Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

terça-feira, 12 de maio de 2015

Presidente da França visitou Fidel.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, conversou nesta segunda-feira, 11 de maio, com o presidente da República Francesa, Ex.mo sr. François Hollande, por ocasião da sua visita oficial a nosso país.

Photo: Alex Castro


O líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro Ruz, conversou nesta segunda-feira, 11 de maio, com o presidente da República Francesa, Ex.mo sr. François Hollande, por ocasião da sua visita oficial a nosso país.
Durante o encontro Fidel e o distinto chefe de Estado tiveram um interessante diálogo acerca dos laços históricos entre Cuba e a França, bem como examinaram importantes temas do acontecer internacional e trocaram opiniões acerca de suas complexidades e desafios, em um clima cordial e amistoso.
O companheiro Fidel expressou seu agradecimento ao presidente Hollande por ser o primeiro chefe de Estado da França que visita Cuba, e comentou que um dos primeiros textos que leu quando iniciava o bacharelado foi um extenso livro sobre a Revolução Francesa, embora na época nem sequer conhecesse o valor dos estudos políticos e o complexo mundo que estava por trás das ciências históricas.
Photo: Alex Castro
Photo: Alex Castro
Photo: Alex Castro

#granma.cu

GUINÉ-CONACRY: ECONOMIA - Por que a nova cédula de 20.000 GNF ?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Na presença de meios de comunicação público-privados no país, o governador do Banco Central da Guiné-Conacry, Louceny Nabé anunciou segunda-feira, 11 de maio de 2015, a circulação de novas notas de vinte mil francos guineenses. Acompanhado por funcionários da instituição, os representantes dos bancos privados e outros executivos da administração guineense, Lounceny Nabé não deixou de explicar as razões que impulsionaram a instituição para criar esta nova cédula.



Segundo ele, a família de cédulas do nosso país está a precisar de duas sequência. "A família atual de notas de nosso país é do período de final de 1985, início de 1986. A família incluiu recortes de 5000, 1000, 500, 100, 25, e as moedas de 10 e 1 franco. Posteriormente, aconteceram duas evoluções que nos conduziram a duas moedas: de 25 e 50 francos. Em 2007, houve uma nova denominação de 10000. Vocês entendem que a família de notas permaneceu inalterado durante 21 anos. E continua a ser um grande fracasso em comparação com todas as outras famílias de notas na sub-região, em África e no mundo ", ele argumentou.

"Um dinheiro moderno em três seqüências principais a saber: Sequência 1 é representada hoje pela cédula de: 100 GNF, 1000 GNF e 10.000 GNF. Há a sequência 5, que é representada por notas de 500 GNF e 5000 GNF. Mas em todos as outras famílias de notas, há a sequência 2, exceto a nossa que não têm cédulas de 200 ou 2000 GNF ou 20.000 fg. Eis porque temos preenchido essa lacuna, introduzindo dentro de nossa família de notas a sequência 2. Os golpes são, portanto, mais elevados, que os valores faciais que são denominados fracos. Isso porque ", no que concerne a equivalência de valores faciais mais elevados em número de áreas em relação à nossa própria moeda. Disse ele.
Portanto, em 1986, uma nota de 5000 era equivalente a cerca de 13 dólares, mas hoje não é nem um dólar.
Além disso, estamos preparando para colocar o valor para uma denominação mais alta. Nós percebemos que os indicadores do próprio Fundo Monetário Internacional, quando da reforma da moeda de um país, era para garantir que o valor da face mais alta não fosse menos do que o equivalente a 20 dólares dos EUA e que faz equivaler a 150.000 Francos da Guiné. Numa economia equilibrada, o valor da nota per capita devia ser tal que, o golpe na fabricação do banco central fosse ideal.
As notas de  20.000, não seriam destinadas para as emissões. Mas, elas servirão intimamente no quadro de uma das atribuições essenciais do Banco Central, ou seja, a melhoria da situação financeira. Assim, a emissão da nota de 20.000 GNF não é um problema suplementar. Nota de 20.000 GNF é fabricado por cerca de um terço do preço da nota de 10.000  GNF.
As mil notas de 20.000 fg é cerca de 50 dólares americanos. Portanto, se nós fabricamos mil notas de 5.000 fg equivalem a 85 dólares, como nós ganhamos um pouco em custos. Os bilhetes emitidos 20.000 fg, portanto, participariam no financiamento do orçamento do Estado.

Por: Mariama Sylla para GCI 2015-GuineeConakry.Info

CEDEAO discute xenofobia, eleições e migração.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Ex-President da Nigéria Jonathan Goodluck. ARQUIVO | NATION MEDIA GROUP

A recorrência de ataques xenófobos na África do Sul, a situação dos migrantes africanos no mar Mediterrâneo e eleições realizadas em dois Estados-Membros no topo da agenda do Parlamento da CEDEAO na sua primeira sessão em 2015 em Abuja, na segunda-feira.

O Presidente do Parlamento nigeriano Ike Ekweremadu, abriu a sessão para felicitar seus compatriotas do Togo pela realização de eleições presidenciais pacíficas neste ano.

Ele também parabenizou o presidente cessante nigeriano Goodluck Jonathan por este aceitar sua derrota graciosamente.

"O presidente Jonathan estabeleceu um novo padrão para o qual todos os líderes Africanos serão agora encarregados de emular para garantir a verdadeira democracia, a santidade das urnas e desejos das pessoas de serem respeitadas", disse o presidente.

"De fato, as eleições bem sucedidas na Nigéria e Togo efetivamente, combinam para anunciar ao mundo que a democracia veio para ficar na África Ocidental".

O Presidente exortou a Costa do Marfim,, Burkina Faso e Guiné, cujas eleições estão chegando, para seguirem exemplos da Nigéria e Togo.

Boa governação

Em relação aos ataques xenófobos na África do Sul, o parlamento observou que isso contradiz tratados e cartas internacionais sobre direitos humanos e estava fora de sincronia com as realidades da globalização.

"Todos nós devemos levantar contra a nova cara do apartheid e garantir que os envolvidos sejam postos fora e possivelmente levados perante o Tribunal Penal Internacional", disse o senador Ekweremadu.

Sobre a questão de migrantes africanos que cruzam o Mediterrâneo para a Europa, onde muitas pessoas estavam se afogando, o Presidente apelou para a colaboração com a comunidade global para deter as migrações perigosas.

"Nós devemos, como os parlamentos regionais e nacionais, intensificar os nossos esforços legislativos para consolidar a boa governação que irá proporcionar postos de trabalho, igualdade de oportunidades, e servir para o bem-estar e a segurança dos nossos povos, '' disse ele.

Ele elogiou a Nigéria, Níger, Chade e Camarões por sua ofensiva concertada contra os insurgentes do Boko Haram, que já resultou em sucesso considerável.

Enquanto isso, o presidente da Comissão da CEDEAO, o Sr. Kadre Quedraogo, felicitou a Libéria após o anúncio Organização Mundial de Saúde (OMS), no sábado que agora ela está livre de  Ebola.

Ele desejou que a Guiné e a Serra Leoa a mesma.

#africareview.com

ONU: Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos acusa a França de atrasos na investigação de Caso de Abuso Sexual de crianças por soldados franceses na República Centro Africana.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Tropas francesas patrulham as ruas de Bangui, na República Centro-Africana
LUC GNAGO/REUTERS.

NAÇÕES UNIDAS - O alvoroço sobre as alegações de abuso sexual de crianças por soldados franceses na República Centro-Africana espalhou-se nesta sexta-feira, com o alto funcionário dos direitos humanos das Nações Unidas a acusar a França de atrasos na investigação de suas tropas, os Estados Unidos pressionam por um inquérito, e os Estados Unidos enfrentam o novo controlo sobre a responsabilização das forças de paz que são enviados para proteger os civis, mas os exploram.

Em suas primeiras declarações públicas desde que as acusações vieram à tona, de que as tropas francesas abusaram sexualmente de vários meninos de dezembro 2013 a maio de 2014, disse Ra'ad Zeid al-Hussein, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que fortemente questionou por que a França não tinha investigado os seus próprios soldados antes de os membros do pessoal das Nações Unidas começarem sua própria investigação.

As Nações Unidas recolheram depoimentos de seis rapazes, alguns dos quais descreveram em detalhes como tinham sido abusados sexualmente; outros disseram que testemunharam.

"Como é que ninguém sabia sobre esses abusos entre dezembro e maio?", Disse al-Hussein, ex-defensor da paz das Nações Unidas na Bósnia que, em um papel anterior, tinha pressionado as Nações Unidas para melhorar a forma como ela lida com alegações de abuso sexual em suas missões de manutenção da paz.

"Se você tem uma febre durante cinco meses, você não precisa de um médico para entrar no quinto mês para lhe dizer que você não está bem", acrescentou.

As Nações Unidas não estavam no comando das tropas que servem na República Centro-Africana no momento. A França tinha implantado soldados para acabar com um conflito sectário e amargo no país, sua ex-colônia, muito antes de uma missão de paz das Nações Unidas sert estabelecida.

Ninguém foi acusado de um crime, no entanto, oito meses após as acusações vieram à tona, e esta semana o apontar de dedo começou há mais para de quem é a culpa pelos atrasos.

As autoridades francesas disseram apenas que a maioria dos soldados acusados ​​foram removidos da operação na República Centro-Africana, mas não ofereceu detalhes de quando eles foram repatriados e onde eles foram implantados agora. O Ministério Público de Paris na quinta-feira anunciou que iria investigar através de juízes franceses formalmente as alegações.

Autoridades francesas abriram uma investigação criminal preliminar em julho passado, depois de um funcionário das Nações Unidas que vazou para as autoridades francesas um inquérito interno das Nações Unidas sobre as alegações de abuso sexual.

Esse inquérito, preparado pela agência e dos direitos humanos das crianças agência das Nações Unidas, continha os nomes das vítimas, todos menores. O membro do pessoal das Nações Unidas acusado de ter vazado informações para a França foi suspenso, com salário retido, enquanto se aguarda uma investigação. As Nações Unidas têm dito repetidamente que as suas regras proibem a divulgação pública dos nomes das vítimas e dos investigadores.

Esta semana, o membro do pessoal, Anders Kompass, de nacionalidade sueca, foi reintegrado a seu posto por um tribunal das Nações Unidas.

Enquanto isso, a França tem procurado desviar as acusações de que ele está a arrastar os pés na investigação, argumentando que as Nações Unidas não cooperava plenamente.

O Presidente François Hollande da França prometeu "dar o exemplo", com os soldados que foram considerados culpados, e seu ministério de defesa prometeu proceder a uma investigação militar interna e torná-la disponível para os investigadores judiciais.

Um porta-voz do chefe do exército francês, o coronel Gilles Jaron, disse: "Quando estes eventos - e todos estes eventos não forem comprovados até hoje - se forem trazidos à nossa atenção, nós agimos naquele mesmo dia."

O embaixador americano nas Nações Unidas, Samantha Power, disse a repórteres na sexta-feira que toda a maneira em que as "graves e grotescas alegações" tinha sido tratadas devem ser investigadas por um órgão imparcial, independente, acrescentando que os testemunhos das crianças deveriam ter sido encontrados o mais rapidamente.

"É essencial que os países cujos soldados são acusados ​​de terem sido envolvidos em crimes dessa magnitude e atos agressivos", disse ela. "Nós, novamente como todo mundo, estamos preocupados com o tempo."

Mesmo que os franceses digam que tinham enviado imediatamente investigadores para a República Centro Africana, ao receber os depoimentos, o inquérito inicial aparentemente não deu informações suficientes para apresentação de acusações criminais.

Em setembro, as autoridades francesas pediram para falar com o investigador das Nações Unidas que recolheram os testemunhos, um pedido que levou um mês para chegar a sede das Nações Unidas através dos canais diplomáticos, de acordo com um porta-voz das Nações Unidas.

Em seguida, as Nações Unidas pediram à França para responder uma lista de perguntas, que demorou até fevereiro para chegar. Só em 30 de março é que as Nações Unidas deram às autoridades francesas uma cópia editada do inquérito inicial, e apenas na quinta-feira - um ano inteiro após o abuso sexual é que foi dito o que tinha ocorrido - o que fez os franceses abrirem uma investigação.

O episódio coloca o Sr. al-Hussein em um lugar peculiar. Há dez anos, como o principal autor de um relatório crítico sobre a forma como as Nações Unidas lida com alegações de abuso sexual contra suas próprias forças de paz, ele propôs que os acusados ​​sejam julgados em processos judiciais marcial no país, onde as acusações são feitas e que apresentem DNA amostras para ajudar os investigadores.

Ele também pediu que as Nações Unidas tenham um papel na condução da investigação completa, juntamente com as autoridades dos países de origem das forças de paz. Dessa forma, seu relatório afirma, que poderia haver um segundo par de olhos para assegurar a responsabilização.

Nenhuma dessas reformas foram feitas, depois que os países que contribuem com tropas para missões de paz rejeitaram. Outras mudanças foram feitas, incluindo a oferta de serviços para vítimas.As Nações Unidas têm meios para forçar países de origem para punir os seus soldados. Ele pode exortá-los a fazê-lo, ele pode pedir informações sobre as suas investigações - embora por vezes os países não respondem - e, em princípio, pode recusar-se a aceitar forças provenientes desses países.

Falando a jornalistas em Genebra na sexta-feira, o Sr. al-Hussein manteve sua posição de que um documento contendo os nomes das vítimas e testemunhas não deveria ter sido lançado a uma parte externa antes de as Nações Unidas terem a oportunidade de redigir nomes. "Ninguém tem o monopólio da indignação", disse ele. "Estamos todos indignados."

Em sua coletiva de imprensa de 45 minutos, o Sr. al-Hussein repetidamente disse que a França deveria ter agido mais cedo para investigar as acusações contra seus soldados. "Seria impossível acreditar", acrescentou, "que eram apenas os soldados como ninguém sabe?."

#nytimes.com

Total de visualizações de página