Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Quais são os países africanos que gastam mais com suas forças armadas?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

As despesas militares no continente devem explodir na próxima década.
Elèves officiers à la cérémonie de remise des diplômes, Alger, 27 juin 2012 / REUTERS
Alunos Oficiais na cerimônia de formatura, Argel, 27 de junho de 2012 / REUTERS

As despesas militares reduziram-se na Europa e nos Estados Unidos, mas explodiram na África . O orçamento global das armas no continente, atualmente, são de US $ 40 bilhões, e deverá aumentar em mais US $ 20 bilhões ao longo da próxima década, de acordo com o semanário US Defense News citado pelo Jeune Afrique.

Os países africanos são dotados de exércitos cada vez mais desenvolvidos para lidar com os conflitos e golpes que são comuns desde o final da época colonial, nota Jeune Afrique. Por outro lado, as novas forças armadas têm também um papel importante na luta anti-terrorismo, " especialmente na zona Sahel-Sahariana, o Corno da África e da costa oriental, onde os grupos jihadistas continuam muito ativos", diz o artigo.

Para os outros países do continente, o exército serve para proteger os recursos naturais. Segundo o coronel Joseph Sibanda do Zimbabwe, interrogado pela Defense News, o Kenya gasta 798 milhões dólares americanos por ano com armas, precisa de uma defesa adequada para preservar os seus depósitos de petróleo e gás.

Os países ricos em petróleo têm já um sistema de armamento moderno, com equipamentos avançados e uma frota naval e aérea importantes, acrescenta Jeune Afrique. Na Argélia, o orçamento de defesa é, portanto, o maior do continente, cerca de 9,325 milhões de dólares em 2012, de acordo com dados do Instituto de Pesquisa de Paz Internacional de Estocolmo ( SIPRI ) .

África do Sul e Egito seguem em segundo e terceiro lugar, com um orçamento que ultrapassou 4.000 milhões no ano de 2012. Estes dois países são os únicos do continente que possuem sua própria indústria bélica, diz o artigo.

O grupo armamentista Sul Africano Denel poderia bem adotar o pacote dessa corrida armamentista desenfreada na África, diz o artigo. Mas as grandes indústrias internacionais exportadores de armas  também acompanham de perto este novo mercado, que pode ser atendido nos próximos anos ", podendo chegar ao mesmo nível que o da Ásia ou Sudeste », prevê o coronel Sibanda.

fonte: Slate Afrique

Total de visualizações de página