Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 29 de junho de 2016

SENEGAL: A MENSAGEM DE WADE PARA O PRESIDENTE MACKY SALL E O FILHO KARIM.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

Wade ficou satisfeito com a libertação de seu filho Karim Wade, mas considera "espúrias"  as "razões humanitárias" invocadas para justificar a libertação de seu filho. A acreditar, que existiam no momento da eclosão do processo que conduziu à prisão de seu filho e sua condenação a seis anos de prisão.
De acordo com The Observer desta quarta-feira, o ex-chefe do Estado se abriu a um dos seus próximos: "Todas as razões avançadas hoje são concernentes ao momento onde eles tinham elaborado inteligentemente e planejado seus planos políticos para ferir a minha família e todos aqueles que estiveram perto de mim. Mas também à destruição do partido. Apesar disso, eles continuarão o progresso de seus planos e levando-os para projeto de longo prazo. "

"As razões avançaçadas" em questão? A idade do pai de Karim, a morte de sua esposa, suas filhas, a intervenção de líderes religiosos ... Para Wade, não há nada de novo sob o sol. "Devemos parar de iludir senegaleses. Entendemos tudo, ele martelou segundo L'Observateur. Macky Sall tem de dizer aos seus compatriotas os reais motivos que o levaram a pedir a libertação de Karim. Deus é o melhor dos juízes e Sua justiça, a melhor e a única que é eterna. O futuro nós edificaremos. "

Wade não deixou de enviar uma mensagem para Karim, que voou para Qatar no dia da sua libertação, na noite de quinta-feira para sexta-feira. Segundo o jornal "Groupe Futur Média", o antecessor de Macky Sall fez muito elogios ao seu filho: "Karim, eu acho que te conheço melhor que agora.
Eu estava admirando a sua fé profunda e sinto-me orgulhoso da grande dignidade que você demonstrou. Seu comportamento nos confortou, à sua mãe, SIndjély e eu. Ter dedicação e sempre conscientes do dever dos senegaleses para com a sua causa e a de seus companheiros do infortúnio. Coragem, o caminho ainda é longo. Permaneça forte. "

#seneweb.com

Libéria: Michelle Obama promete US $ 27milhões para mulheres e meninas liberianas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama anunciou um suporte no valor de $ 27 milhões para as meninas rurais e para educação das mulheres na Libéria, informou a imprensa.

A mídia local disse que a Sra Obama fez a promessa no final da sua visita de um dia inteiro a Libéria nesta segunda-feira.

O dinheiro será fornecido pela USAID para os Voluntários dos EUA Peace Corps, dando início a programas de educação para as meninas no âmbito do apoio as meninas pelo chamado - Leading Our World (GLOW).

Violência baseada no tratamento com gênero feminino

Michelle Obama foi citada como quem proferiu que esse montante foi concebido para proporcionar educação de qualidade para as meninas rurais e mulheres no período seguido ao pós-Ebola na Libéria.

Parte do dinheiro também será usado para ajudar a combater a violência ao gênero feminino.

"Sinto-me e conheço as restrições que as mulheres e meninas estão enfrentando em todo o mundo, e eu vou sempre e gosto de viajar com as minhas duas filhas e minha mãe ao encontro delas," Disse a Sra. Obama..

Ela expressou lamentações de que cerca de 62 milhões de meninas em todo o mundo não estavam na escola.

O sofrimento

"Como podemos sentar-mo-nos nos Estados Unidos com todos os recursos e não atender às necessidades educacionais que as mulheres e meninas sofrem?", Perguntou ela.

A primeira-dama dos EUA insistiu que "temos de mudar essa cultura de que as meninas não devem ir para escolas superiores", e exortou os jovens a prosseguirem o ensino secundário e universitário.

#afrcareview.com

Guiné-Bissau: Ministério das Finanças no Retrovisor Esquerdo – Parte 1

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O Ministério das finanças (MF) é a instituição da República responsável pela política fiscal e orçamentária. Ele é quem elabora o Orçamento Geral do Estado a fim de ser anualmente submetido à Assembleia Nacional Popular (ANP) para a discussão, aprovação ou reprovação. MF também vela pelo respeito e cumprimento das regras e procedimentos sobre a arrecadação e receitas provenientes de impostos sobre os lucros de empresas; impostos sobre os rendimentos de funcionários/trabalhadores públicos e, quando praticadas no país, o MF é o responsável pela cobrança de taxas de bens e serviços para o consumo final.
Adulai Djaló "Lai" (Canada) | wyado@hotmail.com
Por Adulai Djaló “Lai” (Canadá) | wyado@hotmail.com
Grosso modo, o Ministério das finanças é o garante de fundo de funcionamento das instituições do Estado.
No “volante” do Ministério das Finanças da Guiné-Bissau como condutor, no último ano e meio, aproximativamente, esteve Geraldo J. Martins. Ele, consciente ou inconscientemente das suas responsabilidades como gestor da pasta de Finanças, não deu conta que haviam muitos observadores na mira do retrovisor esquerdo da viatura que ele conduzia sob à alçada do Domingos S. Pereira e, após a exoneração deste último, sob o comando mitigado de Carlos Correia na chefia do governo guineense.
Não fosse as últimas decisões do FMI em alertar sobre a possibilidade do cancelamento de todas as ajudas/facilidades prometidas à Guiné-Bissau e o comentário sobre esse assunto feito pelo próprio ex-titular da pasta da Economia e Finanças, não julgaríamos pertinente produzir e partilhar o conteúdo do presente artigo de opinião neste preciso momento. Mas, o dever e a responsabilidade cidadã assim exige!
O facto de existir uma abundante documentação sobre a temática do título em epígrafo, somos obrigados a dividir esta abordagem, no que tange à prática de gestão das Finanças públicas do país, em partes. Nesta primeira parte (parte 1), vamos cingir, essencialmente, no imbróglio entre o FMI e o Ministério das Finanças, na pessoa do seu ex-ministro, Geraldo J. Martins.
Após uma leitura e análise minuciosa dos documentos do FMI/Banco Mundial em minha posse, tive o prazer de compilar certas informações que classificarei, nesta primeira fase deste trabalho, a começar pelo «Apontamento A».
APONTAMENTO A
O FMI, através do seu represenante, Senhor Oscar Malhado, no artigo de 3 de junho 2016 , intitulado “IMF HALTS PAYMENTS TO GUINEA-BISSAU OVER BANK BAILOUTS-IMF OFFICIAL,” fez chegar ao grande público nacional e internacional as seguintes revelações preocupantes e comprometedoras sobre o futuro económico e financeiro da Guiné-Bissau:
The International Monetary Fund (IMF) will withhold future payments under its program with Guinea-Bissau unless the government backtracks on loan bailouts for two private banks, the institution’s country representative said.
Donors have also suspended budget support equal to 2.1 percent of GDP for this year, Oscar Melhado told Reuters by email. Total donor contributions, including direct budget support and financing for targeted sectors and projects, typically make up around 80 percent of the budget.
The tiny West African nation, which has been mired in a months-long political crisis, must submit a new 2016 budget factoring in this lost budget support before IMF payments resume.
“The IMF will not disburse any outstanding credit tranches as previously envisaged,” Melhado said.
Last year the government rejected IMF advice and paid 34 billion CFA francs ($57.81 million), 5.5 percent of GDP, for bad loans off Banco da Africa Ocidental and Banco da União.
A former prime minister who oversaw the deal told Reuters it was necessary to avoid bankrupting the private sector. (…)
“The costly bank bailouts benefit the wealthiest people in the country and wealthy foreign shareholders, and come at the expense of urgently needed projects to improve the infrastructure and to reduce poverty,” Melhado said. (…) “The State has asked the courts to cancel the contracts,” Bakari Biaii, the magistrate handled the investigation, told Reuters. “We are awaiting the response.”  (…) The bailouts occurred under former prime-minister Domingos Simoes Pereira and Carlos Correia. Pereira told Reuters they had been proposed by a previous transitional government and had been approved with a view to helping Guinea-Bissau’s fragile recovery.
“We cannot allow the private sector as a whole to go into bankruptcy,” he said. “Our reasoning was logical, but, yes, it goes against the agreement that was set out by the IMF.”
Correia could not immediately be reached for comment. (…) Without the IMF payments, this year’s budgetary shortfall will climb to 3.1 percent of GDP, the IMF’s Melhado said.
Resumindo, o texto em inglês diz o seguinte:
O senhor Oscar Malhado informa que se o governo de Domingos S. Pereira não recuar no que concerne aos empréstimos mal parados junto aos bancos privados, o FMI vai reter os pagamentos contemplados no programa com a Guiné-Bissau. O mesmo Senhor, através de correio electrónico pessoal, adianta a notícia de suspenção de apoio orçamental à Guiné-Bissau no equivalente de 2.1 % do PIB pelos doadores e que a pequena Nação oeste Africana é obrigada a apresentar um novo orçamento para o ano 2016. O FMI não desbloqueará nenhuma tranche de crédito sem que as condiçoes acima referenciadas sejam respeitadas.
No ano transato, o governo rejeitou o conselho do FMI e pagou os “maus” empréstimos junto ao Banco da África Ocidental e ao Banco da União num montante de 34 bilhoes de franco CFA, correspondente a 57.81 milhões de dólares, 5.5% do PIB.
Justificando a tal prática, o ex-primeiro ministro Domingos Simões Pereira argumenta que a decisão era necessária para evitar a falência do sector privado.
Esse argumento foi descartado pelo representante do FMI dizendo que as decisões de Domingos Simoes Pereira e de Carlos Correia apenas beneficiaram aos mais ricos e aos investidores estrangeiros, negligenciando a construção de infraestruturas e a redução da pobreza.
[Fim do apontamento A].

GUINÉ-BISSAU: BOAD CONCEDE EMPRÉSTIMO NO TOTAL DE 30 MIL MILHÕES DE FRANCOS CFA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Texto traduzido

BOAD) - Mr. Christian ADOVELANDE, presidente do Banco Oeste Africano de Desenvolvimento (BOAD), e Henrique Horta DOS SANTOS, Ministro da Economia e Finanças da Guiné-Bissau, assinado três contratos de empréstimo por um total de FCFA 30 mil milhões para a primeira fase do desenvolvimento e asfaltagem da estrada Buba-Catió, e o projecto de interconexão eléctrica dos estados membros da Organização para o desenvolvimento do rio Gâmbia (OMVG ).

O objectivo global do desenvolvimento e asfaltagem da via Buba-Catió é abrir a região sul da Guiné-Bissau e facilitar as trocas económicas e sociais, aos níveis nacional e sub-regional. BOAD acompanha a sua execução com um empréstimo de 5 mil milhões de francos CFA, ou quase 90% do custo total.

Em relação aos membros do projecto de interconexão eléctrica OMVG Unidos, que tem como objetivo desenvolver a troca de energia entre a Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau e do Senegal e, assim, permitir o acesso a fontes de 'energia mais barata. Ele vai evacuar a produção de electricidade de hidrelétricas Kaleta e Sambangalou.

Dada a sua capacidade de trânsito de 800 MW, a infra-estrutura de rede também servirá como evacuação da produção de usinas hidrelétricas futuras de interesse regional, localizados principalmente na Guiné, e a segunda geração de sites de OMVG, ele promover o desenvolvimento. BOAD apoia este projecto com um orçamento total 25 bilhões de FCFA, dos quais 11,5 mil milhões FCFA concedeu à Guiné-Bissau, através de um empréstimo direto de 4 bilhões de FCFA e assistência financeira do Fundo de Desenvolvimento Energético 7, 5 bilhões de FCFA.

Isto irá trazer para 32 mil milhões FCFA, o montante total das intervenções do Banco na Guiné-Bissau no sector da energia; ou seja, 6,75 mil milhões de FCFA para financiamento direto do BOAD e 25,21 mil milhões de francos CFA no âmbito do Fundo de Desenvolvimento Energético. Como um lembrete, 13 projetos de energia foram financiados nos estados do Fundo de Desenvolvimento Energético, para um total de 230 mil milhões de FCFA.

Os três contratos de empréstimo cobrir 101,5 bilhões de FCFA, os compromissos cumulativos do BOAD na Guiné-Bissau.

agenceecofin.com/Conosaba

GUINÉ-BISSAU: BOTCHE CANDE, MINISTRO DO INTERIOR ADVERTE PARA LIGAÇÕES DO NARCOTRÁFICO (DJAMBACATAM) NO SERVIÇO DE SEGURANÇA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Circulam informações sobre a cumplicidade de altas patentes com o narcotráfico.

O ministro da Administração Interna da Guiné-Bissau advertiu os funcionários dos serviços de segurança a distanciarem-se de esquemas relacionados com o tráfico de drogas.

O apelo surge numa altura em que circulam informações sobre a cumplicidade de altas patentes com o narcotráfico.

”Há informações em como o Ministério do Interior é uma base de traficantes. Se é verdade, apelo que usem toda a vossa formação e capacidade para descobrir e assim podermos aniquila-la. Não devemos aceitar colaborar com os traficantes de droga”, disse Botché Cande.

A advertência do ministro da Administração aconteceu numa altura em que o Observatório Guineense de Drogas e Toxicodependência, uma nova organização guineense que se dedica à investigação, análise e monitorização de dados sobre o consumo e tráfico de droga na Guiné-Bissau, revela dados novos.

Além de serem usadas como mulas para transporte de droga, a camada feminina aparece agora a liderar o quadro do consumo de estupefacientes, sobretudo, nos centros de diversão, nomeadamente nas discotecas.

Para Abílio Aleluia Có Júnior, secretário executivo do órgão é urgente e pertinente que o Estado crie politicas concretas, com estratégias inteligentes de luta contra o consumo e tráfico de droga no país.

Dados disponíveis apontam, entretanto, que os jovens são os mais afectados pelo fenómeno, alegando a falta de oportunidades.

Daí o apelo para que haja mais apoio a um toxicodependente, ao invés de puni-lo: “na verdade, o consumidor de droga é um doente. Ele precisa de apoio e não o contrário, pois quando pune um consumidor você está a joga-lo para a marginalização. É preciso apoiá-lo, danado carinho, amor e afecto", diz Abílio Aleluia Có Júnior.

A Guiné-Bissau apresenta agora indicadores de ser um país, não só de trânsito, como também de consumo de drogas.

Voa com Conosaba

Total de visualizações de página