Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 20 de maio de 2014

Jeune Afrique: José Mário Vaz eleito Presidente da Guiné-Bissau com 61,90% dos votos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Jose Mario Vaz, lors d'un meeting de campagne le vendredi 11 avril 2014.
Jose Mario Vaz, durante um comício de campanha, sexta-feira, 11 abril de 2014. © Reuters

José Mario Vaz, candidato do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde ( PAIGC ), foi eleito Presidente da Guiné-Bissau nesta terça-feira. Ele ganhou com 61,90% dos votos contra o seu adversário Nuno Gomes Nabiam, candidato apoiado pelo exército.

José Mario Vaz, de 57 anos, candidato do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde ( PAIGC ) venceu nesta terça-feira, 20 de maio, as eleições presidenciais na Guiné- Bissau.

De acordo com os resultados da Comissão Nacional Eleitoral ( CNE), ele conquistou 61,90% dos votos face a Nuno Gomes Nabiam, de 51 anos, candidato independente, mas sabe-se que ele é apoiado pelas chefias militares, ele obteve 38,10% dos votos.

As eleições presidenciais e parlamentares se destinam a permitir a condução da estabilidade na Guiné-Bissau, após dois anos de um golpe militar em 12 de abril de 2012, que derrubou o regime do PAIGC entre os dois turnos da eleição presidencial daquele ano.

78,10 % de participação no segundo turno
O comparecimento às urnas foi de 78,10% na segunda rodada realizada no último domingo, contra 89,29 % no primeiro turno realizado em 13 de abril, ao mesmo tempo que as legislativas. Ambos os candidatos têm 48 horas para fazer reivindicações para a Suprema Corte, que, em seguida, anunciará os resultados finais.

Quase 800 mil eleitores foram chamados a escolher entre José Mario Vaz, disse Jomav, ex-ministro das Finanças, e Nuno Gomes Nabiam, que foi apoiado pelo Partido da Renovação Social (PRS segunda formação política do país). A instabilidade política e a pobreza por anos facilitou o estabelecimento no país de traficantes de drogas com suposta cumplicidade de altos oficiais militares.

( Com AFP)

"Jomav" vence as presidenciais na Guiné-Bissau e Nabiam quer impugnar os resultados.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

De acordo com os resultados provisórios anunciados por Augusto Mendes, presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), José Mário Vaz, venceu as eleições presidenciais na Guiné-Bissau.

                        Candidato José Mário Vaz

José Mário Vaz, apoiado pelo Partido Africano da Independência da Guiné-Bissau
e Cabo Verde (PAIGC), obteve 61,9 por cento dos votos na segunda volta das eleições presidenciais, realizada no domingo (18.05), enquanto o candidato Nuno Nabiam recolheu 38,1 por cento.
Domingos Simões Pereira, Primeiro ministro indigitado da Guiné-Bissau
Recorde-se que o PAIGC já tinha conquistado a maioria absoluta nas eleições legislativas de 13 de abril e consegue agora eleger um Presidente.
José Mário Vaz, venceu em 22 dos 29 círculos eleitorais da Guiné-Bissau.
"Jomav" promete um novo rumo para o país
Em declarações a imprensa José Mário Vaz já prometeu uma nova Guiné a partir de agora. "Quero dizer aos guineense que chegou o momento para voltarmos a página. A Guiné-Bissau vai conhecer novos rumos e portanto vamos trabalhar para o bem estar do nosso povo e da nossa terra".

Nuno Nabiam anunciou que vai impugnar os resultados
Augusto Mendes, Presidente da CNE
Por seu turno, o candidato derrotado, Nuno Gomes Nabiam, diz que pelas contas que fez é na verdade ele o grande vencedor dessas eleições, pelo que nas próximas horas tomará uma decisão pública se aceita ou não os resultados da CNE. "Os resultados divulgados não estão em conformidade com os nossos. Penso que venci essas eleições, mas iremos falar sobre estes resultados mais tarde". Entretanto, segundo a agência de notícias LUSA, a direção da campanha de Nuno Nabiam anunciou que vai impugnar os resultados anunciados pela CNE.

Com esta posição de Nuno Nabiam, aumentou ainda mais o clima de tensão político-militar que desde dias se vive no país. Mas, Ramos-Horta, representante da ONU, tem garantias dos militares de que não vão intervir no processo. "As chefias militares comprometeram-se a manter a segurança sobretudo dos apoiantes dos candidatos".
José Ramos-Horta

UA pede suspensão das sanções contra a Guiné-Bissau

A União africana (UA), afirma que com a publicação dos resultados está agora aberta a possibilidade de serem levantadas as sanções impostas à Guiné-Bissau aquando do golpe militar de 2012. Para Ovídio Pequeno, da UA, "estamos num processo e estou convencido que o Conselho da Paz e Segurança da UA tomará nota deste proccesso. Aguardamos a tomada de posse dos novos dirigentes e a partir daí iremos falar sobre o levantamento das sanções".

Também, Joaquim Ducai, Chefe da delegação da União Europeia, abre uma nova janela para o país no seio dos 27. "Nunca abandonamos o povo da Guiné-Bissau e vamos continuar a apoiá-lo", concluiu.

Na contagem total, Vaz conseguiu 364.394 votos contra 224.089 para Nabiam, candidato independente apoiado pelo Partido da Renovação Social (PRS), principal força da oposição, e conotado com os militares autores do golpe de Estado de 2012.

A nível regional, Nabiam venceu nas regiões de Tombali (sul) e Oio (centro), enquanto Vaz venceu nas restantes sete (Bissau, Quinara, Biombo, Bolama, Bafatá, Gabú e Cacheu) e também na diáspora.
A abstenção subiu em comparação com a primeira volta das presidenciais: de 10,71 por cento para 21,79 por cento.
José Mário Vaz (esq.) e Nuno Nabiam, vencido e vencedor das eleições presidenciais na Guiné-Bissau

CS da ONU saúda "conclusão bem sucedida"

Os membros do Conselho de Segurança (CS) da ONU saudaram a conclusão bem-sucedida da segunda volta das eleições Presidenciais na Guiné-Bissau, realizada no domingo (18.05), divulgou o Escritório Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau(UNIOGBIS).
De acordo com a nota, os membros do Conselho de Segurança da ONU foram informados sobre a situação política na Guiné-Bissau, na segunda-feira à noite (19.05), pelo representante especial do secretário-geral da ONU para a Guiné-Bissau José Ramos-Horta, e o presidente da Comissão de Configuração da Guiné-Bissau para Construção da Paz, embaixador António de Aguiar Patriota.
O Conselho de Segurança também expressou a sua gratidão pelas contribuições da União Africana (UA), da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), da Nigéria, de Timor-Leste e aos doadores do fundo gerido pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em particular a União Europeia (UE).

ONU aplaude o povo guineense pela boa participação no pleito

Os membros do Conselho de Segurança, segundo a nota, exortam às autoridades de transição a cumprirem o seu compromisso, com a conclusão do processo de transição e aplaudiram o povo da Guiné-Bissau, que participaram na eleição em números recordes.
"Apelaram a todas as partes para respeitarem o resultado eleitoral como expressão da vontade democrática do povo da Guiné-Bissau e também exortaram os partidos políticos a resolverem pacificamente quaisquer possíveis reclamações resultantes das eleições, usando as vias apropriados", referiu ainda o documento.
Os membros do Conselho de Segurança pediram ainda "aos serviços de segurança para respeitarem a ordem constitucional, incluindo os resultados das eleições, e reiteram o pedido ao setor de segurança para se submeter totalmente ao poder civil". 
Ovídio Pequeno, representante da UA
O Conselho de Segurança apelou à comunidade internacional para continuar a apoiar os esforços da Guiné- Bissau na construção da nação e expressou ainda o seu apoio ao representante especial José Ramos-Horta, elogiando o seu papel "no sentido de facilitar um ambiente propício à realização de eleições livres e justas".
Na segunda-feira (19.05), o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, já havia saudado a forma globalmente pacífica em que se realizou a segunda volta das eleições Presidenciais na Guiné-Bissau.
# dw.de

Senegal: Macky Sall "preocupado" com a eleição de José Mario Vaz - A Presidência qualificada de enganosa pelas observações retransmitidas na imprensa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


         Candidato José Mário Vaz
Na sequência da informação transmitida pela revista Jeune Afrique, que falou de "preocupações" do presidente Macky Sall sobre uma possível eleição de José Mario Vaz à frente da Guiné-Bissau, a célula de comunicação da Presidência da República, não demorou muito para reagir.

O candidato do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde, venceu com facilidade o primeiro turno com 40, 9 % dos votos e estaria perto de Angola e de outra forma, teria relações com o MFDC Casamance. Todas as coisas que poderiam aniquilar os esforços do Presidente Sall para o regresso da paz na região. Que a Presidência formalmente nega.

Através de um comunicado, ela chama essas " alegações de falsa e enganosas. " Tais premissas teriam como objetivo " prejudicar as relações de amizade e de fraternidade que o Senegal tem com a irmã República da Guiné-Bissau ", disse o presidente.

" O Presidente Macky Sall tem por princípio nunca interferir nos assuntos internos de um país, sobretudo quando se trata da expressão de uma escolha soberana e democrática e com os cidadãos de um país irmão", a declaração afirma que " o Presidente Sall mantém relações de confiança, amizade e fraternidade com o candidato José Mario Vaz, amizade e sentimento que ele expressou em várias ocasiões e mais recentemente ".

# seneweb.com

Mali: FMI ofendido com os 40 milhões de dólares gastos na aquisição do novo avião do Presidente do Mali.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente Ibrahim Boubacar Keita. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

O Fundo Monetário Internacional expressou preocupação nesta segunda-feira sobre o luxo exibido com 40 milhões de dólares gastos na aquisição do novo avião do presidente do Mali, apesar de profunda dependência de seu país empobrecido e necessitando da ajuda internacional." Estamos preocupados com a qualidade das decisões recentes, como a compra do avião presidencial de US $ 40 milhões e da emissão de uma garantia de US $ 200 milhões por parte do Estado para permitir que uma empresa privada compre suprimentos ... para o exército ", disse um porta-voz do FMI à AFP.

O porta-voz disse que o dinheiro para a aeronave do presidente Ibrahim Boubacar Keita veio de $ 33 milhões em financiamento de emergência do FMI destinado a este país de África Ocidental no ano passado.

Os recursos foram destinados a um banco privado do Mali, como um empréstimo.

No entanto, o porta-voz do FMI disse que, a compra e a garantia ilustra " deficiências na gestão das finanças públicas. "

Ele também irá atrasar a primeira revisão de um novo programa de empréstimo do FMI, prevista para junho, o que poderia, em última análise restringir ainda mais as finanças do governo.

No âmbito do programa de empréstimo, concedido em dezembro, ”as autoridades comprometeram-se a executar o seu orçamento de acordo com as prioridades destacadas em suas estratégias de redução da pobreza e de promoção do crescimento. "


"Obter informações satisfatórias sobre essas transações e garantia de que as autoridades ainda estão por trás da estabilidade fiscal visando alcançar objectivos de gestão das finanças públicas, de acordo com o FMI, vai levar tempo ", disse o porta-voz.

# africareview



Total de visualizações de página