Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

ÁFRICA/NIGÉRIA - Atentado em Abuja: "São os pobres trabalhadores as vítimas da aliança entre Boko Haram e Al- Qaeda", disse um sacerdote.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...



Abuja - Duas fortes explosões ocorridas esta manhã na rodoviária de Nyanya Motor Park na capital nigeriana, Abuja, provocaram dezenas de mortes. Fala-se de mais de duzentos. As autoridades ainda não têm divulgaram, no entanto, um número oficial da explosão que envolveu dezenas de veículos. "O lugar onde o ataque foi perpetrado hoje é um dos maiores subúrbios de Abuja e se encontra a 15-20 km do centro de Abuja", disse à Agência Fides o sacerdote Pe. Patrick Tor Alumuku, Diretor de Comunicações Sociais da Arquidiocese de Abuja. "A rodoviária atingida pela explosão é normalmente utilizada por um grande número de passageiros para chegar ao trabalho no centro da capital. As vítimas são pessoas normais, pertencentes à classe trabalhadora que estavam indo para o seu local de trabalho".
"As autoridades ainda não confirmaram que tenha se tratado de um ataque de Boko Haram, mas o modo de agir do crime faz pensar em Boko Haram", disse Pe. Patrick.No domingo, 13 de abril, Boko Haram matou pelo menos 60 pessoas em várias aldeias no nordeste da Nigéria. "A situação é muito difícil. O Exército está perseguindo os homens de Boko Haram, mas estes em resposta cometem represálias contra os civis", disse Pe. Patrick.
O sacerdote explica que a capacidade da seita islâmica de resistir aos ataques do exército vem da ajuda que recebe do exterior. "Um grande número de combatentes de Boko Haram não são nigerianos, porque Al-Qaeda no Magrebe Islâmico decidiu oferecer apoio à seita islâmica nigeriana", disse Pe. Patrick. Assim, centenas de homens de AQMI provenientes do exterior foram para a Nigéria para reforçar as fileiras do Boko Haram. Por sua vez, AQMI recebe fundos de alguns Estados que desta forma conduzem uma guerra indireta contra a Nigéria. AQMI está, portanto, envolvida no financiamento, suporte e treinamento de combatentes de Boko Haram. Não é mais uma guerra interna".Na Nigéria, circula a notícia de que há helicópteros que lançam do alto fornecimento para Boko Haram . Um fato confirmado por Pe. Patrick que diz: "Estas aeronaves são das regiões do Magrebe onde eles têm suas bases. É um pouco "como se na Itália estourasse uma guerra civil no norte e os rebeldes recebessem reforço de helicópteros da Suíça ou Áustria".

#news.va

Estados da África Central para reunir $ 87 milhões para ajudar a combater o Boko Haram.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


Teodoro Obiang Nguema, presidente da Guiné Equatorial
Presidente da Guiné-equatorial - Teodoro Obiang Nguema

A Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC) diz que vai urgentemente levantar 50 bilhões de francos CFA (cerca de 87.000 milhões de dólares) para ajudar na campanha de Camarões e do Chade contra o Boko Haram.

O bloco de dez membros também tem o mandato do Presidentes Teodoro Obiang Nguema da Guiné Equatorial e Denis Sassou-Nguesso do Congo, e devem falar para o líder nigeriano Goodluck Jonathan em aumentar a cooperação de seu país na guerra contra o Boko Haram.

As deliberações foram tomadas durante uma reunião de cúpula da CEEAC sobre terrorismo na capital camaronesa, Yaoundé, na segunda-feira.

Como parte do apoio ao anti-terrorismo, o bloco vai colocar mais soldados no terreno e com cobertura aérea, assistência em saúde e equipamento militar para as tropas.

O Presidentes Obiang Nguema e Sassou-Nguesso também foram convidados a se reunir com o presidente da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) sobre a possibilidade de organizar uma cimeira conjunta CEEAC-CEDEAO que irá "adoptar uma estratégia comum contra a Boko Haram."

O envio de uma força multinacional de 8.700 soldados dos países afetados pela insurgência do Boko Haram ainda está pendente. A força já recebeu as bênçãos da União Africana, mas a implantação está sendo adiada por falta de fundos e de uma luz verde do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Houve também alegações de que a Nigéria está a arrastar os pés sobre a proposta.

#africareview.com

Total de visualizações de página