Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

sábado, 7 de novembro de 2015

Fantasmas: A dura vida dos segundos filhos na China.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

As crianças nascidas fora da política do filho único cresceram sem direito a estudo, saúde pública e trabalhos formais.
Li Xue sentada com sua irmã Li Bin (direita) e sua mãe Bai Xiuling (esquerda)
Li Xue sentada com sua irmã Li Bin (direita) e sua mãe Bai Xiuling (esquerda)(VEJA.com/AFP) 

Dados de 2010 revelam que cerca de 13 milhões de pessoas na China vivem à margem da sociedade, sem registros e documentos e sem poder frequentar escolas e hospitais. São os 'chineses fantasmas', filhos de família que foram concebidos desrespeitando a política do filho único. É o caso de Li Xue, uma mulher de 22 anos entrevistada pela agência France-Presse. Ela não existe para o Estado chinês, além de não ter direito a estudar, não pode usar transporte público ou ser empregada formalmente. Os pais de Li já tinham uma filha quando sua mãe engravidou por acidente. Na época, ambos estavam doentes por seus trabalhos como operários e a mãe estava muito fraca para um aborto. 

"Faça o que for, estou bloqueada. Não há nada na China que prove que existo", contou a moça. As famílias que violavam a lei deveriam pagar uma taxa de manutenção social para legalizar seus filhos e garantir o "hukou", a permissão indispensável para ter uma vida de cidadania e direitos no país. Para Li, as autoridades pediram uma taxa de 5.000 yuan, ou 3.000 reais - um valor muito acima do que seus pais, que recebem 100 yuan (60 reais) por mês, podem arcar. 

A irmã de Li, Li Bin, oito anos mais velha, a ensinou a ler e escrever. Mas enquanto as outras crianças de sua idade iam à escola, ela passava seus dias em frente ao prédio do governo, onde pedia ajuda junto a seus pais. Contudo, seus esforços foram em vão. A família denunciou à AFP que foi vigiada pela polícia durante uma década, e, além disso, seus foram espancados diversas vezes, e em uma delas ficaram presos à cama por dois meses. 

Pequim anunciou na semana passada o fim da política do filho único, que durou 35 anos. Agora, os casais podem ter até dois filhos. Em algumas áreas da China, as autoridades prometeram conceder o "hukou" as pessoas que não pagaram a taxa. A AFP falou com um funcionário da delegacia local onde a família de Li vive, e ele afirmou que "se Li vier nos ver, daremos o hukou para ela". 

"Nos últimos 22 anos, eu vi como o governo prometia isto e aquilo, mas nada mudava", afirmou Li. Hoje, a jovem trabalha em um restaurante cujo patrão aceitou fechar os olhos para sua situação. "Essa é a primeira vez que sou julgada pelas minhas competências e não por meu status". É magnífico", conta. 

(Da redação)

Chamada para vigilância em como Serra Leoa declarou estar livre de Ebola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente da Serra Leoa Ernest Bai Koroma. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

A Serra Leoa foi declarada livre do vírus da doença Ebola em uma cerimônia simbólica em Freetown.

O representante da Organização Mundial de Saúde no País, o Dr. Anders Nordstrom, fez o pronunciamento como parte de um breve comunicado.

"Hoje, 7 de novembro de 2015, a Organização Mundial de Saúde declara o fim do surto de Ebola na Serra Leoa", declarou ele, em meio aos aplausos na sala de conferências do Hotel Bintumani em Aberdeen, na zona turística no extremo oeste de Freetown.

A ocasião foi agraciada pelo Presidente Ernest Bai Koroma e seus ministros, representantes da comunidade diplomática e as agências de ajuda, que ajudaram a Serra Leoa a combater a doença mortal que infectou mais de 8.000 pessoas e matou cerca de 4.000.

A declaração neste sábado veio depois de Serra Leoa ultrapassar 42 dias a meia-noite de sexta-feira sem a gravação de um novo caso da doença, de acordo com a recomendação da OMS.

O representante da OMS também declarou 90 dias de fase da "vigilância reforçada" a partir de sábado, e disse que a presença reforçada da equipe anti-Ebola da agência mundial de saúde seria mantida para monitorizar a situação.

O Presidente Koroma, no seu discurso, falou sobre um "novo começo" na abordagem ao estilo de vida, advertindo contra as práticas tradicionais e culturais que tiveram de ser interrompidas durante a epidemia.

Os trabalhadores da saúde

Ele elogiou o heroísmo dos trabalhadores de saúde, por causa de quem, segundo ele, o país teria prevalecido ainda sob "o vírus do mal".
Em sua honra, o presidente declarou 18 de novembro como 'Dia de Reconhecimento de Ebola em resposta aos Trabalhadores.

E 21 de novembro foi declarado o "Dia Nacional de Ação de Graças".

O Presidente Koroma também fez elogios a Serra Leoa, em geral, pelo seu esforço colectivo em acabar com a epidemia.

Com seus esforços, disse ele, o mundo teria aprendido mais a lidar com Ebola e estão em melhor posição para responder a um surto futuro.

O Presidente Koroma disse que prevê começar uma discussão com o parlamento para acabar com o estado de emergência declarado no auge da epidemia.

Mas ele pediu vigilância.

"A história do Ebola em outros países nos ensinou que devemos estar atentos para as ocorrências futuro", disse ele.

Para ser enterrado

Por causa disso, acrescentou, alguns dos sistemas de saúde postas em prática seriam mantidos.

Crucialmente, a Política de enterro seguro e digno que exigia que todos os mortos, independentemente da causa, devem ser enterrados por uma equipes designada, isso foi relaxado. Vai agora ser executado apenas em casos suspeitos, declarou o presidente.

Celebração de sábado começou na sexta-feira à noite com o Presidente Koroma presidindo uma contagem regressiva especial nos escritórios do Centro Nacional em Resposta ao Ebola (NERC), onde foi dado a sua última atualização sobre a situação da epidemia.

Eles estavam todos sorridentes e com abraços, quando a contagem regressiva final foi feita.

E lá na árvore do "Cotton" icónico no centro de Freetown, na entrada principal da State House, celebrações selvagens acompanharam a chegada da meia-noite. Mulheres tinham se reunido lá para uma vigília para lembrar os mais de 200 profissionais de saúde mortos cujos nomes foram chamados um por um.

Os países doadores

Outras celebrações estavam em curso em todo o país para marcar o dia.

Em meio ao júbilo, no entanto, houve avisos das autoridades de que a declaração não significa o fim do Ebola.

A preocupação era sobre a ameaça representada por sobreviventes e os animais selvagens, mas mais ainda, sobre a situação na vizinha Guiné-Conacry, que ainda estava contraindo novos casos da doença, "um motivo de otimismo cauteloso", disse o ministro da Saúde Abubakarr Fofanah.

O Diplomata do Reino Unido com foco em Ebola, o Sr. Marshall Elliot, falou em nome dos países doadores.

Ele alertou para a probabilidade de reincidência do vírus e apelou para o reforço do sistema de saúde.

#africareview.com

Costa do Marfim: O milagre económico da castanha de caju.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O Presidente Alassane Outtara, que tomou posse esta semana (03.11) para um segundo mandato, presidiu a um enorme crescimento económico nos últimos anos. Mas será que todos estão a beneficiar do "boom" económico?
Lassina Kamagate está a aparar árvores e a arrancar ervas daninhas como método de preparação para a próxima colheita. A época passada não podia ter sido melhor – diz Lassina Kamagate. O agricultor, pai de sete filhos, espera que, este ano, a produção de caju seja ainda melhor.
"No ano passado, os preços duplicaram. Estão constantemente a subir. É um bom negócio. Os preços e a produção aumentaram bastante. Com o passar dos anos, os cajueiros conseguem suportar cada vez mais frutos."
Kamagate fundou uma cooperativa com outros agricultores na localidade de Tiénigboué, no coração da Costa do Marfim. A empresa Olam é o maior cliente da cooperativa. E é também o maior exportador de castanha de caju do país. Segundo Daouda Diomande, um dos responsáveis da Olam: "A concorrência é cada vez maior. O negócio floresce e, por isso, a concorrência aumenta. Mas a nossa relação com os agricultores não é só de negócio, é uma parceria. Fora da época, também os apoiamos e damos formação."

O Presidente Alassane Ouattara é parcialmente creditado com o "boom" económico do seu país
A castanha de caju é processada na cidade de Bouaké: só aqui, são processadas 90 toneladas por dia, o dobro de há três anos atrás. Nos últimos anos, a Costa do Marfim tornou-se um dos maiores produtores do mundo. E não obstante a crise que estalou depois as eleições de 2010, a multinacional agrícola Olam investiu milhões no país e criou cerca de 2.000 empregos.
"Boom" económico
Mas o negócio do caju é apenas um exemplo do "boom" económico na Costa do Marfim. O Presidente Alassane Ouattara convenceu os investidores estrangeiros a apostar no país e a construir infraestruturas. Isto, apesar de a Costa do Marfim ter vivido momentos de grande instabilidade durante a crise de 2010-2011, quando o ex-Presidente Laurent Gbagbo recusou aceitar a vitória de Ouattara. Mais de 3.000 pessoas morreram em confrontos pós-eleitorais.
Especificamente nos últimos três anos, a economia cresceu entre sete e dez por cento - e os investidores continuam a aparecer. O mercado para leite de castanhas-caju - um substitudo do leite animal - está a crescer rapidamente nos EUA e na Europa. Mas apesar das muitas melhorias, o chefe da Fundação alemã Friedrich-Ebert na Costa do Marfim, Martin Johr, diz que o governo deve ter cuidado.

"Uma das tarefas principais do Governo será, certamente, garantir que este é um crescimento económico inclusivo - assegurar que os trabalhadores precários ou os desempregados não ficam de fora. Não é isso que tem acontecido nos últimos 3 a 4 anos. E isso põe em perigo a estabilidade social."
Na cooperativa em Tiénigboué ninguém está particularmente preocupado com a estabilidade social. Na colheita passada, o agricultor Lassina Kamagate ganhou mais de 1800 euros - só com caju e no espaço de três meses. Isto, num país onde quase metade da população recebe menos de 250 euros por ano.
#dw.de

Total de visualizações de página