Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quinta-feira, 13 de março de 2014

ÁFRICA/GUINÉ - A Guiné-Conacri é o novo ‘hub’ africano da cocaína destinada à Europa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Conakry – No ano passado, um ou dois aviões repletos de cocaína aterravam mensalmente na República da Guiné provenientes da América Latina. A carga de droga é enviada à Europa por organizações criminosas que penetraram no país da África ocidental.
É o que afirma um inquérito da Agência Reuters que propõe os dados publicados no Relatório do Departamento de Estado estadunidense sobre o tráfico internacional de cocaína que passa pela Guiné. A Guiné-Conacri e a confinante Guiné-Bissau são o ponto final oriental da chamada “rodovia 10”, como é conhecida a rota aérea mais breve entre a América Latina e a África, que passa ao longo do décimo paralelo norte.
Segundo a Agência especializada da ONU para o combate ao crime e o tráfico de drogas, no ano passado, pelo menos 20 toneladas de cocaína, em grande parte provenientes da Colômbia e da Venezuela, transitaram na África ocidental em direção à Europa. Até o momento, a atenção dos esforços antidroga se concentrou na Guiné-Bissau, mas a prisão do ex-Chefe de Estado Maior, o almirante José Américo Bubo Na Tchuto, obrigou os traficantes a transferir parte de sua atividade para a Guiné Conakry.
Teme-se que o movimento de capitais criminosos acentue a chaga da corrupção neste país que está se esforçando em valorizar seus imensos recursos naturais para melhorar as condições de vida gerais da população.

# news.va

Guiné-Bissau: um suspiro de alívio ao PAIGC para as presidenciais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

L’ancien ministre des Finances José Mario Vaz.


Apesar de um pedido do Gabinete do Procurador- Geral da República visando fazer invalidar a candidatura de José Mario Vaz, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC ), à presidência prevista para 13 de abril, e que a Corte Suprema tentou interditar a sua participação ao escrutínio.
O PAIGC, partido emblemático da guerra de libertação e a primeira força política da Assembleia Nacional Popular (ANP), por constituir a maioria, enfim pode respirar. O Supremo Tribunal validou, em 12 de março, a candidatura à eleição presidencial de seu candidato, o ex-ministro das Finanças, José Mário Vaz. Designado pelo partido nove dias mais tarde a 72 horas da data limite fixada para deposição da candidatura, essa que tinha sido objeto, no final da semana passada, de um pedido de invalidação deposto perante o Supremo Tribunal pelo Procurador-Geral do país, Abdu Mané.
A origem desta iniciativa, é a suspeita contra o " Jomav " de estar envolvido no suposto desvio de ajuda orçamentária de 12,5 milhões ( € 9 milhões) no período que ele foi ministro das Finanças de Carlos Gomes júnior, o ex- primeiro-ministro, e o provável vencedor nas eleições presidenciais de 2012 - pois ele tinha conquistado 48,97 % dos votos no primeiro turno - que foi interrompido por um golpe militar.
Apesar dessa espada de Dâmocles  da justiça sobre o candidato do PAIGC, a base jurídica do pedido apresentado pela acusação parecia altamente incerta. " Nos termos da Lei Eleitoral, uma candidatura não pode ser invalidada ao menos que seu interesse tenha sido totalmente condenável, " Vincent Foucher, especialista da Guiné-Bissau na International Crisis Group (ICG ). Ou neste caso, " Jomav " tem feito parte do objeto de audiência na Polícia Judiciária. Recorda-se também que a Suprema Corte em sua decisão, observou que " a presunção de inocência " deve aplicar-se.

Partido dividido

Do lado do PAIGC, denunciaram na última sexta-feira " uma demarcação ditada por considerações políticas. " " O cargo do procurador-geral é muito político na Guiné-Bissau ", disse Vincent Foucher. É verdade que o partido mais poderoso do país, majoritária na Assembleia Nacional tem que lidar com a desconfiança das forças armadas - reticentes em ver um homem ligado a Carlos Gomes Júnior aceder às mais altas responsabilidades -, mas também com as divisões entre diferentes facções do partido.
Uma invalidação do candidato do PAIGC teria sido susceptível de pôr em causa a boa votação adiada várias vezes, confirmada para ser realizada em 13 de abril. Diante desse risco, o Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas na Guiné-Bissau, José Ramos Horta, também estimou, uma vez conhecida a aplicação, " não há nenhuma razão para impedir que [" Jomav "] participe das próximas eleições presidenciais. "

# jeuneafrique

Total de visualizações de página