Postagem em destaque

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tir...

quinta-feira, 31 de julho de 2014

A Organização Mundial de Saúde lança um Plano de Emergência ( $US100 milhões de dólares) para o combate ao Vírus Ebola na África Ocidental.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

O chefe da Organização Mundial de Saúde e presidentes dos países da África Ocidental sofrem com o pior surto de Ebola do mundo  e vão se reunir na Guiné, nesta sexta-feira, para o lançamento de um plano de emergência no valor de 100 milhões dólares para uma resposta conjunta, disse a OMS. 

"A escala do surto de Ebola, e a ameaça persistente que representa" faz com que a OMS exija, que a Guiné, Libéria e Serra Leoa " adotem resposta a um novo nível", disse o Diretor Geral da OMS, Margaret Chan, em um comunicado. 

A OMS disse que "várias centenas" de pessoal médico precisam ser enviados para os países afetados para ajudar os trabalhadores sobrecarregados em instalações lutando com a epidemia, que já custou cerca de 730 vidas.

Os mais "urgentemente" necessários são: os "médicos clínicos e enfermeiros, epidemiologistas, especialistas em mobilização social, logística e gestores de dados", disse.

O Surto de vírus Ebola  requer um Plano de Resposta na África Ocidental para fechar as lacunas ", como tal, parte de uma campanha internacional, regional e nacional foi intensificada para manter o surto sob controle". 

O plano também vai reforçar os esforços para prevenir e detectar casos suspeitos, incitar melhor vigilância nas fronteiras, e o reforço da OMS  na sub-região com centro de coordenação na Guiné. 

A OMS divulgou sua estimativa mais cedo, nesta quinta-feira, com 729 pessoas mortas com vírus Ebola até agora na Guiné, Libéria, Serra Leoa e na Nigéria, desde que o surto começou no início deste ano, com um total de 1.323 infecções relatadas. 

# africareview.com

A esposa de Mugabe se junta à briga sobre sucessão no Zimbabwe.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


A surpreendente confirmação da sua posição como líder da liga das mulheres do partido ZANU-PF, no congresso do partido em dezembro irá impulsionar Graça Mugabe, de 49 anos de idade, na festa do poderoso Politburo.

A nomeação surpresa da mulher do presidente Robert Mugabe à cabeça da poderosa ala feminina do partido no poder injetou nova intriga na luta para suceder o homem forte de 90 anos de idade. 

Como um membro do órgão de decisão supremo a ex-datilógrafa presidencial irá desempenhar um papel activo na luta dilacerada da facção para suceder seu marido, que assumiu o poder, em 1980, quando da independência do Zimbábue da Grã-Bretanha.

A especulação sobre o pensamento por trás da subida de uma mulher que anteriormente estava no banco de trás do ZANU-PF, tomou conta do Zimbabwe desde a sua nomeação que foi anunciada no fim de semana.

Alguns analistas expressaram preocupação de que uma dinastia Mugabe poderia estar em formação.

Rashweat Mukundu, da política think-tank do partido Zimbabwe Democracy Institute, disse que a medida iria aprofundar o mistério sobre a sucessão de Mugabe.

"É uma continuação da luta pelo poder dentro do ZANU-PF e vai aumentar a confusão sobre o sucessor de Mugabe", disse Mukundu.

Durante o seu reinado de 34 anos Mugabe evitou nomear um sucessor, mas ele expressou suas preocupações pessoais sobre a ausência de um sucessor adequado.

Temores de uma dinastia

"O campo de batalha vai mudar", disse Mukundu. "É uma situação difícil que ZANU-PF enfrenta dentro do partido".

"Há tanto sigilo em torno da questão da sucessão e ninguém sabe o que a outra facção está planejando ou pensando."

Facções liderados pelo vice-presidente Joyce Mujuru e ministro da Justiça, Emmerson Mnangagwa enfrentam disputa de cargo do governante veterano, dividindo o partido e aumentando a preocupação sobre o seu futuro, sem Mugabe. 

Pechincha entre as duas facções do partido custou caro nas eleições de 2008 quando o movimento da oposição de Morgan Tsvangirai do partido para a Mudança Democrática (MDC), ganhou a maioria dos assentos parlamentares.

Legalistas de Mugabe disseram que o movimento para endossar Graça Mugabe como chefe da ala feminina foi concebido para superar as divisões que ameaçam romper ZANU-PF.

"Nós vemos um monte de divisão", disse Monica Mutsvangwa, secretário da Liga das Mulheres da ZANU-PF de informação e publicidade.

"Precisamos avançar juntos e é isso que a Liga das Mulheres está querendo. Ela (Grace) é a mãe da nação e ela demonstrou sua experiência política".

Mas o analista político Dumisani Nkomo disse a subida de Grace Mugabe poderia gerar uma terceira força e mergulhar o partido ainda em desordem.

"O problema é que ela pode ter a sua própria ambição", disse Nkomo. "Isso muda toda a matriz de sucessão. Ela cria um novo ambiente com adição de uma terceira força para gerar confusão.

"É ruim para o país. Também se pode ver a criação de uma dinastia e consolidação do poder pela primeira dama", disse ele.

Mugabe, no passado, se comprometeu a recomendar um sucessor no momento adequado para evitar causar racha no partido.

Mas o movimento de sua mulher na política activa é susceptível de desencadear "o que poderia gerar intrigantes nas disputas políticas", de acordo com Mabasa Sasa, colunista do Sunday Mail estatal.

A incerteza sobre a sucessão e as preocupações com a sua idade e deterioração da saúde de Mugabe provocou a divisão do governo e crescimento estagnado na economia em crise, com os investidores adotando uma atitude de esperar para ver.

# africareview.com



Total de visualizações de página