Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Laurent Gbagbo perante os juízes do TPI por crimes contra a humanidade.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

CPI
TPI: o ex-presidente Laurent Gbagbo perante os juízes
Terça - feira 19 de fevereiro de 2013. Haia. O ex-presidente da Costa do Marfim em julgamento perante o Tribunal Penal Internacional (TPI) por crimes contra a humanidade.

HAIA - O ex-Presidente marfinense Laurent Gbagbo, que é suspeito de planejar um "plano" para assassinar e estuprar para se apegar ao poder, apareceu terça-feira perante o TPI, no âmbito da suspeita de crimes contra a humanidade .

"Eu quero enfatizar que essa audiência não é um julgamento, esta sala não deve pronunciar-se para decidir sobre a culpa ou inocência de Gbagbo", disse o juiz francês na câmara de julgamento, Silvia Fernández de Gurmendi, na abertura da audiência de confirmação das acusações.

Primeiro ex-chefe de Estado entregue ao TPI, Laurent Gbagbo, de 67 anos, é suspeito de ser " co-autor indireto " de quatro acusações de crimes contra a humanidade, ou seja, assassinato, estupro, perseguição e outros atos desumanos cometidos durante a violência pós-eleitoral de 2010-2011.

A defesa também questionou a admissibilidade do caso no Tribunal de Justiça, garantindo que o processo contra Gbagbo deve ser julgado na Costa do Marfim, como o de sua esposa Simone, também no âmbito de um mandado de julgamento do TPI, e um de seus parentes, Charles Ble Goude, recentemente acusado de "crimes de guerra" na Costa do Marfim.

O governo da Costa do Marfim não deu uma resposta oficial ao pedido do TPI para entregar Simone Gbagbo.

Na abertura da audiência, às 14:30 (13:30 GMT), Laurent Gbagbo saudou os jornalistas e apoiantes presentes na galeria pública.

Vestido com um terno azul escuro, camisa azul claro e gravata, o ex-presidente, sentado atrás dos advogados de defesa, enfrentou a sala do tribunal e mostrou um brilho saudável.

Esta audiência foi adiada por duas vezes, em especial para avaliar a saúde do ex-presidente e sua capacidade de atender as audiências.

A programação foi adaptada, e audiências serão realizadas apenas no período da tarde, intercaladas com pausas a cada hora.

Laurent Gbagbo se recusou a reconhecer a vitória eleitoral de 28 de novembro de 2010 ao seu rival Alassane Ouattara, certificado pela ONU.

Esta recusa de deixar o cargo após 10 anos no poder mergulhou a Costa do Marfim em uma crise de violenta ao longos quatro meses, que custaram a vida de quase 3.000 pessoas.

A audiência sobre a confirmação de acusações, que deverá ser concluída em 28 de fevereiro por uma declaração de Gbagbo deve permitir aos juízes para considerar se as provas recolhidas pela acusação são fortes o suficiente para permitir que mais tarde se realize o julgamento.

Entre 300 a 400 pessoas apresentaram-se pouco antes da abertura da audiência perante o edifício do Tribunal de Haia para apoiar a Gbagbo. Equipados de chapéus laranja, perucas e bandeiras coloridas marfinense eles cantaram "Gbagbo Livre" na presença de muitos policiais da Holanda.

Os promotores disseram que os ataques das forças pró-Gbagbo entre 16 de dezembro de 2010 e 12 de Abril 2011 "foram de uma forma generalizada e sistemática" e foram dirigidos "contra as comunidades étnicas ou religiosa específica. "

"Centenas de civis opositores foram atacados, saqueados, estuprados ou feridos como resultado desta política", disse a promotoria em seu documento contendo as acusações.

Após essas discussões sobre a admissibilidade do caso perante o Tribunal, o Procurador Fatou Bensouda começou o seu pronunciamento de abertura, às 18:00 (17:00 GMT).

Nos dias após a apresentação de argumentos e provas reunidas pelo Ministério Público, a defesa de Gbagbo e seu advogado, Emmanuel Altit, também irão apresentar as suas provas e argumentos.

Laurent Gbagbo foi preso a 11 de abril de 2011 com sua esposa Simone, depois de refugiar em seu "bunker" no porão de sua casa em Abidjan sob o fogo das forças francesas.

Na Costa do Marfim, a audiência era esperada pelos partidários do regime pró-Ouattara, pelos seguidores do ex-presidente, com ele repousa a questão crucial da relação entre justiça e reconciliação.

De acordo com o consultor de justiça internacional da Human Rights Watch, Param-Preet Singh, detenção de Gbagbo é um "passo crítico para as vítimas na Costa do Marfim".

"Mas o lento progresso das investigações de pró-Ouattara alimenta o sentimento de que o TPI está do lado da justiça do vencedor", disse ele em um comunicado.

Vinte figuras do antigo regime foram detidos no norte e continuam pelas mãos da justiça da Costa do Marfim acusados por genocídio, crimes de sangue, pondo em perigo a segurança do Estado e / ou ofensas econômicos.

O TPI é o primeiro tribunal penal internacional reconhecido para julgar os autores de genocídios, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.

mbr / cjo / PLH

fonte: abidjan.net (traduzido para o português por Samuel Vieira)








O Mali não é uma guerra sem mortes.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

François Hollande anunciou a morte do segundo soldado francês no Mali.


Soldados franceses no Mali le 18 fevereiro de 2013. REUTERS/Joe Penney

Onde está acontecendo a guerra no Mali?, Foi a pegunta recentemente feita a um jornal francês. Ela continua, apesar da informação fragmentária que vem a partir da linha de frente. Terça-feira 19 de fevereiro, o presidente François Hollande anunciou a morte de um soldado francês. O segundo desde o início da ofensiva Serval, lançado em 11 de janeiro. O segundo estrangeiro legionário do Regimento de Pára-quedistas  foi morto no Mali "um choque grave" no norte do país, em que também houve "várias mortes" No campo de "terroristas", disse François Hollande .
Mais de um mês após o início da ofensiva militar, nenhuma conclusão provisória sobre o conflito ainda não foi revelada. Nem em Paris, nem em Bamako. Entrevistado pela imprensa francesa, à margem de uma visita a Atenas, o chefe do governo francês, no entanto, explicou que as batalhas sangrentas tinha ocorrido durante uma operação das forças especiais que ainda está em andamento, nas montanhas de Iforhas, no norte do Mali.
"Estamos agora na fase final da operação", disse o presidente francês.

Atoleiro maliense

Cinco semanas após o lançamento da Operação Serval, a guerra está longe de terminar. Se as tropas de intervenção avançam no Mali e francesa empurra para trás os quadros jihadistas para os países vizinhos, os partidários islâmicos permanecem no Mali.
Um artigo recente no New York Times mencionou a possibilidade de um impasse no conflito, a sua transformação em uma guerrilha é imprevisível e mortal. Malianos temem que a situação se agrave e leva as características dos conflitos afegãos ou iraquianos com a sua quota de atentados suicidas. Em 8 de fevereiro, um novo ataque abalou a cidade de Gao. Um novo fenômeno em um país conhecido por sua estabilidade.
Em colaboração com AFP África

fonte: slateafrique.com


Total de visualizações de página