Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

domingo, 19 de junho de 2011

Perdoar é preciso como referi na matéria anterior... entretanto, o artigo do nosso compatriota Filomeno Pina, divulgado no site didinho.org foi mais além, para chamar sua atenção face aos desafios que adiam o nosso desenvolvimento.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

A matéria do Psicólogo clínico, Filomeno Pina pode ser interpretada como uma consulta gratuita em seu escritório a alguns pacientes seus invisíveis, porém existentes e cujo comportamento é um motivo à parte para muitas preocupações. 


Filomeno Pina *
09.06.2011

GUINEENSE, O QUE FAZES?
 
1 - Real e pobremente, temos vindo a esculpir a nossa própria estátua, de mágoas, estátua do morto-vivo, do símbolo do engano, da ausência de cultura de valores, da cultura negativa e, com muita falta de criatividade e espírito inovador.

2 -  Não nos apercebemos de que outros arquitectos em vida são merecedores de carinho, protecção, divulgação e defesa institucional porque estão “vivos”. Muita coisa ainda nos faz mais pobres do que o facto inevitável, a Morte.

3 -  Há um fundo cobarde, invejoso, maldoso, de uma complexidade doentia, generalizada no perfil de uma "elite" guineense, o que é preocupante e grave, do ponto de vista psico-social e do facto de continuarmos a "não-ver" o que se passa fora de nós (sociedade, país e personalidades), permanecermos numa identificação projectiva negativa, egocêntrica e atrofiada, projectada sobre os outros.

4 - Nunca somos nós os culpados dos nossos próprios actos, dos nossos próprios erros cometidos, porque são sempre os outros. Alimentando o nosso ético-social alienado, vamos adiando o progresso e evolução social de um povo que orgulha-se da sua tolerância, da sua história, do seu civismo e maturidade social, que vezes sem conta, alguma parte dessa "elite" manchou ou adiou a sua esperança, sem a consciência de violação cometida. Sem apurar responsabilidades, o mal é sempre os outros, a sua causa também, tudo vem de fora para dentro, o contrário é nada, e mais, uma cegueira que dura tempo demais, uma doença que certamente tem cura, por um preço que custa três palavras reais: a liberdade de opinião; o respeito pela pessoa humana; e justiça social...

5 - SOMOS UM POVO FEITO DE PARTES DESIGUAIS, CARISMÁTICO E FORTE, sabemos andar e bem, não sabemos porque estamos "parados" ou, porque não continuamos a andar, sorrir e cantar vitórias em todos os sectores do desenvolvimento territorial. Falta-nos praticar uma filosofia existencial de tolerância, do amor ao próximo, do perdão, do reconhecimento de valores humanos sem complexos, de justiça e de igualdade de direito, falta-nos a coragem de virar a página e travar o espírito de vingança entre guineenses há quase cinquenta anos a esta parte, perdoar e, avançar rumo ao sucesso, olhos nos olhos, boca a boca, casa a casa, até fazer chegar definitivamente a PAZ para a nossa gente, povo humilde, respeitador, fiel aos seus "chefes", dando-lhes sempre uma nova oportunidade nas urnas, essa a maior parte das vezes maltratada e abusada, só.
 
6 - É tempo de substituirmos o ódio pelo amor, o azar pela sorte, a perseguição pelo acolhimento, a mentira pela verdade, o roubo pela honestidade, o medo pela liberdade, o crime pelo direito, a injustiça pela igualdade de direitos e de deveres, o oportunismo pela igualdade de circunstâncias e de condições, a doença pela saúde, a ignorância pela educação, a mancha pela verdadeira arte, a desconfiança pela certeza, a fome pela fartura, o abandono pela protecção e cuidados, a corrupção pela transparência, é tempo de parar e pensar definitivamente num projecto de desenvolvimento sustentado para o país.

7 - Quando morrermos, aqui não estamos nunca mais. Vamos tratar de vida que é curta, ninguém vive duzentos anos. Acreditamos que crescemos mais depressa quando aprendemos com os erros, quando reconhecemos os erros, quando a arrogância, ganância, mania de perfeccionismo estão “controlados” e, admitirmos com naturalidade suficiente o erro cometido, sem medos, porque se errar é humano, perdoar é muito mais. Sê superior espiritualmente e perdoa, só.

Es tu aqui em matéria de reflexão, nossa querida Pátria,  a principal razão por que reflectirmos! 
A nossa Guiné-Bissau é Mãe bonita, dentro e fora dela, é o berço dos nossos antepassados, dos nossos filhos, dos netos, dos nossos amigos e vizinhos, sempre terra nossa, amada, que cuida dos filhos, longe, perto ou ausentes. Pergunto, e nós os filhos, o que fazemos com Ela?

Texto original -> fonte: didinho.org
 

Total de visualizações de página