Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 23 de agosto de 2015

Será que ajuda na reflexão?! - olhando para a nossa realidade guineense?: Os políticos Brasileiro é lamentável, brigam por poder e esquecem do Povo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




É estarrecedor saber que o Brasil tem o 2º maior índice de corrupção do mundo, perdendo apenas para a Nigéria, porém, comparando os dois países o Brasil está em uma situação bem pior, já que não pune nenhum político corrupto como deveria, o Brasil é o único país do mundo que não tem absolutamente nenhum político preso (ou apenas um) por corrupção, portanto, está clara a razão dessa praga (a corrupção) estar cada vez pior no país, já que nenhuma providência é tomada, na China, por exemplo, a corrupção comprovada é punida com pena de morte ou prisão perpétua, além do que é óbvio, da imediata devolução aos cofres públicos dos valores roubados. O ministro chinês fez uma pequena citação que apenas nos últimos 5 anos, o Brasil já computou um desvio de verbas públicas de quase 100 bilhões de reais, o que permitiria investimentos de reflexo nacional. Ou seja, algo está errado e precisa ser mudado imediatamente.

#''Blog do Rony Uchôa'' 


Senegal: Presidente Vaz não pediu proteção a Macky Sall (oficial)

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

content_image

A Presidência da República da Guiné-Bissau, em um comunicado divulgado domingo em Bissau, negou relatos de que o Chefe de Estado José Mario Vaz tinha pedido ao seu homólogo senegalês Macky Sall para enviar um destacamento do Grupo de intervenção da polícia nacional para assegurar sua segurança.

"Essas informações são totalmente falsas e infundadas. Por agora, a segurança do presidente é dirigida pela Guiné-Bissau e suas forças de defesa e segurança, reforçadas pela força da ECOMIB (a Missão da CEDEAO na Guiné-Bissau) . Então, para Por que pedir outra força? '' questionou a declaração assinada pelo conselheiro e porta-voz do Presidente da República da Guiné-Bissau, Fernando Mendonça.

Na sua edição de sexta-feira, o diário senegalês '' Testemunha '' anunciou que o presidente Vaz tinha solicitado ajuda ao seu homólogo senegalês, para envio de forças para vigiá-lo. Esta informação foi imediatamente preenchida pelos sites de notícias.

Obviamente decidiu-se encerrar o debate sobre este assunto, concluiu Mendonça com esta pergunta: '' Senegal é uma das forças da ECOMIB que está em nosso país, então por que solicitar a presença de outra força militar senegalesa? ".

# seneweb.com com colaboração da Apanews

Conferência em Bissau analisa relacionamento entre políticos e militares.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O evento, organizado pelo Instituto Nacional da Defesa e patrocinado pelos Estados Unidos, junta sessenta participantes.

Militares guineenses. Foto de arquivo

Sessenta civis e militares participam, até sexta-feira, em Bissau, na conferência sobre a relação civil-militar, organizada pelo Instituto Nacional da Defesa, com o patrocínio dos Estados Unidos.

O encontro serve como um fórum de reflexão e convivência mais restrita entre os civis e os militares, tendo em conta que as relações entre ambos há muito que não têm sido boas.
A precariedade desta conivência denota-se sobretudo nos períodos de convulsões político-militares, através de violências físicas e psicológicas.
Os guineenses, com uniforme militar, são associados aos abusos e agressões. Esse é o quadro que se quer inverter na conferência nacional, disse o Presidente do Instituto Nacional da Defesa, Torrêncio Mendes.
Uma das estratégias de superar este tabu, disse Torrêncio Mendes, é juntar, na mesma sala, os militares e os civis.
Este é a segunda conferência do género. A primeira teve lugar em 2014, na véspera de eleições gerais, e teve lugar nas zonas militares Norte, Sul e Leste.
A presente conferência acontece numa altura em que o país enfrenta mais uma fase crítica do seu percurso democrático.
Para o Presidente do Instituto Nacional da Defesa, o diálogo é o único instrumento à disposição para fazer face a isso.
#VOA

Nigéria: o chefe do exército escapa a uma emboscada do Boko Haram.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Geral nigeriano Iliya Abbah nomeado chefe da força multinacional (D) e o chefe do exército nigeriano, o general Buratai Tukur em Abuja, 31 de julho de 2015. © AFP

O chefe do exército nigeriano, o general Tukur Buratai, escapou ileso de uma emboscada dos islamitas do Boko Haram na Nigéria no norte-oriental, disse neste domingo o porta-voz do exército Sani Usman.

Nomeado em julho passado, o General Buratai sábado visitou um contingente do exército Faljari, a 45 km de Maiduguri, capital do Estado de Borno, quando seu comboio foi atacado. Durante o tiroteio que se seguiu, dez militantes e um soldado nigeriano foram mortos, disse o porta-voz.

"Os terroristas sofreram um poder de fogo esmagador dos soldados em que 10 deles morreram. Nossas tropas capturaram cinco terroristas ", disse o oficial.

"Infelizmente, nós perdemos um soldado durante o confronto, enquanto um oficial e quatro soldados foram feridos por balas", acrescentou.

Ataque de sábado aconteceu um dia após a morte de dois soldados vítimas da explosão de uma mina perto Dikwa, na recuperação da cidade dos jihadistas em julho.

O Boko Haram tem intensificado seus ataques no estado de Borno e dois outros Estados vizinhos a nordeste desde que o novo Presidente Muhammadu Buhari assumiu o cargo no final de maio.

Esta nova onda de violência já matou mais de 1.000 pessoas e frustrou os esforços lançados desde o início do ano pelos exércitos da Nigéria, Chade, Camarões e Níger que se esforçam para combater o Boko Haram .

Uma força multinacional de intervenção conjunta (MNJTF) envolvendo 8.700 homens da Nigéria, do Níger, do Chade, do Camarões e do Benin, a serem implantado em breve no nordeste da Nigéria e na fronteira entre as fronteiras dos Camarões e Chade.

A insurgência o Boko Haram reivindicou mais de 15.000 vidas desde 2009.

#jeuneafrique.com

Total de visualizações de página