Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

Zinédine Zidane no PSG: os líderes oferecem-lhe até 20 milhões de euros.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O ex-internacional francês Zinédine Zidane ainda está nas manchetes sobre sua provável chegada ao Paris Saint-Germain. Depois de passar um ano sabático, depois de seu tempo como treinador do Real Madrid, a imprensa esportiva acredita que o ex-campeão mundial de 1998 pode ser o futuro treinador do clube parisiense. É o caso da mídia Footmercato.net que recentemente indicou que os dirigentes do PSG estariam prontos para fazer qualquer coisa para trazer Zidane.

O clube parisiense estaria disposto a pagar mais do que seu salário ao Real
Segundo informações da mídia, o PSG estaria disposto a dar plenos poderes a este último. Para isso, os líderes do Catar também estariam dispostos a pagar mais para que Zidane se torne o técnico do PSG. Ao contrário dos 8 milhões de euros líquidos por ano recebidos pelo actual treinador Mauricio Pochettino, o clube parisiense estaria assim disposto a pagar mais do que os 12 milhões de euros recebidos por Zinedine Zidane quando esteve recentemente no Real Madrid. Assim, a mídia faz.

Observe que todas essas propostas podem não ser suficientes para Zidane. Segundo a mídia Le Parisien, o ex-jogador já havia recusado a oferta de vir durante o mês de dezembro passado. Além disso, outras informações indicavam que ele gostaria de substituir o treinador dos azuis, Didier Deschamps, se este deixar o cargo. Lembrando que não é a primeira vez que a mídia fala da chegada de Zidane ao PSG. Em janeiro passado, o colunista Eduardo Inda, do programa El Chiringuito, indicou que o Catar faria todo o possível para garantir que Zidane assumisse o cargo de técnico do PSG antes da partida contra o Real Madrid, que deveria acontecer no dia 15 de fevereiro.

fonte: lanouvelletribune.info

Guiné-Bissau: O Presidente Umaro Sissocó "A primeira coisa que fiz quando fomos atacados..."

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Após a tentativa de golpe, o presidente guineense, Umaro Sissoco Embalo, dirigiu-se à imprensa para tranquilizar e falar em pormenor sobre a situação. Ele explicou como os acontecimentos se desenrolaram.

“Estávamos no meio do Conselho de Ministros e fomos atacados com armas muito pesadas”, explicou o Presidente guineense Bissau. “A primeira coisa que fiz foi me render a Deus. Eu estava com meu ministro da Justiça, meu ajudante de campo e meus dois guarda-costas. E os outros estavam no meio da luta”, acrescentou aos repórteres.

O presidente guineense Bissau garante que nenhum oficial do exército está ligado à tentativa de golpe. “São forças isoladas. Também está ligado às pessoas que lutamos", disse Embalo, que faz alusão à sua luta contra a corrupção e os traficantes de drogas. "E eu sabia qual era o preço", diz ele.

Embalo informa que há várias prisões do lado militar. E uma investigação será aberta. “Vamos investigar. Porque é uma tentativa, não só de golpe, mas de matar o Presidente da República, mas também todo o seu gabinete. Estávamos no meio do Conselho de Ministros. É uma coisa muito coordenada."

fonte: seneweb.com

Mali pagaria a Wagner US$ 10 milhões por mês, diz general dos EUA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O chefe do comando americano para a África, general Stephen Townsend, disse na quinta-feira, 3 de fevereiro, que tinha "razões para acreditar" que o Mali estava pagando US$ 10 milhões por mês a Wagner, um grupo de mercenários russos sulfurosos.

Os Estados Unidos, a França e outros parceiros do Mali na grave crise que o país atravessa desde 2012 dizem que a junta que chegou ao poder pela força em 2020 apelou nos últimos meses a este grupo privado engajado em diferentes países. -África do Saara, mas também na Síria ou na Líbia. Eles veem na presença desse grupo suspeito de abusos um fator adicional de instabilidade. A junta persiste em negá-lo.

O general Townsend já havia declarado no final de janeiro que Wagner estava no Mali, possivelmente com centenas de homens. Ele insistiu quinta-feira durante uma teleconferência: "Eles (os coronéis do Mali) continuam a negar em público (mas) minha informação é bastante clara", disse ele falando de "presença prejudicial". "Tenho motivos para acreditar que o governo do Mali está desembolsando US$ 10 milhões por mês para os serviços de Wagner", disse ele.

"Acredito que eles vão ter que pagar em espécie na forma de recursos naturais como ouro e pedras preciosas, porque não vejo como eles vão conseguir pagar US$ 10 milhões por mês", disse ele. 

fonte: seneweb.com

Guiné-Bissau: Dois dias após o golpe fracassado, Embalo regressa ao Palácio do Governo...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Se foi uma operação de comunicação para mostrar que ele tem o apoio do exército, é um sucesso. Ao lado de oficiais do exército bissau-guineense, o Presidente da Guiné-Bissau regressou esta quinta-feira, 3 de fevereiro, à sede do Governo onde, dois dias antes, quase foi deposto ou morto nos termos que usou na noite da tentativa de golpe .

De acordo com a mídia alemã DW.com visitada em Dakaractu, Umaro Sissoco Embalo também foi acompanhado pelo seu primeiro-ministro e outros membros do executivo.

No local, o chefe de Estado bissau-guineense voltou a apontar o dedo às redes de tráfico de droga nos acontecimentos da passada terça-feira. Foi também uma oportunidade para o presidente deplorar as versões conspiratórias que o acusam de ter orquestrado ele mesmo o golpe fracassado. Ele chama seus teóricos para mais responsabilidade, lembrando que pessoas morreram durante esses eventos.

O primeiro-ministro Nuno Gomes Nabiam comunicou um relatório de onze vítimas, incluindo sete militares e paramilitares, três civis e um agressor. Este último seria membro da polícia de intervenção rápida.

O presidente Embalo garantiu que a investigação será conduzida de forma transparente. No dia anterior, ele havia anunciado a prisão de pessoas suspeitas de envolvimento no ataque ao palácio do governo. Um desses entrevistados seria o contra-almirante Bubo Na Tchuto.

Na mira do poder desde fevereiro de 2021 por lavagem de dinheiro e evasão fiscal, esse barão da droga condenado nos Estados Unidos por suas ligações com os rebeldes colombianos teria se comprometido ao se associar a outras pessoas cujo objetivo seria derrubar a ordem constitucional na Guiné-Bissau.

No seu comunicado de quarta-feira, o chefe do Governo considera que o modus operandi dos agressores e as armas utilizadas mostram que contaram com o financiamento de sectores com capacidade para mobilizar tais recursos logísticos e humanos.

fonte: seneweb.com

Senegal: Reorganização iminente - Macky se despede de ministros.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



O Chefe de Estado aproveitou a última reunião semanal do Conselho de Ministros para se despedir da sua equipa de governo. Isto, na sequência das Eleições Locais que acabaram de ocorrer.

Macky Sall anunciou aos seus agora ex-ministros que nomeará um primeiro-ministro e realizará uma nova remodelação ao regressar de Adis Abeba, onde será instalado à frente da União Africana no sábado.

Segundo fontes do diário Les Échos que dá a informação na sua íntegra esta sexta-feira, alguns ministros, muito abalados com a notícia, não puderam trabalhar.

fonte: seneweb.com

Ana Gomes não será julgada em processo movido por Sissoco Embaló.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A justiça portuguesa decidiu que Ana Gomes não vai a julgamento, após queixa-crime por difamação interposta por Umaro Sissoco Embaló. Ex-eurodeputada acusou o PR da Guiné-Bissau de envolvimento com o narcotráfico.


A juíza de instrução do processo movido pelo Presidente guineense contra Ana Gomes decidiu, esta quinta-feira (03.02), no Tribunal de Cascais, arredores de Lisboa, não avançar com o processo por entender que a política portuguesa tinha exercido o seu direito de liberdade de expressão. 

"Ela entendeu que não havia motivo para o queixoso se considerar difamado. E por isso entendeu que eu não deveria ir a julgamento. Essa já era também a posição do Ministério Público, que a juíza veio confirmar", avança Ana Gomes.

A ex-eurodeputada considera o processo encerrado, mas este poderá prosseguir se a outra parte apresentar recurso. "Eu espero que estes elementos levem o queixoso a concluir que, de facto, não há espaço para prosseguir. Mas, não posso excluir que ele continue", pondera.

A propósito desta decisão do tribunal, a DW tentou ouvir o advogado João Nabais, que defende Sissoco Embaló neste processo, mas este não reagiu até ao fecho desta matéria. 

Declarações de Ana Gomes

A política portuguesa, que foi chefe de uma missão eleitoral da União Europeia à Guiné-Bissau, em 2014, havia afirmado publicamente que "Portugal escolheu respaldar um indivíduo que tem antecedentes de narcotráfico" e "até de ligações a grupos terroristas" ativos na região do Sahel, nomeadamente o antigo líder líbio, Muammar Kadhafi, e líderes islâmicos senegaleses. 

0 seconds of 0 secondsVolume 90%
 
Assistir ao vídeo07:43

Do pós-eleições ao avião "suspeito": Guiné-Bissau de crise em crise

As declarações de Ana Gomes, feitas a 21 de junho de 2020 ao canal de televisão privado português SIC Notícias, foram feitas com base na sua experiência como diplomata e jurista, mas sobretudo sustentadas por informações privilegiadas e documentação fundamentada. 

A sua opinião - refere - "era crítica não apenas em relação ao Presidente da Guiné-Bissau, mas também em relação ao próprio Estado português por ter escolhido não fazer a diferença ao respaldar um indivíduo que se autoproclamou Presidente da República e que tinha antecedentes duvidoso". 

Questionada pela DW, uma vez que o seu advogado Francisco Teixeira da Mota não quis pronunciar-se sobre o processo, Ana Gomes reafirma tudo o que disse antes: "Absolutamente. Aliás, na sua decisão a juíza explicita que, não obstante o queixoso se sentir ofendido, o facto dele hoje ser Presidente da Guiné-Bissau eleva o grau de tolerância em relação às críticas legítimas que lhe possam ser feitas".

Processo movido por Isabel dos Santos

Além deste caso, entre outros, Ana Gomes já tinha vencido na justiça portuguesa a batalha contra a empresária angolana, Isabel dos Santos. A ex-candidata às últimas eleições presidenciais em Portugal agradece, em particular, o seu advogado, Teixeira da Mota, "pela brilhante defesa do seu direito à liberdade de expressão". 

A decisão do Tribunal de Cascais acontece numa semana crítica para a Guiné-Bissau, marcada pela alegada tentativa de golpe de Estado. Ana Gomes aproveita este momento para expressar a sua "total solidariedade" ao povo guineense e considera trágicos os acontecimentos ocorridos no passado dia 1 deste mês, que, de acordo com os últimos relatos, causou a morte de 11 pessoas. 

"Acho que era importante esclarecer-se, de facto, o que é que aconteceu", solicita a política socialista. "Porque estou a ouvir relatos de muita gente da Guiné-Bissau a dizer-me que isto foi uma intentona, uma tentativa de golpe de Estado montada para produzir o efeito de reforçar o [poder do] próprio autoproclamado Presidente", afirma.

fonte: DW Africa

CEDEAO vai enviar força para apoiar estabilização na Guiné-Bissau.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Decisão foi tomada, esta quinta-feira (04.02), na cimeira dos chefes de Estado e de Governo realizada em Acra, capital do Gana, para analisar a situação de golpes militares na região.


Soldados da Força de Interposição dos Estados da África Ocidental em Bissau (Foto de arquivo)

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) vai enviar uma força para apoiar a estabilização na Guiné-Bissau, palco de um ataque à sede do Governo, anunciou, esta quinta-feira (03.02), em comunicado, a organização sub-regional.

A decisão foi tomada na cimeira dos chefes de Estado e de Governo realizada em Acra, capital do Gana, para analisar a situação de golpes militares na região, e na qual a organização decidiu não sancionar o Burkina Faso, palco de um golpe de Estado recentemente que derrubou do poder o Presidente Roch Kaboré.

"A organização condenou firmemente a tentativa de golpe de Estado na Guiné-Bissau e manifestou solidariedade ao Presidente, Umaro Sissoco Embaló e ao povo da Guiné-Bissau. Perante estes desenvolvimentos recentes, a CEDEAO decide enviar uma força com vista a apoiar a estabilização do país", lê-se no comunicado final da cimeira, sem avançar mais detalhes.

A ministra dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, Suzi Barbosa, foi quem representou o país na cimeira dos chefes de Estado e de Governo. 

Homens armados atacaram na terça-feira o Palácio do Governo da Guiné-Bissau, onde decorria um Conselho de Ministros, com a presença do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, e do primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam.

fonte: DW Africa

Total de visualizações de página