Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Guiné-Bissau constitui novo governo após impasse.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Presidente José Mário Vaz Foto | Arquivo

A Guiné-Bissau formou um novo governo, de acordo com um decreto presidencial emitido nesta terça-feira, pondo fim a um impasse político de dois meses na nação da África Ocidental atormentado por golpes.

O país tem vivido em tumulto desde que o presidente José Mario Vaz demitiu premiê Domingos Simões Pereira em 12 de agosto sobre uma série de disputas, colocando o chefe de Estado em desacordo com o seu Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC).

A volatilidade crônica atiçou a pobreza no país de 1,6 milhões de habitantes, com poucos recursos entre outros a castanha de caju, recursos marítimos (peixes), atraindo os cartéis de drogas da América do Sul que transformou o país em um centro de tráfico de cocaína.

A nova equipe de governo inclui 15 ministros e 14 secretários de Estado, principalmente constituído por membros do governo anterior e do PAIGC.

O gabinete é chefiado pelo premiê de 81 anos de idade, Carlos Correia, que se tornou o terceiro primeiro-ministro em pouco mais de um mês, quando foi nomeados em setembro.

Um engenheiro agrícola formado na Alemanha do Leste, Correia ganhou a reputação de um homem rigoroso no controle do dinheiro público, ganhando elogios de grupos internacionais, incluindo o FMI e o Banco Mundial por contenção de mordomia em tempos de crise.

Este é seu terceiro mandato como chefe do governo após dois mandatos na década de 1990 e num período de quatro meses em 2008.

Duas pastas ministeriais chaves - o Ministério do Interior e Ministério de Recursos Naturais - não foram atribuídas devido a divergências sobre quem deve ser nomeado, disse o comunicado oficial.

"A escolha dos membros do gabinete é de responsabilidade tanto do presidente como do primeiro-ministro. A seleção dos nomes propostos exige um nível de acordo que ainda não foi cumprido na íntegra", disse o comunicado presidencial divulgado na mídia estatal.

Não foram divulgados detalhes sobre quando ou como as pastas em branco seriam alocadas.

Instabilidade crônica

Grupos de oposição do Partido da Convergência Democrática (PCD) e da União para a Mudança (UM) também estão representados no novo governo, embora o segundo maior partido - o Partido da Renovação Social - optou por não participar.

Dois ministros do sexo feminino assumiram pastas chaves - Adiato Djaló Nandigna, anteriormente a conselheira do Presidente Vaz, vai se tornar ministra da Defesa e Aida Injai Fernandes vai se tornar ministra da Justiça.

Artur Silva, que atuou em vários governos, será o novo ministro dos Negócios Estrangeiros e Gerardo Martins foi nomeado como ministro das Finanças.

Este é o segundo governo da Guiné-Bissau depois de dois meses após uma administração liderada por Baciro Dja que foi anunciada em setembro, mas que desmoronou dias depois após a sua demissão.

A instabilidade não é nada de novo para o país, que se tornou independente de Portugal em 1974, depois de uma guerra com o governo colonial que durou mais de 10 anos.

A nação da África Ocidental sofre com agitação intermitente desde a sua libertação, bem como uma série de golpes militares atribuídos em grande parte ao inchaço sem precedentes do exército após a guerra.

Especialistas temem que o caos atual irá parar a reforma das forças armadas da Guiné-Bissau, responsável por uma série de golpes de Estado desde o final da década de 1990, e, potencialmente, levará a um renascimento do tráfico de drogas.

O ex-presidente nigeriano Olusegun Obasanjo conduziu os esforços de 15 nações da CEDEAO, o bloco regional para resolver a crise, e no mês passado iniciou conversações com as facções rivais no parlamento.

CEDEAO advertiu em setembro que a instabilidade crônica na Guiné-Bissau tinha "seriamente ameaçado" os progressos económicos realizados após as eleições presidenciais em julho do ano passado.

#africareview.com



Total de visualizações de página