Postagem em destaque

BAMAKO E IYAD ENGAJADOS NA MESMA LUTA CONTRA EIGS NO MALI: Cuidado com o efeito bumerangue!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... Há poucos dias, foi em Menaka que foi visto ao lado de notáveis ​​tu...

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Costa do Marfim: A Primeira Dama, Dominique Ouattara, falando as populações sinistradas pelas chuvas torrenciais: " Eu não podia ficar longe de vocês em um momento tão difícil"

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

La
© da Presidência por David Zamblé.

Primeira-dama Dominique Ouattara ofereceu doações em espécie e em número no valor de 90 milhões de francos CFA para a população do Distrito de Abidjan afetada pelas chuvas. Foi durante uma visita que ela fez, nesta quarta-feira, 16 de julho de 2014 a Attécoubé, Anonkoua Kouté e PK 9 ao longo da estrada Bingerville. Nessa ocasião, ela expressou sua solidariedade às populações afectadas.

Queridos irmãos e irmãs de Attécoubé e Yopougon.

É com o coração cheio de tristeza que eu vos visito hoje, para trazer a vocês o meu consolo depois da aprovação do que vocês estão passando.
Mais uma vez, as chuvas torrenciais arrastaram os seus entes queridos, o carinho de quem os amava. Eles deixaram as famílias carentes de luto e toda a nação.
Eu não podia ficar longe de vocês em um momento tão difícil como este, que me toca no ponto mais alto.
Então, na minha viagem de regresso, eu queria vir e expressar verbalmente, a minha simpatia e do meu querido marido, o presidente Alassane Ouattara.

Muito triste com esta situação, o presidente pediu-me para transmitir toda a sua compaixão e sinceras condolências.
Foram tomadas medidas para assegurar que as famílias afetadas receberão assistência o mais rápido possível.

De fato, Attécoubé, Abobo, Anyama, Yopougon, Cocody e Bingerville vocês têm sofrido com as tempestades de chuva e alguns de vocês perderam entes queridos, outros suas casas e propriedades. Esta é uma situação que eu lamento profundamente.

Nós estamos de todo o coração com vocês, e compartilhamos vossa consternação.
Para aliviar um pouco, eu trouxe-lhes comida e produtos não alimentares e medicamentos para os feridos.
Eu também tenho uma penosa tristeza para com os nossos irmãos e irmãs de Fresco, San Pedro e Grand Lahou, duramente atingidos pelas inundações. Uma delegação virá ao vosso encontro em breve enviada da minha parte.


Queridos irmãos e irmãs, 
Gostaria de assegurar-lhes que o Presidente da República vai fazer todos os esforços para que seja definitivamente evitados os desastres associados com as fortes chuvas, para que nunca mais a estação chuvosa cause lamentações ao nosso país.
Desejo-lhe coragem, de modo que vocês possam aliviar-se desses problemas.
Vocês podem contar comigo para estar sempre ao seu lado.

Obrigada.

# abidjan.net

Relatório: África perde US $ 58 bilhões por ano para o resto do mundo

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...


África está a perder um escalonamento de 58.000 bilhões de dólares a cada ano para o resto do mundo.

Pela primeira vez, um grupo do Reino Unido e ONGs da África Oriental colocou a figura sobre uma quantidade enorme que África sub-sahariana perde através de pagamento da dívida, os fluxos financeiros ilícitos e atividades ilegais.

O grupo é liderado pelo Movimento Saúde e Acção contra a Pobreza, mas também inclui o Movimento Popular da Saúde no Quênia, o Fórum Africano e da Rede sobre a Dívida e Desenvolvimento, o Movimento de Desenvolvimento Mundial, War on Want e outras oito organizações não governamentais.

Enquanto 134 bilhões de dólares desaparece no continente a cada ano, principalmente em empréstimos, investimentos estrangeiros e ajuda, $ 192 bilhões são retirados, principalmente nos lucros obtidos por empresas estrangeiras, a evasão fiscal e os custos de adaptação às mudanças climáticas.

O resultado é que a África sofre uma perda líquida de 58.000 bilhões de dólares a cada ano.

Este relatório é a primeira tentativa de calcular as perdas da África em uma ampla gama de áreas.

Estes incluem: os fluxos financeiros ilícitos; lucros retirados do continente por empresas multinacionais; pagamento da dívida; fuga de cérebros de trabalhadores qualificados; extração ilegal de madeira e pesca e os custos incorridos como resultado da mudança climática. 

A análise detalhada no relatório mostra que a África perde:

$463 bilhões em lucros obtidos por empresas multinacionais.
$21 em pagamento da dívida, muitas vezes seguido dos empréstimos irresponsáveis.
$35,3 bilhões dólares em fluxos financeiros ilícitos facilitados pela rede global de paraísos fiscais.
$234 bilhões de dólares em reservas de moeda estrangeira dadas como empréstimos para outros governos.
$ 17 bilhões na extração ilegal de madeira.
$ 1,3 bilhão em pesca ilegal.
$ 6 bilhões de dólares como resultado da migração de trabalhadores qualificados de África.
Além destes fluxos de recursos, a África é forçada a pagar mais 106 bilhões de dólares para se adaptar aos efeitos da mudança climática que não causou e US $ 26 bilhões para promover o baixo  crescimento econômico de carbono.

Estes números mostram a enorme disparidade entre a ajuda e os recursos que deixam a África, diz o relatório.

Martin Drewry, Diretor de Saúde e da Ação contra a Pobreza disse: "Estes números expõem os equívocos grosseiros sobre a ajuda e 'caridade'.

"Vamos usar uma linguagem mais precisa. São sustentados saques - o oposto de doação generosa - e devemos reconhecer que a cidade de Londres é o coração do sistema financeiro global que facilita isso. "

A percepção de que esse auxílio está a ajudar os países africanos "facilitou uma realidade perversa em que o Reino Unido e outros governos ricos celebram sua generosidade, enquanto, simultaneamente, ajudam suas empresas para drenar os recursos da África", afirma o relatório.

Ele ressalta que as multinacionais estrangeiras  retiram $46 bilhões de dólares da África Sub-Sahariana a cada ano, enquanto $ 35 bilhões são movidos de África para paraísos fiscais em todo o mundo anualmente.

O estudo chama atenção para que o sistema de ajuda seja revisto e tornado mais aberto.

O relatório diz que ajuda enviada na forma de empréstimos serve apenas para contribuir para a crise da dívida do continente, e recomenda que os doadores devem utilizar contratos transparentes para garantir bolsas de assistência ao desenvolvimento para que possam ser devidamente analisadas pelo parlamento do país destinatário.

Apoiar as reformas regulatórias seria uma forma de capacitar os governos africanos "para controlar as operações de empresas estrangeiras que investem ", diz o relatório, acrescentando: "Os países devem apoiar os esforços em curso nas Nações Unidas para elaborar um acordo internacional vinculativo sobre as corporações transnacionais para proteger os direitos humanos. "

"Combater a desigualdade entre a África e o resto do mundo significa atacar as causas de sua dependência da dívida, a sua perda de receita pelo governo por sonegação fiscal, e os outros aspectos, o continente está sendo saqueado", disse Sarah-Jayne Clifton, diretor do Jubileu da Campanha da dívida.

"Aqui no Reino Unido, podemos começar com o nosso atacando o grande centro financeiro global e rede de paraísos fiscais, cúmplices de desvio de dinheiro para fora da África."

# africareview.com

UNITA condena negócio corrupto entre Espanha e Angola.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...

Pode ascender a 159 milhões de dólares a quantia desviada dos cofres angolanos num negócio com uma companhia espanhola para a venda de material à polícia nacional de Angola.



Equipamento que empresa espanhola "vendeu" à polícia angolana nunca terá chegado a Angola. 
Na foto: manifestação reprimida pela polícia em Luanda em maio de 2012
Uma operação realizada em Espanha, Portugal e Luxemburgo terá levado à detenção de uma dezena de pessoas envolvidas numa rede criminosa de venda de material policial a Angola.
Polícia espanhola deteve 10 pessoas em 16 rusgas
Em Madrid, capital de Espanha, terá sido orquestrada afraude e também a "operação policial Angora"
Segundo um comunicado distribuído à imprensa, e que também chegou à redação da DW África, a Guarda Civil espanhola afirma que no âmbito da "operação Angora", uma "importante operação contra a corrupção internacional", deteve 10 pessoas em 16 rusgas efetuadas a residências, empresas e entidades bancárias em Espanha, Luxemburgo e Portugal.

Em causa está uma fraude de dezenas de milhares de euros num contrato para venda de material policial a Angola.
Suspeita-se que apenas uma parte do material acordado no contrato terá chegado a Angola. Parte do dinheiro terá sido desviado para países como Hong Kong, Suiça, Singapura, Ilhas Caiman, Nova Zelandia, Gibraltar, Madeira ou Luxemburgo.
Polícia Nacional de Angola desconhece caso
Luanda, capital de Angola: a maioria na Assembleia Popular impede que o caso seja investigado, afirma a UNITA
Num contacto telefónico ao Comando Geral da Polícia Nacional de Angola, a DW África foi informada que em Angola "se desconhece a existência de qualquer investigação por parte da Guardia Civil espanhola sobre uma alegada fraude envolvendo um contrato de compra de materialpor parte das autoridades angolanas".

Entretanto, em Luanda, o maior partido da oposição, a UNITA, disse à DW que soube da notícia através da comunicação social e solicitou mais informação sobre o caso.
Adalberto da Costa Júnior, Vice-presidente do grupo parlamentar da UNITA, afirma que a UNITA tem, no entanto, "uma dificuldade muito grande na Assembleia" que impede que o caso seja investigado.
Segundo ele "os deputados viram práticamente retiradas as suas capacidades de interpelar o governo sobre as suas políticas. Aos deputados é exigida uma autorização superior do Presidente da República. Ora isto é verdadeiramente absurdo. O Presidente da República criou uma lei que impede que os ministros e os seus assessores possam ser alvo de uma averiguação na Assembleia."
UNITA queixa-se: casos de corrupção ficam na gaveta
A UNITA e o seu presidente, Isaias Samakuva, querem que o caso do negócio corrupto entre Angola e Espanha seja esclarecido
O deputado da UNITA afirma ainda a maioria das interpelações e dos inquéritos exigidos pelo maior partido da oposição angolana "ficam literalmente na gaveta."
Adalberto da Costa Júnior dá o seguinte exemplo: "Uma comissão da Assembleia solicitou recentemente uma visita à polícia para fiscalização e viu o Presidente da Assembleia negar essa proposta. Nós estamos efetivamente numa situação difícil. Não podemos desenvolver o trabalho mais importante do deputado, que é o trabalho de fiscalização. Estamos impedidos de proceder à defesa dos interesses de quem nos elegeu."
UNITA avança com pedido de inquérito
O Presidente José Eduardo dos Santos é acusado pela UNITA de protagonizar esquemas corruptos
Face a este quadro, a DW perguntou a Adalberto Costa Júnior se a UNITA vai mesmo introduzir no Parlamento angolano um pedido de esclarecimento sobre este caso desmantelado agora pela Guardia Civil espanhola, ao que o deputado respondeu que "apesar das limitações a gente nunca deixará de fazer o que são as nossas obrigações."

O vice-presidente do grupo parlamentar da UNITA não está - no entanto - muito otimista quanto ao desfecho de mais este caso de corrupção.
# dw.de

Total de visualizações de página