Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Artigo de opinião: À DITA, DURA REALIDADE DE UMA DITADURA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Com lágrimas, suor da vida dura e memória de sangue das vítimas da ditadura no mundo, vivemos ouvindo vozes proclamando necessidade de mudança deste regime político, convictas que estão e dispostas a recomeçar vida nova, a não repetir os mesmos erros, corrigindo barbaridades cometidas no passado, e evitar andar com os pés a um palmo do chão, mas com firmeza caminhar sem hesitação rumo à mudança para uma vida mais justa e sem exploração, mudando o que está mal e mantendo o que for o melhor e mais justo para todos, a liberdade, a igualdade de direito, paz e segurança de cidadãos livres, asseguradas pelo Estado de Direito.
Esta esperança renovada, ainda que frágil, levantou âncoras, quer ver modificado quase tudo, e como se não bastasse, enterrar fundo esse machado de guerra das ditaduras contra o Povo e reprovar a sua história cheia de erros cometidos por malvadez, roubos e crimes contra a humanidade.
Erros de palmatória cometidos por indivíduos com dificuldades básicas para a percepção das reais necessidades do Povo, e também por incapacidade em saber “pôr-se na pele do outro”, perceber suas dificuldades reais, as condições de vida, dificuldades na adaptação social e, finalmente os erros, por incapacidade de resistir à perversão e ao enriquecimento fácil, só por isso, uma ditadura é um sistema que melhor conserva e protege corruptos e as suas interacções criminosas por tempo indeterminado no poder.

O que é infelizmente muito grave para o património do Estado, que é normalmente delapidado sem pudor, abusado, explorado e roubado sem contenção ou consciência material e política desta gravidade para uma Nação, que se vê espoliada dos seus bens e infra-estruturas, pelos próprios filhos da “outra” e naturais da terra, que vendem a própria Mãe sem ressentimento algum, pela obsessão ao dinheiro, falta de identidade cultural e de valores nacionalistas em defesa do Estado.

Erros reincidentes que acontecem quando nos distanciamos da essência da sabedoria humana, como o amor ao próximo, a solidariedade, a fraternidade, a inter-ajuda e a honestidade inter-pessoal, preferindo, em detrimento destes valores, enveredar pela cobiça, inveja, abuso de poder, o engano, a mentira, a corrupção e o roubo.

Todas estas condições de desigualdade de circunstâncias materiais e psicológicas entre os cidadãos, quando acontecem, qualquer Estado terá um preço difícil a pagar no futuro, quando pretender melhorar a sua situação/condição política perante o Povo. Dificuldades encontradas simplesmente por nos distanciarmos de um processo de equilíbrio/reequilíbrio dinâmico no desenvolvimento do País, mas que necessários, são uma constante único e permanente no avanço positivo da sociedade e para os seus cidadãos.

Ditador, este monstro maníaco com estados de espírito flutuantes entre o mal que provoca aos cidadãos na sociedade e o medo pessoal da sua própria sombra, sendo ao mesmo tempo vítima dos próprios crimes cometidos, que nunca conviveu politicamente sem intenção de roubo, exploração do outro, crimes de sangue como um estado de espírito doentio que é permanente nele.
Queremos ver evaporados da política qualquer semelhança à ditadura, para nunca mais reencarnar num político à frente dos destinos do Povo.
Não queremos nunca mais nenhum sobrevivente político ditador, com vícios de alienação política e cultural, constatadas nesta elite perversa que se alimenta do sistema, baseados na exploração e no roubo compulsivo, espezinhando o Povo, até chegar o dia em que pagará com a própria vida a saída inglória da cena política.
Mas, antes da separação, infelizmente, já fez muito mal ao Povo, com a arrogância e a frieza desta repressão levada a cabo pelo regime, com exigências e obrigações injustas impostas aos cidadãos, apropriando-se de tudo quanto quer, não hesitando em tirar, matar, ameaçar e perseguir os resistentes ao regime.
No entanto eles (ditadores) são covardes, dispostos a dar tudo para salvar a pele quando sentem a própria vida ameaçada, quando sentem o império financeiro em risco, quando os Bancos Internacionais não estão satisfeitos e exigem mais pagamentos ao ditador, chantageando com o facto de serem os únicos testemunhos vivos do tesouro roubado ao Estado e arrecadado nos seus cofres.
Bancos que transformam o ditador numa presa fácil e submissa às chantagens institucionais, que passam a obedecer às ordens do “padrinho”, este, que por sua vez, controla o afilhado (ditador) ladrão, que por sua vez entrega a própria vida nas mãos do Banco, com a fé de ser poupado de morte “súbita” e, por isso, condicionados nesta dependência entregam quase tudo ou repartem, ficando normalmente com a pior parte, penso, e mesmo assim, são executados friamente, numa conspiração silenciosa que até parece, que a história se repete, com as mesmas tintas, descritas por um punho que carimba certidões de óbito, tendo como causa de morte quase sempre, um único sintoma, a mentira da conspiração.  

Quando morre um ditador, normalmente seca a sua árvore das “patacas”, porque o dinheiro desaparece, perde continuidade, apenas os banqueiros sabem do montante arrecadado e o seu novo herdeiro.
Um ditador é por isso submisso ao seu Banco ou banqueiro, não pensa, obedece às regras do jogo, impostas pelo Banco.
São estes ditadores cheios de “medo”, que matam e roubam os próprios irmãos para satisfazerem exigências destes banqueiros sentados na neve, à espera dos dinheiros vindos dos trópicos, os mais quentinhos, por não terem Bancos credíveis no próprio País.

Quando cai um ditador da cadeira do poder, antecede-o um projecto de morte anunciada, construída a pensar em si.
Primeiro falam, criticam e apontam o dedo, posteriormente uma “arma” à cabeça, se tentam a independência do jogo de interesses em que se meteram, para se constituírem como organização autónoma, aí têm sido sem excepção sacrificados publicamente, e com tempo de antena na TV para quem quis acompanhar sem pestanejar.
Acontecimentos seguidos como estreia de um filme que promete, este negócio virtual que vende bem.
Quem não se lembra das horas perdidas na cobertura televisiva com a invasão da NATO à Líbia de Kadafy, ou na guerra do Golfo.
O efeito subliminar deste estímulo (poderio militar da NATO), deixou uma emoção de medo e impotência antecipada nos Países em vias de desenvolvimento, uma espécie de submissão aos mais fortes está latente, o que é “vantajoso” (mas pau de dois bicos) para esta máquina imperial ao serviço dos caçadores furtivos, causando submissão no resto do mundo subdesenvolvido aos acordos e contratos comprometedoras, elaborados pelas potências, mas com influência directa na dependência material por tempo indeterminado do Estado em causa, que perde a sua autonomia para assuntos internos da sua auto-gestão económica e comercial, uma vez que passa a renegociar com o seu “protector” tudo, inclusive armas “engraxadas” que já serviram na 2ª guerra mundial, que hoje são pagas com o petróleo, ouro, diamante e outros minerais do Continente Africano.
Como pode África não estar em conflito permanente, sendo um mercado bom para venda de armas, eis uma das questões pertinentes para reflectirmos. Os grandes negócios sempre falaram “alto”, a droga, a prostituição e venda de armas.

Não obstante o controle dos maiores Bancos internacionais, com a sua engenharia financeira ao serviço das máfias “(M-8)”, certa máfia sobrevive à custa de vários Estados Africanos, que os alimenta através de depósitos milionários que os ditadores e  lideres corruptos fazem chegar a esses Bancos, em Países estrangeiros.

Recordando a última intervenção da NATO na Líbia, descolaram mais de vinte e oito mil voos para despejar toneladas de bombas em poucas semanas por cima de um País soberano, uma engenharia de destruição planeada ao milímetro, que executou o seu papel, para logo a seguir se reconstruir tudo de novo, e por empresas que na sua maioria têm chefias igualmente estrangeiras, o que facilita na “linguagem do dinheiro” fazer uma síntese de onde vem e para onde vai a maior fatia desta reconstrução da Líbia.

Testemunhamos pela TV o poderio desta intervenção militar, os danos causados nas infra-estruturas do País atacado, tudo mereceu “publicidade” desde a primeira hora, não deixou dúvidas mais uma vez quanto à sua soberba orquestra militar no mundo.
Talvez só a China de que ninguém ouve falar neste contexto, continua silenciosa e a rastejar para onde quer chegar, sem produzir ruído inútil, mas, que tem chegado com maior “dignidade” junto de Países menos desenvolvidos, enquanto outros, estão a perder pé em águas rasas, influenciados por princípios ou modelos imperialistas de ocupação e intervenção, imiscuindo-se nos assuntos internos (política e desenvolvimento) desse País soberano tirando o proveito da sua fraqueza material e cientifica.
Neste campo, a China tem sido um exemplo para muitos outros Países desenvolvidos só no tamanho industrial e tecnológico, mas, que manifestamente serão subdesenvolvidos na sua maturidade cultural, social e política, manifestada na sua “interacção” com África no plano económico, comercial e sociocultural.

Nas duas últimas intervenções militar da NATO, antes tudo parece uma conspiração de vários Países para invadir outro, quando preparam o “abate” de mais um ditador. Tem sido este sinal de alerta antes da “matança”, através da comunicação social, a vítima, normalmente é um País que tem petróleo, um pré-aviso destacado que denuncia este método de invasão planeada que temos dado conta. Antes do início de mais um teatro de guerra, tudo começa sempre com um aquecimento televisivo da desinformação, a seguir entram a matar, já sabemos que na primeira fase entram os aviões para bombardear até enfraquecerem completamente o alvo, e só depois por terra, para fazerem a ocupação ou ajustar “contas”.

Este último crime contra populações inocentes na Líbia, quase que diríamos bem sucedido em quase cinco décadas de mandato, foi o Kadafy, apoiado por potências mundiais, que agora chegou ao fim, como assistimos na TV, mas porquê só agora, perguntamos nós.
Tudo muito rápido, foi desencadeada uma perseguição para matar, capturado no lugar onde se escondia das balas, na sua terra natal, foi arrancado e morto aos olhos do mundo, vimos manchas de sangue no pequeno ecrã e, ao vivo, seu rosto de despedida focado até intencionalmente e directa a memória dos homens que ficam para contar ou registar como história este fim triste.
Um triunfo dos adversários políticos que viam o projecto de decapitação e silenciamento de Kadafy a chegar ao fim e com direito de antena televisiva na sua execução.
Para muitos Países, personalidades políticas internacionais isso foi um alívio, porque deixou de poder vir a cobrar dívidas antigas a alguns senhores bem visíveis no mundo da política internacional e os seus Bancos.
Como também para outros Países amigos do Coronel, foi uma triste notícia, sim, porque a Líbia sempre ajudou muitos Países da África ocidental e não só, é uma potência amiga dos Países mais pobres desta área na era de Kadafy, esta invasão dividiu a opinião mundial, embora tenha havido poucas opiniões frontais e com isenção, pondo em causa o método usado nesta resolução e na rapidez negocial como foi concluído este avanço da NATO.
É a dita dura realidade de um País soberano atacado e em estado de choque depois de uma guerra destruidora, ficando por momentos hoje, sem voz própria, no mercado internacional, sem o controle total do seu petróleo e outros minérios.
Uma realidade crucial desta invasão que até hoje ninguém pôs em causa o método reincidente utilizado pela NATO, ninguém ouviu falar sequer dos prejuízos causados por esta força, os excessos cometidos sobre um Povo inocente, e sobretudo quem devia pagar os danos causados, se os Líbios ou esta NATO que agiu aqui como “ditadura” das armas em plena democracia deste século, invadindo por mar, terra e ar, um Estado Soberano, alegando motivos falsos, que não se confirmaram, temos como exemplo a investida militar contra Saddam, onde em vez de armas químicas, encontraram Jóias guardadas nos cofres deste Chefe de Estado, e esta heim!

Vamos recordar que Kadafy da Líbia também era aliado dos imperialistas, mas então o que é que falhou para esta engenharia (USA/EU) de guerra aterrar na Líbia, foram precisos mais do que quarenta anos para perceberem que o homem é ditador, que inteligência lenta tem mostrado esta “NATA” de polícias do mundo, fica a impressão de que gostam deles (os ditadores) já mais gordinhos e recheados de petro-dólares, só depois esta “caça” grossa compensa a investida militar, o desperdício de bombas lançadas, tem custos elevadíssimos a repartir entre os caçadores furtivos. Será uma das razões?
O mundo com os olhos postos na Líbia, o pior foi constatar o silêncio dos “sábios” e intelectuais impostores, caladinhos no mesmo circo desta problemática complexa da investida atrás do petróleo e do gás natural, talvez consciências compradas, porque ninguém falou, ninguém disse nada, até hoje.
Aliás, todos apoiaram, directa ou indirectamente, este imperialismo blindado na sua guerra “expansionista” pelo controle do Crude e do gás natural da Líbia, disto já ninguém tem dúvidas. Nos Países sem petróleo, os conflitos podem existir anos sem que ninguém dê conta, porque não vão lá como fizeram na Líbia. Não compensa os gastos relativamente  ao ganho a posteriori, isso já percebeu qualquer um.

O Sr. Que conseguiu fugir ficou logo depois encurralado no túnel sem saída para a vida, era cara conhecida, o famoso Coronel Kadafy, já com uma expressão de medo de morte estampada no rosto, mas sereno, era o contraste entre o olhar e a sua face com o ar sério de sempre, a que nos habituou há décadas.
Aqui era um sinal da alma prestes a abandonar seu corpo, de onde escorria naquele olhar, angústia e dor, acontecer na morte. Vimos esse “rosto” da Líbia ensanguentada, o rosto do homem abstracto e diferente a despedir-se, sua face registada nas várias cimeiras de chefes de Estado, que ninguém confunde, este famoso Líbio, que trazia com ele o aroma natural do deserto e odor intenso do dinheiro, cheirava a negócios, vinham preparados para lidar com “camelos” e os seus compradores astutos.

Ele usava os mesmos métodos, eram negócios debaixo de tendas da Líbia e, chegados de fresco, montavam o circo, uma autêntica feira de conhecimentos, de jóias prometidas, onde se vendia magia e ficção, sentia-se na pele o poder agarrado ao dinheiro que ninguém queria perder.
Quem entrasse na tenda não saia de mãos a abanar, notava-se, traziam uma promessa deste mágico líbio, seus visitantes abandonavam a tenda sempre sorridentes, como se perdessem por segundos a “honra”, na expressão facial que contrastava com a anterior (séria e carrancuda). Este novo olhar testemunhava satisfação e era expressivamente fácil de detectar.
Pareciam estar reunidos com os mesmos objectivos, o da rentabilidade financeira esperada das negociatas políticas de bastidores, antes da cimeira, concluídas satisfatoriamente, sem sinais de conflito político, diplomático ou outro, com a Líbia, no entanto, uma surpresa fatal chegou dos céus, afinal nem tudo está bem, surge então uma guerra inventada, que veio derrubar Kadafy e seu império económico, um regime político e financeiro implantado através dos bancos espalhados pelo mundo de negócios, mudaram de tom e ritmo, guerra que veio mudar também o curso negocial deste fóssil cobiçado, o crude Líbio.

Ainda temos memória deste coronel no tapete vermelho desta diplomacia internacional, umas vezes fardado e outras envergando a sua túnica, um aspecto destoante no meio de fatos em tom cinza ou azul escuro, exceptuando um ou outro vestido, a realçar o encanto feminino nas lides da diplomacia internacional.
É interessante, na fotografia de “família” todos os chefes de Estado pareciam irmãos de sangue com o mesmo “crude” na mente, afinal falsos actores nesta passerelle, circulando em terra firme, mas longe do que iria passar-se poucos meses depois na Líbia, a menos de nove meses de distância da última foto tirada em conjunto. Estavam lá todos (Europa, América, África e Ásia), enganados na mesma foto. Ainda vejo como se fosse hoje, o amigo Sarcozy, o especial amigo de Kadafy, de quem se falou há tempos nos jornais, em França e, por motivos pouco dignos para um político representante de uma Nação.
Seria delírio pensarmos que se hoje continuasse tudo na mesma, com Kadafy vivo e a ser julgado num Tribunal Internacional, que histórias iríamos saber deste Aly Babá e os quarenta ladrões espalhados pelo mundo, sim, este governante teve quarenta e três anos de relacionamentos “secretos” com Chefes de Estado de vários Países no mundo, já imaginaram como a sua morte calou, enterrou, mais do que o próprio corpo de Kadafy. Este filme não vai chegar nunca à TV. Talvez, por isso mesmo, houvesse um “acordo” apressado de invasão da Líbia, que sempre teve água no bico para muitos de nós, só Deus sabe, mas uma certeza temos, alguns “amigos” preferiram vê-lo morto e nós assistimos a tudo, mas talvez melhor assim do que Ele dentro de uma prisão imperialista, será?

Kadafy era fiel aos seus “amores” e também aos objectos que fizeram história junto dele, onde montasse uma tenda fora de casa, trazia com ele uns “quilos” de areia do deserto, uma substituição simbólica talvez do “cordão” umbilical. Este objecto transitivo (areia do deserto) funcionou como resistência psicológica à separação física da Líbia, num desmame de curta duração deste “berço”, um afastamento normalmente dedicado ao Povo Líbio (representação diplomática).
Este homem de berço de ouro era fanático, mas também um apaixonado eterno da sua Líbia dourada e cobiçada por reis e rainhas deste planeta.

O País dos amores e crenças irracionais, material e financeiramente alucinantes para muitos, que chegaram a aí permanecer como imigrantes, para trabalhar ou fazer negócios, uma expectativa típica de quem pensa em enriquecimento rápido (fazendo lembrar os diamantes de Cabinda ou o Crude Angolano) procura um País rico. Um desejo típico que tem motivado muita cobiça e inveja de potências internacionais, e quando acontece isto, significa que o País promete, causando loucuras pelos dinheiros d’África, um síndrome que afecta muitos lideres políticos mundiais e sobretudo da Europa e América, que não conseguem pensar Angola por exemplo, sem imaginar as suas riquezas, o mesmo que dizer que amam, mas pelo dinheiro ou outra condição material imaginada, é este o diagnóstico crónico da maior parte dos Países que se relacionam com o Continente Africano.
Talvez por isto e por outros motivos menos visíveis, haja uma tendência para a atenção excessiva, que se nota através da comunicação social e não só, centrada sobre Países Africanos em vias de desenvolvimento, independentemente do sucesso individual de cada um registado hoje, desde o período pós-independência à presente conjuntura do estado de desenvolvimento em que se encontram estes Países Soberanos espalhados pelo Continente Africano.

Ditadores ainda os há, então para quando uma outra “investida” para a caçada de mais uma “raposa”? A caça grossa de mais um ditador multimilionário, porque esta perseguição tem dado e trazido boa colheita para alguns Bancos internacionais, sabe que sim, quem sabe.
Esta caçada aos ditadores “recheados” ainda não terminou, aliás como já se advinha nas cenas dos próximos capítulos. Imagino alguns “ditadores” a ficarem neuróticos e com um registo de ansiedade extrema. Alguns apressaram as visitas aos “padrinhos” para prestar contas ou garantir “protecção”, isto logo após a execução de Kadafy.

Que fazer, será que eles pensam nisto a sério, penso que não e por isso precisam ser aconselhados a ter nova postura perante os Bancos, e agirem no sentido de proteger os bens retirados indevidamente ao Povo, voltar a recolocar parte significativa deste bolo de “regresso” aos cofre do Povo, antes que seja tarde e vá parar mais uma vez nas mãos de mafiosos políticos ou Bancos criminosos.

Será que pelo menos três dos actuais Presidentes Africanos se sentirão ameaçados nesta altura, como potenciais estímulos de atracção para caçadores furtivos de ditadores. Será que guardam todo o dinheiro em “casa” ou fora? Se está em casa, fica em “família”e sabe-se do paradeiro do ”bolo”, fora de casa, ninguém saberá mais nada, a partir de certo momento, perde-se tudo a favor dos Bancos fora de casa.  

Senão vejamos, num exercício de memória curta, perguntamos em voz alta, onde param as fortunas de alguns ditadores como Mobutu do Zaire, que após a sua morte, nem aos filhos foi permitida a entrada na Suíça para exigir o “resgate” financeiro enterrado neste Banco, até hoje, e porque assim, esta velha máxima do “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão” tem fim à vista. Porque não devolvem todo o dinheiro ao Povo legítimo do Zaire? Porque motivo um banco estrangeiro ficou com tudo?

Tudo isto tem permanecido em segredo, por enquanto. Alguém sabe onde param os dinheiros de Mubarak, onde param as fortunas recolhidas pela Alemanha Nazi, onde param as fortunas dos barões da droga colombiana, e não só, onde param as fortunas de Saddam Hussein, as fortunas das máfias desmanteladas ou extintas, onde param as fortunas de ex-governantes com contas chorudas na Suíça, Presidentes, Ministros, todos com avultados saldos Bancários, que após a morte ou perda de lugar no “poleiro”, ficam sem a fortuna roubada ao Povo, que representaram?
Todo este dinheiro, do qual nunca mais ninguém falou ou fala, ficou congelado, é impossível de recuperar pelos titulares da conta, os “legítimos” herdeiros ou até, pelos Países que indevidamente foram espoliados durante décadas, estes sim, seus herdeiros legítimos.
Sendo assim, aqui jaz a honestidade de alguns Estados imperialistas nesta matéria, como falsos moralistas, que nesta situação não são recomendáveis como bons conselheiros para a companhia dos jovens Estados Africanos em vias de desenvolvimento, porque eles roubam aos ladrões depois de mortos ou ainda vivos e fora do poder. Uma vez ficando com o dinheiro nunca mais este é devolvido ao Estado Soberano. Por isso estes Bancos deveriam ser levados à barra do Tribunal Internacional, assim como aconteceu com Saddam, Mubarak e outros, também eles (Bancos) cometeram crimes económicos contra os Estados, quando ficam com a fortuna de ditadores e não o devolvem ao Povo legitimo desses Países.

As ditaduras e as dentaduras de ferro, prontas a trincarem qualquer resistência de políticos opositores ao regime. Deste aparelho musculado sabemos de histórias tristes de eliminação física de cidadãos inocentes, execuções por fuzilamento, assassinatos de políticos da oposição ao regime, perseguições, prisões sem julgamento prévio, impunidades do sistema judicial, corrupção, ausência de liberdade de expressão, abuso de direito, desigualdade de condições e de circunstâncias para o cidadão comum, ausência de liberdade de acção e de cidadania, direitos e deveres em desigualdade permanentes, abuso de poder, instauração do medo, intimidação através da acção do aparelho ditatorial do Estado, e assegurados pela polícia política do regime.

Uma autêntica cegueira invadiu naturalmente estes líderes africanos, na sua maioria Chefes de Estado, como cabeça do polvo que controlando a engenharia financeira do País, para parte dele fazer seu depósito em Bancos no estrangeiro.  

Vemos aqui Países da NATO que apoiaram o derrube de ditaduras a permitirem crimes de biliões ou triliões de dólares arrecadados indevidamente, “sepultados” nos cofres destes Bancos, que nunca serão devolvidos à proveniência, ao seu Povo legítimo. Por que motivo alguém da NATO, não levanta a voz a clamar por justiça, a não pactuar com este crime, pensamos que não invadiram estes Países para permitir que Bancos criminosos ficassem com a “colheita”, pois ingénuos não somos, até porque já são reincidentes no método.

“Ladrão que rouba ladrão”, não pode continuar a beneficiar de cem anos de perdão, i. é, porque é pior, quem limpa friamente o sangue do dinheiro após a morte do ditador, para a seguir fazer o seu branqueamento, apagando as pegadas das suas fontes ou Países de origem, e ficando com tudo, como o diabo vestido de anjo e confundido no altar continua este teatro, se não for desmascarado.
Isto faz lembrar alguns testas-de-ferro, que ficaram com dinheiros confiados, funcionando como cofres vivos para evitar uma denúncia obvia (sinais de enriquecimento rápido) pelo cargo de liderança que ocupavam determinados líderes, mas que logo a seguir à sua queda do poder, quando tentaram ter de volta o dinheiro e outros bens, viram frustradas as suas esperanças, pois ficaram sem uma fatia sequer do bolo desviado, também sem os documentos comprovativos, porque permitiram que o “amigo” registasse tudo e como titular, para não levantar suspeitas, só que o tiro depois saiu pela culatra, e uma vez caídos da cadeira do poder, estes “amigos” aproveitaram para se impor como donos legítimos, passando de testa de ferro ao “miolo” do polvo, enfim, são coisas nossas, que ainda um dia terão outras tintas mais realistas a descreverem os próximos episódios num novo capitulo.

Com este estado de espírito, vamos recordando outros episódios que marcaram o mundo há bem pouco tempo, quando a NATO atacou novamente e destruiu infra-estruturas de um País soberano, repito, e baseando suas certezas em afirmações que não vieram a confirmar-se. Afinal, a montanha pariu um rato cor de ouro.
Mais uma vez utilizou-se um método que podíamos chamar de ditadura militar, invadiram um País, deram um espectáculo triste ao ar livre, o aparelho militarizado e não só, atacou e destruiu, no fim deste, nem sequer justificaram o erro crasso cometido por uma potência militar ao serviço da comunidade internacional, a NATO.
Os políticos utilizaram este aparelho de guerra que fez estragos incalculáveis do ponto de vista humano, material e financeiro, mas sem contas a saldar com a justiça internacional, porque são eles próprios os juízes do inferno a ferro e fogo que deixaram para trás, não se tirou prova dos nove a uma conta que muitos acham certa e justa (invasão da NATO).
Mas a natureza tem demonstrado não estar a dormir quando se manifesta, quando está no controle, em tempos diferentes e nos vários palcos ao mesmo tempo, vamos tendo e vendo, outras leituras, análises, com maior clarividência do que a versão anterior que justificou o terror desta invasão militar.
Lembramos que Saddam Hussein, quando “crucificado” aos olhos de todo o mundo, toda a gente “sentiu” esta execução, porque vimos a corda à volta do pescoço deste pobre diabo, porque alguém determinou a exibição deste filme macabro, e não era necessário, tratou-se de uma agressão psicótica gratuita infligida à distancia pelos senhores da guerra, que deixou ficar este símbolo cruel, talvez como forma a prevenir os actuais ditadores, o que os espera, não cumprindo determinadas exigências políticas e económicas, uma ameaça latente deixada nesta última aparição de Saddam Hussein, está no ar.

Toda a gente se recorda dos motivos e argumentos dos senhores da guerra, Americanos e seus aliados, para invadirem um País Soberano, como o Iraque, afirmando terem provas da existência de armas nucleares.
Estes falhados procuravam armas nucleares  para o espanto de todos nós, depois de destruírem um país com dezenas de milhares de voos, largando milhares de toneladas de bombas, afinal, estes “policias” do mundo, falharam, porque em vez de armas químicas, encontraram um tesouro valiosíssimo, classificado já como património mundial da humanidade.
São as Jóias Assírias e Babilónicas “de” Saddam Hussein, guardadas no seu cofre-forte, c. 4000 anos antes de Cristo. Foram encontradas em escavações no Iraque e depositadas num cofre-forte ao invés de estarem num local apropriado para consulta, observação e estudo, o que seria normal pensarmos logo num Museu de arqueologia, mas assim não aconteceu.
Mas, o pior já se ouviu dizer, i. é, hoje (depois da invasão) ninguém sabe ao certo onde se encontram estas Jóias, que pertenceram a civilização antiga, hoje queremos todos saber qual o lugar “sagrado” para onde foi levado e nela repousa este pesado espólio da humanidade, há que descobrir tudo antes que seja tarde e se perca o pudor para quem dá mais, num leilão milionário.
Ladrão que rouba ladrão, não pode ter cem anos de perdão, nunca mais!

Bem, sabemos pelo menos que Saddam guardou tudo muito bem e a sete chaves, não vá o diabo vender este tesouro hoje, porque ontem ele estava seguro “escondido”, protegido nos cofres de Saddam, de outro modo teria desaparecido há muito.
O que não seria de estranhar, basta recordarmos o que aconteceu com o assalto ao Museu do Cairo, e onde para o espólio roubado deste País. Também não sei.
De certeza que este espólio roubado já chegou a outros destinos “dourados” e apetecíveis, nas terras dos quarenta ladrões haverá sempre espaço para esconder quase tudo, já todos procuramos ou perguntamos, ninguém descobre aquilo que está a “descoberto”, e ninguém inventa o que já existiu, então será impossível qualquer tentativa de mudar a história acerca deste espólio.

Uma pergunta deixo nesta reflexão, alguém sabe dizer onde está este tesouro encontrado no cofre-forte de Saddam Hussein, pergunto e não espero respostas, porque todos temos uma resposta na consciência. Eu pessoalmente, conto visitar em “sonho” estas Jóias Assírias e Babilónicas, que segundo ouvi dizer, na sua nova morada, nos Museus e colecções particulares de um “desconhecido”, sei que estão ainda em bom estado de “conservação”, porque aguardam por um “leilão” ainda em parte incerta, logo se verá, mas aguardamos serenamente que o ladrão se confesse ou permita visitas guiadas, para este contacto com a civilização antiga, esteja onde estiver este espólio, queremos abraçar com o olhar toda a sua amplitude e conteúdos de beleza exótica, antropológica e cultural.

Ainda acerca de Bancos no mundo, façamos justiça a um deles, o Banco Português, Caixa Geral de Depósitos, o único que denunciou publicamente um depósito feito em nome da Líbia de Kadafy, num valor médio de dois milhões de Euros, penso, se não estou em erro, para trabalhos diplomáticos deste País em Portugal.
E mais, nunca se ouviu dizer pelo mundo fora, que outro Banco seguisse as mesmas pisadas ou qualquer outra manifestação no mesmo sentido, só ficou esta registada até hoje, temos entre nós um Banco exemplar, só.
Mais Bancos em Países Europeus, Americanos e Asiáticos haviam de manifestar, para não concluirmos para já que o Coronel Kadafy era afinal muito “pobrezinho” ou só conheceu este Banco Português.

Há que devolver o dinheiro e outros bens materiais ao Povo, legítimo herdeiro das fortunas sugadas indevidamente ao País, repor justiça, solidariedade e paz social, só assim é possível caminharmos tranquila e infinitamente pelas estradas que o mundo oferece, sem arrependimentos, sentimento de culpa ou injustiças cometidas sem sentido e amor próprio entre nós.

Confiarmos um filho a um padre que afinal é pedófilo, é similar à confiança do Povo nos seus líderes, que afinal são corruptos, ditadores e criminosos. Também eles, acabando por serem enganados por banqueiros ou políticos corruptos, ficando sem nada, quando caídos em desgraças, com os Bancos guardando fortunas que começam por ser congelados com a sua morte ou crise política no País do ditador, e mais tarde “esquecidos” nos cofres, e logo a seguir impossíveis de recuperar pelos legítimos herdeiros, que indevidamente espoliaram lesando o Estado em fortunas incalculáveis.

São estes Bancos mafiosos que agora ficaram com todo o dinheiro roubado pelos ditadores. Bancos que funcionam como ladrões de segunda, porque não precisaram de dar a cara em primeiro lugar no pódio, raras vezes o último a chegar é o mais premiado, neste caso acontece ficarem com o “bolo” após a morte ou desaparecimento da cadeira do poder por golpe de Estado, quase sempre, deixando estes Países ainda mais pobres, abandonados à sua sorte, quando o dinheiro roubado fica nos cofres dos Bancos no estrangeiro e os governos desmantelados.
Teima a má sorte para estes Países que primeiramente foram colonizados e explorados pelos colonizadores, no período pós-independência, pior ainda, só mudaram as moscas, porque continuam explorados e roubados pelos próprios filhos, enquanto governantes com mão de ferro, ditadores sem escrúpulos e obcecados pelo dinheiro.
Países chupados até ao tutano, agora por último pelos Bancos criminosos, mas paradoxalmente os mais bem conotados internacionalmente, estando espalhados por terras frias e temperadas deste planeta, numa selva de betão armado longe de África, nesta distância que servirá com certeza de imaginação, quando pensarmos que futuro para a humanidade neste Continente Africano, aliás de todos nós como tudo indica, porque a origem do berço da humanidade, só.

Mas também servirá ainda melhor esta visão global do mundo, como termo de comparação numa análise da evolução social do passado longínquo, cheio de incertezas, acabando por delimitar fronteiras à régua e esquadro, nos mares, terra e ar, que trouxe aos nossos dias Países com políticas diferentes, que vão das ditaduras às democracias, cada um com o seu Povo, usos e costumes em sociedade, cada um com a sua promessa de futuro prometido da boca dos lideres, esquecidos na sua grande maioria, uns mais do que outros, de acordo com o regime político ou riqueza material em causa (infra-estruturas e matéria prima), e um futuro ditatorial nalguns Países, que teimam em manter o Povo debaixo de fogo, repressão política e militar, uma tristeza.

O direito, o dever, a liberdade, a justiça social, mantêm uma clivagem no essencial, e por isso não se vislumbra ainda um caminho “perfeito” em democracia, enquanto não atingirmos maturidade cultural e política o suficiente, sem exploração humana, repressão, corrupção e outras formas de abuso de direito na sociedade, pois então minha gente, se não há ainda nos regimes democráticos, quanto mais numa DITADURA!

Há que esperar sentados, com calma, porque esta travessia é mais longa do que se pensa, passando entre curvas de um corpo territorial sem fronteiras ideológicas, nu, sem cores partidárias, mas com pêlos brancos de tanto esperar deitados, e agora sentados, mais convincentes e voltados para futuro, penso.

Então, aqui vos deixo mais uma vez, estas palavras gastas, com repetições e conjugações do léxico neste tacho de letras ou como preferirem chamar.
Sujeito-me a várias interpretações, porque cada uma delas é importante para quem a tem, como cada um de nós é o que é, aqui o autor “desaparece”, não está, passa a ser o menos importante, partindo do princípio que somos “lidos” por um número infinito de desconhecidos e igualmente intérpretes convictos das suas próprias ideias, só e mal acompanhado, prefiro estar nisto, de pensar os meus próprios pensamentos, só.

Tenho um sonho, o de não dizer aqui tudo o que penso acerca deste Tema, mas se, direi a um ditador e, só a Ele…

Um abraço Guineense a todos. Djarama. Filomeno Pina.

Total de visualizações de página