Postagem em destaque

CONCESSÃO DO PRÊMIO HOUPHOUET BOIGNY PELA BUSCA DA PAZ EM RCI: Os marfinenses poderão finalmente se olhar no espelho?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Realiza-se esta quarta-feira, 8 de fevereiro de 2023, em Yamoussoukr...

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Televisão opositora do Irã inicia transmissão "a fim de derrubar regime".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Londres, 25 out (EFE).- Um novo canal de televisão, fundando pelo multimilionário iraniano Amir Hossein Jahanchachi, inicia sua transmissão, nesta quinta-feira, em Londres, com a intenção de contribuir para "derrubar o regime de Mahmoud Ahmadinejad" no Irã.
Jahanchahi fez estas afirmações durante uma entrevista coletiva na capital britânica, na qual disse que a "Raha TV" (libertar, em persa), estará aberta "a todos os grupos de oposição" e produzirá "uma programação variada".
A "Raha TV", dirigida pelo jornalista Ali Asghar Ramezanpoor - ex-funcionário do Ministério de Cultura e Orientação Islâmica do Governo de Mohammad Khatami, de onde foi expulso em 2003 por contrariar o regime -, terá transmissão diária, partir das 14h30 (horário de Brasília), através do satélite Eutelsat e via GLWIZ, um site iraniano.
Após um informativo de meia hora - dirigido pelo italiano-iraniano Ahmad Rafat, ex-jornalista da agência italiana "AdnKronos"-, seguirão três horas e meia de programas culturais e esportivos.
Jahanchahi reconheceu que o governo iraniano tentará impedir a transmissão, mas disse que os líderes do país "não poderão fazer isso todos os dias", por isso confia que as mensagens "cheguem ao povo do Irã".
Durante a apresentação em Londres, onde compareceu acompanhado de guarda-costas, o fundador da emissora não escondeu que seu objetivo pessoal é "acabar com o regime iraniano", o qual criticou duramente.
Jahanchahi também disse que, graças ao efeito da televisão e mais os danos que as sanções internacionais estão causando ao governo do Irã, "em um prazo de nove meses pode haver uma revolta nacional que derrube o regime".
Jahanchahi, exilado após a revolução islâmica de 1979 e cuja família esteve vinculada politicamente a Mohammad Reza Pahlavi, fundou em 2010 o movimento opositor Green Wave, cujo secretário-geral, o ex-diplomata Mehrdad Khonsari, esteve presente na entrevista coletiva nesta quinta.
O fundador da emissora não deu detalhes sobre quantos filiados tem o movimento, que pretende promover uma revolta popular no interior do país.
Jahanchahi disse que gostaria de ver em seu país natal, "uma república democrática", já que a monarquia "está morta".
O multimilionário também disse que a "Raha TV" não receberá dinheiro do governo e insistiu que todo capital é proveniente de sua fortuna pessoal, já que ,segundo ressaltou, tem "mais dinheiro do que necessita".
Jahanchahi afirma que, após estudar em Paris, fez fortuna no setor da construção na capital francesa, além de Madrid e Barcelona e, segundo indicou, tem participações em diversas empresas.
A "Raha TV", que fará sua transmissão em iraniano, conflitará com a "Press TV", auspiciada pelo governo de Ahmadinejad, que também fica em Londres e faz as transmissões em inglês. 
EFE

Costa do Marfim: A revanche querendo uma nova guerra.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O Colunista Venance Konan considera um ataque a uma estação de energia em Abidjan como uma declaração de guerra contra Costa do Marfim.

Os militares em torno da entrada da usina térmica Azito, Abidjan, 15 de outubro de 2012. © REUTERS / Luc Gnago.

Vamos finalmente darmos a ideia de que, regularmente, a uma taxa de que eles são os únicos mestres, os homens vieram do nada e atacar as delegacias de polícia, brigadas da "gendarmerie"  , quartéis, e também sítios como centrais estratégicas ou económicas, e amanhã, quem sabe ... e não podemos fazer nada?

Thermal Power Plant Azito em Abidjan, foi atacado pela segunda vez [15 Outubro de 2012]. A primeira granada tinha sido lançada não tinha explodido. Desta vez, o prejuízo foi de tal forma que a capacidade de produção da planta foi reduzido pela metade.

Azito, para quem não sabe, é a usina que fornece grande parte da energia elétrica a partir de Costa do Marfim. O objetivo dos atacantes é claro: privar permanentemente eletricidade marfinenses.

Cada um de nós sabe pela prova o que seria viver sem energia elétrica e as implicações para as empresas. Agora essa idéia deve tornar-se óbvia para todos os marfinenses, qualquer que seja a sua opinião, é mais de uma guerra de atrito contra um presidente que não gostamos, mas em uma guerra declarada à Costa do Marfim e seus habitantes.

Se Azito já não fornece energia elétrica para uma parte do nosso país, isso não vai afetar as áreas habitadas por parentes do chefe de Estado ou de seu partido.

Ódio, amargura e cegueira

Quando um relatório de especialistas da ONU conluio que entre alguns parentes do ex-presidente Laurent Gbagbo, entre os quais um dos grupos terroristas que ocupam o norte do Mali e os golpistas do Mali, ele encontrou pessoas de boa fé para dizer que este relatório foi exagerado e que queria a todo custo procurar piolhos entre algumas pessoas.

Mas podemos continuar a ser surpreendidos, uma vez que os indivíduos não hesitam em atacar uma usina que fornece a maior parte da eletricidade neste país?

Durante minha última visita à Libéria, um liberiano e ex-combatente que está agora ao serviço do pró-Gbagbo tinha me revelado que alguns de seus homens estavam como guarda-costas do capitão do golpe Amadou Sanogo Haya. Eu não vou fazer a ligação com a nossa situação.

Iluminar as coisas à luz do relatório dos peritos da ONU. Todos os fascínios que sonham apenas na desestabilização estão juntos. O que há de ataque diferente de Azito? Será que todos os crimes que estão sendo cometidos por terroristas no norte do Mali?

O ódio e ressentimento tornarem-se cegos. Aqueles que são motivados pelo ódio termina em pacto eventualmente. Terroristas islâmicos são fanáticos e cegos por seu ódio contra o homem.

E alguns dos nossos compatriotas, por sua vez, cegos pelo ódio daquele que está assentado no banco que eles consideram ser investido por Deus, e pelo ressentimento de perder o poder.

Destruição, a arma dos covardes

Eles vieram a odiar todos os que os aceitam e os que os odeiam. Então, como incapaz de alcançá-los, dizem vamos dar  trabalho a eles, suas realizações.

Destruição não é que estes dois grupos fazem de melhor? Os construídos por fanáticos nas áreas que controlam? Nada! Eles simplesmente distruem o que eles encontram. O que construímos com a nossa vingança contra compatriotas durante os dez anos de reinado? Nada. Eles só destruíram o que tinham encontrado.

Que aqueles que apoiam este grupo abram os olhos. A guerra está declarada na Costa do Marfim. Uma guerra terrorista que irá classificar-se e cegar suas vítimas. Nossas Forças de Defesa e Segurança (FDS), que fiquem de vanguarda, e deve integrar e agir em conformidade.

A sua fraqueza, como a de muitos dos nossos compatriotas, sempre foi o dinheiro. Muitas deles são as SDS e são capazes, por dinheiro, ceder as armas que vai matá-los.

Talvez seja a hora de se tornar um pouco mais esperto e menos suicida.

Além disso, após o primeiro ataque sofrido pelo central Azito , está realmente fora da Polytechnique entender que este site deve ser continuamente monitorado?

Por: Venance Konan (Fraternité Matin)

fonte: SlateAfrique

Total de visualizações de página