Postagem em destaque

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de mun...

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Você tem uma idéia para movimentar a África?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Relatório Mensal sobre a África realizou uma pesquisa intitulada "30 idéias movem África".
Ecoliers, le 18 juillet 2013, Afrique du Sud.REUTERS/Mujahid Safodien

A África já está se movendo. Ela cria, inova, compromete-se. Mas os obstáculos impedem suas ambições de crescimento e desenvolvimento. O Relatório Mensal sobre a África, apoiado pelo website Jeune Afrique publicou recentemente uma lista de 30 ideias que podem mover a África. Nós selecionamos aquelas que parecem sintomáticas aos desafios do continente.

Um visto Africano

Uma simples solicitação de visto às vezes pode se transformar em um verdadeiro calvário. No continente, muitos países continuam a praticar uma política drástica de controle de fronteiras. Fora da Comunidade Económica da África Ocidental (CEDEAO) e, mais recentemente, a Comunidade  Leste Africano (EAC), a maioria dos estados exigem um visto a seus visitantes africanos, diz o semanário Jeune Afrique.

Promoção da cultura Africana

Como na França ou nos Estados Unidos, os países do continente poderiam estimular e promover a sua cultura. Autores, músicos, cineastas africanos devem receber assistência e revezamento na sociedade. As gerações mais jovens podem ser mais facilmente absorvedores de referências africanas. "Porque, se a partir de Dakar para Niamey passamos por Abidjan, muitas gerações que cresceram lendo Corneille, Victor Hugo e Voltaire, as iniciativas se multiplicariam para apoiar a produção de conteúdo local", acrescentou o semanário.

A escola

Na África, os jovens não estão faltando. Eles são os únicos que fazem este continente uma região do mundo de futuro. Mas estes são os mesmos jovens que são afetados pelo desemprego. Se um posto de trabalho técnico se abre, os jovens africanos nem sempre estão qualificados para vencer. "De acordo com a Organização (UNESCO) Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura, menos de 5% dos africanos se inscrevem em programas de formação técnica ou profissional." Formação da Juventude é prioridade. O Marrocos, por exemplo, tenta lançar um plano de industrialização nos setores automotivo e aeronáutica.

Boas estradas

De acordo com o relatório mensal da África, seria necessário gastar €75 bilhões de euros por ano durante a próxima década para que as infra-estruturas do continente sejam ajustadas ao padrão. O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) propôs o uso das reservas da África para garantir o investimento privado em infra-estruturas. Um fundo denominado Africa50 foi criado e com um montante de 38 bilhões de euros para fazer avançar os locais mais importantes.

Por: Lu Young Africa

fonte: Slate Afrique


Nigéria: Jogar futebol pode fazer faíscas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Esta é a incrível invenção de uma jovem nigeriana: um balão de futebol gerador de energia.
Julia Silverman (e) e Jessica O Matthews (d), duas das criadoras  da bola que gera energia - Marcos de Paula/AE
Julia Silverman (e) e Jessica O Matthews (d), duas das criadoras da bola que gera energia


Jessica Mathew, uma nigeriana de 25 anos de idade, apresentou em 16 de agosto a sua idéia "brilhante" ao presidente Goodluck Jonathan, relata o Daily Trust. Ele vem em duas versões: uma bola de futebol e uma corda de pular, cuja utilização gera eletricidade.

Após 30 minutos de jogo, esse balão mágico poderá produzir três horas de eletricidade. A energia pode também ser armazenada durante três dias, precisou o site. De acordo com o artigo, esta inovação permite fazer funcionar os eletrodomésticos, mas também para iluminar casas durante falhas de energia.

Uma nativa do Estado de Edo, a jovem menina estudou economia e psicologia na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, diz o jornal. Ela, então, se interessou por adequar ela mesma, a engenharia mecânica e elétrica na sua invenção.

É a popularidade desse desporto que levou-a a escolher uma bola de futebol como o objeto de suas experiências: "Qualquer homem da rua vai querer bater uma bola", disse Jessica Mathew a Daily Trust.

De acordo com a pesquisadora, a sua invenção tem uma vida útil de um ano e meio, mais do que bolas de futebol "clássico"! Já utilizado nos Estados Unidos, essas bolas do futuro devem em breve ser lançado no mercado nigeriano, assim espera Olusegun Asanga, o Ministro do Comércio e Investimento.

Leia mais >>>>

Imagine poder contribuir com a geração de energia elétrica enquanto se joga futebol. Em uma época em que atenções se voltam para ideias de sustentabilidade e para a busca por fontes renováveis de energia, estudantes universitários nos Estados Unidos criaram um inusitado instrumento gerador de eletricidade: uma bola de futebol.
Um mecanismo interno acoplado a uma bola funciona como um motor: conforme ela rola, esse mecanismo também gira e produz e captura a energia cinética gerada.
Meia hora de jogo basta para garantir 3 horas de funcionamento de uma lâmpada de LED ou carregar a bateria de um celular.

Batizado de soccket – junção das palavras soccer (futebol) e socket (conector de tomada) –, o invento surgiu quando as amigas Jessica Matthews e Julia Silverman estudavam em Harvard.

Embora fossem alunas de ciências sociais (Jessica estudava psicologia social e economia, e Julia, antropologia), no final de 2008 elas decidiram se matricular numa aula de engenharia.

Surgiu então a vontade de contribuir com comunidades carentes. “Eu visito o meu povoado algumas vezes por ano e tenho visto em primeira mão a beleza do futebol no mundo em desenvolvimento”, disse Jessica, descendente de nigerianos. “Com esse entendimento sobre o poder desse jogo, começamos a desenhar o primeiro protótipo.”

Após um pequeno apoio financeiro da universidade durante os primeiros testes, elas investiram recursos próprios nos últimos quatro anos para chegar a uma versão de produção em massa. Atualmente contam com doações de empresas privadas e ONGs. “Por U$60 é possível patrocinar uma sOccket e uma lâmpada para uma criança.”

Nos próximos meses, serão distribuídas 7,5 mil bolas. O invento está sendo testado na Nigéria, África do Sul, Haiti, Espanha, México, El Salvador e Libéria. Até o fim do ano, novas bolas chegarão a países como Honduras, Benin e Brasil.

“Estamos em contato com parceiros potenciais para avaliar o processo de produção, distribuição e venda no Brasil”, disse Jessica. A expectativa é de que o invento esteja no mercado até o fim do ano, para venda no site unchartedplay.com. O preço de venda não foi definido.

Jéssica está no País para a TEDxRio+20, que integra o Humanidade 2012, um evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. “Com a minha palestra na TEDxRio+20, espero apoiar os objetivos da conferência, inspirando as pessoas a perceberem que a sustentabilidade é não só vital, mas divertida também.”

fonte: estadao.com.br


Angola: Discrepâncias nos pagamentos de bolsas.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Contrariamente aos que ainda não receberam qualquer pagamento, por ausência das listas dos aprovados como bolseiros no presente ano lectivo, muitos estudantes também têm sido confrontados com valores diferentes daqueles a que têm direito.
De acordo com informações apuradas por este jornal, a direcção do Instituto Nacional de Gestão de Bolsas de Estudo estabeleceu diversos tipos de bolsas, que estão discriminadas em séries identificadas com letras do alfabeto.
Segundo apuramos, por exemplo, quem está com bolsa do tipo A a nível interno recebe aproximadamente 100 mil kwanzas, o mesmo que um bolseiro no exterior do país.
Trata-se de um montante que pode ser repartido por quatro ou três indivíduos das séries que receberem quantidades mais exíguas, como aqueles que auferem apenas 25 mil Kwanzas mensalmente.
Ainda assim, de acordo com relatos a que tivemos acesso, muito estudantes não têm recebido na totalidade os montantes a que têm direito.
“Antes de mais nada recebam os meus calorosos cumprimentos. Sou bolseiro interno e estudante do Instituto Superior Politécnico Jean-Piaget-Benguela e a minha preocupação é a seguinte: sabendo que o INABE começou a fazer os respectivos depósitos nas contas dos bolseiros, encontrei (isto em minha conta) um valor que não coincide com a minha série”, explicou VF. 
BOLSEIROS NO BRASIL DESEJAM AUMENTO DO COMPLEMENTO DE BOLSAS
Estudantes enviados pelo Instituto Nacional de Gestão de Bolsas de Estudo (IGNABE) ao Brasil esperam que esta instituição aumente o valor do complemento de bolsa que lhes é atribuído.
De acordo com uma nota a que tivemos acesso, cada um dos estudantes enviados para este país sul-americano recebe do governo bimensalmente mil dólares norte-americanos, o equivalente a dois mil reais.
Além dos constantes atrasos que têm existido para receberem o montante, os bolseiros dizem mesmo que o valor em causa é insuficiente devido ao custo de vida no Brasil, que é muito elevado.
“Com isso, os estudantes têm passado por várias dificuldades e até mesmo por situações humilhantes, por falta de recursos financeiros suficientes e em altura de cobrir até mesmo as nossas primordiais necessidades, como alimentação condigna, saúde, vestuário, material escolar, aluguel de moradias, água, energia eléctrica e outras despesas inerentes a nossa vivência aqui”, explicaram os estudantes.
Dirigindo-se ao director do IGNABE, Miranda Lopes Miguel, os jovens esperam que se regularize o prazo de pagamento do complemento da bolsa, tendo em conta que os atrasos têm sido um dos motivos do descalabro de alguns deles, porque acabam endividados com os bancos, senhorios e fornecedoras de serviços e bens, como condomínio, internet, gás, água e luz.
Os estudantes que se encontram nas universidades situadas em Brasília revelaram que os dois mil reais auferidos bimensalmente é gasto em aluguel (700 reais), IPTU (46 reais), condomínio (46), água (65), energia (45), internet (74) e gás (50).
Despendem ainda para a alimentação (350 reais), material didáctico (120) e extras-saúde, vestuário (360). No total cada um gasta 1856 reais, restando pouco menos de 100 reais para qualquer situação que venha a ocorrer.
Os queixosos alertam que o custo de vida no país em que se encontram varia tendo em conta o seu extenso território. Há regiões em que a situação é mais difícil para os estudantes angolanos que lá se encontram.
“Sabemos também que os estudantes bolseiros do IGNABE em outros países, como por exemplo a Rússia e Alemanha já auferem um complemento de bolsa maior em função disso e não só. Nós, os estudantes aqui no Brasil solicitamos igualmente que sejam atendidas as nossas preocupações, principalmente sobre os atrasos que nos têm frustrado muito”, remataram.

fonte: OPAIS

Cuba: Convocada vigília em frente da Casa Branca a favor dos antiterroristas cubanos.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...





Washington.— Uma vigília em frente da Casa Branca foi convocada para o próximo dia 12 de setembro, 15o aniversário da prisão nos EUA de cinco lutadores cubanos contra o terrorismo, condenados num julgamento irregular realizado em Miami.

Durante a jornada pacífica se pedirá ao presidente Barack Obama que devolva a sua Pátria a Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Antonio Guerrero e Fernando González, ainda confinados em cárceres federais, destaca um comunicado do Comitê Internacional pela Libertação dos Cinco, promotor da iniciativa.
Os participantes se apostarão nas proximidades da mansão executiva com consignas como “Já é suficiente”, “Fim à Injustiça”, “Não mais impunidade” e “Liberdade dos Cinco Cubanos Agora”, para chamar a atenção sobre o caso.
Também, integrantes do Comitê Internacional e outros amigos solidários visitarão a sede do Congresso para acompanhar as visitas realizadas a vários legisladores em junho, durante o programa de atividades da segunda jornada ‘Cinco Dias pelos Cinco Cubanos’, em Washington DC.
De igual forma se prevê que de 11 a 17 de setembro o autor canadense Stephen Kimber fale em sete eventos públicos na costa leste do país acerca de seu mais recente livro “O que há do outro lado do mar: A verdadeira história dos Cinco Cubanos”, precisa o comunicado.
Kimber estará junto ao prestigioso estadunidense, filósofo e politicólogo Noam Chomsky em Boston, capital de Massachusetts, e com o integrante da equipe legal dos Cinco, Martin Garbus, na cidade de Nova York.
O livro é resultado dum extenso trabalho de pesquisa que incluiu a revisão, por parte do autor, de mais de 20 mil páginas de registros judiciais do caso.
Especialistas indicaram a irracionalidade das condenações que cumprem Hernández (dupla prisão perpétua mais 15 anos), Labañino (30 anos), Guerrero (21 anos mais 10 meses e cinco anos de liberdade supervisionada) e González (17 anos e nove meses).
Entretanto, René González cumpriu sua sentença em 2011, passou a regime de liberdade supervisionada e está em Cuba após uma sessão judicial que levou como condição a perda de sua cidadania estadunidense.
O Comitê Internacional advertiu, de forma reiterada, que as ações a favor da libertação destes homens devem aumentar.
Um painel da Organização das Nações Unidas questionou, em maio de 2005, a detenção ilegal e arbitrária dos lutadores antiterroristas cubanos, segundo concluiu então num histórico veredicto que sugeriu remediar de imediato essa situação, embora até hoje o governo estadunidense não tenha feito nada para solucioná-lo. (PL)
 
fonte: granma.cu

Costa do Marfim: Campanha para a Educação - Asalfo move dez artistas africanos de renome para Abidjan.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Education
© Abidjan.net por Serges T
Educação - Asalfo convida artistas africanos em Abidjan para realizar um acto.
A convite do embaixador Asalfo da Unesco, vários artistas africanos (Kojo Antwi, Maleya X, J Martins, Alif Naaba Awadi ....) estão em Abidjan desde terça-feira, 21 agosto de 2013 para o `registro` de um acto para a educação em África.

Awadi (Senegal), X Maleya (Camarões), Kojo Antwi (Ghana), J. Martins (Nigéria), Alif Naaba (Burkina) ... estão no solo da Costa do Marfim desde terça-feira, 20 de agosto de 2013. Estes renomados artistas africanos que se juntarão a Eric Barbara Kanam, Pierrette Adam´s, Eric Patron ...... responderam assim a um convite de Asalfo para participar no desenvolvimento de uma campanha de segurança para a educação em África. O vocal principal do grupo Magic System realiza assim um sonho caro de edificar um projeto no qual ele ocupa a função  de embaixador de projeto da Unesco. Durante dois dias, as nossas estrelas vão, portanto, realizar a gravação da música e as filmagens do filme feito inteiramente em Abidjan. O single será apresentado oficialmente no dia 9 de setembro pela Unesco após o que se seguirá uma série de concertos no país de origem dos diferentes artistas participantes. Todos os recursos, direitos, royalties, lucros .... a partir deste projeto será totalmente doado a Unesco para projetos de desenvolvimento da educação no continente.

fonte: abidjan.net

Mali: Por que IBK não ganhou em Tombouctou?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

IBK, le nouveau président du Mali.
IBK, o novo presidente do Mali.

Indo contra a tendência dominante, que deu ao Ibrahim Boubacar Keita (IBK) uma vitória presidencial esmagadora no Mali, a região Tombouctou é a única que preferiu Soumaila Cisse. Em parte, pelo reconhecimento revelado pelos jovens do país, mas também pela confiança no novo presidente, cujo tom firme é percebido como um obstáculo para a reconciliação entre as comunidades.
Terça-feira, 20 de agosto, o Tribunal Constitucional validou os resultados da segunda rodada presidencial do Mali, confirmando os dados provisórios divulgados quinta-feira passada. Ibrahim Boubacar Keita ganha esmagadoramente com (77,62% dos votos) sobre seu rival Soumaila Cisse que obteve (22, 38%). É uma onda em favor do ex-primeiro-ministro que é mostrada em todas as regiões do país. Todas, exceto uma: a de Tombouctou.
Nos cinco círculos que se compõem, o candidato a eleição do Mali pelo partido (RPM) obteve 45,2% dos votos contra 54,8% do seu rival do partido União para a República e Democracia (URD). A pontuação que se explica em parte pela origem de Cissé, um nativo de Timbuktu, onde ele é largamente visto como o filho do país.

Nenhum presidente "nortista"
Quando estava à frente da Comissão da UEMOA (2003-2011), Cissé também criou vários projetos importantes que têm aumentado sua popularidade na região. "Nós vamos relembrar os furos em Gourma feitos por Soumaila Cisse, o apoio as cooperativas dos agricultores, incluindo o fornecimento das sementes, grupos de motobombas ...", disse Abdel Hamid Maiga, coordenador da URD para Tombouctou.
E mesmo que os dados étnicos não sejam fundamentais na política do Mali, os políticos regionais, por vezes, têm na sua origem uma importância decisiva. Nunca alguma personalidade política originária das três regiões do norte, menos povoadas do que o Sul, governou o país depois da independência. O mais "nordestista" dos ex-Presidentes Amadou Toumani Toure (ATT) foi realmente do Centro (Mopti), embora muitos malianos acreditam que o Sul começa em Ségou (240 km de Bamako) e não em Tombouctou.
Mas o problema para "Soumi" é sobretudo não ter conseguido recolher votos para além da sua região de origem. Apesar de ter nascido em Koutiala (Sul), IBK ganhou grande sucesso na região de Gao (Norte): 65,1% dos votos contra 34,9% para seu rival. Ainda assim, o fracasso - de - IBK em Tombouctou não se explica por enraizamento de Cisse. Número de eleitores têm igualmente colaborado para sancionar a imagem da força que é veiculada pelo novo presidente.
Mosaico cultural
Na verdade, os métodos ou propostas de IBK quando ele foi primeiro-ministro (1994-2000) permanecem em nossas memórias. Na época, elas contribuíram  para forçar uma imagem de um homem forte julgado por seus adversários arrogantes. Um caráter que hoje personaliza o Mali, embora o consenso tido na era ATT é julgado como responsável pela crise. Mas é precisamente esse ativismo - às vezes estranho - o que é temido até em Tombouctou, onde o mosaico cultural (principalmente Songhay, Fulani, tuaregues e árabes) é tão antiga quanto frágil.
"Eu votei em Soumi, como IBK é rancoroso e emprega um tom seco", argumenta Mahamane Djitteye, um jovem de Tombouctou que aspira, como muitos moradores da cidade de 333 santos, a paz e a reconciliação entre comunidades. "Em Tombouctou, a população negra não pode viver sem os brancos e vice-versa, diz um griot famoso na cidade. Nós vamos precisar de desenvolvimento, perdão e não de um homem assumi os seus compromissos." IBK, ele vai mentir para seus críticos?

fonte: jeuneafrique.com

Total de visualizações de página