Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 24 de abril de 2015

Senegal: Decroix - "Nada justifica o envio de tropas para Arábia Saudita"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

O Partido Democrata e seus aliados, reagrupados no seio da Frente Patriótica para a Defesa da República (FPDR) - são contra a vontade do presidente Macky Sall de enviar tropas para Arábia Saudita.

Numa conferência de imprensa nesta sexta-feira, Mamadou Diop Decroix, coordenador da Frente Patriótica para a Defesa da República (FPDR) acho que esta ambição é "desproporcional e sem sentido."

  "Teríamos aprovado o envio de soldados senegaleses se a Arábia Saudita fosse vítima da agressão de fora. Hoje, há uma guerra civil no Iémen. Arábia Saudita não está ameaçada diretamente. Portanto, não há explicação sobre o envio de tropas senegalesas ao Iêmen. Especialmente hoje, que prevemos a paz neste país. O Senegal deve, de fato, se posicionar como reconciliador ", disse Decroix.

Por: Youssoupha MINE

# Seneweb.com

Zimbabwe recebe 737 cidadãos nacionais repatriados da África do Sul.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Zimbabwe recebeu nesta sexta-feira o último lote de seus cidadãos deslocados pela violência xenófoba na África do Sul depois de apenas 737 se ofereceram para voltar para casa.

O último lote de 330 zimbabuanos deixou Durban na quinta-feira e era esperado no posto fronteiriço Beitbridge na sexta-feira.

Cerca de 470 pessoas chegaram em Beitbridge na segunda-feira e receberam aconselhamento antes de serem levados para as suas casas.

O Consular-geral do Zimbabwe na África do Sul Batirashe Mukonoweshuro disse à mídia estatal que cinco ônibus haviam sido deslocados para as mais recentes repatriações.

"Nós completamos registro de nossos cidadãos em Durban e nós não registramos novos casos", disse Mukonoweshuro

"Estes repatriados são esperados para chegar em Beitbridge na sexta-feira. Nós também estamos esperando um outro ônibus que deve deixar o acampamento Primrose em transição para Joanesburgo.

" O consulado agradece o apoio do governo anfitrião e as pessoas de negócios em Durban por darem abrigo ao nosso povo."

Maior número

Pelo menos foi noticiado que supostamente 700 pessoas morreram nos últimos ataques xenófobos que abalaram a província de KwaZulu em Natal e Johannesburg.

O Zimbabwe tem o maior número de imigrantes na África do Sul com algumas estimativas colocando-os em mais de três milhões.

Milhares de zimbabuanos tiveram que deixar o país no auge dos problemas econômicos.

África do Sul emitiu 250 000 autorizações de documentos laboral e empresarial  especiais para os zimbabuanos que estavam vivendo ilegalmente no país.

No entanto, acredita-se que a maioria dos migrantes zimbabuenses na África do Sul permanecem documentados.

O Zimbabwe criticou a forma como a África do Sul lidou com a violência contra estrangeiros e o procurador-geral do país convocou para o julgamento o rei Zulu Goodwill Zwelithini por supostamente incitar os ataques.

O Rei Zwelithini foi responsabilizado pela violência depois que ele disse em uma reunião pública que os estrangeiros devem deixar a África do Sul.
Esta semana, o rei resolveu apoiar os assuntos que pedem o fim da violência, mas negou as acusações de que ele incitou a violência.

#africareview.com

A filha do presidente de Angola: Isabel dos Santos quer diversificar investimentos em Portugal.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Depois das apostas na banca, nas telecomunicações e na comunicação social, a empresária angolana tem agora a firme pretensão de entrar na indústria portuguesa. O preço: 200 milhões de euros.

Isabel dos Santos
Imagem: expresso.pt


A empresária Isabel dos Santos voltou a aparecer nas manchetes da imprensa portuguesa pelo manifesto interesse em ter uma participação maioritária no capital da Efacec Power Solutions. A filha primogénita do Presidente de Angola ofereceu cerca de 200 milhões de euros por esta sociedade do grupo Efacec, criada para reunir os ativos mais rentáveis da Efacec Portugal.
Ao que tudo indica as negociações estão numa fase adiantada, envolvendo a família Mello e os bancos credores da referida sociedade, prevendo-se que a operação fique concluída em breve, o que, a acontecer, poderá deixar de fora os concorrentes chineses da State Grid, acionistas maioritários da REN, empresa portuguesa que gere a rede de distribuição de energia elétrica.
"A Efacec é uma empresa com muito 'know-how' em áreas ligadas à energia. O desenvolvimento do setor energético em Angola é decisivo para o futuro do país. Portanto, do ponto de vista teórico, faz todo o sentido que Isabel dos Santos olhe para a Efacec, para ir buscar essas competências e poder transportá-las para Angola", diz Celso Filipe, um analista económico que segue de perto as pisadas do capital angolano em Portugal.
Energia é motor da indústria
A Efacec é, por outro lado, uma empresa com vasta experiência internacional, atuando nas áreas da energia, engenharia, ambiente, serviços e transportes, com operações nas Américas, na Europa, Ásia e África.
O grupo é visto como um bom parceiro para a pretensão de diversificar os investimentos de Isabel dos Santos. O interesse da empresária africana na Efacec difere dos seus interesses nas telecomunicações e na banca, áreas em que aposta em criar uma malha internacional, argumenta Celso Filipe, autor do livro "O Poder Angolano em Portugal", publicado em 2013.

Celso Filipe, autor de "O Poder Angolano em Portugal"
"Parece-me que o foco está diretamente relacionado com Angola", diz. "Havia um plano de desenvolvimento do setor energético angolano, em parte já desatualizado, mas, entre 2013 e 2017, previam-se investimentos de 15 mil milhões de dólares. Há a convicção generalizada dos governantes angolanos de que, no mínimo, é preciso duplicar a capacidade de produção de energia elétrica para que Angola possa desenvolver o setor industrial e agro-industrial. Nesse sentido, a Efacec encaixa que nem uma luva."
A concretizar-se, a participação maioritária de Isabel dos Santos na Efacec Power Solutions far-se-á, por hipótese, através de um aumento de capital. Segundo Celso Filipe, 200 milhões de euros dariam, neste momento, muito jeito à multinacional portuguesa. "A situação da Efacec é periclitante, há alguma instabilidade laboral na empresa. Haverá, porventura, dificuldades de acesso a financiamento, o que limita a atividade da empresa, que necessita, julgo eu, tão rapidamente quanto possível de encontrar um sócio que lhe permita relançar a atividade e ter acesso a crédito bancário."
O jornalista considera que este interesse de há oito meses e que agora voltou a ser falado, depois da falhada OPA (Oferta Pública de Aquisição) que Isabel dos Santos recentemente lançou à PT, é revelador de que há mais espaço para a entrada do capital angolano em Portugal.
Os investimentos em território português encabeçados pela filha do Presidente de Angola já ascendem a três mil milhões de euros, destacando-se as participações influentes que ela tem na banca (BPI, BCP e BIC) e na área das telecomunicações (ZOPT, resultante da fusão entre a ZON e a SONAE), além de ativos no setor imobiliário e da comunicação social. Como sócia da petrolífera angolana Sonangol, a empresária tem também uma participação na energética portuguesa Galp através do Grupo Amorim.

Delegação da Efacec em Oeiras, nos arredores de Lisboa
#dw.de

Senegal: Sidiki Kaba, Ministro da Justiça - "Hissène Habré nunca será condenado à morte"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image
Ministro da Justiça Sidiki Kaba

Uma coisa é certa. O ex-presidente do Chade Hissène Habré cujo julgamento começa em Junho próximo em Dakar, ele poderia, em qualquer caso, ser condenado à morte. "Eu não sei se Habré será condenado ou não. Mas o que eu sei com certeza é que, se por acaso uma condenação ocorrer, ele nunca será condenado à morte, porque Senegal aboliu a pena de morte ", garantiu Sidiki Kaba, Ministro da Justiça.

Ele falava à margem da cerimónia de posse dos juízes encarregados do julgamento de Habré que ele anunciou a abertura para junho.

A cerimônia de posse foi realizada na grande sala de audiências do Palácio. Além disso, Sidiki Kaba, reuniu-se com o ministro chadiano da Justiça e Direitos Humanos, o representante da União Africana, o presidente dos tribunais de recurso em Kaolack, Dakar e Saint-Louis, o Procurador-Geral do Tribunal de Justiça Suprema, o Bastonário e o presidente do Tribunal de Repressão ao Enriquecimento Ilícito, sigla em francês (CREI).

#seneweb.com

Total de visualizações de página