àqueles que mais precisam.

África terá em breve 40% dos jovens do mundo o que pode ser um motor para a economia mundial ou um verdadeiro barril de pólvora.
Assim como as ONGs internacionais que lutam contra a extrema pobreza, ELAS argumentaram em seu relatórios de dados recentes, que todos estes passos podem e devem estar no centro deste parceria de financiamento, um pré-requisitos para alcançar os novos objectivos de desenvolvimento sustentável que será descutida em Nova York em setembro. Os riscos não poderiam ser mais cruciais.

África terá em breve 40% dos jovens do mundo, uma geração empreendedora que pode ser um motor para a economia regional e global ou um barril de pólvora real se ao menos ela souber da pilhagem de recursos, do desemprego e de governos frágeis.

Estes jovens querem construir o futuro de África e garantir que os seus maiores líderes busquem o progresso. Devemos ouvi-los e colocá-los no centro desta renovada parceria global para o financiamento de um desenvolvimento inteligente. O tempo é curto. Temos de agir agora.

Presidente Ellen Johnson Sirleaf da Libéria

#seneweb.com

Portugal: Heloísa Apolónia confrontou Passos Coelho.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A Deputada os Verdes, Heloísa Apolónia, confrontou o Primeiro Ministro, hoje, no Parlamento, com um conjunto de matérias em torno da sustentabilidade da segurança social, do corte de pensões e do ambiente.

Na sua primeira intervenção, a Deputada ecologista recordou as promessas falhadas do Governo, de não cortar impostos nem salários. Apontou , ainda, os maus resultados obtidos com as políticas desta maioria, como o aumento da dívida, da emigração, das desigualdades sociais, os cortes na área da saúde e a sustentabilidade da segurança social.

Heloísa Apolónia centrou a segunda intervenção em matérias ambientais e afirmou que, para Os Verdes, Dia Mundial do Ambiente são todos os dias do ano. Acusou, ainda, o Governo de cometer erros ambientais crassos - como os cortes na função pública que levaram à fragilização da vigilância em áreas protegidas e de segurança marítima, o aumento do despovoamento do mundo rural decorrente do encerramento de serviços públicos, a liberalização do eucalipto, a apoio aos OGM, a privatização da EGF e a intenção de vir a privatizar a água - e termina com a afirmação: "Ambiente não é conversa, é ação!".

As intervenções de hoje, Dia Mundial do Ambiente, da Deputada Heloísa Apolónia, podem ser vistas em :https://youtu.be/hPAS2xWMKQI (1ªintervenção) https://youtu.be/vljPOgHimlE (2ªintervenção).- Veja mais em: http://port.pravda.ru/news/russa/07-06-2015/38828-heloisa_apolonia 0/#sthash.1eYC4l2i.dpuf

#pravda.ru

CUBA: TIC e seu impacto nas relações internacionais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Autor:  | internet@granma.cu
Convocada pelo Ministério das Relações Exteriores, esta segunda reunião contará com a presença de delegações de cerca de 30 países.


HAVANA.— A Segunda Conferência Internacional Novos Cenários de comunicação política no âmbito digital 2015, começa suas sessões a partir de hoje, 5 de junho, até o dia 7, no Palácio das Convenções, em Havana.
O evento, organizado pelo Ministério das Relações Exteriores irá acolher especialistas de cerca de 30 países e organizações internacionais. Também está enquadrado no 10º aniversário do processo de seguimento da Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação.
Esta conferência internacional procura discutir o desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação (TICs) e seu impacto no sistema das relações internacionais, bem como a comunicação política no âmbito digital.
Também tem a intenção de fazer recomendações sobre questões cardinais em nível global e regional, como soberania tecnológica e cultural das nações, governança, segurança cibernética e Internet, entre outros.
A principal rótulo com o qual vai poder ser vista na Internet uma parte das informações sobre a Conferência é: # TIChabana2015.

Blatter, Mbeki "discutidos" os 10 milhões de dólares em negócio da Copa do Mundo: o relatório.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


campanha de 2010 foi liderada pelo falecido presidente Nelson Mandela e ex-presidente Thabo Mbeki. FOTO | AFP

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, e o então presidente sul-Africano Thabo Mbeki discutiram sobre os US $ 10 milhões que acabaram nas mãos de funcionários corruptos da FIFA, de acordo com um e-mail em 2007, publicado no domingo por um jornal sul-Africano.

Sunday Times da África do Sul publicou um e-mail datado de 7 de dezembro de 2007, a partir do secretário-geral da FIFA Jerome Valcke, perguntando quando o dinheiro seria transferido.

O e-mail foi dirigida ao então vice-ministro de finanças da África do Sul, Jabu Moleketi.

"Eu gostaria de saber quando a transferência pode ser feita", disse Valcke, sem mencionar os $ 10 milhões, mas referindo-se a uma carta anterior.

"Isto é baseado na discussão (sic) entre a FIFA e o governo Sul-Africano e também entre o nosso presidente (Blatter) e ... Presidente Mbeki", disse Valcke no e-mail.

O porta-voz de Mbeki Mukoni Ratshitanga se recusou a comentar se houve uma discussão entre o ex-presidente e Blatter.

Em vez disso, ele enviou à AFP um comunicado do ex-presidente emitido em 29 de maio refutando as alegações de suborno.

"Nada mudou depois dessa declaração. A posição do ex-presidente Mbeki é aquela que está contida nessa declaração", disse Ratshitanga.

Na declaração no mês passado, Mbeki disse que não tinha conhecimento de "qualquer pessoa que solicitou um suborno ao governo com o propósito de nosso país ter obtido o direito de sediar a Copa do Mundo."

Relatos da mídia sul-Africana, na semana passada, refiriram-se a Mbeki e ao ex-ministro dos Negócios Estrangeiros, Nkosazana Dlamini-Zuma, que é agora o presidente da Comissão da União Africano, eles haviam aprovado o pagamento porque eles acreditavam que era para um projeto de desenvolvimento do futebol legítimo no Caribe.

O pagamento Sul Africano, em 2008, foi feito através da FIFA e foi para uma conta controlada por Jack Warner, ex-vice-presidente desonrado da FIFA no Caribe procurado pelas autoridades americanas por aceitar subornos.

Mas os investigadores norte-americanos acreditam que o pagamento foi um suborno para comprar votos para a sua candidatura à Copa do Mundo.


Blatter está deixando o cargo e seu emprego na sequência do escândalo.

#africareview.com

Total de visualizações de página