Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Por que a crise na Ucrânia é importante?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Manifestante na Ucrânia
Depois da trégua entre governo e oposição durar menos de um dia, manifestantes voltaram às ruas

Por: Natalio Cosoy

Ao mesmo tempo que ameaçam a Ucrânia com sanções, os Estados Unidos e a União Européia pedem paz e diálogo. Enquanto isso, o presidente russo Vladimir Putin liga para o presidente ucraniano Viktor Yanukovych lhe enviando dinheiro e baixa o preço do gás vendido ao país. Por fim, o vice-presidente americano, Joe Biden, também chama Yanukovych para que pedir que ele não reprima os manifestantes. O que é que a Ucrânia tem para que todos esses atores da cena política global estejam tão dispostos a agir?


Para muitos, o país é o vértice geográfico onde se disputa uma nova versão da Guerra Fria.
O conflito na Ucrânia já deixou ao menos 40 mortos e centenas de feridos nos últimos dias. Os choques entre manifestantes e a polícia se tornaram constantes, especialmente na capital, Kiev. E uma recente tentativa de trégua fracassou.
Tudo começou em novembro, quando Yanukovych decidiu recusar um acordo que aprofundaria os laços do país com a União Europeia (UE) e era negociado havia três anos. Em troca, o presidente preferiu se aproximar da Rússia. Ou tudo teria começado antes?

Pescoço paralisado

Durante quase todo o século 20, a Ucrânia fez parte da União Soviética, até sua independência em 1991.
Desde então, o país passou a olhar em uma outra direção, do Oriente para o Ocidente, da Rússia para a União Europeia, tendo os exemplos de Polônia, Eslováquia e Hungria - todos membros da União Europeia – em seu horizonte.
Mas a Ucrânia não completa esse movimento porque duas forças contrárias o paralisam.
De um lado, está a parte ocidental do país, onde vivem as gerações mais jovens e de onde partiu o movimento de aproximação da UE.
Do outro, está a parte oriental e sul, mais próxima da Rússia, onde se fala russo e não ucraniano e prevalece um sentimento de nostalgia dos anos de integração soviética.
Por fim, de cada um desses lados, existem os interesses e pressões de grandes potências mundiais.

O gás

A Ucrânia depende da Rússia para abastecer-se de gás. Além disso, por seu território passam dutos que transportam os gás russo para a União Europeia.
Muitos analistas acreditam que a crise do gás ocorrida entre 2006 e 2009 foi uma consequência das tensões políticas que já existiam na época na Ucrânia, em razão da divergência quanto a aproximar-se da União Europeia ou da Rússia.
Essas tensões estavam no coração da Revolução Laranja de 2004, na qual o atual presidente Viktor Yanukovych perdeu poder enquanto líderes mais favoráveis ao Ocidente, como os políticos Viktor Yaschenko e Yulia Tymoshenko, subiram ao poder.
Mas esse políticos não conseguiram satisfazer as expectativas populares, o que levou Yanukovych a ganhar as eleições de 2010.
“Eram corruptos, incompetentes. Então as pessoas votaram em Viktor Yanukovych”, disse Edward Lucas, editor internacional da revistaThe Economist e autor do livro “A Nova Guerra Fria: a Rússia de Putin e sua ameaça ao Ocidente”, ao programa PM da Rádio 4 da BBC.
“Infelizmente, isso abriu a porta para a Rússia, e a Rússia forçou a Ucrânia a recusar o acordo comercial com a União Europeia e levou a Ucrânia para o seu lado”, acrescentou Lucas.
Em uma reunião em 17 de dezembro de 2013 entre Putin e Yanukovych, a Rússia se comprometeu a comprar o equivalente a R$ 36 bilhões em títulos do Estado ucraniano e a reduzir o preço do gás vendido ao país.

Parceiros comerciais

Vladimir Putin e Viktor Yanukovych no Kremlin (AP)
Vladimir Putin (dir.), presidente da Rússia, vê na Ucrânia do presidente Yanukovych uma parceira estratégica
A Rússia é o principal parceiro comercial da Ucrânia. Em 2012, segundo informações oficiais, as exportações do país para a Rússia foram de R$ 165 bilhões, enquanto as importações vindas da Rússia somaram R$ 203 bilhões.
Ao mesmo tempo, a UE representa um terço do comércio exterior da Ucrânia.
Em 2012, o país exportou R$ 48 bilhões para o bloco, do qual comprou produtos e serviços num valor total de R$ 78 bilhões, segundo números da Comissão Europeia.
A maioria das exportações ucranianas para o bloco são beneficiadas por um sistema de isenções tarifárias.

Esferas de influência

Mas, para Mark Mardell, editor da BBC para a América do Norte, o assunto vai além do comércio exterior. “A batalha pela Ucrânia é sobre a influência e o alcance do Ocidente no mundo”, diz.
“Desde a queda da União Soviética, a Rússia se enfraqueceu perante o Ocidente”, afirma Mandell. “Não apenas ex-aliados como Polônia ou República Tcheca hoje são parte da UE, mas também ex-membros da URSS, como Lituânia e Letônia, se uniram ao bloco. E agora um aliado histórico russo, a Sérvia, decidiu fazer o mesmo.”
O chanceler russo Sergei Lavrov (AFP)
O chanceler russo criticou a "interferência" do Ocidente na crise da Ucrânia
A Rússia não pretende dar o braço a torcer em relação à Ucrânia. O chanceler russo Sergei Lavrov disse nos últimos dias: “Muitos países ocidentais tentam interferir de todas as formas, encorajam a oposição a agir ilegalmente, até mesmo flertam com os militantes, dão ultimatos, ameaçam com sanções”.
Já em 2010, a Ucrânia firmou com a Rússia um acordo que determinou um desconto de 30% no gás russo vendido ao país. Em troca, a Ucrânia estendeu por 25 anos o arrendamento da cidade de Sebastopol, no Mar Negro, onde a Rússia tem uma importante base naval.
Os manifestantes contrários a Yanukovych acreditam além de tudo que o presidente está encaminhando o país rumo à sua inclusão na União Euroasiática, uma união alfandegária impulsionada por Putin, da qual fazem parte a Bielorrússia e o Cazaquistão.
Tanto Putin quanto Yanukovych negam essa acusação.

Fraqueza Ocidental

Lucas, da The Economist, acredita que Putin e sua equipe no Kremlin “nunca aceitaram os termos do acordo de 1991, após o colapso da União Soviética”.
“Eles querem recuperar uma parte da Europa que eles acreditam pertencer a eles, ser parte de sua esfera de influência”.
Se isso acontecesse, isso “pode abalar o fornecimento de gás e petróleo da Europa”, diz.
“O oeste do país não aceitará o mando de Moscou ou de Kiev, se for em nome de Moscou; eles travaram uma disputa de guerrilha por dez anos entre 1945 e 1955, que foi esmagada brutalmente por Stalin”.
Tanto Lucas quanto Mardell, da BBC, enxergam uma falta de firmeza nas posturas da União Europeia e dos EUA.
Para Mardell, a “Europa exibe fraquezas”, e “Barack Obama dá a entender que não se interessa pelo que acontece no exterior”.

Silêncio

“O som mais inquietante nas ruas de Kiev não é o dos tiros ou das explosões, mas o do silêncio”, disse Steve Rosenberg, enviado da BBC à Ucrânia, na última quarta-feira no rádio.
No centro da cidade, não havia automóveis, apenas pessoas caminhando pelas calçadas.
Era como se as coisas estivessem em suspenso, o ar parado, à espera de uma definição, se o país irá pender para o leste ou para o oeste.
Clique
# bbc.co.uk


Encontrar os 25 quenianos mais ricos...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O presidente-executivo da fabricante de bens de consumo Bidco Vimal Shah encabeça a lista dos mais ricos quenianos. Arquivo

Das 25 pessoas mais ricas do Quênia ele resistiu os fortes ventos políticos do ano passado para aumentar a sua quota do total da riqueza individual do país com uma larga margem, anunciou um relatório de pesquisa recém-lançado sobre a riqueza.

Executivo-chefe e fabricante de bens de consumo Bidco Vimal Shah encabeça a lista dos super-ricos com Sh144 bilhões ( em moeda local ) equivalente a  (US $ 1,7 bilhões) em nome dele ou 36 por cento do total de Sh404 bilhões ( 4,7 bilhões dólar ) no valor de ativos controlados pelo clube dos 25.

Esta é a segunda pesquisa para classificar Sr. Shah como indivíduo mais rico do Quênia após publicação em 2013 pela lista da Forbes África, que classificou-o como 18º mais rico da África.

Não foi, no entanto, possível verificar que com sede em Londres, o grupo New World Wealth escolheu Vimal como o principal beneficiário da empresa que é de propriedade da família Shah.

Shah também questionou os resultados. " É claro que eu não sou um bilionário com dólares. Se você me desse esse dinheiro eu iria vender meu negócio", disse ele ao Daily Nation.

Andrew Amoils, o analista sênior da New World Wealth, disse que Shah se destacou porque ele é o acionista principal e cujo controle da riqueza só pode mudar em caso de herança ou morte.

" Nós só incluímos riquezas sob acionista principal. Riqueza só passa sobre herança ou divórcio ", disse ele.

A lista dos super-ricos é de 16 indivíduos empreendedores, tal como o Equity Bank cujo presidente-executivo James Mwangi, do mesmo banco Peter Munga, industrialistas Manu Chandaria e Chris Kirubi e Prandeep Paunrhana que são classificados como centimillionaires com ativos avaliados entre Sh860 milhões ( 100,000 milhões de dólares ) e Sh86 bilhões (US $ 1 bilhão) .

Os 16 têm uma riqueza média de Sh1.7 bilhões ( 204 milhões de dólares ) em comparação com Sh100, 620 ( $ 1.170 ) para os quenianos comuns.

Kenya dos super-ricos fizeram seus investimentos em imobiliário e construção civil, um setor que tem crescido na última década - ajudado pelo desenvolvimento de mega infra-estrutura que abriram novos locais de investimento. LEIA-SE: 8.300 bilionários controlam dois terços da riqueza do Quênia

Com sede em Londres a Nova Pesquisa de Riqueza Mundial identificou 105 quenianos como indivíduos ultra-ricos que controlam mais de metade da riqueza do país.

Quase 20 por cento deste grupo tem laços políticos profundos sublinhando a forte ligação que existe entre o poder político e econômico do país.

O segredo da riqueza 

Quenianos ricos sempre mantiveram em segredo suas riquezas, formando suas contas secretas através de mandatários para manter suas riquezas em mercado de ações.

Isso resultou em diferenças acentuadas quanto a quem é o mais rico do país ou a variação no ranking dos super-ricos produzidos por diferentes pesquisas.

" Nós só incluímos as pessoas como centimillionaires se temos uma boa idéia de que eles próprios são ", disse Amoils.

No ano passado, o Sr. Chandaria foi classificado como o homem mais rico do Quênia por publicação nigeriana Ventures África, com uma fortuna de $ 1,65 bilhões ( Sh142 bilhões).

O Sr. Chandaria, Sr. Shah e o Sr. Paurana de  Athi River Mining têm construído toda as suas riquezas através de empresas fundadas por seus pais.

Sr. Chandaria disse que tinha a opção de conseguir empregos bem remunerados após seus estudos nos EUA e na Índia em 1951, mas optou por correr o risco de trabalhar com seu pai.

O industrial, que recentemente se tornou mais o top filantropos do Quênia preside o Grupo Comcraft, uma empresa que produz aço e está presente em mais de 40 países.

Vimal Shah e o irmão mais novo geriram Bidco, fundado por seu pai em 1985, para se tornar no Quênia o fabricante líder de bens de consumo da África Oriental que tem ao longo dos anos adquirido uma parcela significativa das empresas de óleo comestível da Unilever.

Sr. Paunrana voltou da Universidade de New York em 1984 para gerenciar a pequena empresa produtora de calcário agrícola de seu pai, transformando-o em um grande fabricante de cimento em que ele passou a deter uma participação de 18 por cento.

Ganhos em existência

A empresa, ARM Cimento, vale atualmente Sh7.9 bilhões pela avaliação de Nairobi Securities Exchange.

A bolsa Nairobi provou que o Quênia é uma boa terra para preparação dos bilionários e de ter sido a principal fonte de riqueza para o Sr. Mwangi e o Sr. Munga e executivo-chefe Scangroup Bharat Thakrar que fez bilhões com a listagem de suas empresas na bolsa.

Equities representaram a maior parte da riqueza detida pelos ultra-ricos em 2013.

Os bilionários colocaram 24,9 por cento de sua riqueza total na bolsa, 24,6 por cento no mercado imobiliário e tinham 20,3 por cento em aplicação em diferentes interesses comerciais.

No ano passado, a NSE registrou uma taxa média de retorno sobre o investimento de 19 por cento, aumentando a riqueza do ultra-ricos.

Em 2004, 7,32 por cento de participação no patrimônio Building Society avaliou o patrimônio do Sr. Mwangi em Sh900 milhões, mas que é multiplicado muitas vezes acima da listagem da empresa na bolsa, onde o valor de sua participação é de 4,88 por cento, desde então, subiu para Sh5.8 bilhões.

Sr. Munga detém 0,42 por cento do banco, ele também preside e também é listado como um dos principais acionistas da Britam Insurance Company com Sh5.8 bilhões.

# africareview

Total de visualizações de página