Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Ponto de vista africano: verdades.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Em nossa série de pontos de vista de Jornalistas Africanos,  a escritora ganense Elizabeth Ohene vê seu país de origem através de mais jovens, olhos curiosos.
Eu tenho tido um momento interessante com a minha sobrinha de seis anos de idade, durante os últimos seis semanas.
Ela vive nos EUA e está a passar as férias de verão comigo aqui em Gana e como diz o ditado, da boca de crianças, tenho vindo a aprender algumas verdades.
Tudo começou comigo tentando fazer brincos de desgaste, mas ela continuou desconsiderando-os.
Quando estávamos indo visitar sua avó, eu disse a ela com firmeza que ela tinha de usá-los.
Caso contrário, eu estaria em um monte de problemas com a avó que não seria divertido que sua neta estava andando sem brincos.
"Foi a nossa cultura", eu respondi, tentando acabar com as muitas perguntas que ela estava jogando em mim.
"Então, o que dizer da nossa cultura e que os meninos devem fazer?" , perguntou ela.
Eu não conseguia encontrar uma resposta imediata e assim eu segui em frente.
 
Questões têm vindo grossas e rápidas da minha sobrinha desde então.
"Por que todos os bens para fora e não dentro das lojas? Por que tanta gente vendendo nas ruas? Por que as pessoas andando no meio da estrada?"
Tente responder as perguntas de uma criança de seis anos sobre a cultura de rua de Accra.
"Bride difícil de conseguir" Eu a levei para uma cerimônia de casamento tradicional. Fazíamos parte da família do noivo e tivemos que ir para casa do pai da noiva para formalmente pedir a mão dela e realizar os rituais necessários.
Fomos mantidos à espera fora do portão por um longo tempo e, claro, as perguntas iam chegando.
"Por que estamos sendo mantidos fora? Eu pensei que a cerimônia deveria começar às 11 horas, mas é quase 12", disse ela.
 
É parte de nossa cultura que a família do noivo é mantido esperando lá fora por um tempo, então eu disse: ". É a nossa cultura"
A cena de rua em Accra (foto de arquivo)  
Accra é uma cidade vibrante com muitas pessoas fazendo negócios em suas ruas.
De fato, sendo mantidos esperando lá fora era suposto ser uma exposição simbólica da noiva ser difícil de conseguir, mas, como se sabe a maioria das coisas na nossa sociedade foi estendido ao reconhecimento.
Um dia, a nossa família também vai manter a família, um futuro noivo está esperando lá fora.
Minha sobrinha era fascinado pelas roupas extravagantes que todo mundo usava e foi animado o que ela tinha que carregar na cabeça uma das parcelas que a família do noivo era obrigada a apresentar à família da noiva.
O noivo e a noiva não foram à cerimônia, eles estavam juntos a milhares de quilômetros em um apartamento em Londres.
 
Quando chegou à parte da cerimônia em que a noiva tinha que declarar publicamente que o dote e outros presentes poderiam ser aceitas por sua família para indicar sua concordância com o casamento, um telefonema foi feito para o apartamento de Londres e as respostas foram transmitidas através do sistema de endereço público.
"Isso foi parte da nossa cultura?" minha sobrinha perguntou.
"Err que estava usando a tecnologia moderna para aumentar a nossa cultura", eu respondi.
"Por que houve tanta comida e bebida?" ela quis saber.
"Porque a família da noiva estava feliz e queria demonstrar para nós que à sua filha não falta nada e eles esperam que ela seja bem cuidada na casa de seu novo marido".
 " Relatório dela ao patrão " As perguntas continuaram: "É parte da nossa cultura que a música ao som deve ser tão alto, especialmente na igreja. Por que tanta demora na igreja e por que existem duas ou três coleções?
"Por isso muitas casas têm muros ao redor delas?"
"Eu não sei", eu disse.
"Existem carros patrulha da polícia aqui?" ela perguntou.
"Sim, mas eu nunca vi um", eu respondi.
No outro dia ela queria algo americano para comer assim que nós fomos a um lugar de fast food para comprar algumas asas de frango.
Depois de esperar por mais de cinco minutos, enquanto a menina no balcão estava tendo uma conversa com um amigo, fomos informados que tínhamos que esperar por cerca de 20 minutos para o fim.
A criança de seis anos levou-me para fora do lugar e disse que deveríamos ter feito um relatório ao chefe que a menina não estava cuidando de seus clientes.
"São todos os primos que conheci e são realmente meus primos?" queria saber em seguida.
"Sim, eles são. Na verdade, eles são seus irmãos e irmãs, mas não vamos entrar nisso", eu disse a ela.
"E todo mundo é a minha tia ou tio?" , perguntou ela.
"Sim. E você, jovem senhorita Akua Ametoedzani, é minha filha. Não há nenhuma palavra para a sobrinha em nossa língua", respondi.
E por último: "Será que todo mundo tem cabelo preto aqui"
"Err, sim. Negros normalmente têm cabelos pretos e aqueles que como eu tingem os seus de cinza, aqui elas tingem os cabelos para ficar preto."


fonte: BBC
 
 

Ativistas aproveitam cimeira da SADC para levar à mesa corrupção e poder vitalício.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




Image
Foto: (EPA)
Manuel Vieira, DW

Ativistas dos direitos humanos reuniram-se para apresentar temas para discusão como a corrupção em Angola e Moçambique, bem como falta de liberdade de imprensa e sistema prisional decadente.

Ativistas dos direitos humanos e membros de organizações da sociedade civil de quatro países da África Austral reuniram-se em Luanda para definir uma espécie de "agenda paralela" para os chefes de Estado e Governo, que irão se reunir para uma cimeira entre 17 e 18 de agosto, na capital angolana.

A 31ª Cimeira de chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) vão agir sob o lema "Consolidar as bases de integração regional, desenvolvimento das infraestruturas para facilitar as trocas comerciais e a liberalização econômica".

Nesta reunião dos ativistas, representantes de Angola - país que assumirá durante a cimeira a presidência da SADC, atualmente nas mãos da Zâmbia – e de Moçambique foram críticos.

Moçambique

Leopoldo do Amaral, representando Moçambique, disse acreditar que a SADC restringe-se somente aos chefes de Estado, não levando em consideração o cidadão comum.

Na opinião dele, a polícia continua sendo o principal órgão violador de direitos humanos em Moçambique: "é um órgão muito difícil de se lidar e que resiste às reformas e mudanças", defende.

Para Amaral, o segundo maior órgão violador de direitos humanos em Moçambique é o setor prisional. Ele ressalta que as prisões neste país africano têm capacidade para sete mil detentos, mas abriga 15 mil pessoas, "mais do dobro daquilo que tem capacidade", resume.

Angola

O docente universitário angolano, Fernando Macedo, defende que Angola não tem capacidade para competir com a África do Sul em vários aspectos, como liberdades individuais e coletivas. Macedo apontou que Angola tem dificuldades em cumprir com o que assina, quando se trata dos direitos humanos.

"Os governos da SADC, em geral, e angolano, em particular, violam várias direitos humanos, como o direito de participar da vida pública, liberdade de imprensa - que significa pluralismo", esclareceu Macedo.

Pontos em comum

Um assunto que parece comum à Angola e a Moçambique é a questão da corrupção. O ativista moçambicano diz ter constatado alguns exemplos: "há quase que um plano deliberado de criar condições para que certas pessoas, ligadas à política, tenham acesso aos grandes negócios no país e aos grandes recursos naturais como a pesca, e à área industrial e mineira.

Já Fernando Macedo é claro: o fato do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e o seu presidente José Eduardo dos Santos estarem, há muito tempo, no poder, retira uma questão vital em democracia, a oportunidade igual.

"A não vitalicidade do poder tem a ver com o direito de igualdade, de tratamento e de oportunidades. Se alguém centraliza o poder, está a violar os direitos humanos", explica Macedo.

Conclusões ainda serão apresentadas

Houve também a presença do Zimbábue e do Malauí. A República Democrática do Congo (RCD) e a Zâmbia não foram autorizadas a entrar em Angola.

As conclusões desta agenda paralela da sociedade civil serão apresentadas aos peritos dos 14 países da SADC, que integra a Angola, África do Sul, Botsuana, a RDC, o Lesoto, Madagáscar, o Malaui, a Ilhas Maurícias, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue.

Autor: Manuel Vieira (Luanda)
Edição: Bettina Riffel / António Rocha
Fonte: DW

Total de visualizações de página