Postagem em destaque

Mike Tyson é acusado de estupro por mulher alegando US$ 5 milhões.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... A lenda do boxe americano Myke Tyson está enfrentando uma acusação d...

terça-feira, 11 de maio de 2021

Zimbábue: Quando Bob Marley e Robert Mugabe celebraram a independência da última colônia da África.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


O Zimbábue conquistou sua independência com dor, após mais de dez anos de luta armada. No dia da ascensão da antiga Rodésia do Sul à soberania nacional, o famoso cantor de reggae falecido em 11 de maio de 1981 estava lá, no palco, ao lado de Robert Mugabe.

Em 18 de abril de 1980, o Zimbábue alcançou a independência. A soberania é orgulhosamente celebrada no Rufaro Stadium, no coração de Highfield, município da capital Salisbury (hoje Harare). Naquele dia, na noite de quinta-feira, 17 de abril, para sexta-feira, 18 de abril de 1980, Bob Marley e os Wailers embelezaram a noite. Eles interpretam, entre outras coisas, o Zimbábue, esse vibrante apelo ao pan-africanismo.

Ilustres convidados

O momento é eminentemente histórico: a última colônia europeia do continente está prestes a ingressar no concerto dos estados livres. Personalidades e representantes de 100 países, incluindo 11 chefes de estado, fizeram a viagem. Uma audiência de ilustres convidados incluindo o Príncipe Charles do Reino Unido, Lord Hoames, o último governador do país, Kurt Waldheim, o secretário-geral da ONU, Edem Kodjo, o da Organização da Unidade Africana (OUA), o Presidente zambiano, Kenneth Kaunda ou a primeira-ministra indiana Indira Gandhi.

O estádio está lotado. Mais de 35.000 pessoas entusiasmadas participaram da cerimônia. Outros milhares estão presos do lado de fora e até mesmo dispersos por gás lacrimogêneo, pois o recinto não pode acomodar todos aqueles que querem a todo custo testemunhar o desaparecimento da última parte do Império Britânico no continente.

À meia-noite, em silêncio absoluto, o Union Jack desce do mastro principal no meio do estádio e dá lugar à bandeira quadriculada do jovem estadual. A Rodésia do Sul se torna o Zimbábue. De verdade dessa vez. Porque em duas ocasiões a proclamada independência não obteve nenhum reconhecimento internacional.
"Minoria colonizadora racista"

Foi assim que foi decretado unilateralmente pela Rodésia do Sul sob o nome de Rodésia em 11 de novembro de 1965 por Ian Smith, então Primeiro Ministro (a Rodésia do Norte havia se tornado independente um ano antes sob o nome de Zâmbia). Nem a metrópole britânica nem qualquer estado a reconheceram na época. As Resoluções 216 e 217 do Conselho de Segurança da ONU até chamaram a jogada de Ian Smith de "uma usurpação do poder por uma minoria colonizadora racista".

A posição da ONU será a mesma em relação ao poder do Bispo Abel Muzorewa, nacionalista contrário à luta armada que sucedeu Ian Smith em 1979, após eleições legislativas boicotadas pelos movimentos guerrilheiros: o Zanu de Robert Mugabe (União Nacional da África do Zimbábue) e Zapu de Joshua Nkomo (União Nacional do Povo do Zimbábue).

À meia-noite, em silêncio absoluto, o Union Jack desce do mastro principal no meio do estádio e dá lugar à bandeira quadriculada do jovem estadual. A Rodésia do Sul se torna o Zimbábue. De verdade dessa vez. Porque em duas ocasiões a proclamada independência não obteve nenhum reconhecimento internacional.

Portanto, foi necessária uma longa luta de libertação, que começou em 1966, para ver a Rodésia realmente alcançar a independência. Em outubro de 1979, Abel Muzorewa concordou em devolver a soberania de seu país à Coroa Britânica para que o processo mantivesse as formas jurídicas do ponto de vista internacional.

Os acordos de Lancaster House foram assinados em 21 de dezembro de 1979, em Londres, entre os delegados da guerrilha reunidos na Frente Patriótica (Robert Mugabe e Nkomo, em particular), os representantes do governo de Salisbury e as autoridades britânicas. Eles vão consagrar uma independência tão esperada.

Adeus ao regime racista de Ian Smith e à colonização britânica, que terá ceifado mais de 25.000 vidas em 90 anos de opressão. Abra caminho para uma nova era. A do presidente Canaan Banana e, sobretudo, de seu primeiro-ministro Robert Mugabe, o ex-líder guerrilheiro, cujo partido venceu as eleições legislativas realizadas um mês antes da independência.

fonte: seneweb.com

SENEGAL: Macky formaliza a data das eleições locais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Agora é oficial! A tão esperada data das eleições locais já é conhecida. “Pelo decreto nº 2.021-562 de 10 de maio de 2021, o Presidente da República, Macky Sall fixou a data da próxima votação para a renovação geral do mandato dos vereadores departamentais e municipais no domingo, 23 de janeiro de 2022”, informa o comunicado de imprensa abaixo, após o Ministério do Interior.

Inicialmente programadas para 30 de junho de 2019, depois adiadas para 1º de dezembro de 2019 por motivos de proximidade com a eleição presidencial de 24 de fevereiro de 2019, as eleições locais foram posteriormente adiadas duas vezes (março de 2021 e 23 de janeiro de 2022). Assim, eleitos para um mandato de 5 anos (junho de 2014 a junho de 2019), os vereadores departamentais e municipais acabarão por exercer o mandato de quase 8 anos.

Longe do esperado consenso das discussões entre os diversos atores na mesa do comitê político do diálogo nacional, o processo eleitoral certamente será marcado por disputas. Se soubermos que a oposição rejeitou formalmente o relatório de auditoria do processo e exigiu a remoção nos próximos seis meses após o patrocínio, de acordo com a decisão do tribunal de justiça da CEDEAO.

fonte: seneweb.com

Presidente de Portugal Marcelo sobre Odemira: “Nós precisamos de imigrantes”, mas com “o estatuto que eles merecem”.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Presidente considera que “foi uma coincidência positiva” o caso de Odemira ter acontecido em plena Cimeira Social europeia, porque obrigou cada Estado a “olhar para o seu país” e encarar a situação da imigração de frente.

Total de visualizações de página