Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 22 de abril de 2015

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL NO TOGO: A OPOSIÇÃO FACE AO HOMEM FAURE.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


vote_faure_fabre

Cinco candidatos concorrem a eleição presidencial de 25 de Abril no Togo. Quatro adversários contra o presidente em exercício. 3,5 milhões de eleitores togoleses têm apenas uma volta para escolher seu próximo presidente. Uma configuração que favorece o chefe de Estado cessante, e, particularmente, quando a oposição não conseguiu se articular atrás de um único candidato.

No Togo, os adeptos  das matemáticas políticas privilegiam este ano a multiplicação ao invés de adição. Ao contrário de 2005, mas como em 2010, a oposição partiu em ordem dispersa, a fim de enfrentar o atual presidente Faure Gnassinbgé. Nem Jean-Pierre Fabré, o líder da oposição, nem o seu ex-aliado, o Professor Aimé Gogué, nem o nativo de Sokodé, Mohamed Tchassona Traoré, nem o último que entrou na cena política Gerry Komandega Taama, poderiam concordar com o princípio de um único escrutínio, e, especialmente, sobre a personalidade suposta para enfrentar Faure Gnassingbé.

"A candidatura única, ela não funciona:" Armado imperiosamente, Gogue neutraliza o argumento dizendo que durante as eleições presidenciais na Nigéria no final do mês de março, quatorze candidatos estavam concorrendo ", mas isso não impediu que a oposição ganhasse a eleição. " A teoria se apoia sobre a idéia de que, a multiplicação de candidaturas permitirá irradiar a base eleitoral de Faure Gnassingbe, especialmente na parte norte do país, a fortaleza do atual chefe de Estado. Mas a característica dos teoremas políticos, é justamente que eles podem fazer exatamente o mesmo raciocínio no sentido inverso ao também da razão.

A única lei que é finalmente, essa, que é da relatividade acoplada ao equilíbrio de força. Assim, Jean-Pierre Fabre, o líder da oposição, se considera como candidato natural da oposição, com os seus 16 deputados na Assembleia Nacional. Ele queria que seus colegas fizessem fila atrás dele, mas ele se declarou com cautela para uma candidatura única por medo de ser acusado ​​de hegemonismo por seus colegas da oposição, tanto é verdade que, se verifica regularmente uma outra lei em política: quanto mais a pele é leve, mais o epiderme é sensível. Portanto, Jean-Pierre Fabre reconhece que com a falta de candidatura única, a luta da oposição será mais difícil de realizar.

Uma rodada e depois segue

Para o Togo, depois da lei de 2002, o paradigma político é vinculativa. A eleição presidencial ocorre em uma única rodada, o que significa que ele dispõe de uma maioria absoluta para ganhar a eleição. Este método de eleição, sem dúvida, favorece indubitavelmente o presidente que sai. Desde 2006, a necessidade de reforma é aceita pelo governo. Em 2013, após as eleições parlamentares, quando os políticos olharam para o horizonte das eleições presidenciais, a questão da reforma do sistema de votação por via constitucional ressurgiu.

Com base no acordo de 2006, esta reforma visa restaurar um o escrutínio em duas voltas e limitar a dois o número de mandatos presidenciais. É sobre essa disposição que o diálogo vai tropeçar. Na verdade, a oposição quer tirar proveito desta reforma para evitar que Faure Gnassingbe concorra a um terceiro mandato.

O ANC, a Aliança Nacional para a Mudança de Jean-Pierre Fabré, insiste em uma formulação da Lei Básica estipula para que "um presidente não possa servir em mais de dois mandatos." A Suspeita provável é ver uma falha susceptível de transformar o tempo que vem em uma vala que poderia atolar o atual chefe de Estado. Ele rejeita essa formulação alegando que os contadores estão redefinidos para permitir que o atual inquilino do palácio execute dois novos mandatos de cinco anos.

A oposição se dividiu sobre a estratégia a seguir. Enquanto Jean-Pierre Fabre, o líder do ANC, rejeita a idéia de que Faure poderia buscar um terceiro mandato, outras personalidades como Dodji Apévon, o líder do CAR, o Comité de Acção para a Renovação, defende um compromisso segundo o qual, Faure Gnassingbe seriam autorizado a concorrer à presidência pela última vez em 2015. Após vários meses de disputa e sem qualquer compromisso emergente, a reforma é abandonada.

Este episódio tem implicações importantes para a eleição presidencial, desde então, um franja importante da oposição, liderado pelo CAR de Dodji Apévon recusa a eleição e defende o boicote. A linha quebrada que também divide e enfraquece a sociedade civil, notadamente o poderoso coletivo "Salvemos o Togo."

#togoactualite.com

Cuba: Díaz-Canel recebe governador do estado de Nova York.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, recebeu na terça-feira, 21 de abril, o sr. Andrew Cuomo, governador do estado de Nova York, que chefia uma delegação de empresários nova-iorquinos que visitam o nosso país.

Photo: Juvenal Balán

O primeiro vice-presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, recebeu na terça-feira, 21 de abril, o sr. Andrew Cuomo, governador do estado de Nova York, que chefia uma delegação de empresários nova-iorquinos que visitam o nosso país.
Durante a reunião conversaram sobre o processo de atualização do modelo econômico cubano, as relações entre Cuba e os Estados Unidos e as perspectivas de desenvolvimento das relações entre o estado de Nova York e Cuba.
Estiveram presentes Josefina Vidal Ferreiro, diretora da Direção Geral para os Estados Unidos, do Ministério das Relações Exteriores, e outros funcionários da chancelaria. 
#granma.cu

Oposição angolana diz que 700 membros da seita foram mortos pela polícia.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



A oposição angolana diz que até 700 pessoas podem ter sido sido mortas em confrontos entre membros de uma seita religiosa e a polícia na província do Huambo.

Segundo a União Nacional para a Independência Total de Angola (Unita), valas comuns de pessoas mortas pela polícia em ataques de vingança tinha sido encontradas.

A polícia informou que a vingança veio depois que nove de seus colegas foram mortos por membros do Sétimo Dia a Luz do Mundo (Seventh Day the light of the World), também conhecido como Kalupeteca, alusivo ao fundador da seita.

O confronto entre a polícia e membros da seita tinha entrado em erupção, quando as autoridades tentaram prender o líder da seita.

"O partido angolano da oposição pediu ao parlamento para criar uma comissão independente para investigar as mortes", relatou a rádio Voz da América.

Foram enterrados

"Bulldozers foram usadas para enterrar as 700 pessoas," disse o líder parlamentar Raul Danda da Unita.

Ele disse que uma delegação da UNITA iria para a província do Huambo a compadecer com as famílias enlutadas e seus amigos.

O Vice-comandante da polícia angolana Paulo da Almeida disse que apenas 13 civis foram mortos nos confrontos.

A polícia confirmou que houve troca de tiros entre eles e os membros da seita.

"Nós não temos conhecimento dos números e nenhum relatório foi recebido da Comissão que trabalha no terreno," disse o Sr. Almeida.

Os nove policiais mortos pelos membros da seita foram enterrados na segunda-feira.

#africareview.com

Total de visualizações de página