Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 9 de novembro de 2014

Libéria: A luta contra Ebola começa a dar frutos, mas é muito cedo ainda para afirmar o sucesso.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O mais mortal surto de Ebola já está finalmente a abrandar na Libéria, o país mais atingido, mas ainda causando estragos em dois países vizinhos na África Ocidental em meio as advertências de milhares de mortes não declaradas.

Como resposta global inicialmente sem brilho para a crise centrada na Libéria e na Serra Leoa e na vizinha Guiné-Conacri, reuniu-se alguns ritmos após repetidos e apaixonados apelos de altos funcionários da ONU e líderes mundiais, entretanto, a boa notícia é que a Libéria foi incrementada por avisos de que o pedágio global é amplamente subestimado.

O surto foi oficialmente estimado em ter provocado 4960 mortes e infectado 13.042 pessoas, segundo os últimos dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde. Mas isso pode ser a ponta do iceberg, disse um funcionário da agência de saúde da ONU.

"Há muita falta de registro de mortes nesta epidemia", disse Christopher Dye, chefe de estratégia da OMS à AFP, estimando que cerca de 5.000 mortes poderiam estar faltando na contagem.

Essa avaliação, segundo ele, foi baseado no conhecimento de que a taxa de mortalidade da epidemia está em cerca de 70 por cento.

Dye disse que a explicação mais provável era de que muitas pessoas estavam enterrando os mortos em segredo, possivelmente para evitar que as autoridades interfiram nos costumes de sepultamento: como lavar e tocar o falecido, atitudes amplamente responsabilizadas por grande parte da transmissão.

De Serra Leoa, o presidente Ernest Bai Koroma pressionou sobre um ponto em uma reunião esta semana com os legisladores bem como com os chefes tribais e religiosos.

"Você tem que fazer cumprir a lei e tirar o doente da área de risco", disse ele, referindo-se a proibição de rituais de luto tradicional com envolvem contato com cadáveres.

"Este é o momento para a ação e você deve acabar com a hipocrisia na luta contra o Ebola", acrescentou Koroma, cujo país registrou 1.070 mortes pela doença e 4759 casos.

" Progresso esporádico "

Mesmo que a propagação do vírus tenha diminuído na Libéria, onde 2.697 pessoas morreram de um total de 6.525 casos, as autoridades alertaram que este não é o momento para complacência.

"Nós não podemos esperar. Esta é uma situação em que nós estamos vendo progresso, mas o progresso pode ser esporádico com esta doença, se não formos vigilantes", disse Ertharin Cousin, o chefe do Programa Mundial de Alimentos da ONU durante esta semana numa turnê pela África Ocidental.

"E lança uma mensagem de que é agora o momento para que todos possam se unir para garantir que estamos atendendo às necessidades de pessoas que são afetadas por esta doença, porque estamos vendo progresso", reforçou Cousin.

Entre estes, estão mais de 2.000 crianças órfãs deixadas sós pela doença na Libéria, disse o bloco regional da África Ocidental, a CEDEAO pedindo ajuda internacional para se estender para além de cuidados médicos imediatos.

Anthony Banbury, porta-voz da ONU sobre a luta contra o Ebola, disse à BBC que o organismo internacional não tinha nem recebido fundos suficientes, nem os meios para lutar contra a doença.

"Ele ainda não chegou aqui. Ainda há pessoas, aldeias, vilas [e] as áreas que não estão] recebendo qualquer tipo de ajuda agora e nós definitivamente não temos a capacidade de resposta no chão da comunidade internacional", disse ele.

A ONU disse que recebeu pouco mais da metade - 572 milhões dólares americanos dos 988 milhões de dólares - os fundos que ainda estão buscando para financiar a luta contra o pior surto de Ebola desde a descoberta da doença viral em 1976.

O Presidente dos EUA, Barack Obama está pedindo ao Congresso mais de US $ 6,0 bilhões em financiamento de emergência, enquanto o Japão tornou-se o mais recente país esta semana a prometer ajuda extra, tendo a contribuição de Tóquio estimado para um total de US $ 140 milhões.

# africareview.com

Total de visualizações de página