Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Rússia: exercícios militares gigantes anunciados em agosto.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
De 30 de agosto a 5 de setembro, a Rússia realizará manobras militares estratégicas no leste do país. Isso é pelo menos o que deve ser lembrado de um anúncio feito pelo ministro da Defesa russo. Durante este exercício militar denominado "Vostok", notamos de acordo com os detalhes da autoridade ministerial a presença de outros contingentes. Este é um exercício militar cujo objetivo é mostrar que, apesar da guerra na Ucrânia, o país continua muito comprometido com a defesa de todo o seu território. “Chamamos a atenção para o fato de que apenas uma parte das Forças Armadas da Federação Russa está envolvida na operação militar especial (na Ucrânia), cujo número é suficiente para cumprir todas as tarefas estabelecidas pelo comandante supremo. ”, disse o comunicado do ministro da Defesa russo. Todas as pessoas envolvidas Também especifica que os exercícios serão realizados com todo o pessoal, armas e equipamentos necessários. Essa manobra militar estratégica no leste do país ocorre em um momento em que alguns observadores indicam que a Rússia está enfraquecida militarmente por causa da guerra na Ucrânia. No campo de guerra, os observadores acreditam que o exército russo está em hiato operacional há algumas semanas.

Assassinato de Thomas Sankara: Blaise Compaoré pede perdão.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!..
Após um julgamento retumbante e um retorno igualmente retumbante sem ser preso, Blaise Compaore decidiu pedir perdão ao povo de Burkina Faso pelo assassinato do muito amado Thomas Sankara. Como lembrete, ele havia sido condenado à revelia em abril à prisão perpétua pelo assassinato de Thomas Sankara, seu ex-companheiro e também irmão. Ele não compareceu ao julgamento e se absteve de fazer comentários públicos sobre sua condenação. "Peço desculpas ao povo de Burkina Faso por todos os atos que possa ter cometido durante meu magistério e mais particularmente à família de meu irmão e amigo Thomas Sankara... Assumo e deploro do fundo do meu coração todo o sofrimento e tragédias vividas por todas as vítimas durante meus mandatos à frente do país e peço a seus familiares que me concedam seu perdão", disse o ex-presidente de 71 anos, entre outras coisas. Ele havia tomado o poder após o assassinato de seu amigo. Desde então, vários ativistas, organizações e políticos o acusaram de ter preparado e orquestrado o assassinato de seu amigo com a cumplicidade de países estrangeiros. A França, em particular, havia sido destacada sem provas formais. Ele havia deixado o poder após um golpe em seu país. Leia a carta dele abaixo. Mensagem de Sua Excelência Sr. Blaise COMPAORE Ex-Presidente Atendendo ao convite de H.E.M. Paul-Henri Sandaogo DAMIBA, Presidente do Faso, para consulta sobre a situação muito difícil e delicada que nosso país vive, minha presença entre vocês é mais que uma alegria, é um imenso alívio! E por isso, gostaria, antes de tudo, de expressar minha profunda gratidão às novas Autoridades de Transição de nosso país. Os meus agradecimentos vão também para todos aqueles que trabalharam nele em silêncio. individual ou coletivamente, para permitir o advento deste dia. Permitam-me também aproveitar esta mensagem para agradecer, especialmente de Ouagadougou, Sua Excelência Sr. Alassane Dramane OUATTARA, Presidente da República irmã da COTE D'IVOIRE e seu Governo, por todas as conveniências implementadas para facilitar minha viagem para Ouagadougou. Senhor Presidente do Faso e caros compatriotas, O nosso país, BURKINA FASO, vive há vários anos uma das crises mais graves da sua história, que ameaça a sua própria existência. Esta crise, caracterizada por ataques terroristas de rara violência e conflitos intercomunitários. causou milhares de mortes e deslocamentos em massa de nossos compatriotas, a quem ainda expresso toda a minha compaixão e minha solidariedade na provação. É assim que milhões de mulheres, homens e crianças indigentes são forçados a se deslocar dentro de seu próprio país, o que abala os próprios alicerces de nossa querida pátria. Perante esta situação dramática e crítica que a nossa querida pátria vive, não nos resta outra opção senão silenciar as nossas diferenças para salvar o nosso património comum, BURKINA FASO. Esta Nação, que nos foi legada por nossos ancestrais, merece mais do que o destino desastroso que os terroristas querem reservar para ela. É por isso que apelo a todos os nossos compatriotas, filhas e filhos do país, de dentro e de fora, à união sagrada, à tolerância, à contenção, mas sobretudo ao perdão para que seja o melhor interesse da nossa Nação. Desejo que o sangue de todos os nossos mártires, civis e soldados, caídos desde o início desta grave crise, possa constituir o cimento do nosso amor fraterno, do apego à pátria e da nossa solidariedade com todos. Meus caros compatriotas, De minha parte, peço desculpas ao povo de Burkina Faso por todos os atos que possa ter cometido durante meu magistério, mais particularmente à família de meu irmão e amigo Thomas Isidore Noël SANKARA. Assumo e deploro, do fundo do meu coração, todo o sofrimento e drama vivido por todas as vítimas durante os meus mandatos à frente do país e peço às suas famílias que me concedam o seu perdão. Espero que possamos avançar agora para reconstruir nosso destino comum na terra de nossos ancestrais. Juntos, em espírito de patriotismo, vamos dar as mãos para finalmente silenciar nossas brigas e ressentimentos. É importante hoje trabalhar pela recuperação da integridade territorial, pela reconstrução e promoção de um ambiente propício ao desenvolvimento sustentável para todos. Esta é a única forma que nos permitirá pôr fim aos nossos mal-entendidos e conflitos intercomunitários para lutar eficazmente contra o terrorismo que tanto sangrou o nosso país e está a abalar os seus alicerces. Podemos. Devemos isso ao nosso querido país em uma explosão patriótica. Que Deus abençoe BURKINA FASO fonte: https://lanouvelletribune.info/

Macron no Benin: um passeio simbólico e acolhedor.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O presidente francês Emmanuel Macron inicia uma visita ao Benin com uma pequena mudança de horário. Esperado esta manhã como planejado, ele desceu ontem à noite de Camarões. Uma visita que promete ser sem muito entusiasmo na classe política beninense e na opinião nacional. Sem dúvida, vários dossiers serão colocados sobre a mesa, em particular questões de segurança e democracia, mas em vez de uma visita de trabalho como consta no protocolo, várias pessoas acreditam que esta é uma visita de aquecimento. frio por vários meses. Esta é sua primeira viagem ao Benin desde sua primeira eleição na França em 2017 e sua reeleição em 2022. Durante dois dias, o presidente Emmanuel Macron ficará em Cotonou como parte de uma mini turnê que começou em Camarões e terminará na Guiné. Bissau. Suas ações e gestos serão particularmente examinados. Por mais que digamos logo, é uma visita que não ficará marcada com uma pedra branca nos anais da história contemporânea desses dois países. Não é o grande júbilo popular como durante a visita de seu antecessor François Hollande nos dias 01 e 02 de julho de 2015 durante a qual elogiou nosso país qualificando-o como “referência democrática na África”. Ele aproveitou esta oportunidade para enviar uma mensagem aos líderes de outros países do continente que estão tentando se agarrar ao poder. Também nada a ver com o do presidente François Mitterrand em 15 e 16 de janeiro de 1983. Até mesmo o presidente Jacques Chirac se saiu melhor em 2 de setembro de 1995 durante a 6ª Cúpula da Francofonia. Na história das relações entre Benin e França, esta é a primeira vez que um líder francês é recebido, sem muito entusiasmo tanto da classe política quanto da opinião nacional. O cardápio também não é muito rico para o líder francês. O percurso do presidente francês será num raio de apenas 1,5 km2, entre o aeroporto, a presidência da República e a cidade de Sèmè. No programa, um tête-à-tête entre os dois homens, uma conferência de imprensa onde os jornalistas são escolhidos a dedo, uma visita aos tesouros reais de Abomey dentro do recinto do palácio da presidência e um encontro com os atletas beninenses. E é isso. Nenhum encontro nem com a juventude beninense como foi o caso de Ouagadougou nem com a classe política, muito menos com os operadores económicos. Sem assinatura de acordos de parceria econômica ou militar, mesmo que no último momento, o protocolo agregue a assinatura de alguns dos quais ninguém conhece os termos. No caso em apreço, os ministros em causa primeiro consultam-se para redigir e acordar todos os aspectos do documento antes de os submeter à assinatura dos Chefes de Estado. Este não é o caso. França em queda livre na África Deve-se reconhecer que até sua reeleição, a estratégia e a política africana de Macron consistiam em evitar países sob a influência da França após a independência em 1960. Durante esse período, o antigo país colonizador perdeu seu brilho. A sua posição como parceiro privilegiado em África desceu vários níveis. Primeiro no setor de segurança, onde foi substituído pela Rússia. Então, no nível econômico, onde a China o derrotou como peão. Macron deve ter percebido que seu país estava perdendo seus interesses tradicionais em seu antigo quintal africano para outros estados. Uma crescente rejeição deste país que se agravou no Mali com a saída exigida e obtida pelos militares no poder, das tropas francesas das operações de Barkhane e Takuba graças às manifestações espontâneas ou organizadas das populações. Entre a reeleição do presidente Talon em 2021, a de Macron em 2022 e a perda da maioria presidencial na Assembleia Nacional francesa, os dois homens tiveram um passe de armas com folhas manchadas que selaram seu relacionamento. Esta visita surge, portanto, como um gesto simbólico para mostrar que a água correu debaixo da ponte. É sim uma visita simbólica às relações calorosas entre os dois países. O único assunto importante que será discutido diz respeito à segurança no Sahel. Em 13 de julho, na véspera do Dia Nacional da França, Macron dirigiu-se aos exércitos franceses. Ele falou sobre a política militar na África, dizendo que ela precisa ser repensada e uma mudança de paradigma. Sobre este assunto, os beninenses querem ouvir os anúncios concretos em um momento em que a Operação Barkhane está em pleno desmantelamento em um contexto complicado com as autoridades do Mali. Hoje, Benin está no centro da luta antijihadista e tenta controlar essa ameaça em suas fronteiras ao norte com Burkina e Níger. Os dois homens certamente falarão sobre essa reorganização e como podem contribuir para fortalecer a segurança nessa área. Talvez estejamos caminhando para a instalação de uma base militar francesa no Benin? Espere e veja. Mas, saia do componente de democracia e direitos humanos. Os arquivos do ex-ministro Réckyath Madougou e do professor Joël Aïvo, presos há vários meses, podem ser tratados em particular. O mesmo acontece com os exilados políticos. Em suma, esta visita do presidente francês corre o risco de deixar o povo do Benin com fome. fonte: seneweb.com

Opinião: ENTRE UMARO SISSOCO E A IMPRENSA: uma história para um dia contar.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
No passado dia 18 de Julho de 2022, o jornal online Capital News informou no seu site que Abdurahamane Turé tinha sido expulso da Rádio África FM pelo proprietário da rádio: Umaro Sissoco Embaló, presidente da República da Guiné-Bissau. Abdurahamane era director da rádio, uma verdadeira máquina de desinformação e de manipulação da opinião pública ao serviço do regime liderado pelo seu dono. A informação rapidamente suscitou um debate público sobre o expulso director, a rádio, o seu proprietário e o papel que todos eles têm jogado num contexto de ataques abertos às liberdades democráticas na Guiné-Bissau, especialmente contra as liberdades de expressão e de imprensa. Para os que poderiam alimentar alguma dúvida em relação à notícia veiculada pela CNews, no dia 24 de Julho, um áudio da conversa entre Umaro Sissoco Embaló e Abdurahamane Turé a circular nas redes sociais dissipa todas as tentativas de relativizar mais uma clara demonstração de como quem hoje é presidente da Guiné-Bissau lida com a imprensa e qualquer tentativa de expressão pública de opiniões que não lhe agradem. A questão-chave do conflito entre Sissoco e Abdurahamane é o facto de este ter criticado, em algumas emissões do programa matinal que apresentava nas antenas da África FM, a ausência da imprensa nacional nas mil e uma viagens ao exterior que o autodenominado Único Chefe faz em nome do Estado da Guiné-Bissau. No entender autoritário do Umaro Sissoco, as missões da presidência para fora do país não precisam de incluir jornalistas que representem os vários órgãos de imprensa do país, porque, segundo ele, a presidência tem uma equipa que cuida desse papel de informar sobre as suas deslocações para o exterior do país em diferentes domínios. Abdurahamane Turé invoca o direito de a população ser informada sobre os actos de interesse público, sobretudo os praticados pelas instituições do Estado e seus titulares. O artigo 4º da Lei da Imprensa (Lei nº 4/91), referente ao “Interesse Público da Imprensa”, não só determina a função de a imprensa informar para “uma opinião pública esclarecida” e “para o aprofundamento da democracia e progresso social”, bem como exige “do Estado assegurar as condições da existência de uma imprensa que assegure a prossecução desses fins”. Portanto, ao invocar este dever do Estado em garantir o direito público de informação, Abdurahamane Turé elimina qualquer margem de empate com Umaro Sissoco, dono da rádio em que era director. Mas Abdurahamane Turé finge esquecer-se da situação em a que a liberdade de imprensa se encontra na Guiné-Bissau. Aliás, se conhecer a Lei da Imprensa, Turé deve reparar que no seu artigo 3º, imediatamente anterior ao artigo que suporta o seu contraponto ao seu antigo patrão, refere-se à “Liberdade de Imprensa”, que garante a liberdade de difusão aos órgãos e de opinião aos cidadãos, incluindo (sobretudo, digo eu) sobre os “actos dos órgãos do poder do Estado e da administração pública”. O que é que Abdurahamane Turé tem a dizer sobre as duas vezes que a Rádio Capital FM foi destruída pelas forças ocultas com o beneplácito do regime do seu ex-patrão? Se conhece as regras do jornalismo e de órgãos de imprensa como arroga até com o seu ex-patrão (aqui admito ter-me surpreendido), o que disse o AT quando Fátima Tchumá Camara, Alisson Cabral e tantos outros jornalistas foram pubicamente insultados pelo então candidato à presidência da república e hoje PR? Ou Abdurahamane Turé aceita que seja uma “boca de aluguer”, como Umaro Sissoco apelida aos profissionais de imprensa que não lhe satisfaçam os seus caprichos absolutistas? Abdurahamane Turé ainda nos dirá o fundo do seu conflito com o seu ex-patrão, que será para os dois, seguramente, mais grave do que a obstrução do direito público à informação, porque desde a criação da África FM por Umaro Sissoco Embaló, o seu papel tem sido tudo menos o de defesa das liberdades de imprensa, muito menos do direito de a população ser informada com credibilidade. Neste particular, esta estação radiofónica tem cumprido a sua missão cabalmente, sob o princípio de “todas as mentiras do proprietário e dos seus serviçais são verdades que não precisam ser escrutinadas e todas as verdades que não convenham ao Único Chefe devem ser transformadas em mentiras, por todos os meios de desinformação à disposição da máquina encabeçada por África FM”. Umaro Sissoco Embaló sabe da importância da radiodifusão na Guiné-Bissau, um país com a maioria da população vulnerável à desinformação e manipulação de todas as espécies, dado à falta de acesso de ferramentas intelectuais que possibilitam a descodificação de mentiras veiculadas na imprensa e por outros meios. Por isso, criou uma rádio com ampla cobertura nacional e através das redes sociais. Mas como não tem o monopólio de todos os órgãos da imprensa, recorre aos métodos de intimidação pública de jornalistas, destruição dos órgão mais incómodos à sua ditadura e agressão das figuras mais audazes da imprensa nacional não cooptada pelo regime que lidera: Adão Ramalho, profissional da Rádio Capital FM, foi agredido por um elemento de segurança do Umaro Sissoco à luz do dia, tendo sofrido graves ferimentos. Aliás, ao próprio Abdurahamane Turé, Umaro Sissoco Embaló adverte no áudio da conversa telefónica que tiveram, no sentido deste “ter muito cuidado, porque tem estado a monitorar as suas acções”. O problema do Umaro Sissoco Embaló não é com Abdurahamane Turé, nem com Tchumá, Alisson ou Adão Ramalho. O problema do Umaro Sissoco Embaló é com toda a imprensa que não se alinha no seu absolutismo ditatorial, com todas as vozes que ousem levantar o mínimo de crítica à sua ditadura, incluindo as vozes entre os seus serviçais, e não faltam exemplos, desde raptos e espancamentos de alguns no quintal da presidência, até chamadas telefónicas do próprio Umaro Sissoco a ameaçar os seus alvos entre a sua banda serviçal. Quem será a próxima vítima do ditador na imprensa nacional? Por: Sumaila Jaló Professor e activista

Legislativo 2022: Amadou Bâ lista as razões para dar maioria ao presidente Macky Sall.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Estamos na reta final da campanha eleitoral. A cinco dias das eleições, a coligação Benno bokk Yakaar (Bby) está a afiar as suas armas e a multiplicar as iniciativas que poderão fazer pender a balança a seu favor na noite de 31 de julho. Nesta perspectiva, a unidade de comunicação da referida coligação organizou esta terça-feira, 26 de julho, uma conferência temática centrada na “vitória dinâmica do Senegal sob a era do Presidente Macky Sall”. Uma oportunidade para o director da campanha nacional, Amadou Bâ, voltar em profundidade às conquistas do Presidente Macky Sall que, segundo ele, devem levar os senegaleses a renovarem o contrato da maioria presidencial na Assembleia Nacional para a sustentabilidade destes conquistas. Assente sobretudo na transformação estrutural da economia, eixo prioritário do Plano do Senegal Emergente, esta materializa-se, segundo o mesmo, num crescimento sustentado de pelo menos 6% e a longo prazo. Há também o fechamento da lacuna de infraestrutura. Sobre este assunto, sublinha, “a questão do atraso infraestrutural era vital”. Mas passados ​​10 anos, destaca, “o que foi feito é excepcional”. Entre esses feitos excepcionais, ele imediatamente lista o Ter que, segundo ele, derramou os prognósticos "alarmistas" de seus defensores. “O debate sobre a conveniência de Ter existiu neste país. Hoje, 110.000 pessoas viajam a bordo do Ter todos os dias. Hoje, você pode almoçar ao meio-dia em Dakar e rezar em Tisbar (a oração das 14h) em Touba graças a Ila Touba. Quando chegamos, tínhamos apenas um aeroporto Lss. O presidente concluiu a obra do aeroporto a um custo menor. O presidente Macky Sall fez 20 pontes. Encontrou 33 km de rodovia e acrescentou 219 km de rodovia. 6.000 km de trilhas foram feitas em áreas rurais. Quanto à eletrificação rural, ele encontrou uma taxa de cobertura de 20%, lá estamos em mais de 60% e o objetivo é 100% em 2024”, enumera. O mesmo esforço, continua Amadou Ba, tem sido feito na vertente social com bolsas familiares distribuídas a mais de 300.000 famílias. O mesmo vale para o setor da saúde com centros de diálise em particular em todas as regiões enquanto, informa Amadou Bâ, “havia apenas um centro de diálise no Senegal em 2012”. "Se queremos que o presidente cumpra seu contrato com o povo, ele deve obter a maioria na Assembleia Nacional na noite de 31 de julho de 2022", disse ele. fonte: seneweb.com

SENEGAL: Mimi Touré x Thierno Alassane Sall - o clássico dos ex-ministros.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O duelo proporcional acontecerá. Opor-se-á, entre outros candidatos, a dois ex-ministros de Macky Sall: Aminata Touré (Bby) e Thierno Alassane Sall (Aar Senegal). Um derby com várias apostas. Em vez de um confronto Mimi Touré x Ousmane Sonko, é um confronto Mimi Touré x Thierno Alassane Sall que teremos direito em 31 de julho. Sendo o chefe da lista titular de Yewwi Askan wi, Ousmane Sonko rejeitado pelo Conselho Constitucional, o duelo do proporcional será, portanto, disputado entre dois ex-ministros de Macky Sall: Thierno Alassane Sall, ex-ministro da Energia (chefe do lista Aar Senegal) e Aminata Touré, ex-primeira-ministra (chefe da lista nacional Bby). Mesmo que, note-se, a lista dos substitutos de Yewwi liderados por Oumar Sy, um desconhecido no batalhão, certamente sairá no topo, pelo menos se o mesmo maremoto que acompanha as caravanas de Ousmane Sonko se materializar nas urnas próximo domingo. Tendo alvejado sob os arreios, ambos, no seio de Macky, Mimi Touré e Thierno Alassane Sall já acertam suas contas antes do dia d. E é o TAS que é o primeiro a abrir hostilidades das profundezas do leste do Senegal. Em turnê em Tambacounda, o ex-ministro rebelde quebra a "solidariedade do governo" ao atacar severamente seu ex-chefe de governo. “A senhora com o grande lenço que lidera a lista da coalizão ABY disse que Macky Sall não tem direito a um terceiro mandato. Hoje é ela quem está pedindo para você votar em BBY. Essa senhora como jurista tem medo de dizer o que a constituição diz claramente por motivos partidários”, brinca. Do lado de Mimi, é silêncio de rádio. A ex-PM, bastante ocupada arrumando o cabelo com o rival fora da corrida (Sonko), permanece insensível aos ataques do TAS. Sem dúvida minimizando a capacidade de incômodo de seu ex-colega de governo. Seja qual for o caso, essas eleições terão uma participação de capital, pois ambas buscam recuperar uma melhor saúde política depois de terem deixado o governo de várias maneiras. Tendo renunciado com um estrondo do governo para denunciar a venda escandalosa de um campo de petróleo ao grupo francês Total, a TAS está em plena travessia do deserto. Fracassado na fase de patrocínio presidencial de 2019, a onda Yewwi recentemente derramou seu sonho de se tornar prefeito de sua cidade: Thiès. Mimi Touré: vitória política ou morte! Estas são as últimas eleições para Aminata Touré. Defenestrada do primeiro-ministro após a derrota esmagadora infligida por Khalifa Sall aos locais em 2014, a ex-companheira de chapa de Adama Faye (o outro cunhado rebelde do presidente da República) sempre foi uma boa treinadora (ela ganhou as presidenciais de 2012 e 2019 como gerente de campanha), mas um jogador ruim. Ela havia cumprido sua pena aceitando o cargo de Enviada Especial do Presidente da República, uma espécie de purgatório, antes de retornar aos negócios em maio de 2019 como Presidente do Conselho Econômico, Social e Ambiental. Em novembro de 2020, bis repetita! Mimi Touré, expulsa do chefe da Cese, ainda afunda na escuridão política antes que o presidente de Benno jogue uma tábua de salvação. Aqui está ela novamente no topo da lista da coalizão Bby nas eleições legislativas do próximo domingo, para jogar uma de suas últimas cartas: dar maioria a Macky Sall na Assembleia Nacional. Ela vai chegar lá? Responda domingo à noite! fonte: seneweb.com

ANGOLA: NEM COM OS VOTOS DOS MORTOS SE SAFAM…

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A UNITA, principal partido da oposição que o MPLA (ainda) permite em Angola, apresentou junto da Comissão Nacional Eleitoral (CNE) uma reclamação relativa ao Ficheiro Informático de Cidadãos Maiores (FICM) onde estão inscritos os cidadãos habilitados a votar nas eleições gerais de 24 de Agosto. Para a UNITA, está em causa a integridade dos cadernos eleitorais, já que revelam a existência de cidadãos falecidos e outros que, tendo emigrado há vários anos, fixaram residência no estrangeiro. Para garantir a “lisura dos sufrágios, o legislador ordenou, em 2015, que os cidadãos fizessem prova de vida”, recorda a UNITA, em comunicado, acrescentando: “Aqueles que não o fizessem, não poderiam ser incluídos no FICM, e, consequentemente, no seu produto derivado, os cadernos eleitorais”. Segundo o partido, uma pequena amostra colhida por familiares de mais de uma centena de cidadãos falecidos, só em Luanda (alguns há mais de 10 anos), permitiu apurar que estes constam das listas de eleitores, tendo-lhes sido atribuídas uma assembleia e mesa de voto para votarem no dia 24 de Agosto de 2022. Se os mortos não “puderem” votar presencialmente, certamente que a CNE (sucursal do MPLA) se encarregará de arranjar voluntários que votem pelos mortos, por delegação destes… “Apercebendo-se disso, os cidadãos estão preocupados com a integridade dos cadernos eleitorais e com a possibilidade real de alguém utilizar fraudulentamente e de forma organizada a identidade dos milhares de cidadãos falecidos, indevidamente inscritos nos cadernos eleitorais, para praticar o crime do voto plúrimo”, refere a UNITA. O partido diz ser incompreensível que milhares de cidadãos já falecidos e que não fizeram prova de vida no período de 2012 a 2022, voltem a aparecer nos cadernos eleitorais de 2022, o que “constitui uma séria ameaça à integridade do processo”. Para a UNITA, a inclusão de cidadãos falecidos no FICM e nos cadernos eleitorais, viola a lei, torna os cadernos eleitorais inválidos e aumenta o risco de violação do direito de voto. Isso é que pensa a UNITA e pensam todos aqueles que julgam que Angola é aquilo que (ainda) não é: Um Estado de Direito. Sendo um reino ou, melhor, um território muito mal frequentado, os mortos podem mesmo votar desde que, é claro, o façam no… MPLA. Além da inclusão dos cidadãos falecidos, a UNITA constatou também que muitos cidadãos arrolados nas listas como eleitores foram deslocalizados para assembleias de voto que não escolheram, fora da sua área de residência. Em causa estão o Ministério da Administração do Território (MAT), que entregou à CNE o ficheiro não expurgado dos cidadãos falecidos, bem como a CNE, que, sem auditar o FICM entregou ao Tribunal Constitucional (outra sucursal do MPLA) uma lista geral de eleitores povoada de milhares de cidadãos já falecidos (que poderão ser mais de três milhões) e outros deslocalizados, comprometendo o processo eleitoral. O partido pede por isso a intervenção da CNE no sentido de tomar providências para corrigir os “erros e omissões”, expurgando os eleitores falecidos e resolvendo o problema dos deslocalizados. Recorde-se que mais de 22 mil cidadãos angolanos actualizaram o seu registo eleitoral em 12 países estrangeiros e estão habilitados a votar nas eleições gerais marcadas para 24 de Agosto, anunciou o governo angolano. No espaço de algumas horas passaram de 18 mil para 22 mil… “Hoje remetemos à Comissão Nacional Eleitoral (CNE), o ficheiro informático dos cidadãos maiores definitivo contendo um total de 14.399.391 eleitores. Deste 22.560 actualizaram o seu registo eleitoral mo exterior, em 12 países e 26 cidades, nomeadamente de África do Sul, Alemanha, Bélgica, Brasil, França, Grã-Bretanha Namíbia, Países Baixos, Portugal, República Democrática do Congo, Republica do Congo e Zâmbia”, anunciou no dia 13 de Junho o ministro que aconselha os angolanos no exterior a mentir sobre a situação real de Angola, e que dirige a Administração do Território. De seu nome, Marcy Lopes. No ficheiro informático consta o total de eleitores angolanos registados, bem como a sua localização, incluindo cerca de 10 milhões de cidadãos que foram transferidos da base de dados do Bilhete de Identidade, incluindo os que residem no exterior, bem como os que completam 18 anos até à data das eleições. Segundo Marcy Lopes foram feitas, durante o período de consultas e reclamações, 501.768 consultas a partir do site “meuregisto.gov.ao”, por via telefónica e através dos balcões de atendimento ao público, e 2.139 reclamações, das quais 1.287 foram atendidas e viabilizadas e 852 rejeitadas por não caberem no âmbito legal. Pela primeira vez, o registo foi feito de forma oficiosa, consistindo na transferência da base de dados do registo civil (bilhete de identidade) para a base de dados dos cidadãos maiores. Em paralelo, como não estão ainda implantados serviços de identificação em todo o território (em 46 anos de governo o MPLA ainda não teve tempo para isso) houve necessidade de conferir o cartão de eleitor a todos os cidadãos que vivem em zonas recônditas, onde foi feito o registo presencial com base em prova testemunhal. “Não podemos falar em margem de erro em matéria de registo do cidadãos eleitores”, sublinhou o governante, indicando que foram colocados na base de dados todos os cidadãos que têm idade igual ou superior a 18 anos. Marcy Lopes disse que constam do ficheiro também os que designou como “objectores de consciência”, pessoas que nunca fizeram o registo eleitoral, mas estão incluídos no ficheiro por via do processo automático de transferência da base de dados do bilhete de identidade, bem como pessoas que sejam condenadas a pena de prisão ou que morram até à data das eleições. Convém não esquecer, fazendo fé na “lei” do MPLA já bem testada nas eleições anteriores, que podem haver excepções e os mortos votarem desde que, é claro, deleguem essa missão em dirigentes eleitorais do MPLA. É desta “lei” que resulta o facto de haver casos em que surgiram mais votos do que eleitores inscritos. “São circunstâncias naturais e outras decorrentes da lei que não estão sob nosso controlo por que tem de haver uma data de corte” para a ficheiro informático, que deu também na altura entrada no Tribunal Constitucional. Até ver, o MPLA tem garantias de que a máquina eleitoral está quase pronta. Todos os dias se verifica que, tal como no tempo de José Eduardo dos Santos, filho de jacaré é jacaré. Ao contrário do que afirmou, o Presidente João Lourenço mostrou que não há jacarés vegetarianos. Os angolanos começam a ver que o MPLA não é (nunca foi) uma solução para o problema. É, isso sim, um problema para a solução. Não admira, por isso, que João Lourenço tenha dado sobejos sinais de que não irá perder tempo com julgamentos nem com eleições cujos resultados não controlasse. Agostinho Neto já o fizera com total sucesso. O MPLA já admite em público que a vitória será sempre certa. A maioria da oposição parlamentar, com a qual o MPLA está a ficar farto porque ela vai mostrando que o partido de João Lourenço só consegue viver em guerra ou num sistema de único partido, considera que o MPLA usa todos os subterfúgios possíveis para esconder a falta de vontade política do partido no poder para dar a palavra (e o direito livre de escolha) ao Povo. Com efeito, o secretário para os Assuntos Eleitorais do MPLA afirmou há uns meses que não havia, de momento, “condições objectivas” para levar o escrutínio avante, no meio da pandemia de Covid-19. Referia-se às autárquicas, mas a estratégia aplica-se a tudo o que o MPLA quiser. Em declarações à Rádio Nacional, Mário Pinto de Andrade sustentou que a experiência dos países da África Austral que realizaram eleições legislativas foi “muito má”, o que exige muita cautela. De facto, é complicado. Como é que o MPLA poderá aceitar ser derrotado por um vírus que, ainda por cima, foi gerado nos históricos amigos chineses? Melhor mesmo seria fazer umas eleições em que apenas votassem os deputados do reino. “Aliás, nós temos estado, ao nível do MPLA e dos partidos da oposição, a participar (em encontros) online de outros países aqui da África Austral que realizaram eleições legislativas, e em que as pessoas pedem-nos para termos cautela porque a experiência deles foi, de facto, muito má”, sublinhou Pinto de Andrade. E tem razão. Como sempre o MPLA tem razão. Porque o MPLA é Angola e Angola é do MPLA, não há razões para respeitar a democracia (que, ainda por cima, como disse Eduardo dos Santos, “nos foi imposta”). Além do mais, as eleições custam muito dinheiro que, na verdade, faz falta para ajudar os dirigentes do MPLA a comprarem mais casas, empresas etc. no estrangeiro. Na verdade, hoje o MPLA tem medo. Mas não há razões para isso. Bem que o partido de João Lourenço poderia até divulgar agora os resultados das próximas eleições… Folha 8 com Lusa

Total de visualizações de página