Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Senegal: Obama no Senegal dentro de poucas semanas - Um reconhecimento ao rastreamento de bens mal adquiridos pelo governo do Presidente Macky Sall!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...




A grande ofensiva contra os ganhos ilícitos tranquiliza investidores estrangeiros. Este compromisso com o novo regime parece fazer a cabeça do chefe da Casa Branca, que inclui uma visita entre o final de junho e início de julho de 2013, a Dakar. É a rádio de Media Futura (RFM), que revelou esta informação que a SenePlus verificou de fontes estabelecidas nos Estados Unidos, e muito envolvidas na Casa Branca e no Departamento de Estado.
A chegada de Barack Obama ao Senegal foi anunciada esta semana pela RFM. Esta informação foi confirmada por diversas fontes bem informadas, inclusive a SenePlus.com. De fato, a Casa Branca e o Departamento de Estado têm iniciado conversações com algumas embaixadas africanas para estabelecer um cronograma para a visita do presidente Obama.
Esta é a segunda viagem do presidente Obama a África sub-saariana que deverá ocorrer entre o final de junho e o início de julho de 2013. Certamente será uma viagem para a África, incluindo Senegal.
Por que então o Senegal, pode-se perguntar?
Para os observadores e analistas, especialistas em relações entre os Estados Unidos e África, estabelecem outro-Atlântico  que seneplus.com contactou. A chegada do presidente dos EUA no Senegal é um forte sinal em favor da democracia e boa governação.
Em primeiro lugar, o compromisso das novas autoridades senegalesas para imprimir um novo tipo de governança, especialmente com rastreamento dos ganhos ilícitos, que satisfaz a confiança da administração dos EUA, informaram-nos.
E só em termos de rastrear esse bens ilícitos, quarta-feira, 8 maio, 2013, o Embaixador e Chefe da Delegação da União Europeia, Dominique Dellicour, argumentou ao Le Soleil, que o rastreamento de bens ilícitos tranquilizou os investidores.
Lembrem-se que o Presidente Macky Sall fazia parte dos líderes africanos este ano recebidos pelo chefe do Executivo dos EUA.
Em seguida, uma outra razão para a escolha que incidiu o Senegal é a sua estabilidade, o que contrasta muito com a instabilidade dos seus vizinhos imediatos.

fonte: lequotidien.sn

Parem com a pilhagem em África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Trabalhadores de uma mina de ouro na República Democrática do Congo.
Lionel Healing/Agence France-Presse —  Imagns cedidas

Por Kofi Annan


Com as economias da África na crista da onda global das commodities, há uma oportunidade sem precedentes para converter uma vasta riqueza de recursos da região em investimentos que poderiam tirar milhões de pessoas da pobreza, criar empregos e trazer esperança para as gerações futuras.

Aproveitando essa oportunidade vai exigir e fortalecer a governança apoiada pela cooperação internacional para deter a hemorragia das receitas associadas à evasão fiscal, acordos secretos e transferências financeiras ilícitas.

Exportações de recursos naturais têm impulsionado África em liga de alto crescimento no mundo. Cerca de um terço das economias da região cresceu mais de 6 por cento em 2012. A forte demanda nos mercados emergentes está definido para dirigir mais uma década de preços elevados para os recursos naturais da África, e o investimento estrangeiro está em ascensão. Moçambique e Tanzânia estão prestes a emergir como grandes exportadores de gás natural. Guiné e Serra Leoa estão a colher lucros inesperados provenientes das exportações de minério de ferro. A demanda por cobre da Zâmbia e da República Democrática do Congo em exploração do cobalto está crescendo.

Infelizmente, a crescente onda de riqueza não vai levantar todos os barcos. A pobreza vem caindo muito lentamente, e em alguns países - incluindo Zâmbia e Nigéria - ele aumentou. Poucos governos têm usado o aumento das receitas geradas pela exportação de recursos para combater a crescente desigualdade, estruturar melhor os sistemas de educação e cuidados de saúde ou fortalecer agricultura familiar. Além disso, a corrupção continua endêmica.

Próprios governos africanos devem intensificar a placa e abordar estas questões. Eles precisam reconhecer a urgência de converter a riqueza de recursos de seus países para investimentos em capital humano e em infra-estrutura sobre a qual o crescimento sustentado e inclusivo dependem. E eles deveriam seguir o exemplo de países como a Libéria e a Guiné, que promovem a luta contra a corrupção, colocando todos os contratos de mineração on-line para o escrutínio público.

Em outras áreas, a ação dos governos africanos por si só não terá sucesso. Como destacamos no Relatório de Progresso da África este ano, nenhuma região sofreu mais com a evasão fiscal, planejamento tributário agressivo e pilhagem da riqueza nacional através de empresas offshore registrados. Esses são problemas globais que exigem soluções multilaterais.

A escala das perdas sofridas por África não é amplamente reconhecida. Preços de transferência - a prática de transferir lucros para jurisdições fiscais mais baixos - custos do continente 34000 bilhões de dólares americanos por ano - mais do que a região recebe em ajuda bilateral. Dito de outro modo, você pode duplicar a ajuda cortando esta versão de evasão fiscal. O uso extensivo feitos por investidores estrangeiros de empresas offshore registrados operam a partir de jurisdições com requisitos mínimos de relatórios que  facilitam ativamente evasão fiscal. É quase num todo impossível para as autoridades africanas administrar os pobres recursos provindos da receita através de recursos naturais e acompanhar lucros reais através do labirinto de empresas de fachada, holdings e entidades off-shore utilizadas pelos investidores.

Tem havido alguns desenvolvimentos recentes encorajadores na resposta multilateral a estes desafios. De acordo com a Lei Dodd-Frank nos Estados Unidos e as medidas comparáveis ​​na Europa, as empresas extrativistas são agora obrigados a atender altos padrões de divulgação. (Em que é certamente um ato de loucura estratégica, muitas dessas empresas estão nadando contra a maré de reforma através da montagem de um desafio legal para o Dodd-Frank Act). Enquanto isso, o governo britânico tomou a iniciativa em colocar a cooperação internacional em matéria de fiscalidade no centro da agenda do Grupo dos 8 na cimeira do próximo mês.

Esta é uma área em que o G-8 pode fazer uma diferença real. A cimeira deverá servir como uma rampa de lançamento para o desenvolvimento de um sistema global baseado em regras sobre transparência e tributação.

É hora de tirar o véu de segredo por trás da qual muitas empresas operam. Cada jurisdição fiscal deve ser obrigada a divulgar publicamente a completa estrutura das empresas registradas e propriedade benéfica. Suíça, Grã-Bretanha e os Estados Unidos - todos os principais canais para finanças offshore - deve sinalizar a intenção de reprimir os fluxos financeiros ilícitos. E o G-8 e do G-20 devem trabalhar juntos para ampliar o escopo e o alcance da legislação Dodd-Frank.

Também é fundamental que o G-8 ajuda a fortalecer os governos africanos. Autoridades fiscais da região estão irremediavelmente mal equipadas para lidar com problemas como o preço de transferência, ou para combater transferências ilícitas. É por isso que o Painel de Progresso da África apelou ao G-8 para fornecer o apoio técnico, financeiro e administrativo para a construção da capacidade.

Mais de 50 anos atrás, quando os estados africanos surgiram através de suas independências, Kwame Nkrumah, primeiro presidente de Gana, comentou: "Nunca antes um povo tinha ao seu alcance tão grande oportunidade para o desenvolvimento de um continente dotado de tanta riqueza."

Com liderança política em casa e uma cooperação internacional reforçada, podemos aproveitar a oportunidade que Kwame Nkrumah identificou.

Kofi Annan, ex-secretário-geral das Nações Unidas, é presidente do Painel de Progresso da África.

fonte: http://www.nytimes.com com tradução para o português por Samuel Vieira.

Angola é o país onde diferenças entre riqueza natural e bem-estar social são mais visíveis.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Kofi Annan preside um painel de peritos que analisou o progresso em África e traça comparações com países de outros continentes. Em Angola, a mortalidade infantil continua a ser das mais elevadas no mundo.


Metade da população de Luanda vive na pobreza não longe dos hóteis de luxo e das sedes das multinacionais que se instalaram nos últimos anos junto à baía MIGUEL MADEIRA 

Angola é um país de duas ou múltiplas realidades. O Africa Progress Panel (APC), presidido por Kofi Annan, centra-se nas duas que contribuem para aquilo que diz ser um gritante paradoxo – por ser o país que ilustra "de forma mais poderosa a divergência entre riqueza de recursos e bem-estar social", conclui o Africa Progress Report 2013, um estudo publicado esta sexta-feira, como todos os anos em Maio, desde 2008. Riqueza natural e desenvolvimento humano estão em extremos opostos de uma escala que junta dados de estudos internacionais e de relatórios do Banco Mundial, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ou Banco Mundial, entre os quais os relativos a 2012. O relatório, intitulado Equidade nos recursos – Em prol das riquezas naturais de África para todos, é obra dum painel de dez influentes personalidades liderado pelo ex-secretário-geral da ONU e Nobel da Paz Kofi Annan. Estão lá, entre outros, Michel Camdes sus, ex-director-geral do FMI; Olusegun Obasanjo, antigo Presidente da Nigéria; Graça Machel, ex-primeira dama de Moçambique e mulher de Nelson Mandela, fundadora do grupo Whatana Investments ou da Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade em Moçambique; o músico irlandês Bob Geldof ou o fundador da Transparency International Peter Eigen. China ultrapassada por Angola O documento de 120 páginas conclui que a desigualdade se mantém, por ausência de políticas que a combatam, e impede que o crescimento em países ricos em recursos reduza a pobreza, não só em Angola, mas também na Nigéria, Congo-Kinshasa ou Guiné-Equatorial. Angola tem um dos padrões mais desiguais de distribuição do rendimento e é citado como “um dos exemplos mais acabados” de um cenário em que a actividade das empresas do Estado se esconde por trás de um sistema financeiro opaco, não cumpre regras mínimas de transparência e beneficia figuras públicas ou políticas.
O país lusófono, um dos mais influentes da região da África Austral, sobressai igualmente pelos fracos índices de desenvolvimento. A taxa de mortalidade infantil, até aos cinco anos, está no topo da lista: é a oitava maior do mundo, com 161 mortes em 1000 crianças por ano, o que representa 116 mil mortes todos os anos. E isto, lembra o documento, quando Angola é o segundo país exportador de petróleo da África subsariana e o quinto produtor mundial de diamantes e está entre o terço (de países) que mais cresceram entre 2000 e 2011 no mundo. Em 2012, ultrapassou a taxa de crescimento da China. Na última década, cresceu a uma taxa média de 7% e o rendimento médio mais do que duplicou. O efeito foi praticamente nulo na forma como a maioria da população continua a viver. “Enquanto a elite angolana usa o rendimento do petróleo para comprar activos no estrangeiro, em Angola as crianças passam fome”, nota o relatório. A subnutrição explica um terço das mortes de crianças, esclarece. Luanda dispõe de reservas de petróleo suficientes para manter nos próximos 21 anos os actuais níveis de produção, que rendem anualmente entre 60 e 70 mil milhões em receitas de exportações. Mas cerca de metade dos seus dez milhões de habitantes continua a viver com menos de 1,25 dólares por dia (um pouco menos de um euro). “A elite de Angola não beneficiou apenas da oportunidade de enriquecer. Também se empenhou assiduamente em garantir que os rendimentos do petróleo pudessem servir os seus interesses”, lê-se no capítulo A grande divergência. E dá exemplos: “Enquanto as casas da elite frente ao mar dispõem de electricidade e água altamente subsidiadas pelos rendimentos do petróleo, os bairros para lá da [Avenida] Marginal não têm luz. E algumas das pessoas mais pobres de Angola são obrigadas a comprar água, a preços elevados, a comerciantes privados.” Angola detém dívida pública portuguesa A riqueza extrema que financiou uma guerra civil de 27 anos está agora a financiar um boom de construção em Luanda e outros centros urbanos, por um lado, e o investimento no estrangeiro, por outro. Portugal é o destino citado. Empresas estatais angolanas ou elementos da elite estão a comprar empresas (ou participações) em Portugal “o antigo colonizador fortemente endividado”.  Exemplos disso são as participações no Millennium BCP ou na Galp, não citadas directamente mas referidas ao PÚBLICO pelo gabinete de imprensa do APC que explicou que a referência feita no relatório de que Angola detém agora dívida pública portuguesa, é através do Millennium BCP. Essas participações são da empresa petrolífera Sonangol, tida como exemplo de falta de transparência. A Sonangol está entre as oito companhias estatais no mundo que suscitaram preocupação por não aplicarem medidas que garantam a transparência. O relatório lembra também que a maioria do petróleo exportado de Angola para a China passa pelo Fundo Internacional da China em termos não tornados públicos. A criação de condições propícias para a corrupção, em ligação com empresas ou grupos estrangeiros, privados ou públicos, é um dos traços comuns a países ricos em recursos em África. Há outros. Como o de ser nestes países que estão dois terços das crianças que não vão à escola naquele continente – o que representa uma em três do total do mundo. Ou o de serem, em geral, lugares de paradoxos. No caso de Angola, um paradoxo que coloca a ostentação de um dos lugares mais caros do mundo, junto à baía de Luanda, e os seus condomínios privados, clubes e hotéis exclusivos que servem a elite do país e os executivos das multinacionais com presença em Luanda, a conviver ao lado de bairros de lata sem água ou electricidade, onde cabe metade da população da capital, descreve o relatório de Kofi Annan. A imagem não é de agora. Mas o que questiona este painel é como sobrevive este paradoxo a uma década de forte e rápido crescimento.

Por: 

fonte: publico.pt

Total de visualizações de página