Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Os pró-Gbagbo realmente querem se aliar a Ansar Dine?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Segundo a RFI, um relatório da ONU menciona a relação entre combatentes pró-Gbagbo e os islâmicos da AQMI no norte do Mali. Um explosivo potencial da desestabilização.


Soldados da Costa do Marfim durante uma operação, Abidjan, julho de 2011. © KAMBOU SIA / AFP


Que foram fazer em junho, partidários do ex-presidente Laurent Gbagbo à fronteira da Mauritânia e do Senegal?

Resposta de um relatório de 26 páginas da Organização das Nações Unidas: mercenários recrutados por Ansar Dine, um grupos armados islâmicos que controlam a metade do norte do Mali, para se preparar para o fogo na Costa do Marfim.

O relatório deve permanecer confidencial, e foi lançado em 14 de setembro por um painel de especialistas no Conselho de Segurança. A Radio France Internationale (RFI) obteve uma cópia, e revelou os contornos, em 6 de outubro.

O relatório defende que Laurent Gbagbo deve ter contactado  também no final de junho, com os membros da antiga junta militar do Mali o Capitão Amadou  Sanogo, que ainda controla o acampamento do exército de Kati, em Bamako.

Soldados que não vêem com bons olhos a implantação de uma força de paz no solo Oeste Africano do Mali, e pode ter inimigos comuns como a transição civil no Mali, mas também na Costa do Marfim de Alassane Ouattara.

Presidente marfinense, atual presidente da Comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO), cresce fora a intervenção militar desde o golpe de 22 de Março e da secessão do norte do Mali.

Enfraquecer a CEDEAO e Ouattara

Este relatório traz água ao moinho dos partidários de tal intervenção militar para expulsar os islamitas da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI).

Ele cai como bateria, quando a França defende uma resolução do Conselho de Segurança para permitir a implantação de uma força Oeste Africano no norte do Mali, que seria apoiado pela logística da França, Alemanha e Reino Unido Estados.

Os islâmicos, que tomaram o controle de um vasto território, representam a ameaça de uma "Africanistan" ou um novo Afghanisan no Sahel, espalhando suas filiais em outros lugares na África Ocidental.

Seus contatos com o nigeriano islâmico da seita Boko Haram já estão estabelecidos, e novas ligações com a Costa do Marfim representam uma nova ameaça de desestabilização em uma sub-região já frágil.

Marfinenses que estão envolvidos? O relatório dá nomes: Justin Koné Katinan, o ex-porta-voz de Laurent Gbagbo, a segunda esposa Nady Bamba (muçulmanos) do ex-presidente, e Charles Ble Goude, ex-líder do Jovens Patriotas, que se apressou a negar e enfatizar a "falta de imparcialidade do grupo de peritos", que não entrou em contato para verificar o que foi apresentado no relatório como um fato.

Também implicado, Damana Pickass, o homem que puxou o lençol diante das câmeras dos resultados eleitorais que dá Alassane Ouattara como vencedor, a 30 de novembro de 2010. De aliado Laurent Gbagbo que  fugiu para Gana, onde ele se tornou presidente da Coalizão da Costa do Marfim de patriotas no exílio (Copiado).

Ele negou ter enviado dois emissários ao Mali e diz que "caiu do céu" essa informação. Da mesma forma, Marcel Gossio, ex-diretor do porto de Abidjan, exilado em Marrocos, suspeito de financiar planos militares liderados pelos partidários de Gbagbo, negou veementemente essa ação.

O mesmo relatório menciona a existência de três grupos de aliados do presidente Gbagbo a viver no exílio desde o fim da crise pós-eleitoral na Costa do Marfim.

Estes três grupos, cada um composto por militares e civis, teriam se conhecido em 12 de julho em Takoradi, no Gana e decidem unir forças contra o regime de Alassane Ouattara.

Ataques armados têm aumentado desde junho na Costa do Marfim, contra as bases militares ou prisões. Eles são regularmente executados em Abidjan por partidários de Laurent Gbagbo no exílio na Libéria e Gana, que desmentem.

A insegurança levou ao encerramento temporário de fronteiras com o Gana, por vezes, acusado de jogar uma desordem (Costa do Marfim e Gana decidiram reabrir suas fronteiras, a partir de 8 de outubro).


De um lado, Accra se recusa a seguir mandados de prisão  emitidos pelas autoridades da Costa do Marfim contra figuras proeminentes do regime de Gbagbo, refugiados em seu território. Por outro lado, o país extraditou 5 02 marfinenses e um ganês preso pela polícia em outubro e 4 de setembro, na cidade de Cape Coast. Homens suspeitos de quererem comprar 600 fuzis de assalto para conduzir operações militares na Costa do Marfim.

Gana, um refúgio de paz e estabilidade em uma conturbada sub-região, tem sido um ponto de trânsito do tráfico de armas para o norte do Mali.

O motivo? A presença em Accra da forte comunidade de imigrantes Songhai, um dos grupos étnicos negros no norte do Mali.

O relatório, que derramou muita tinta na Costa do Marfim, é interpretado pela imprensa "azul" pró-Gbagbo ainda com outra manipulação de informações, a arma de guerra real exercido por ambos os lados em toda a crise pós-eleitoral.

"Muito barulho por nada" pode ser lido no site incluindo conexão marfinense, ou até mesmo "relatório da falso ONU" no Abidjan.net ...

Gritos de indignação do regime

No campo de Ouattara, nós nos ofuscamos em ver o atual presidente apontado pelo relatório de violar o embargo de armas.

Além disso, levantam-se as questões:

"Até provar em contrário, nós podemos pensar que a ONU não será obrigado a se comprometer com um relatório tão esmagador para um indivíduo ou uma estrutura a partir dos elementos sem consistência. O que beneficiaria a organização e que graça teria a organização com os exilados pró-Gbagbo? O argumento apresentado pelo entrevistado, que a ONU está sob pressão, pode realmente ser levado a sério? "Questões como Le Pays, Burkina Faso.

Por: Sabine Cessou

fonte: SlateAfrique



Total de visualizações de página