Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Deserção de 486 soldados: Nigéria discorda de Camarões • tropas nigerianas, Boko Haram combatido em uma batalha feroz na região de Gamboru Ngala • Gwoza: polícia resgata 7, das 28 que ainda estão desaparecidas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



As autoridades militares nigerianas discordam das autoridades Camaronesas sobre o relatório de que os soldados nigerianos fugiram para Camarões, após violentos combates com militantes do Boko Haram. 

Embora a sede da Defesa explicou que os soldados nigerianos foram encontrados em Camarões perseguindo membros da seita Boko Haram que ultrapassaram as fronteiras de ambos os países, o porta-voz do exército do Camarões, o tenente-coronel Didier Badjek, disse que os soldados, que fugiram para os Camarões, tinham sido desarmados e estão agora sendo acomodados nas escolas. 

De acordo com um relatório do site na sede da Defesa ", as tropas nigerianas encontradas em Camarões foi o resultado de uma batalha permanente entre as tropas e os terroristas ao redor das fronteiras com os Camarões, viu-se as tropas nigerianas com carregamento através das fronteiras em um manobra tática. 

"Eventualmente, eles encontravam-se em solo Camaronês. Sendo aliados, o protocolo normal da gestão de tal incidente exigiu que as tropas apresentassem as suas armas, a fim de garantir ao país amigo que eles não estavam em uma missão hostil. 

"Na sequência de discussões necessárias entre Nigéria e autoridades militares de Camarões, as questões foram resolvidas. Posteriormente, foi anunciado de que as tropas estão a caminho de volta para se juntar a sua unidade na Nigéria. 

"A referência para a incidência das tropas como desertores não é, portanto, apropriado, considerando a discussão entre líderes militares dos dois países e a série de contactos com os soldados que confirmaram que eles estão seguros." 

Mas o ar de Camarões, segundo o porta-voz, tenente-coronel Badjet, disse à British Broadcasting Corporation (BBC) de que os soldados estão atualmente na cidade de Maroua em Camarões, a cerca de 80 km (50 milhas) da fronteira com a Nigéria. 

Ele também disse que os milhares e civis também fugiram através da fronteira, que, segundo ele, tinha sido oficialmente encerrada, para ajudar a conter a propagação do vírus Ebola. 

Ambas as cidades Gamboru Ngala e Banki compartilham fronteiras internacionais com a República dos Camarões e testemunharam série de ataques nos últimos tempos. 

O desenvolvimento da operação aconteceu 24 horas após o aclamado líder da seita Boko Haram, Abubakar Shekau, ter divulgado um novo vídeo com o seu grupo, depois de conquistar área de Gwoza  do governo local, em Borno e Buni Yadima noYobe, para estabelecer o califado islâmico na região. 

Uma fonte disse que muitos dos terroristas foram mortos pelas tropas em Gamboru -Ngala antes das tropas ficarem sem munições e tiveram que atravessar a fronteira para os Camarões para se reunir a seu grupo para repelir os ataques. 

De acordo com o programa da BBC em Hausa, monitorado em Maiduguri pela Nigerian Tribune, os insurgentes invadiram a cidade de Banki no domingo, enquanto em Gamboru-Ngala, eles invadiram a cidade por volta de 05h00 de segunda-feira. 

Nigerian Tribune revelou que os insurgentes em Banki, dominaram as tropas em terra usando lançadores propelidas por foguetes e artefatos explosivos improvisados​​, enquanto as tropas conseguiram escapar e fugir para esconder nas aldeias, antes de entrarem nos Camarões para a sua segurança. 

Também foi revelado que alguns dos soldados em Banki fugiram para Marwa através Gazawa, uma comunidade da aldeia fronteiriça com Borno e República dos Camarões, mas não ficou claro se houve vítimas dos dois lados. 

No entanto, fontes disseram que muitas pessoas morreram, incluindo os terroristas, agentes de segurança e os civis apanhados no fogo cruzado. 

Também em Gamboru-Ngala, foi revelado que mais de 400 membros das tropas conseguiram escapar durante o ataque à sua base e se reuniram com os seus homólogos nos Camarões, e agora estão a desenvolver esforços para repelir o ataque. 

Moradores disseram que a troca de tiros foi constante entre os terroristas e militares em torno das comunidades fronteiriças dos Camarões e da Nigéria. 

Um morador de Gamboru, que fugiu para Maiduguri na segunda-feira à noite, declarando sob anonimato, disse ao Nigerian Tribune que "os rebeldes não estavam atrás dos civis, quando eles ocuparam a área pedindo aos moradores para não fugir. 

"Alguns de nós que não poderia suportar os sons de tiros e explosões entre os insurgentes e os militares tivemos que fugir para a nossa segurança, enquanto outros conseguiram ficar, com base na garantia por parte dos terroristas de que eles não estão atrás de residentes. 

"Infelizmente, como eu estou falando com você, eu vi cadáveres de civis e de terroristas, suspeitos de terem sido apanhados no fogo cruzado, fugindo das ruas de Gamboru-Ngala." 

Falando a uma fonte militar superior em Maiduguri, ela confirmou os ataques nas comunidades fronteiriças, mas insistiu de que a luta é constante. 

7 policiais resgatados -FPRO 
Enquanto isso, sete homens de curso foram resgatados até agora, enquanto os esforços estão sendo intensificadas para encontrar os outros 28 quando do ataque da Escola de Formação da Força Policial Móvel, em Gwoza, Estado de Borno, na quinta-feira da semana passada. 

Esta revelação foi dada a conhecer pela Relação Publica, pelo oficial da Força (FPRO), o Sr. Emmanuel Ojukwu, no Twitter, na segunda-feira.

# tribune.com.ng

Para o chefe do Estado-Maior americano, EI logo será ameaça para os EUA e a Europa.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

                                                               Foto: AFP

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas americanas, general Martin Dempsey, acredita que os extremistas do Estado Islâmico (EI) logo serão uma ameaça para Estados Unidos e Europa e que será necessária uma coalizão internacional para enfrentá-los, disse seu porta-voz nesta segunda-feira.
Comandantes dos Estados Unidos estão vendo “opções” para lutar contra os jihadistas no Iraque e na Síria, disse Ed Thomas, porta-voz do general Martin Dempsey.
O secretário de Defesa, Chuck Hagel, adoptou um tom mais alarmante na semana passada em uma coletiva de imprensa do Pentágono, ao sugerir que militantes de Estado Islâmico representam uma grave ameaça que supera o perigo de outras organizações como a rede Al-Qaeda.
Funcionários do Pentágono afirmam que Hagel e Dempsey compartilham essa esta opinião.
“Dempsey acredita que o EI deve ser pressionado tanto no Iraque como na Síria”, acrescentou. “Acredito que seja necessário formar uma coalizão de capacidade regional e se associar à Europa para enfrentar a ameaça do EI”.
Dempsey, chefe do Estado Maior Conjunto, descreve constantemente o Estado Islâmico como um movimento que pode se tornar uma ameaça directa para Estados Unidos e Europa, já que combatentes estrangeiros com passaportes ocidentais podem realizar ataques em seus países.
“Sua missão actual (de Dempsey) é proteger os cidadãos americanos e instalações, e isso inclui, claro, acções necessárias para proteger o território nacional, onde quer que estejam essas ameaças”, disse Thomas.
Em uma reunião com o Centro de Comando de Estados Unidos, que supervisiona as forças norte-americanas no Oriente Médio, Dempsey “está preparando opções para combater o EI tanto no Iraque como na Síria com uma variedade de ferramentas militares que incluem ataques aéreos”, disse em um comunicado.
Aviões de guerra dos EUA realizam ataques aéreos no Iraque contra militantes do EI desde o dia 8 de Agosto, com mais de 100 bombardeios tendo como objectivo a jihadistas no norte, perto da represa de Mossul. Tropas iraquianas e curdas recuperaram o controle da represa desde que começou a ofensiva americana.
A administração de Obama afirmou que as opções sobre potenciais ataques militares na Síria continuam em aberto, e não foi tomada nenhuma decisão final até o momento. (afp.com)

# afp.com

A Organização Mundial de Saúde não confirma Ébola no Congo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Organismo da ONU avança que ainda não pode confirmar os resultados anunciados pelas autoridades congolesas, que confirmam a morte de 13 pessoas infetadas pelo vírus.

Elementos das unidades sanitárias da Libéria protegem-se antes da retirada de um mercado em Monrovia de uma vítima mortal, que terá falecido infetada pelo vírus Ébola
As autoridades da República Democrática do Congo (RDC) confirmaram a morte de 13 pessoas por Ébola na província do Ecuador, no noroeste do país, mas a Organização Mundial de Saúde (OMS) nega que a doença misteriosa que vitimou essas pessoas, com sintomas de gastroenterite hemorrágica, seja a mesma.   
O ministro congolês da Saúde, Félix Kabange Numbi confirmou à imprensa a presença de Ébola no país. "Os resultados deram positivo. O vírus Ébola está confirmado na RDC". No entanto, este responsável assegura que o surto que o país está a viver não tem "nenhuma relação com o que prevalece na África Ocidental".
Por sua vez, a OMS já esclareceu que a doença que matou as 13 pessoas em causa foi uma espécie de gastroenterite hemorrágica. A organização avança que ainda não pode confirmar os resultados anunciados pelas autoridades congolesas e que será realizada uma segunda série de testes de laboratório.
Cinco das 13 pessoas que sucumbiram ao vírus eram assistentes sociais que contraíram a doença por contacto com os pacientes.
Vírus fora do controlo
Confirmadas as declarações das autoridades da República Democrática do Congo, o país será o quinto infetado com o perigoso vírus. A Organização Mundial de Saúde contabiliza 1427 mortos em 2615 casos identificados de Ébola.
Entretanto, o primeiro cidadão britânico infetado com a doença foi levado para o Reino Unido este domingo. O paciente terá contraído o vírus na Serra Leoa, num centro de tratamento de Ébola, numa das regiões mais afetadas do país.
Vários países africanos como a Costa do Marfim, o Gabão, o Senegal, Camarões e África do Sul já condicionaram o seu tráfego aéreo numa tentativa de evitar que a epidemia se propague nos seus territórios.
Esta segunda-feira, Angola também aumentou o nível de risco de infecção de "moderado" para "alto", à conta das situações registradas no país vizinho, o Congo.

"Até há uma semana, Angola era considerada como um país de baixo-médio risco. Neste momento entra para o grupo de países com risco moderado a alto, porque tem um país vizinho com a epidemia confirmada", explicou a diretora nacional de Saúde Pública Angolana, Adelaide de Carvalho.

expresso.sapo.pt



Total de visualizações de página