Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 4 de maio de 2021

AQUI FALO EU (WILLIAM TONET): Juiz Raúl Araújo revela impossibilidade do combate à corrupção.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



“A injustiça, senhores, desanima o trabalho, a honestidade, o bem; cresta em flor os espíritos dos moços, semeia no coração das gerações que vêm nascendo a semente da podridão, habitua os homens a não acreditar senão na estrela, na fortuna, no acaso, na lotaria da sorte, promove a desonestidade, promove a venalidade […] promove a relaxação, insufla a cortesania, a baixeza, sob todas as suas formas” (in Rui Barbosa).

Por William Tonet

A maioria da juventude está descrente. Quer zarpar! Abandonar o país, por não aguentar ver a sua Terra tomada por uma outra gangue, que a cafricou, pior que a anterior. Foi esperança, em 2017. Em três anos virou desilusão.

Os jovens já não acreditam em políticos que só têm no cérebro, ligado ao intestino grosso, raiva, ódio, quando deveriam ter inteligência e resiliência. Quem substituiu o anterior chefe, considerado, hoje, como monstro, desconsegue fazer melhor, pelo contrário é três vezes pior, segundo a teoria indígena. Falta-lhes uma visão pragmática de Estado, o país definha no desemprego: 5 milhões; na fome: 9 milhões; na miséria: 11.800.000, na prostituição e delinquência, todos estes “exércitos” a desconfiar do método de governação seguido por João Lourenço, Presidente da República, não nominalmente eleito e, igualmente, presidente do MPLA, partido que abomina as eleições livres e justas dos seus líderes internos, daí ser especialista em fraudar, batotar as eleições gerais do país.

E, como se não bastasse, para desgraça colectiva, a pobreza é protegida. enquanto os pobres são severamente combatidos e assassinados, como Joana Cafrique, por uma milícia trasvestida de Fiscalização, que assalta à luz do dia, com o beneplácito das autoridades institucionais.

A miséria é a principal estrela deste consulado, que manda a maioria dos cidadãos, nas grandes cidades, alimentar-se, diariamente, no lixo, como nunca antes, mesmo em tempo de guerra, por falta de uma estratégia de gestão.

E, diante deste dilema que atinge uma parte descrente, intelectual e academicamente da juventude, envia currículos, não para emprego, mas visando a aceitação de imigração, no mais sério atestado de incompetência à elite política dominante, que lhes rouba e sequestra a esperança, incluindo de, a continuarem, impávidos e serenos, poderem, também, perder a virilidade, daí projectarem sexualizar o seu amor, nas capitais coloniais/ocidente.

É a inversão das estatísticas; os que poderiam ser de cá, serão cidadãos de lá, com garantia de um futuro, blindados na dupla nacionalidade, que desde o nascimento lhes alfabetiza a conhecer, os direitos humanos, as liberdades, a alternância do poder, as eleições livres e justas, a educação, a saúde, emprego e a democracia.

É o “horizontar” do sexo livre, para salvaguarda de um amanhã, que acham talhado a não ocorrer com políticos que apenas querem branquear a ladroagem, peculato, nepotismo e a corrupção, para se perpetuarem no poder, nos respectivos países, sendo Angola um exemplo acabado.

Ninguém, hoje, em sã consciência, pode condenar os que desistem, atirando a toalha ao chão, pela malvadez, espírito feiticeiro, incompetência crónica de uma elite no poder, que prefere entregar o país aos estrangeiros, ao invés de blindar e formatar, uma classe empresarial angolana forte.

Daí o paralelo: sofrer no país, sem horizonte, é melhor sofrer, nas antigas capitais coloniais onde, regra geral, os direitos humanos, emprego, educação, saúde, transporte e comunicações, se estendem aos estrangeiros.

Angola deixou de ser esperança, João Lourenço face à forma de um consulado que prefere tirar aos pobres para dar aos ricos estrangeiros, é visto como um produto tóxico, incapaz de unir o seu próprio partido, logo, as intelectualidades, gemeres e sentires das mais variadas identidades, não o conseguirá por falta de humildade e higiene intelectual.

Angola está a soçobrar e tudo indica, se nada for feito de politicamente correcto e conciliador, num futuro próximo, nem a força das baionetas e dos canhões do regime, conseguirá apagar o rastilho da pólvora, dos exércitos dos desesperados, desempregados, desmobilizados, famintos, delinquentes, prostitutas, que já não têm nada a perder, senão a indignação e revolta pública…

É um caminho, uma opção dura, mas o Executivo não está disposto a conceder aos cidadãos outra opção, que não seja a revolta e luta pelos direitos civis, económicos e políticos, uma vez, que, em três anos, o MPLA/JLo fez o impossível e o impensável: afundou a economia, detonou as empresas de angolanos (como nunca antes, em 42 anos, incluído o tempo de guerra), descaracterizou o dinheiro, aumentou a pobreza, dinamitou os pobres e a economia está a ser entregue ao desbarato, ao capital estrangeiro.

RAÚL ARAÚJO MOSTRA CORRUPÇÃO NOS TOGADOS DE PRETO

A justiça angolana tem longe o dia em que poderá ser vista como sistémica, independente, imparcial, justa e democrática, com tribunais verdadeiramente fortes e juízes independentes, comprometidos, unicamente, com a doutrina, a constituição, a lei, os cidadãos e os delitos, demonstrando, que todos podem confiar no sistema judiciário e judicial. Daí a máxima de Rui Barbosa: “A autoridade da justiça é moral e sustenta-se pela moralidade das suas decisões”.

O Ministério das Finanças vai monitorar a dívida pública e proceder à cobrança aos vários agentes públicos e privados, numa empreitada de biliões (mil milhões) e biliões de dólares e kwanzas e, para não variar, decidiu trazer à tona a podridão que grassa no sistema judicial e na classe de juízes, destacando-se o Tribunal Constitucional onde, afinal, não mora a sapiência e o farto conhecimento jurídico, pelos recorrentes erros na análise dos diferentes processos.

Na maioria são uma nódoa, os pareceres e acórdãos e, agora, mais uma vez a incompetência veio ao de cimo, com a aceitação da suspensão da jubilação, de um juiz, para se transferir de armas e bagagens para a advocacia privada.

Uma vergonha! Uma manifesta grosseria e falta de respeito à ética e à moral jurídica, violadora da Constituição, da lei, dos regulamentos da magistratura judicial e dos Estatutos dos Advogados, que são claros, quanto ao juiz e juiz jubilado só poderem exercer, para além da função, a docência e a investigação científica, vide Resolução do Tribunal Constitucional, n.º 1/14 de 28 de Julho, nos números, 6, 7, 8, 9, 10 do art.º 52.º (Juiz Jubilado):

“6. O Juiz Conselheiro Jubilado tem o mesmo regime de incompatibilidade previstos na LOTC para os Juízes Conselheiros em exercício de funções”.

Num país sério e democrático, os juízes do Tribunal Constitucional, por ser de especialidade, não jubilam, infelizmente, em Angola, contra todas as normas, assim ocorre.

”7. O Juiz Conselheiro Jubilado que pretenda exercer função incompatível com a judicatura pode suspender o estatuto e direitos inerentes à jubilação, condição a que retorna quando cessar a incompatibilidade”.

Este é o nó górdio, em relação, ao juiz jubilado suspenso, advogado, no activo, Raúl Araújo que pediu a suspensão da jubilação, criar uma empresa em tempo recorde: “Raúl Araújo & Associados – Sociedade de Advogados, RL”, com um objecto especifico: ir ganhar dinheiro, pré-definido, muito dinheiro, alimentar a corrupção, tornar-se milionário, principalmente, tendo impressões digitais, em muitas elucubrações jurídicas, consideradas autênticas aberrações.

Mais grave, foi o papel do Plenário do Tribunal Constitucional, que sem analisar, com rigor, por falta de sapiência, no acervo mental, da maioria dos seus juízes, anuiu, em contravenção a ética e moral jurídica, porquanto, a suspensão de funções e direitos de um juiz jubilado, para o exercício de uma actividade privada, como a advocacia é, no todo, incompatível, pois não o torna ex-juiz jubilado. Poderia, no caso, haver uma excepção? Sim, mas, exclusivamente, para o exercício de funções públicas.

8. O Juiz Conselheiro Jubilado pode renunciar definitivamente essa condição sem prejuízo do seu direito a reforma nos termos gerais.

O juiz jubilado Raúl Araújo poderia, tivesse higiene intelectual renunciado, definitivamente, à jubilação, mantendo a reforma, como alude, este ponto. Seria mais honesto! Mas isso falha em muitos juristas do MPLA. Recorde-se que Raúl Araújo é, actualmente, professor universitário, director do Centro de Estudos de Direito Público e Ciências Jurídico-Políticas da Universidade Agostinho Neto, jurista da confiança do regime, que nos anos 1980/90 (partido único), foi director da célebre Faculdade do Catambor, que formava, politicamente, com deficiências académicas gritantes, os quadros do MPLA, cujo reflexo, se assistem hoje, na má qualidade da governação.

Mas o juiz jubilado, suspenso e advogado, sempre teve uma veia para o capitalismo, ainda que publicamente, falasse de socialismo, de tal monta que em 1992, tendo como sócios: João e Ana Lourenço (actual casal presidencial) constituiu a empresa ORION (Agência de Publicidade e Produção), responsável pela propaganda e marketing do MPLA, que, alegadamente, contrata brasileiros, muitos ao arrepio da lei, pagos, corre à boca miúda, com fundos públicos, para burilarem a campanha do regime. Neste momento, o juiz jubilado, suspenso e advogado, sabe ter a sua empresa esbulhado um bem público: ginásio da Escola Ngola Kanine, onde tem o seu quartel general de campanha, principalmente, de conteúdos de ataques nas redes sociais

9. Compete ao Plenário do Tribunal Constitucional deliberar, a suspensão e a renúncia à jubilação.

O que é lamentável é os integrantes do Plenário não terem tido a capacidade de distinguir, no caso, os conceitos SUSPENSÃO e RENÚNCIA, cozinhando uma sarrabulhada jurídica, sem precedentes, porque o despacho deveria indeferir o pedido, sugerindo como única alternativa a RENÚNCIA definitiva da jubilação. Mas a Ordem de Advogados de Angola também não sai bem na fita, pois a uns concede tudo, sem necessidade de reunir Conselho Nacional, mas, a outros, monta contentores de dificuldades, para regularização de injustiças e da carteira.

10. O Plenário do Tribunal Constitucional pode, mediante solicitação, autorizar Juízes Conselheiros Jubilados ou reformados a integrar tribunais internacionais, tribunais arbitrais e outros mecanismos de resolução de conflitos, bem como a desenvolver outras actividades que não conflituam com a judicatura.

Quando um dia disse ser impossível combater a corrupção, com juízes corruptos e procuradores corruptos, que limpam a porcaria do executivo, em troca de viaturas Jaguares e outras mordomias, longe estava de imaginar, que o amigo, Raúl Carlos Vasques Araújo se colocaria na primeira linha da suspeição, por causa da apetência ao vil metal (dinheiro, muitos biliões), através de um ardiloso expediente jurídico, para branquear finanças da corrupção e enriquecer, ilicitamente, através do peculato e tráfico de influência, do “sócio-sombra”, Marcy Lopes, ministro da Administração do Território, que moveu as linhas junto da ministra das Finanças, para desta forma imoral, uma sociedade angariar riqueza.

Escandaloso! Sujeira jurídica.

O direito não pode navegar na pocilga para gáudio dos javalis, porquanto, um juiz jubilado não pode criar uma sociedade, especificamente, para um fim determinado: ENRIQUECIMENTO ILÍCITO, suspender, a jubilação para se tornar bilionário, face ao direito de preferência exclusiva, nas vestes de advogado (renovação célere da carteira pouco transparente, mostrando haver, na Ordem, advogados de primeira e de segunda) e, depois retornar, a jubilação.

A porcaria fede, porque este juiz jubilado suspenso, como advogado vai pleitear contra ou a favor do Estado, vai ao Tribunal Constitucional, sempre como juiz-advogado, conhecedor de muitas leis assassinas cujas omissões propositadas, podem, agora, ser por ele aproveitadas, sendo declaradamente, um juiz partidocrata: do MPLA.

A visão de um eminente jurista considera esse comportamento abjecto, com mazelas que impedem, desembainhar a espada da severidade da justiça para cumprir a sua função precípua da aplicação coactiva das leis para que as leis, o direito, a justiça, as instituições e a autoridade sejam respeitadas.

Sem justiça, qualquer nação democrática capitula diante de ditadores, corruptos, traficantes, mafiosos, rebeldes, justiceiros, imorais e oportunistas. Está na hora da Justiça exercer os seus deveres para com o povo, praticar as virtudes e fazer respeitar as leis e o direito neste país. Só uma justiça forte, coactiva, proba, célere, séria, confiável, envolvida como Poder de Estado constituído, integrada ao Sistema de Justiça Criminal e comprometida com o Estado Democrático de Direito, será capaz de defender e garantir a vida humana, os direitos, os bens públicos, a moralidade, a igualdade, os princípios, os valores, a ordem pública e o direito de todos à segurança pública.

fonte: folha8

Vender esta CPLP era a solução. Mas… ninguém dá nada por ela.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Francisco Ribeiro Telles, disse hoje que a comissão temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa, com a participação da sociedade civil, é um exemplo “inspirador” para novas formas de actuação da organização. Será que será “inspirador”, para os milhões de angolanos que se alentam nos caixotes de lixo, ou para os moçambicanos que foram assassinados (alguns degolados) em Cabo Delgado?

“Com a criação da comissão temática de Promoção da Língua Portuguesa, em 2013, a CPLP viu concretizar-se o desiderato de novos actores institucionais colaborantes na prossecução de um dos seus objectivos fundacionais e comunitariamente primordiais, a promoção e difusão da língua portuguesa”, começou por referir o embaixador Francisco Ribeiro Telles, na sua intervenção na abertura de um ciclo de debates sob o tema “Promoção e difusão da língua portuguesa: Estratégias globais e políticas nacionais”, que hoje decorreu na sede daquela organização, em Lisboa.

No seu entender (e na prossecução da quem tem pelo menos três refeições por dia e orgasmos intelectuais quando nos trata como matumbos), o papel que esta comissão tem vindo a desempenhar é “merecedor de um justo reconhecimento pelo serviço prestado à causa da promoção da língua portuguesa”.

Por isso, considerou-a “um actor ímpar e inspirador de possíveis formas de actuação comunitária”.

Ribeiro Telles recordou que, em 2014, na 10ª cimeira de chefes de Estado e de Governo, que teve lugar em Díli, atribuiu-se o estatuto de observador consultivo da CPLP à UCCLA – União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa, que em Janeiro deste ano assumiu a coordenação daquela comissão temática, sucedendo à Fundação Calouste Gulbenkian.

Estas são duas das 14 instituições que integram a comissão temática para a promoção da língua portuguesa, entidades da sociedade civil, todas observadores consultivos da CPLP.

“Desde então a nossa colaboração [com a UCCLA] tem sido profícua e temos a certeza que será cada vez mais intensa”, afirmou o secretário-executivo da CPLP.

Entre as iniciativas levadas a cabo desde 2013 pela comissão temática, Ribeiro Telles destacou a realização, naquele ano, da primeira conferência em língua portuguesa, em Faro, a conferência Juventude, Diásporas e Mobilidade Académica, realizada, em 2019, em Santiago de Compostela, o Mercado da Língua Portuguesa, que decorreu em Cascais, e a mostra de cinema em língua portuguesa, que teve lugar em Díli e também em Macau.

“Estes eventos permitiram uma maior promoção e projecção da língua portuguesa nos Estados-membros da CPLP, em países terceiros, em organizações regionais e organismos internacionais e junto das diásporas dos nossos países (…), sendo justo reconhecer este legado e o seu contributo, ao longo do tempo, para a aproximação da CPLP os seus cidadãos”, sublinhou o diplomata.

Por outro lado, para o secretário-executivo, “a ampla participação do Estados-membros nas iniciativas da comissão” também demonstra “a importância e a pertinência da aproximação da CPLP à sociedade civil e, assim, aos povos dos países de língua portuguesa”.

Além disso, as instituições que compõem a comissão temática “têm assumido a promoção da língua portuguesa como sua missão, o que enaltece e fortalece a própria CPLP”, frisou, lembrando que a língua foi o factor motriz daquela comunidade e é hoje falada por mais 200 milhões de pessoas em todo o mundo.

De acordo com as estimativas das Nações Unidas, há um potencial de crescimento do número de falantes de português até ao final deste século, altura em que poderá chegar ou mesmo ultrapassar 500 milhões, referiu.

Esta importância e potencial no mundo são, segundo o diplomata, “um dos principais motivos do interesse acrescido de numerosos países e organizações internacionais em se associarem de forma mais institucional à CPLP, nomeadamente através da obtenção do estatuto de observador associado”.

Assim, se até 2014 a CPLP tinha apenas três observadores associados, hoje tem 19 e a partir da próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da CPLP, prevista para Julho em Luanda, deverá passar contar com 30, salientou.

“É nesta intercepção entre os contextos nacionais dos Estados-membros, dos observadores associados, de países terceiros e ambiente multilateral, que a CPLP existe e interage e que a comissão temática de Promoção e Difusão da Língua Portuguesa e os observadores consultivos se têm afirmado como um actor ímpar e inspirador de possíveis formas de actuação comunitária e merecedor de um justo reconhecimento pelo serviço prestado à causa da promoção da língua portuguesa”, concluiu.

A outra face da geringonça da CPLP

E então, que tal assumir (isso é que era bom!) que a entrada da Guiné Equatorial no bloco lusófono foi, é e será uma questão que envergonha a organização?

É, de facto, uma vergonha do tamanho da própria Lusofonia. Já não bastavam os problemas que a CPLP tem desde a nascença, pois não? E que tal olhar de forma séria para a Guiné-Bissau, que hoje é um “Estado-falhado”, um “narco-Estado”?

Não. Nada disso. A Guiné Equatorial é que é importante, mesmo sabendo-se que Teodoro Obiang é um dos governantes mais antigos à frente de um Governo em África, lugar que ocupou depois de um golpe de Estado contra o próprio tio, Francisco Macías, que foi posteriormente fuzilado.

Obiang e membros da sua família (nomeadamente o seu filho ‘Teodorin’ Obiang) – que têm uma das maiores fortunas em África segundo a revista Forbes – enfrentam processos em alguns países por corrupção, fraude e branqueamento de capitais, assim como o Presidente enfrenta acusações de violação dos direitos humanos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse confiar que a CPLP poderá desempenhar “um papel positivo” quanto à pena de morte, em relação à qual a Guiné Equatorial impôs uma moratória.

“A pena de morte está espalhada em todos os continentes ainda, infelizmente. Mas tenho confiança que a CPLP possa desempenhar um papel positivo neste domínio”, defendeu o responsável da Organização das Nações Unidas.

Sobre problemas de desrespeito de direitos humanos em países lusófonos, o secretário-geral da ONU considerou que “há passos significativos a dar em matéria de direitos humanos em todo o mundo” e lembrou que é uma das “questões essenciais da agenda das Nações Unidas”.

“Espero que a CPLP, como todas as organizações internacionais, tenha um papel muito importante no sentido de que os direitos humanos se transformem num ponto essencial da agenda internacional. Estou confiante que a CPLP, também aí, exercerá um papel muito importante”, defendeu.

Antes, Guterres sublinhou: “Temos de ir ao essencial. O essencial, para mim, depois de ter sido co-fundador da CPLP, é uma profunda alegria estar como secretário-geral (na altura ainda não tinha tomado posse) das Nações Unidas numa reunião da CPLP e ver que está viva, empenhada numa agenda internacional que coincide com a agenda das Nações Unidas”.

E, pelos vistos e fazendo fé nas declarações de António Guterres, a Guiné Equatorial é o único problema – pequeno, certamente – da CPLP. Até porque, disse o secretário-geral da ONU – “o essencial” é – veja-se – que a CPLP está viva.

No dia 16 de Junho de 2010, quando Pedro Pires recebeu o seu homólogo da Guiné Equatorial, ficou a saber-se que o então presidente de Cabo Verde era cada vez mais apologista da entrada do reino de Teodoro Obiang Nguema Mbasogo na Comunidade de Países de Língua(?) Portuguesa.

Na altura, os mais ingénuos estranharam que Pedro Pires tenha barrado os jornalistas quando estes, numa coisa a que se chama liberdade de imprensa, se aproximaram para chegar à fala com Teodoro Obiang.

Pedro Pires impediu as câmaras da televisão de filmarem a entrada para o veículo oficial que levou Obiang para a Assembleia Nacional, o que gerou manifestações de repúdio dos jornalistas, tal o ineditismo do gesto, que foi mostrado e comentado de forma crítica pela televisão local.

Vergonha precisa-se, urgentemente!

Em 2016 os observadores da CPLP consideraram que as eleições presidenciais na Guiné Equatorial decorreram “de forma ordeira e pacífica” e registaram uma predominância de elementos do partido no poder. Teodoro Obiang ganhou com 98% dos votos. Que melhor prova de democracia poderia querer a CPLP…

“A votação decorreu de forma ordeira e pacífica, não havendo registo de incidentes. O acto eleitoral foi acompanhado de um visível dispositivo de segurança”, considerou a equipa de “turistas” da CPLP.

Os observadores/turistas da organização lusófona, a que a Guiné Equatorial aderiu em 2014, constataram, nas deslocações realizadas, “a predominância de elementos de campanha eleitoral do PDGE [Partido Democrático da Guiné Equatorial, no poder] face às demais candidaturas”.

Por outro lado, a equipa observou a presença de delegados do PDGE “em todas as mesas visitadas, e a presença, em menor número de mesas, de delegados de outras candidaturas”.

“O dia eleitoral decorreu conforme os procedimentos operacionais previstos para o efeito, designadamente no Manual de Instrução para os Membros das Mesas” e, “nos locais visitados, os membros das mesas de voto demonstraram o necessário conhecimento sobre os procedimentos a seguir, o mesmo acontecendo com a generalidade dos eleitores”, descreveu a missão de acompanhamento.

Os observadores verificaram ainda que as mesas visitadas “dispunham do material necessário ao seu bom funcionamento e ao exercício do voto por parte dos eleitores”, acrescentaram.

Segundo a CPLP, a acção da equipa “foi condicionada pela chegada tardia ao país, o que não permitiu o acompanhamento do ciclo eleitoral, designadamente do período de campanha, nem assegurar a cobertura da parte continental do território nacional”. O então secretário executivo da comunidade, Murade Murargy, disse que tal se deveu a constrangimentos financeiros.

Por outro lado, acrescentava a nota da missão de acompanhamento, não foram disponibilizadas listas das mesas de voto em tempo útil, o que “não permitiu a identificação atempada dos locais de acompanhamento do ato eleitoral”.

A missão decorreu a convite das autoridades da Guiné Equatorial e a equipa é foi chefiada pelo então representante permanente de Timor-Leste junto da CPLP, embaixador Antonito de Araújo, integrando ainda diplomatas das representações de Cabo Verde e São Tomé e Príncipe e elementos do secretariado-executivo.

Recorde-se que, segundo Domingos Simões Pereira, então Secretário Executivo da CPLP, o processo de adesão da Guiné Equatorial à CPLP consistia em:

“Por um lado, a Guiné-Equatorial já está cumprindo com a aprovação da língua portuguesa, como língua oficial. Mas também há princípios que têm a ver com o exercício democrático no país, com uma maior abertura, com os direitos humanos. Há todo um conjunto de princípios no país que nós achamos que têm que ser respeitados”.

Era, na altura, uma tentativa, vã e coxa, de querer dar credibilidade à CPLP.

Com a bênção do democrata (apesar de não eleito nominalmente e no poder desde 1979) presidente de Angola, e com o agachamento dos restantes países, a ditadura de Teodoro Obiang entrou na CPLP com armas e bagagens.

É evidente que a entrada da Guiné Equatorial na CPLP “não vai mudar nada o regime de Teodoro Obiang” (onde está a novidade?), afirmou já em Julho de 2010 à Agência Lusa um dos líderes da oposição em Malabo.

“Obiang está no poder desde 1979 e vai continuar a violar os direitos humanos, a torturar e a prender”, declarou Celestino Bacalle, vice-secretário geral da Convergência para a Democracia Social (CPDS).

Obiang, como aliás os angolanos, sabe que o que hoje é verdade para os governos da CPLP amanhã pode ser mentira. Também sabe, tal como José Eduardo dos Santos, que ontem era bestial mas que hoje é uma besta.

fonte: folha8

Barça: o plano secreto de Joan Laporta e Koeman para Sadio Mané.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Não é segredo que o FC Barcelona segue o senegalês Sadio Mané há várias temporadas. O astro do Liverpool também é um fanático por ter apoiado o clube na infância.

“Ronaldinho foi um dos meus heróis e jogou aqui por muitos anos. Este encontro é ainda mais especial para mim, porque estarei jogando no mesmo estádio onde meu ídolo triunfou. Quando eu era jovem, torci para o FC Barcelona ", disse Sadio Mané em uma coletiva de imprensa antes do confronto da Liga dos Campeões entre Barça e Liverpool em 2019.

Se a ex-gestão do Barça seguiu o senegalês, a nova gestão de Joan Laporta mantém Sadio Mané como opção caso a Operação Neymar vá para o ralo. De acordo com nossas informações, o número 10 dos Reds se encaixa perfeitamente no plano de Ronald Koeman. Os dois se conhecem muito bem de Southampton e o técnico holandês está gostando de trabalhar novamente com o Leão de Teranga.

A incerteza em torno do futuro de Ousmane Dembélé muda tudo. O extremo francês ainda não estendeu e o Barça está pensando seriamente em vendê-lo na próxima janela. O caso de Philippe Coutinho já está encerrado com o acordo fechado com o Everton para a transferência do brasileiro. Com as duas vendas, o clube do Braugrana poderá financiar a contratação de Sadio Mané caso Neymar finalmente se estenda ao PSG.

Koeman quer Sadio Mané para seu projeto
No caso de Neymar retornar à Catalunha, Ronald Koeman planeja usar o crack Ansu Fati como o número 9. Lionel Messi, que está mais aberto à prorrogação, deve ficar no Barça. Antoine Griezmann também ficará no clube. O técnico holandês precisa, portanto, de um extremo destro (Messi, Griezmann e Dembélé são todos canhotos) para retomar com o 4-3-3 embutido no DNA de Braugrana. E para isso, ele pede prioridade ao Neymar. Se o brasileiro não vier, Sadio Mané seria o Plano B. de Laporta e Koeman.

O senegalês, que está tendo uma temporada muito difícil em Anfield, pode ficar tentado a deixar o Liverpool. Os Reds nem têm certeza de que vão disputar a Champions League na próxima temporada, e ainda é difícil manter estrelas como Sadio Mané e Mo Salah. O que é certo, Mané pensará bem para o seu futuro neste verão.

Torcedores do Barça validam Sadio Mané
Antes da pandemia, o canal francês, Canal + fez uma micro calçada na Catalunha para obter a reação dos torcedores do Barça sobre Sadio Mané. Normalmente, os fãs de culés gostam do senegalês e gostariam que um dia ele jogasse no Camp Nou.

No programa Talents d'Afrique, filmado nas ruas de Barcelona, ​​as impressões são unânimes. Músicas escolhidas: “Sadio Mané é um jogador muito técnico, muito rápido, faz parte do Top 5”, “Sadio Mané joga como o Messi. Gosto da aceleração dele e principalmente da finalização ”, lança uma torcida. “Sadio Mané é um jogador de classe mundial, se vier para o Barça a equipa vai melhorar”, são algumas das reacções entre muitas.

Xavi, o único obstáculo para a chegada de Sadio Mané
A imprensa da Catalunha tem falado sobre o ultimato de Laporta a Ronald Koeman por alguns dias. De acordo com relatos da mídia, se o técnico holandês não vencer a La Liga no final da temporada, ele dará lugar a Xavi Hernandez. Todos sabemos que um dia ou outro o ex-médio catalão sairia em vantagem. Na verdade, ele impressiona no Al Sadd SC e será, sem dúvida, um bom treinador no Barça.

Mas a lenda não gosta de Sadio Mané. Ele deixou claro há alguns meses que o estilo do senegalês não combina com o DNA de Braugrana. “Mané e Aubameyang podem matar você com espaços. Mas o Barça precisa de jogadores que saibam se movimentar em espaços pequenos. Penso em jogadores que se adaptariam ao Barça e não é fácil encontrá-los. Samuel Eto'o foi perfeito e Luis Suarez também está agora. Ao nível do futebol, Neymar é um dos três ou cinco melhores jogadores do mundo. Espero que ele volte para o Barça. Ele traria muito. Ele tem uma mentalidade positiva. Um jogador que pode fazer a diferença seria uma grande contratação ", disse o atual treinador do Al-Sadd em comentários ao Metro.

Ele tem, portanto, a certeza de que não aprovará a escolha de Sadio Mané se for para substituir Ronald Koeman no final da temporada.

seneweb.com

SENEGAL: Macky sobre abusos nas redes sociais: "Não podemos permitir que as pessoas destruam famílias de graça ..."

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A regulamentação do setor de mídia social é urgente. Pelo menos é a opinião do Presidente da República, Macky Sall. Ele deu a conhecer no dia 1º de maio, no Palácio, por ocasião da tradicional cerimônia de entrega de cadernos de queixas por ocasião do Dia do Trabalho. “O governo já iniciou uma reflexão sobre a regulamentação do setor de mídias sociais e um texto está quase pronto. Vamos compartilhar com você. Não podemos permitir que continue o que está acontecendo em nosso país nesta área.

Não é possível. De repente, o texto também estará em consulta com profissionais para certamente melhorar a regulamentação que hoje é muito débil e poder consagrar plenamente a liberdade de opinião e expressão, mas com respeito pela dignidade de cada cidadão. », He lnacé ao lugar do Secretário-Geral do Sindicato Nacional dos Profissionais de Informação e Comunicação do Senegal (SYNPICS), Bamba Kassé. De acordo com o Chefe de Estado, “não podemos deixar que as pessoas destruam como a reputação das pessoas, das famílias gratuitamente porque acreditamos que estamos no anonimato. Portanto, ações serão tomadas muito rapidamente sobre essas questões ”.

Anteriormente, o SYNPICS SG deplorava os abusos nessas chamadas redes sociais. “Nosso setor de mídia, hoje continua sendo predador, mestre cantor, que vende pelo maior lance ou pelo mais promissor, que está em uma lógica de lobby e posicionamento, que está no clima político e se promete um dia de membro. De um regime político . Para isso, esses bandidos brincam com a ausência de uma regulamentação real e se refugiam na grande Onda de Conectividade que caracteriza o mundo de hoje ”. Antes de argumentar: “Em um contexto marcado por regulamentações obsoletas e fracas, os abusos abundam. A Internet e seus crescimentos são infelizmente considerados por alguns de nossos compatriotas como áreas sem direitos onde insultos, calúnias, julgamentos de valor, total falta de respeito por nossas instituições e até mesmo por nossos líderes religiosos são moeda comum ”.

fonte: seneweb.com

Franco CFA: França devolverá 5 bilhões de euros em reservas ao BCEAO.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Segundo a nossa informação, este processo faz parte da reforma do franco CFA, iniciada em dezembro de 2019.

A França iniciou o processo de transferência de 5 bilhões de euros para as contas do Banco Central dos Estados da África Ocidental (BCEAO). A decisão de Paris surge no quadro da reforma do Franco CFA, chamado a ser ecológico.

Aplicação dos acordos de dezembro de 2019

Os recursos em questão são as reservas cambiais domiciliadas nos livros do Banque de France para cobrir as importações dos países da União Económica e Monetária da África Ocidental (UEMOA).

Visitando Abidjan de 29 a 30 de abril, Bruno Le Maire, o Ministro da Economia e Finanças da França, tranquilizou o Presidente da Costa do Marfim, Alassane Dramane Ouattara, sobre a plena implementação dos acordos de reforma do franco CFA aprovados em dezembro de 2019.

Estes acordos sancionaram o fim da centralização de metade das reservas cambiais do BCEAO nos livros do Banque de France. O Banco Central da África Ocidental agora deve investi-los como achar adequado nas instituições financeiras e instrumentos de sua preferência.

fonte: seneweb.com

Foto Ilustrativa Uma vacina contra a malária testada inicialmente no Burkina Faso apresenta resultados promissores. A experiência clínica publicada na revista científica The Lancet revela que a vacina R21/Matrix-M teve eficácia de 77% após 12 meses de observação. É a primeira vacina a atingir a meta de 75% de eficácia estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O ensaio clínico envolveu 450 crianças, entre os 5 e os 17 meses. Os participantes foram divididos em três grupos – os primeiros dois receberam a R21/Matrix-M, com uma dose baixa ou alta de Matrix-M, enquanto o terceiro grupo recebeu uma vacina de controlo contra a raiva. A eficácia no grupo que recebeu a dose reduzida de Matrix-M foi de 71% e não se registaram efeitos secundários significativos. Os investigadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estão agora a recrutar participantes para um teste mais alargado, para verificar a eficácia e segurança em grande escala da vacina, com 4.800 crianças entre os 5 e os 36 meses em quatro países africanos. "É um ensaio numa fase inicial, os dados são muito encorajadores, mas é um pequeno número de crianças, pelo que dá uma justificação clara para avançar para ensaios maiores noutros locais”, esclarece Julian Rayner, que investiga a malária e dirige o Instituto de Investigação Científica na Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Tansania Ithani-Asheri Hospital in Arusha Kind Malaria Test Teste ocorrerá em bebés Obstáculos à vacina Apenas uma vacina, a RTS,S, havia anteriormente demonstrado uma redução significativa da malária e da malária grave em crianças africanas entre 5 e 17 meses. Foram aplicadas quatro doses da RTS,S, que preveniu cerca de 39% dos casos de malária em quatro anos e cerca de 29% dos casos graves. Se for tratada atempadamente, a malária é curável. Se o caso for muito grave, porém, pode ser tarde demais para os medicamentos funcionarem. Há também um grave problema de resistência ao tratamento: Ranyer explica que o parasita tem um mecanismo sofisticado para fugir à resposta imunitária e apresenta um ciclo de vida complicado, em que se move entre mosquitos e humanos. Quando está no corpo humano, durante parte do tempo, fica no nosso sangue, exposto ao nosso sistema imunitário. "Por isso criou mecanismos para evitar o sistema imunitário e isso torna mais difícil obter também uma vacina contra a malária", conclui o investigador. Medizin Forschung l Weltweit erste Malaria-Impfkampagne l Mücke der Gattung «Anopheles gambiae» Mosquito Anopheles é o transmissor da malária A diemensão do problema Todos os anos, a malária mata milhares de pessoas – na maioria, bebés e crianças. Só em 2019, foram mais de 400.000 vítimas mortais. A doença é causada por parasitas transmitidos aos humanos através das picadas das fêmeas dos mosquitos Anopheles. Há cinco espécies de parasitas que causam malária nos humanos, e duas dessas espécies - P. falciparum e P. vivax – são as maiores ameaças. A doença provoca uma série de sintomas, incluindo febre, dores de cabeça, mal-estar, problemas gastrointestinais, dores nas costas, tosse e problemas neurológicos, desde tonturas e convulsões e até coma. Estima-se que em 2019 tenha havido 229 milhões de casos de malária em todo o mundo, segundo a OMS. A grande maioria regista-se em África, onde ocorreram 94% dos casos e mortes por malária em 2019. Crianças com menos de cinco anos representam 67% das vítimas mortais. "Quem vive em zonas de grande incidência de malária e contrai a doença várias vezes ao longo do seu crescimento pode desenvolver uma imunidade natural. Não é uma imunidade completa, não quer dizer que não torne a contrair malária, mas não tem sintomas tão graves. É por isso que a maioria dos casos graves afeta as crianças mais novas, porque quem sobreviveu o suficiente, quem tem mais idade, desenvolveu essa imunidade natural”, diz Ranyer.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Bill Gates e Melinda Gates anunciaram esta segunda-feira (03.05) que decidiram divorciar-se. "Não acreditamos mais que podemos crescer juntos como um casal na próxima fase das nossas vidas", declararam.

Na conta de Twitter de Bill Gates o casal anunciou esta segunda-feira (03.04): "Depois de muito pensar e trabalharmos na nossa relação decidimos acabar com o nosso casamento".

"Não acreditamos mais que podemos crescer juntos como um casal na próxima fase das nossas vidas. Pedimos espaço e privacidade para a nossa família à medida que começamos a navegar na nova vida", acrescentam Melinda e Bill Gates. 

Ao fim de um casamento que durou 27 anos lembraram o seguinte: "Criamos três filhos incriveis e construímos uma fundação que funciona em todo o mundo possibilitando vidas produtivas".

Não se sabe ainda sobre os detalhes financeiros da decisão. 

O casal dirige a Fundação Bill e Melinda Gates, a maior instituição sem fins lucrativos do mundo, criada no ano 2000. A fundação atualmente tem mais de 51 mil mlhões de dólares em ativos, de acordo com um processo fiscal citado pela CNBC. Os dois vão continuar a trabalhar juntos na fundação, mesmo divorciados. 

Bill Gates é o fundador da Microsoft e até pouco tempo era o homem mais rico do mundo. Desde o ano 2000 que Gates se tem desligado paulatinamente da empresa para se dedicar a filantropia. 

fonte: DW África

Vacina contra malária será testada em quatro países africanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

É a primeira vacina a atingir a meta de eficácia estabelecida pela OMS, chegando a 77% após 12 meses de observação. Investigadores preparam teste alargado em África, onde ocorreram 95% das mortes pela doença em 2019.


Foto Ilustrativa

Uma vacina contra a malária testada inicialmente no Burkina Faso apresenta resultados promissores. A experiência clínica publicada na revista científica The Lancet revela que a vacina R21/Matrix-M teve eficácia de 77% após 12 meses de observação.

É a primeira vacina a atingir a meta de 75% de eficácia estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O ensaio clínico envolveu 450 crianças, entre os 5 e os 17 meses. Os participantes foram divididos em três grupos – os primeiros dois receberam a R21/Matrix-M, com uma dose baixa ou alta de Matrix-M, enquanto o terceiro grupo recebeu uma vacina de controlo contra a raiva.

A eficácia no grupo que recebeu a dose reduzida de Matrix-M foi de 71% e não se registaram efeitos secundários significativos. Os investigadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, estão agora a recrutar participantes para um teste mais alargado, para verificar a eficácia e segurança em grande escala da vacina, com 4.800 crianças entre os 5 e os 36 meses em quatro países africanos.

"É um ensaio numa fase inicial, os dados são muito encorajadores, mas é um pequeno número de crianças, pelo que dá uma justificação clara para avançar para ensaios maiores noutros locais”, esclarece Julian Rayner, que investiga a malária e dirige o Instituto de Investigação Científica na Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Tansania Ithani-Asheri Hospital in Arusha Kind Malaria Test

Teste ocorrerá em bebés

Obstáculos à vacina

Apenas uma vacina, a RTS,S, havia anteriormente demonstrado uma redução significativa da malária e da malária grave em crianças africanas entre 5 e 17 meses. Foram aplicadas quatro doses da RTS,S, que preveniu cerca de 39% dos casos de malária em quatro anos e cerca de 29% dos casos graves.

Se for tratada atempadamente, a malária é curável. Se o caso for muito grave, porém, pode ser tarde demais para os medicamentos funcionarem. Há também um grave problema de resistência ao tratamento:

Ranyer explica que o parasita tem um mecanismo sofisticado para fugir à resposta imunitária e apresenta um ciclo de vida complicado, em que se move entre mosquitos e humanos. Quando está no corpo humano, durante parte do tempo, fica no nosso sangue, exposto ao nosso sistema imunitário.

"Por isso criou mecanismos para evitar o sistema imunitário e isso torna mais difícil obter também uma vacina contra a malária", conclui o investigador.

Medizin Forschung l Weltweit erste Malaria-Impfkampagne l Mücke der Gattung «Anopheles gambiae»

Mosquito Anopheles é o transmissor da malária

A diemensão do problema

Todos os anos, a malária mata milhares de pessoas – na maioria, bebés e crianças. Só em 2019, foram mais de 400.000 vítimas mortais. A doença é causada por parasitas transmitidos aos humanos através das picadas das fêmeas dos mosquitos Anopheles.

Há cinco espécies de parasitas que causam malária nos humanos, e duas dessas espécies - P. falciparum e P. vivax – são as maiores ameaças. A doença provoca uma série de sintomas, incluindo febre, dores de cabeça, mal-estar, problemas gastrointestinais, dores nas costas, tosse e problemas neurológicos, desde tonturas e convulsões e até coma.

Estima-se que em 2019 tenha havido 229 milhões de casos de malária em todo o mundo, segundo a OMS. A grande maioria regista-se em África, onde ocorreram 94% dos casos e mortes por malária em 2019. Crianças com menos de cinco anos representam 67% das vítimas mortais.

 "Quem vive em zonas de grande incidência de malária e contrai a doença várias vezes ao longo do seu crescimento pode desenvolver uma imunidade natural. Não é uma imunidade completa, não quer dizer que não torne a contrair malária, mas não tem sintomas tão graves. É por isso que a maioria dos casos graves afeta as crianças mais novas, porque quem sobreviveu o suficiente, quem tem mais idade, desenvolveu essa imunidade natural”, diz Ranyer.

fonte: DW África

Moçambique: Os ideais de Afonso Dhlakama foram-se com a sua morte?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Assinala-se nesta segunda-feira (03.05) três anos da morte de um dos fundadores da RENAMO, Afonso Dhlakama. No partido da oposição fala-se em "desaceleração" no cumprimento dos ideais traçados pelo líder carismático.
                                                           Exposição fotográfica sobre a vida de Afonso Dhlakama

Os quadros da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), o maior partido de oposição em Moçambique, lembraram esta segunda-feira (03.05) os feitos e ideias do histórico líder Afonso Dhlakama, que perdeu a vida a 3 de maio de 2018. A maioria sublinhou o papel de Dhlakama na construção do diálogo em Moçambique.

Três anos após a sua morte, foi organizada uma cerimónia para recordar vida e obra do líder carismático, que se intitulava "pai da democracia". Durante a sessão, algumas figuras proeminentes da RENAMO afirmaram haver uma desaceleração dos planos traçados pelo partido desde a morte de Dhlakama.

"Sentimos que a RENAMO tem que fazer mais, porque com o saudoso líder, até a sua morte, a RENAMO estava numa posição em que tinha de se manter ou ter tendências de aumentar a [fasquia], porque o objetivo é de conquistar o poder político. E nós só podemos conquistar o poder político se estivermos enraizados, no trabalho, se definirmos as metas e encontrarmos o apoio de todos", defendeu Bissopo.  

E o quadro da RENAMO pede mais: "Sinto que é preciso haver mais trabalho, definir mais os projetos para que, de facto, o sonho de moçambicanos se concretize”.

Elias Dhlakama - Bruder von Afonso Dhlakama und Mitglieder der Partei RENAMO in Mosambik

Elias Dhlakama, irmão de Afonso Dhlakama

Dhlakama não era feliz na oposição

Uma das figuras que participou também na cerimónia sob lema "Recordando Afonso Dhlakama 1953-2018" é o seu irmão Elias Dhlakama, que afirma que o ex-presidente da RENAMO "não morreu feliz porque não conseguimos alcançar aquilo que seria o objetivo desejado de um dia governar este país".

Por seu lado, Fernando Mazanga considera que há um grande vazio, se calhar um vazio irreparável: "Na verdade estes três anos ensinaram-nos muito a vivermos sem o nosso timoneiro, sem o nosso pai”.

Para reverter este cenário, há quem sugere uma saída para o alcance do sucesso, como é o caso de António Muchanga, antigo porta-voz do partido e agora deputado na Assembleia da República.

RENAMO precisa aperfeiçoar-se mais

Segundo Muchanga, para a RENAMO alcançar o seu objetivo é preciso que o partido cumpra o que aprendeu com Dhlakama e defende que o partido precisa "aperfeiçoar" a sua política. 

Maria Ivone Soares, que além de ser quadro da RENAMO é também familiar do Afonso Dhlakama, pede continuidade para reerguer a obra que Dhlakama começou. 

Mosambik Gedenkfeier dritter Jahrestag des Todes von RENAMO-Führer Afonso Dhlakama

Líder da RENAMO, Ossufo Momade, assina livro de homenagem

"Quando digo reerguer é porque há tentativa visível de se escamotear os valores da democracia, de se escamotear os valores das liberdades e da justiça que deviam ser o lema de todos partidos para garantir que o povo tenha boas condições. Mas nós vemos que continuam uns poucos com tudo e a maior parte com do povo sem nada", disse. 

Por outro lado Fernando Mazanga alerta para a não imitação da força do Afonso Dhlakama e insta a Ossufo Momade a ter que se reinventar.

Mazanga diz que "ele terá que trilhar o seu próprio caminho, porque nós todos fomos deixados com grandes ensinamentos por parte do presidente Dhlakama. Ele deixou quadros formados que acredito que estão aptos para dar continuidade, porque ele não centralizava, descentralizava as suas ideias".

E recorda: "Faziam-se debates, é por isso que nós tínhamos sempre reuniões do conselho nacional, tínhamos reuniões da comissão política, tínhamos reuniões de secretariado geral, tínhamos as delegações todas a funcionar. Era uma forma de transmitir o seu conhecimento".

Afonso Dhlakama morreu a 3 de maio de 2018, aos 65 anos, devido a complicações de saúde, no seu refúgio na Serra da Gorongosa, centro do país, após dirigir a RENAMO durante 38 anos.

fonte: DW África

Total de visualizações de página