Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 22 de dezembro de 2013

Etiópia: Falha na comunicação - A expansão da Telecomunicação projetada em quantidade e não em qualidade...

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A ethio-telecom assinou um total de 1,6 mil milhões de dólares em negócio com os dois gigantes das telecomunicações Chinesas, Huawei e ZTE em julho e agosto de 2013, respectivamente.


Embora ethio-telecom está no meio de uma expansão para aumentar o número de beneficiários de serviços, tais como assinantes de telefonia móvel, e nesse sentido investir uma grande quantia de dinheiro no setor, a comunicação móvel continua a ser inconfiável em várias partes do Addis Abeba.

Na semana passada, um passageiro ia de táxi de Kotebe para Megenagna, no distrito de Yeka, viu uma pessoa que não sabia andar na rua. Ele queria falar com ele e discou o número dele, mas não foi capaz de se conectar. Ele estava irritado com a voz gravada de ethio-telecom, que informa os clientes que eles não podem se conectar e que eles devem tentar novamente mais tarde.

 "Quando é que é mais tarde? " Ele perguntou indignado. " A empresa Ethio-Telecom precisa nos informar. "

O problema de conexão móvel é visivelmente pior em áreas identificadas, a maioria das quais são, onde as infra-estruturas de rede é construída pela Nokia. Pessoas ao redor da área Jemo no Distrito de Lafto reclamam sobre a não possibilidade de elas se conectarem.

"O que eu não consigo entender por que a conexão da Etiópia fica ruim enquanto a mundo se torna moderna e mais rápido das conexões", diz Beyene Haileleul , de 52 anos, um residente da área de Kera de no Distrito de Lafto - outra das áreas em Addis Abeba conhecida por sua má conectividade.

O prestador do serviço estatal tem, no entanto, continuado a investir. De 2005 até 2007 apenas o governo gastou 40 milhões de dólares para manter a infra-estrutura de rede.

Do montante total de dinheiro alocado para fazer o Crescimento e Plano de Transformação da ( GTP) uma realidade - que estima um total de 75-79 bilhões de dólares ao longo de cinco anos, em todos os setores - cerca de dois bilhões de dólares são destinados ao setor de telecomunicações.

Apesar de todos esses investimentos, clientes como Beyene se queixam de que a qualidade do serviço não revelam tanta mudança como eles esperavam.

A velocidade média de conexão com a Internet na Etiópia está atualmente registrada como a menor de qualquer outra do país no mundo todo. A conectividade na Etiópia caiu para tão baixa, algo como 5 kb por segundo, de acordo com um relatório em 2012. Esta é uma velocidade que o resto do mundo estava acessando na década de 1990. Com 0.02pc, a taxa de conexão a Internet na Etiópia é também uma das mais baixas.

Com o tempo de inatividade de 10 20pc em conectividade com a Internet, isso se traduz em perda de oportunidades, derrapagens de custos e de tempo perdido para o pessoal ocioso. O serviço de telecomunicações tem sido classificado como o mais baixo em numerosos relatórios diferentes.

O governo está atualmente investindo em torno de 10pc de todo o orçamento do país para o setor de telecomunicações.

Além do investimento de 1,5 bilhão de dólares, que ethio-Telecom investiu nos últimos seis anos, o país anunciou um financiamento a fornecedores de um ano atrás, como parte do projeto de expansão da rede. Após uma negociação que durou mais de um ano, as duas empresas de telecomunicações chinesas gigantes, Huwaei e ZTE, ganharam e vão investir cerca 1,6 bilhões de dólares. Isso vai durar para os próximos dois anos.

No contrato de fornecedor, que já dura há mais de um ano, ethio-telecom estava negociando o preço para reduzir para um bilhão de dólares para o início e 1,3 mil milhões de dólares para depois. Na negociação, ethio-telecom não tem sido bem sucedida em diminuir o preço do contrato de venda.

Demorou um tempo considerável para se chegar a um acordo final e divulgar o vencedor.

"Foi agitado ", disse Debretsion G / Michael (PhD), ministro da Informação e Tecnologia de Comunicação e vice-primeiro ministro para o Cluster Econômica e Finanças.

O acordo com fornecedor de serviço, que vai durar para os próximos dois anos, supera o investimento total da ethio-telecom ao longo dos últimos seis anos. O valor do prestador do serviço estatal que investiu nos últimos seis anos, desde a vinda de Ericsson, foi de 1,5 bilhões de dólares.

"Investir até 400.000 milhões de dólares em um projeto é um grande problema em países como a Etiópia, mas estamos investindo bilhões ", argumenta Abdurahim Ahmed, gerente de comunicação corporativa da ethio-telecom que alegou apresentação do investimento como uma desculpa . " Isto tem de ser considerado como um esforço significativo. "

Para tornar a manutenção da rede mais fácil, ethio-telecom introduziu um novo sistema, dividindo o país em 13 zonas de infra-estrutura de telecomunicações diferentes.

O estudo para dividir a infra-estrutura por zona foi concluído antes de janeiro de 2013. O sistema de zoneamento, que foi aprovada na Índia, que dividiu a infra-estrutura de telecomunicações em 22 zonas diferentes, cria  " círculos de telecomunicações ", que são usados ​​para fazer uma fronteira entre as redes, fornecidos por vários fornecedores. Na divisão, Addis Abeba, cuja infra-estrutura de telecomunicações atual é definida principalmente pela ZTE, é considerada como um centro e dado a Huawei conforme a alocação. Huawei, que o conselho de ethio-telecom preferiu depois de examinar os dois concorrentes chineses gigantes com a ajuda de 17 critérios diferentes de gestão, vai trabalhar com a tecnologia 4G, que tem cerca de 400.000 usuários em Addis Abeba .

Técnicos de ethio-telecomunicações serão implantados em zonas específicas com dois técnicos das duas empresas, de acordo com o acordo assinado entre os dois. Este é, de modo a incentivar a transferência de tecnologia.

Esta é, no entanto, irrealista para um técnico de telecomunicações da ethio-telecom. "Nós não podemos ir com eles em todos os lugares em que trabalham ", disse o técnico, que preferiu o anonimato disse à Fortune.

 " Tudo será feito de acordo com o contrato ", diz Abdurahim. " Não há nenhuma maneira que qualquer das empresas vai desviar-se disso. "

As empresas que assinaram o acordo há cinco meses, já começaram a primeira fase de implementação, ou seja, a realização da pesquisa que identifica a demografia é uma das zonas, de acordo com Abdurahim. Foi ZTE, no entanto, quem falou com Fortune sobre a pesquisa, disse que ainda não foi iniciada a pesquisa, pois não recebeu a permissão de ethio-telecom.

As empresas parecem estar corajosas para fazer isso. " Você vai ver a mudança no prazo de seis meses", disse Celia Huang da Huawei à Fortune.

O novo projeto, que parece se concentrar em quantidade, deverá aumentar o número de assinantes de telefonia móvel em 50 milhões de seu total atual de 22 milhões. Em termos de número de assinantes de telefonia móvel, a expectativa é ainda mais do que o número esperado com a GTP do país. No final do período de GTP, é esperado que o número de assinantes móveis atinjam os 40 milhões.

Quando se trata de qualidade, no entanto, a "United Nation’s International Telecommunication Union (ITU) " , que divulgou seu relatório em 6 de novembro de 2013, indicou que a classificação do Etiópia mostrou uma queda de uma posição em relação ao ano anterior. Atualmente ela está colocado em 151 posição em desenvolvimento das TIC, dos 157 países.

Desde o momento em que as empresas de telecomunicações, como Ericson , iniciou suas operações há cinco anos, a cobertura móvel atingiu 22 milhões de usuários.

A assinatura do fornecedor e a vinda das empresas por si só não pode melhorar a classificação do país na economia digital, argumenta Mignot Kassa, um engenheiro de telecomunicações.

Trabalhando de forma agressiva com a manutenção da infra-estrutura existente e em aplicações locais é necessário, ele recomenda.

Mignote argumenta ainda que o monopólio da ethio-telecom tem agravado o problema.

De acordo com um estudo realizado pela Universidade de Addis Abeba, no final de 2011, o governo poderia ter ganho dez vezes o lucro corrente de imposto se tivesse permitido que as empresas privadas investissem.

Mas a privatização das telecomunicações e setores financeiros não parecem ser uma opção para o governo etíope.

" Nós não temos qualquer intenção de privatizar o setor de telecomunicações ", diz Debretsion.

A Ethio-Telecomunicações é atualmente a segunda maior empresa estatal do país ao lado de Ethiopian Airlines ( EAL ).

# www.addisfortune.com


Brasil: Estatuto do Desarmamento - dez anos de consequências danosas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Estatuto do Desarmamento: dez anos de consequências danosas. 19448.jpeg

Em dezembro de 2003 o Governo Federal editou a Lei nº 10.826/2003, que estabeleceu o Estatuto do Desarmamento. A iniciativa visava endurecer o registro, posse e comercialização de armas de fogo. Todavia, o que se observa, por meio de dados divulgados pelo próprio governo, é um descontrole das autoridades na execução e fiscalização do programa.

Atualmente mais da metade das 16 milhões de armas de fogo que circulam pelo país, segundo o Ministério da Justiça, não estão devidamente registradas no Sistema Nacional de Armas (Sinarm). Em 2010 havia 8.974.456 de armas de fogo com registro ativo. Já em 2012, o número passou para apenas 1.291.661. Com isso, 7.682.795 de armas encontram-se irregulares.
O aumento vertiginoso no número de armas irregulares é resultado do rigoroso processo para renovar o registro. Os que procuram o poder público para ficarem na legalidade relatam que as autoridades procrastinam, de maneira velada, a tramitação do pedido. Francisco Rocha, aposentado e amante do tiro esportivo, reclama do tratamento. "A renovação é muito burocrática, extremamente cara e não tenho certeza dos critérios necessários para obter meu registro", afirma.
A incoerência fica explícita quando Leandro Daiello Coimbra, Diretor-Geral da Polícia Federal, afirmou, em outubro, que é "importante a mudança legislativa do prazo de três para dez anos relativamente à renovação do certificado de registro de arma de fogo.
Para Bene Barbosa, presidente do Movimento Viva Brasil e ávido defensor da legítima defesa, o Governo não soube digerir a derrota no referendo sobre a proibição do comércio de armas de fogo e munições no país. "A sociedade, em sua absoluta maioria, não apoia o desarmamento. O problema é que o Governo Federal simplesmente ignora a vontade popular e isso ficou muito claro nas últimas manifestações de rua".
Sobre o estatuto, Bene assevera ainda que a peça comete um erro primário. "É impossível imaginar que criminosos seguem a lei. A iniciativa serviu apenas para desarmar o cidadão, mas não chegou nem perto de desarmar os criminosos que continuam se abastecendo livremente, sem qualquer tipo de restrição", finalizou.
Diversos casos divulgados pela imprensa brasileira demonstram que as campanhas de desarmamento, ao longo dos anos, apresentam fragilidades, dentre elas: fraudes milionárias no pagamento de indenizações por armas clandestinas ou inexistentes e o desvio de armamentos entregues. Durante a primeira Campanha do Desarmamento, em 2005, pelo menos 11 armas entregues no litoral de São Paulo foram desviadas e apreendidas com criminosos no município de Santos (SP).
Em 2011, uma menina de 14 anos foi apreendida com uma pistola 6,35mm dentro de uma escola no município de Praia Grande (SP). Já em 2012, um revólver calibre 22 foi parar nas mãos de um traficante menor de idade e apreendido pela Guarda Municipal de Jundiaí (SP). A partir da numeração, foi possível apurar que ambas as armas haviam sido entregues em campanhas de desarmamento e desviadas.
A Polícia Federal, no dia 28 de novembro de 2013, deflagrou a operação Vulcano, com o intuito de desarticular uma organização criminosa investigada por praticar fraude contra a Campanha do Desarmamento. A fraude era feita com a inserção de dados de armas inexistentes no sistema "Desarma" para gerar pagamento. A Polícia Federal aponta ainda o cadastramento de armas artesanais como se fossem de fabricação industrial, a fim de gerar valores que podiam variar de R$ 150 a R$ 400.
Estima-se que o prejuízo ao governo federal foi de aproximadamente R$ 1,3 milhão. Conforme apurado pela Polícia Federal, cerca de 8.400 armas pelas quais foram pagas indenizações se encontravam em situação irregular, seja por não existirem, seja por serem de fabricação caseira. A quantidade é quase o total de armas entregues (8.800), o que torna legítimo o recolhimento de apenas 400 delas.
O cenário atual, então, é de rigidez elevada para os cidadãos de bem, que desejam cumprir todos os ritos legais e não conseguem usufruir do direito pleno a legítima defesa e, por outro lado, uma notória incapacidade do Estado em estancar o crescimento da violência  urbana.
Imagem Corporativa
victor.brandao@imagemcorporativa.com.br
# pravda.ru

Total de visualizações de página