Postagem em destaque

Eleições presidenciais congolesas: Já estava escrito que Dénis Sassou N’Guesso vence.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O resultado das eleições presidenciais no Congo-Brazzaville não deve...

domingo, 29 de janeiro de 2023

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de munição para tanques à Ucrânia. O pedido foi rejeitado pelo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. Foi ontem, sexta-feira, 27 de janeiro de 2023, que a decisão foi anunciada pelas autoridades brasileiras. Segundo o jornal "Folha de São Paulo", a foto foi tirada há uma semana, durante uma reunião do Partido dos Trabalhadores com o ministro da Defesa brasileiro e vários altos funcionários das Forças Armadas do país. A imprensa informa ainda que a decisão foi tomada às vésperas da demissão do comandante do Exército Júlio César de Arruda. “Vou enviar um sinal ao seu governo” Vale ressaltar que o governo ucraniano havia anunciado a intenção de solicitar munição para os tanques antiaéreos Gepard às autoridades brasileiras. Em novembro de 2022, Oleksi Reznikov, ministro da Defesa ucraniano, disse: “Vou enviar um sinal ao seu governo porque você tem a possibilidade de nos fornecer munição para Gepard”. Como lembrete, o anúncio da decisão do Brasil ocorre várias semanas após os distúrbios de 8 de janeiro de 2023, onde muitos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram várias instituições, incluindo o palácio presidencial. Após esses eventos, o presidente brasileiro sentiu que o culpado era seu antecessor. Além disso, confidenciou que acredita que os desordeiros se beneficiaram da ajuda prestada de dentro do palácio. Foi nesse contexto que ele demitiu o chefe do Exército, que estava à frente do Exército desde 30 de dezembro de 2023. Segundo informações da GloboNews, ele será substituído por Thomas Ribeiro Paiva, comandante militar do Sudeste. Em discurso público, este último havia declarado que o exército continuaria “a garantir a democracia”, acrescentando que: “É o regime do povo, de alternância no poder. É o voto. E quando votamos, temos que respeitar o resultado das urnas”. fonte: https://lanouvelletribune.info/2023/

Guerra com a China: um general americano evoca um alto risco em 2025.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Nos últimos anos, a tensão tem sido palpável entre os EUA e a China. Sob o governo Trump, as duas potências do nosso planeta chegaram a travar uma guerra comercial. Em uma questão completamente diferente, a questão de Taiwan divide os dois estados, que abordam o assunto de maneiras distintas. Mesmo que os EUA apoiem o princípio de uma só China, as autoridades do país do Tio Sam demonstram um apoio à ilha que não agrada ao império médio. Recentemente, um general americano insinuou em memorando interno que haveria risco de confronto entre EUA e China em 2025. Os EUA e a China se enfrentarão em 2025? Difícil dizer com clareza, mas uma coisa é certa, a tensão tem sido palpável nos últimos anos. Em memorando interno, um general americano alertou para o alto risco de confronto entre as duas potências. "Espero estar errado. Meu instinto me diz que lutaremos em 2025”, escreveu o General da Força Aérea Michael Minihan. Para o general americano, as eleições taiwanesas de 2024 poderiam ser um pretexto para o líder chinês agir, enquanto a América estaria “distraída” com a sua eleição presidencial. fonte: https://lanouvelletribune.info/2023

Nigéria: Buhari revela a incrível razão pela qual ele se juntou ao exército.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Muhammadu Buhari é um estadista nigeriano. Tendo assumido o cargo de presidente da Nigéria, o gigante da África Ocidental, como alguns gostam de chamar seu país, em 29 de maio de 2015, Buhari está cumprindo seu segundo e último mandato constitucional. Durante uma visita ao Emir de Daura, Faruk Faruk, o presidente nigeriano Muhammadu Buhari revelou a incrível razão pela qual ele se juntou ao exército de seu país. Foi por meio de um depoimento lido por sua assistente pessoal Femi Adesina que a revelação foi feita. Muhammadu Buhari diz por que se juntou às forças de segurança de seu país. Foi durante uma visita de campo que ele confidenciou. seu assistente pessoal leu uma declaração em que a revelação foi feita ao público em geral. "O presidente Buhari disse que conseguiu seu primeiro emprego logo após a escola, gerenciando uma cooperativa em Daura, mas teve que escapar e se juntar ao exército quando houve pressão para que ele se casasse. Contei ao governador Aminu Masari como deixei Daura para entrar no exército. Foi foi o que Deus planejou. Nós fazemos escolhas na vida, mas no final das contas o destino está diante de Deus. Eu estava na linha de frente durante a guerra civil e vi quantas pessoas morreram. Algumas caíram bem ao meu lado. Deus me guardou ", diz a declaração do assistente do Presidente Buhari. fonte: https://lanouvelletribune.info/2023

Mike Tyson é acusado de estupro por mulher alegando US$ 5 milhões.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A lenda do boxe americano Myke Tyson está enfrentando uma acusação de estupro por uma mulher. Esta última, que pediu anonimato, apresentou uma queixa em Albany, Nova York, sobre essa denúncia de estupro que, segundo ela, ocorreu no início dos anos 1990. milhões de dólares em indenização pelos danos que sofreu, como ela acredita ter sofrido " lesões físicas, psicológicas e emocionais" após o estupro. De acordo com o documento apresentado pela denunciante, a agressão de Mike Tyson ocorreu em uma limusine, sem dar uma data específica sobre a data do estupro. “Eu disse não a ele várias vezes” Ela disse na denúncia que ela e Mike Tyson, antes do ataque acontecer, se conheceram em um ponto de acesso local chamado Septembers. Ela então entrou na limusine depois de fazer a oferta para pegar sua amiga. Mas as coisas mudaram quando o boxeador começou a tocá-la, apesar de ela recusar. “Eu disse várias vezes que não e pedi para ele parar, mas ele continuou me atacando”, disse ela antes de acrescentar: “Ele então tirou minhas calças e me estuprou”. Deve-se dizer que esta é a segunda acusação de estupro contra Mike Tyson. Ele havia sido acusado de estupro pela modelo Desiree Washington, também no início dos anos 1990. O tribunal o considerou culpado dessa acusação em 10 de fevereiro de 1992 e o condenou a três anos de prisão. Observe que a vítima apresentou esta queixa de acordo com a Lei do Sobrevivente Adulto. Adotado recentemente pelo Estado de Nova York, que dá às vítimas de agressão sexual a possibilidade de um período de um ano para instaurar processos judiciais sobre fatos ocorridos vários anos antes. Como lembrete, essa reclamação ocorre vários meses depois que o rapper Fat Joe revelou que Mike Tyson havia oferecido uma noite a uma rapper em troca de um Mercedes. Este último era, de fato, Remy Ma. https://lanouvelletribune.info/2023

"A França é inimiga da Rússia", diz o vice-presidente do parlamento russo.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Em alguns dias, fará um ano desde o início do conflito russo-ucraniano. A luta continua acirrada e ninguém pode prever o fim desta guerra que atualmente está colocando o mundo em estado de alerta. Os dois beligerantes se engajam golpe após golpe. Este conflito levou a uma louca corrida armamentista não vista nas últimas décadas. Todos os países europeus estão se preparando para qualquer eventualidade. Após sua operação militar na Ucrânia, a Rússia alienou grande parte do mundo ocidental, com os Estados Unidos na liderança. O bloco ocidental ajuda de várias formas em Kyiv, através da entrega de armas ou materiais humanitários. O país também se beneficia de facilidades para obtenção de empréstimos e outros financiamentos. A Rússia, entretanto, não tem muito apoio. Formalmente, apenas a Coréia do Norte e o Irã, por meio de estratégias diferentes, fornecem material militar ao Kremlin. A China, aliada histórica de Moscou, adota certa forma de neutralidade e o médio império não deseja se posicionar nesse conflito. Portanto, diante das várias sanções que pesam sobre seus ombros, a Rússia está buscando ativamente novos parceiros e mercados. A França está fortemente empenhada em ajudar a Ucrânia. A França forneceu equipamentos de última geração para Kyiv, principalmente com a entrega dos famosos canhões César, que se mostraram eficazes no campo. Outras entregas de armas estão planejadas e isso irrita os primeiros funcionários da Rússia ao mais alto grau. Piotr Tolstoy, o vice-presidente da Duma, a câmara baixa do parlamento russo, recentemente fez comentários muito duros em relação a Paris. Ele não hesitará em chamar a França de inimiga da Rússia, porque o país fornece assistência militar à Ucrânia. Pyotr Tolstoi é conhecido por ser um dos apoiadores mais próximos de Vladimir Putin. Ele regularmente assume posições muito radicais para apoiar o regime de Putin. Segundo os parlamentares, os europeus com sua postura impedem qualquer forma de negociação entre Kyiv e Paris. https://lanouvelletribune.info/2023

A tensão está aumentando perigosamente entre a RDC e Ruanda.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O governo da República Democrática do Congo (RDC) declarou que o tiroteio perpetrado pelo exército ruandês contra um avião militar congolês Su-25 foi um "ato deliberado de agressão que equivale a um ato de guerra". De acordo com o comunicado do governo congolês, o avião voava dentro do território congolês e não violava o espaço aéreo ruandês. Kinshasa também acusou o exército ruandês de ter lançado uma ofensiva contra Kitchanga e de preparar outras ações criminosas. Ruanda, por sua vez, acusou a RDC de violar seu espaço aéreo com a aeronave de ataque congolesa. As relações entre os dois países deterioraram-se nos últimos meses, devido a acusações de apoio aos rebeldes M23 por Ruanda. As relações entre Ruanda e a República Democrática do Congo (RDC) estão tensas há muitos anos, devido a um longo conflito no leste da RDC. As tensões foram intensificadas por repetidas acusações de Kinshasa de que Ruanda apoia rebeldes hutus, incluindo o grupo armado M23. As tensões aumentaram em 2013 e 2014, quando o M23 assumiu o controle de várias cidades no leste da RDC, causando violência e deslocamento em massa da população. Os dois países trocaram acusações mútuas de violações de fronteiras e apoio a grupos armados. O presidente de Ruanda, Paul Kagame, é acusado de desestabilizar seu vizinho, apesar de suas inúmeras negativas. Congo e Ruanda estão em desacordo sobre os processos de paz de Luanda e Nairóbi. O Congo acusa Ruanda de continuar apoiando os rebeldes M23 e de não respeitar a data de 15 de janeiro, enquanto Ruanda lamenta a "aparente retirada da RDC dos processos de paz". Em outubro passado, o Congo expulsou o embaixador ruandês em resposta ao apoio do governo ruandês aos combatentes locais. Ruanda respondeu colocando suas forças de defesa em alerta máximo na fronteira com o Congo e acusando o Congo de culpar Ruanda por sua própria governança e falhas de segurança.

TRANSIÇÃO POLÍTICA NO MALI: Assimi Goïta e seus irmãos de armas estão jogando contra o relógio?

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
As eleições gerais para marcar o fim da transição no Mali, vão acontecer na data certa? Podemos duvidar. Porque, a cada dia que passa, as autoridades interinas parecem estar preparando a mente das pessoas para qualquer eventualidade. De fato, durante a reunião do Comitê Gestor do Referendo, o Ministro da Administração do Território anunciou a cor. “O calendário é um documento de planeamento (…) Se houver alterações ou anúncios a fazer”, isto será feito após discussões com as mais altas autoridades mas também com a Autoridade Independente de Gestão Eleitoral (AIGE ). E isso não é tudo. Porque, como se tentasse convencer os mais cépticos, o porta-voz do Governo deu uma série de dificuldades que militam a favor do adiamento das eleições, cuja data, como recordamos, foi, no entanto, validada pela Comunidade Económica de West Estados Africanos (CEDEAO). Trata-se, entre outras coisas, de limitações de tempo, segurança do território e outras questões que estão a ser abordadas, como o uso do bilhete de identidade biométrico, bem como o voto das forças de segurança e dos deslocados. Então vemos Assimi Goïta e seus irmãos de armas chegando com seus sapatos grandes. Mas cientes de que será difícil fazer a classe política maliana e a sociedade civil engolir a pílula, eles mostram a cautela dos Sioux. Eles preparam a opinião pública, esperando assim obter o apoio popular. Isso significa que, do jeito que as coisas estão indo, o Mali não está imune a uma nova crise política. Se tentarem uma passagem forçada, os mestres de Bamako podem alienar alguns dos seus apoiantes. Porque, mesmo antes de o anúncio ser oficial, vozes e não menos importantes se levantam para se opor a um possível adiamento das eleições. Será que Assimi Goïta e seus irmãos mudarão de ideia respeitando o cronograma de transição? Não tenho tanta certeza de que a CEDEAO, que era um verdadeiro espantalho, esteja agora enfraquecida; as suas decisões sempre foram objecto de fortes críticas por parte da opinião pública maliana e não só, quando por vezes não são objecto de ridículo. Dito isto, ainda seria um erro grave para a junta do Mali acreditar que pode pagar tudo. Porque, como diz o ditado, “o mais forte nunca é forte para sê-lo para sempre”; daí a necessidade de trabalhar, tanto quanto possível, para não alienar muitos malianos. Em todo o caso, se tentarem uma passagem forçada, os mestres de Bamako podem alienar alguns dos seus apoiantes e correr o risco, não vendo nascer e crescer uma rebelião sócio-política, de serem expulsos por um terceiro ladrão como aquele aconteceu no vizinho Burkina Faso, onde, aproveitando o crescente descontentamento popular, o capitão Ibrahim Traoré derrubou Paul Henri Sandaogo Damiba, forçado ao exílio. Assimi Goïta é, portanto, avisado; aquele que, além de jogar o relógio, é suspeito de querer concorrer ao cargo supremo. Assim, entendemos porque ele erigiu o terror como forma de governo, reprimindo sistematicamente qualquer voz dissidente. Tanto que ouvimos muito poucos líderes políticos comentarem sobre a gestão dos negócios no Mali. Os que mais ouvimos são aqueles que acariciam o coronel na direção... de sua barba espessa. Bondi OUOBA Le Pays

Andy Robertson, Liverpool: "Sadio Mané costumava esquecer o passaporte".

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
No verão passado, o senegalês Sadio Mané foi transferido para o Bayern de Munique, após 6 anos passados ​​no Liverpool Reds. Seu ex-companheiro de equipe e amigo de esquerda, Andy Robertson, participou do podcast We Are Liverpool e fez uma revelação sobre Sadio Mané e suas inúmeras multas durante os anos Reds. Segundo o lateral-esquerdo escocês do Liverpool, Sadio Mané costumava esquecer o passaporte quando o time do Liverpool viajava. Tanto que multas foram aplicadas e o senegalês pagou o preço várias vezes, perdendo grande parte do salário. “Algumas das multas são caras. Se você esquecer seu passaporte para uma viagem ao exterior, grande parte do seu salário é retirado de você. Aconteceu várias vezes, o Sadio [Mané] é um grande culpado e obviamente atrasa o avião e a chegada ao local. Tivemos que aplicar uma multa muito grande”, revelou o jogador. Robertson também revelou que os dois capitães do time, Jodan Henderson e James Milner, são os responsáveis ​​por muitas das multas de vestiário dos Reds. “Hendo (Henderson) e Millie (Milner) tomam muitas decisões. Por exemplo, para multas, Millie é a polícia, ele está no comando. Desde que estou aqui, ele só foi multado uma vez e a sala explodiu (risos)! acrescentou o escocês, que foi um dos melhores amigos de Sadio Mané no balneário do Liverpool. fonte: seneweb.com

Nos Estados Unidos, a polícia de Memphis desmantelou a unidade envolvida na prisão fatal de Tire Nichols.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A polícia de Memphis anunciou no sábado o desmantelamento da unidade especial envolvida no espancamento fatal no início de janeiro de um jovem afro-americano, cujo vídeo chocou os Estados Unidos. No sábado, a polícia de Memphis, Tennessee (sul dos Estados Unidos), disse em comunicado que "é do interesse de todos desmantelar permanentemente a unidade SCORPION". "Os policiais atualmente designados para a unidade deram seu consentimento", acrescentou o comunicado. A família de Tire Nichols saudou esta decisão por meio de uma declaração de seus advogados, considerando-a "apropriada e proporcional à trágica morte de Tire Nichols", mas também "decente e justa para todos os cidadãos de Memphis". As imagens chocantes da prisão fatal de Tire Nichols, 29, por cinco policiais negros despertaram horror e incompreensão nos Estados Unidos, sem ainda causar a explosão social semelhante à do verão de 2020 temida pelas autoridades. Desde sua morte no início de janeiro, sua família pediu repetidamente calma. E antes do lançamento do vídeo no início da noite de sexta-feira, que foi transmitido ao vivo e sem cortes pelas principais estações de televisão, o presidente Joe Biden convocou sua mãe e seu padrasto e pediu protestos pacíficos. "Oportunidade" Comícios variando de algumas dezenas a algumas centenas de pessoas foram realizados na noite de sexta-feira em várias cidades, incluindo Memphis, Nova York e Washington. Na tarde de sábado, várias dezenas de manifestantes se reuniram na chuva e no frio do lado de fora da prefeitura de Memphis, um edifício imponente de blocos de concreto. "Memphis tem a oportunidade de definir o padrão para responder a tais atos", disse o vereador JB Smiley à multidão, pedindo uma reforma policial. Ao som de "sem justiça, sem paz" e com cartazes exigindo "justiça para Tire Nichols", os manifestantes marcharam pelas ruas tranquilas de Memphis. Espancamento Mais cedo, moradores reunidos na rua haviam manifestado sua indignação após a publicação das imagens da prisão. Robert Jones, 26, vendedor de uma loja no centro da cidade, viu trechos do vídeo. “Parece que é ano novo, mas as coisas não mudam”, disse, referindo-se à violência policial. O vídeo divulgado pela polícia mostra uma surra insuportável após uma parada de trânsito banal em 7 de janeiro em Memphis. Com socos, chutes, cassetetes, os policiais perseguem o jovem, jogam gás lacrimogêneo e apontam para ele com uma arma de choque elétrico Taser. Em nenhum momento vemos Tire Nichols retaliar. Ele tenta fugir, é pego. "Mãe. Mãe. Mãe!", grita em um dos trechos. Tire Nichols morreu três dias depois em um hospital de Memphis. - "cultura" policial - Os cinco policiais foram demitidos, acusados ​​de homicídio e presos. Quatro deles foram posteriormente libertados sob fiança. Na sexta-feira, embora se dissessem horrorizados, a família disse estar "satisfeita" com as acusações feitas contra os cinco policiais e elogiou a "rapidez" das medidas tomadas contra eles. “Poderia ter sido eu” em vez de Tire Nichols, reagiu após ver o vídeo Demarcus Carter, um afro-americano de 36 anos que mora em Memphis, que esperava que os protestos fossem maiores. Mas uma vez realizado o julgamento, “se o veredicto não for o correto então as manifestações serão maiores”, previu. Algumas perguntas permanecem sem resposta após a divulgação das imagens da prisão. O vídeo, por exemplo, não mostra o início da interação entre Tire Nichols e o grupo. Esta nova morte após uma detenção reacendeu o debate sobre a violência policial no país, onde permanece viva a memória de George Floyd, morto em 2020 por um polícia branco, com a sensação de que as grandes manifestações que se seguiram nada resolveram o problema . Ben Crump, um dos advogados da família de Tire Nichols e que defendeu a família de George Floyd, culpou uma "cultura policial institucionalizada". "Não importa se o policial é negro, hispânico ou branco (...). Existem regras não escritas de que se uma pessoa é de um determinado grupo étnico, então ela pode ser tratada com uso excessivo da força", disse ele. disse no MSNBC no sábado. seneweb.com

INGLATERRA: Rishi Sunak demite um de seus ministros por causa de seus problemas fiscais.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, demitiu o ministro sem pasta e presidente do Partido Conservador, Nadhim Zahawi, devido a uma violação do código ministerial vinculado a suas disputas fiscais, anunciou Downing Street no domingo. Após uma investigação independente, “é evidente que houve uma violação grave do código ministerial”, escreveu o chefe do Governo numa carta publicada por Downing Street. "Conseqüentemente, informo a você sobre minha decisão de removê-lo de sua posição no governo de Sua Majestade", continuou Rishi Sunak. Ao demitir Nadhim Zahawi em vez de pedir-lhe que se demitisse, Rishi Sunak procura afirmar a sua autoridade, aquele que tinha prometido à sua chegada a Downing Street “integridade, profissionalismo e responsabilidade”. Presidente do Partido Conservador O primeiro-ministro britânico instruiu seu consultor de ética independente na segunda-feira a investigar se Zahawi, que está no gabinete, violou o código do gabinete em relação ao acordo multimilionário que teve de pagar para resolver uma disputa com as autoridades fiscais. Zahawi pagou suas dívidas ao fisco, juntamente com multas, no ano passado, durante sua curta passagem pelo Ministério das Finanças no governo do ex-primeiro-ministro Boris Johnson. Tornou-se então, com a chegada do Sr. Sunak em Downing Street no final de outubro, presidente do partido conservador e ministro sem pasta no governo. A consultora de ética Laurie Magnus concluiu que Nadhim Zahawi deveria ter declarado a investigação fiscal de que foi alvo e também deveria ter atualizado sua declaração de interesses assim que sua disputa com o fisco fosse resolvida. Após 13 anos no poder, os conservadores viram sua reputação manchada por casos de conflito de interesses nos últimos anos, alimentando acusações de corrupção da oposição trabalhista, que está bem à frente nas pesquisas. seneweb.com

Veículo robótico russo pode destruir facilmente tanques de Leopard e Abrams.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A versão de combate do veículo robótico russo Marker será capaz de detectar e destruir automaticamente o equipamento inimigo, disse Dmitry Rogozin, ex-chefe da Roscosmos. Rogozin serve atualmente como chefe do esquadrão especial de conselheiros militares Tsar's Wolves. O Marker será capaz de destruir tanques ocidentais, incluindo os Abrams americanos e os Leopardos alemães. "A versão de combate do robô Marker tem um catálogo eletrônico no sistema de controle que contém imagens de alvos tanto no alcance visível quanto no infravermelho", disse Rogozin. Segundo ele, o robô também será capaz de selecionar um alvo de forma independente por prioridade e atingi-lo com meios de artilharia apropriados. Quatro robôs Marker serão entregues ao Donbass em fevereiro. Eles serão testados em um campo de treinamento antes de entrar em ação de combate, disse ele. O Marker é um produto da Associação de Pesquisa e Produção da Tecnologia Android. Segundo Rogozin, o robô havia sido testado como sistema de segurança para o cosmódromo da Vostochny. O desenvolvedor alega que o Marker também pode se tornar o portador de quadroscopters kamikaze. Um robô Marker pode abrigar até 16 zangões em caixas - quatro zangões por caixa. Estes zangões podem ser usados para abater zangões inimigos. O Marker também pode ser equipado com armas a laser capazes de abater zangões a longas distâncias. A versão de combate do robô pode ser equipada com sistemas de mísseis anti-tanque emparelhados com uma metralhadora pesada ou outras armas. Inteligência artificial e aprendizagem da máquina Os robôs Marker estão equipados com um sistema de inteligência artificial e a tecnologia de aprendizado de máquinas, disse o diretor do Museu da Defesa Aérea, coronel aposentado Yuri Knutov. A Rússia usou equipamento robótico na Síria, mas a paisagem síria do campo de batalha era significativamente diferente da da Ucrânia. Portanto, a Rússia está enviando apenas quatro de tais máquinas robóticas para estudar seu comportamento em áreas urbanas e fazer possíveis melhorias. "Externamente, elas se parecem com pequenos tanques. Eles podem estar armados com uma metralhadora e um míssil anti-tanque com um alcance de até cerca de seis quilômetros. Eles podem ser operados remotamente ou diretamente de um computador com elementos de inteligência artificial. O Marker também tem a tecnologia de visão mecânica, que contém imagens de tanques inimigos. O robô pode assim identificar os tanques feitos pela OTAN. Isto exclui ataques a seus próprios tanques", disse Knutov à publicação lenta.ru. O Marker também é capaz de estabelecer a prioridade de um ataque com base no princípio de qual a ameaça no campo de batalha representa o maior perigo. "Graças ao aprendizado da máquina, o robô melhorará seu próprio desempenho no decorrer das hostilidades". Sua inteligência artificial se desenvolverá. Tais robôs foram projetados para ambientes urbanos, em primeiro lugar. Eles freqüentemente operam com o apoio de drones. A segunda opção é terreno plano, como na região de Zaporizhzhia, onde as Forças Armadas da Ucrânia pretendem usar seus tanques ocidentais", concluiu o especialista. fonte: https://port.pravda.ru/news/mundo/57505-robotic_vehicle/

Zelensky sobre suprimentos para tanques dos Abrams dos EUA: "Demasiado tarde". Ver

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky comentou sobre o cronograma de fornecimento dos tanques dos Abrams dos EUA. Ele disse apenas duas palavras: "Tarde demais", disse Zelensky. O presidente da Ucrânia disse que Kyiv precisava obter as novas armas o mais rápido possível. De acordo com Zelensky, o timing para os suprimentos dos tanques europeus permanece pouco claro, embora se acredite que a Ucrânia deva recebê-los antes que os EUA forneçam os tanques de Abrams. Ele também expressou confiança no fornecimento de armas ocidentais à Ucrânia e disse que Kyiv precisava de um grande número de tanques: "Cinco, oito, dez tanques não resolvem a questão no campo de batalha", disse ele. Em 27 de janeiro, o coordenador de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby, anunciou um possível cronograma para o envio de tanques de Abrams para a Ucrânia. De acordo com Kirby, a Alemanha e os aliados da UE fornecerão tanques Leopard para a Ucrânia dentro de um período de tempo relativamente curto. Quanto aos tanques Abrams dos EUA, levará muito mais tempo - possivelmente "muitos meses" - para fornecê-los, disse Kirby. Os militares russos recebem folhetos que os educam sobre como destruir os tanques de Leopard e Abrams Os militares russos receberam folhetos e manuais especiais sobre como destruir os tanques Leopard 2 da Alemanha e M1 Abrams dos EUA, disse Yan Gagin, conselheiro do chefe interino da República Popular de Donetsk, relatórios da TASS. Segundo Gagin, os folhetos que foram publicados especificamente para o pessoal militar russo indicam a que distância é melhor atingir esses tanques e deveriam ser direcionados exatamente a eles para garantir sua rápida destruição. "Conhecemos as especificações desses tanques, onde eles podem viajar e operar", disse ele. Foi noticiado anteriormente que as Forças Armadas da Ucrânia logo receberiam 80 tanques Leopard 2 de diferentes países. Em 25 de janeiro, o Presidente dos EUA Joe Biden anunciou a entrega de 31 tanques Abrams e 8 veículos de recuperação blindados M88 para atendê-los.
fonte: pravda.ru

O MPLA É ISSO MESMO. SEMPRE FOI!

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
Eram mais polícias do que manifestantes. Mas, de facto, um só activista vale por 100 membros da Polícia Nacional (do MPLA). No entanto, a lei da força vale mais do que a força da lei. E quando assim é, os homens fardados não têm outra solução: porrada e cadeia com os que se recusam a ser escravos. Todavia, só é um estranho conceito de liberdade, de democracia e de Estado de Direito para quem não conhece o MPLA… Por Orlando Castro Fazendo minhas (nossas) as palavras dos activista, afirmo: Vivemos em Angola um misto de autoritarismo e de terrorismo de Estado pelas seguintes razões: 1- A subversão da Constituição da República de Angola, dos Tratados Internacionais, das normas legais vigentes e a supressão dos direitos e liberdades fundamentais; 2- O uso da força e da violência por parte dos órgãos de defesa e segurança, instaurando uma cultura do medo e do terror comprometendo em grande medida a cidadania participativa; 3° A perseguição predatória às mulheres zungueiras e vendedores ambulantes, levada a cabo pela Policia Nacional de Angola e pelos fiscais do Governo da Província de Luanda. O uso descontrolado da força por parte destes, tem resultado em lesões físicas graves e na morte de alguns cidadãos. Os exemplos mais recentes remontam ao dia 9 de Dezembro de 2022, no bairro do Cassequele, zona da Teixeira, onde agentes da polícia assassinaram a jovem zungueira Raquel Kulepe, cidadã de 30 anos de idade e que deixou em vida 7 filhos. No mesmo episódio foram gravemente feridos Lucas Mandamba e António Kicongo, cidadãos transeuntes que apenas passavam por aquele local; 4° A tortura e detenção de activistas tal como a repressão de manifestações por estes organizadas, constituindo um claro atentado ao Estado democrático de direito e à Constituição da República; 5° A prisão de activistas sem causa justa, cuja manutenção das prisões obedece a ordens superiores. Deste modo, excedem os prazos de prisão preventiva e os julgamentos subsequentes não obedecem aos princípios da legalidade, justiça e imparcialidade. Portanto, são julgamentos politicamente controlados e encomendados, criando presos políticos. A título de exemplo, temos Tanaice Neutro e Luther King, presos há mais de um ano. Esgotados todos os prazos de prisão preventiva, deveriam responder os processos em que estão envolvidos em liberdade. Mas as ordens superiores sobrepõem-se ao Estado de Direito; 6° A subserviência das instituições republicanas nomeadamente a Polícia Nacional, o SIC e o SINSE que actuam ao serviço da partidocracia do MPLA, perseguindo activistas e jornalistas críticos ao regime, quando deveriam servir o soberano povo de Angola. Tal como os activistas, também eu (também nós) exijo o seguinte: – Que o poder instituído (o governo) respeite a vida humana, a dignidade da pessoa humana e a liberdade que são direitos fundamentais segundo a CRA. – Que a Polícia Nacional e os fiscais deixem de perseguir as mulheres zungueiras e os vendedores ambulantes. Igualmente deixem de usar a violência, as armas de fogo e as balas letais quando abordam os cidadãos em causa, indefesos e desarmados. – Que o governo deixe de combater os pobres, mas combata a pobreza e a miséria em que se encontram milhões de angolanos. A zunga não é opção, mas sim o resultado da má governação. Os vendedores ambulantes são resultados de um Estado extorsionário, fraco e falhado que não cria políticas sociais exequíveis para a empregabilidade da juventude. João Lourenço tornou regra de ouro no seu (mau) reino que a liberdade dos jornalistas tem de acabar onde começa a do seu (mau) MPLA, sendo que a do MPLA não tem limites. Por alguma razão, há já bastante tempo mas sempre com plena actualidade, António Barreto – prestigiadíssimo sociólogo português – disse de José Sócrates aquilo que hoje se aplica milimetricamente a João Lourenço. Ou seja, que “não tolera ser contrariado, nem admite que se pense de modo diferente daquele que organizou com as suas poderosas agências de intoxicação a que chama de comunicação”. António Barreto acrescentou ainda, de forma lapidar, que “o primeiro-ministro José Sócrates é a mais séria ameaça contra a liberdade, contra autonomia das iniciativas privadas e contra a independência pessoal que Portugal conheceu nas últimas três décadas”. Aplicável a 100% a João Lourenço. Habituado a que os trabalhadores das redacções dos órgãos de comunicação social (Jornalistas são, como é óbvio, outra coisa substancialmente diferente) vão comer à mão do MPLA, João Lourenço não consegue conviver com a liberdade de expressão, com o direito à indignação e também com o dever dos jornalistas de escrutinar a actividade do Governo. É por isso que João Lourenço se dá bem com a sua própria sombra, bem como com outras sombras que com ele estão sempre de acordo. Numa atitude que está a fazer escola, prefere ser assassinado pelo elogio do que salvo pela crítica. É, obviamente, um direito que lhe assiste. O problema está em que quer transformar, como “puro” filho do MPLA, o país num amontoado de acéfalos e invertebrados portadores do cartão de militante do MPLA. Em Luanda, mas não só, Adalberto da Costa Júnior e a UNITA mostraram a João Lourenço que ter cartão de militante do MPLA não transforma um néscio em génio. O azedume do Presidente da República (não nominalmente eleito) quando vê algum jornalista que se atreve a dizer o que não lhe agrada reflecte igualmente a frustração que deve sentir por não ter conseguido, embora tenha tentado e continue a tentar, transformar todos os jornalistas nos tais acéfalos e invertebrados ao serviço (bem pago) da sua causa. Se nos primeiros cinco anos de poder João Lourenço fez o que fez, nestes cinco apostará no fim da liberdade de expressão e da diversidade de opiniões. Parafraseando António Barreto sobre José Sócrates, diremos que “não sabemos se João Lourenço é fascista. Não nos parece, mas, sinceramente, não sabemos. De qualquer modo, o importante não está aí. O que ele não suporta é a independência dos outros, das pessoas, das organizações, das empresas ou das instituições. “Não tolera ser contrariado, nem admite que se pense de modo diferente daquele que organizou com as suas poderosas agências de intoxicação a que chama de comunicação. No seu ideal de vida, todos seriam submetidos ao Regime Disciplinar da Função Pública, revisto e reforçado pelo seu governo.” Em Angola o MPLA chama-lhe educação patriótica, ministrada por quem para contar até 12 tem de se descalçar. E então? Então este é o país em que vivemos: A mentira é uma arte. Esta é a nossa sociedade: o cenário substitui a realidade. Esta é a cultura em vigor: o engano tem mais valor do que a verdade. E porque é que João Lourenço, bem como os seus sipaios, não gostam do Folha 8? Desde logo porque temos a obrigação e o dever de relatar os factos com rigor e exactidão e interpretá-los com honestidade. Porque se não procuramos saber o que se passa não estamos a cumprir a nossa missão. Porque se sabemos o que se passa e eventualmente nos calamos estamos cometer um crime junto das únicas pessoas a quem devemos prestar contas: os angolanos (nomeadamente os 20 milhões de pobres). Porque não aceitamos restrições no acesso às fontes de informação, nomeadamente às de origem pública, e consideramos que essas restrições são uma inaceitável barreira à liberdade de expressão e ao direito de informar. Porque nos recusamos a divulgar as nossas fontes confidenciais de informação, respeitando sagradamente os compromissos com elas assumidos. A não revelação das fontes é, aliás, uma das razões pelas quais vale a pena ser preso. Porque se um jornalista não procura saber o que se passa é um imbecil, passando a ser um criminoso quando sabe o que se passa e se cala.

ANGOLA: QUEM AGE ASSIM NÃO É POLÍCIA, É TERRORISTA.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
A Polícia angolana voltou violentamente a deter e reprimir uma marcha pacífica dos activistas, hoje, em Luanda. Desta vez, era para exigirem justiça, fim de perseguição às zungueiras e liberdade já para os presos políticos. Infelizmente, o itinerário da marcha com a partida do Largo das Heroínas até ao Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos findou no mesmo lugar onde a Polícia do regime MPLA distribuiu os “rebuçados e chocolates”, aos activistas e não dando espaço aos Jornalistas. Por Elias Muhongo APolícia angolana voltou a reprimir e deter violentamente mais de dez activistas numa marcha pacífica que pretendiam realizar este sábado, em Luanda. Os activistas convocaram uma marcha “pela justiça e liberdade” a fim de pedir a libertação de presos políticos. Tanaice Neutro, Luther King, José Julino Kalupeteca e o líder do Movimento Protectorado Lunda-Tchokwe, José Domingos Mateus “Zecamutchima”, alguns dos presos citados e as perseguições predatórias às mulheres zungueiras e vendedores ambulantes, levada a cabo pela Policia Nacional de Angola e pelos fiscais do Governo da Província. O uso descontrolado da força por parte destes, tem resultado em lesões físicas graves e na morte de alguns cidadãos. Os exemplos mais recentes remontam do dia 9 de Dezembro de 2022, no bairro do Cassequele, zona da Teixeira, onde agentes da polícia assassinaram a jovem zungueira Raquel Kalupe, cidadã de 30 anos de idade e que deixou em vida 7 filhos. No mesmo episódio foram gravemente feridos Lucas Mandamba e António Kicongo, cidadãos transeuntes que apenas passavam por aquele local. A brutalidade violenta contra os manifestantes aconteceu por volta das 11h:50 de Angola, período da concentração dos manifestantes no largo das Heroínas, com o destino no Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos na capital angolana. “Não é só os activistas da organização que foram detidos, a polícia já começou a busca desde ontem dia 27, foram detidas pessoas e não sabemos quantos são de momento e ninguém sabe quantos foram, estamos a fazer o alevantamento”, explicou o activista Adolfo Campos antes de ser detido e algemado violentamente. Entre os detidos antes do Adolfo Campos dentro da viatura da polícia estava a activista Laurinda Gouveia, Geraldo Dala e os demais que gritavam “estamos a ser preso e não sabemos onde estão a nos levar”, informam, aos órgãos presentes. O jornal Folha 8 assistiu e reportou a forte presença da Policial em todos os cantos do largo das Heroínas de Luanda. Igualmente, Os agentes cercaram o Largo da Independência e das Heroínas, locais onde se pretendia a realização da Manifestação. Efectivos da Polícia Nacional e outros agentes à paisana impedem os cidadãos de permanecerem nos espaços públicos, inclusive os jornalistas que estavam no local para reportar a marcha. Joaquim Manuel, de 39 anos, deslocou-se até ao largo das heroínas após tomar conhecimento da iniciativa pelas redes sociais: “Como não poderia ficar indiferente ao que está a passar-se no país resolvi dar uma volta para ver como estão as coisas e não gostei do que vi. O futuro do povo angolano é incerto sem lucidez e consciência patriótica, a liberdade das pessoas está a ser violada“, disse. “Não sei o que se passa com os dirigentes do nosso país, por um cidadão se fazer presente num local público é logo preso. Hoje deveria ser preso e não faria nada mal porque já temos presos políticos e agora dos activistas que estão a ser detidos. Nós estamos aqui a mostrar descontentamento com o nosso país e com a governação do MPLA”, criticou. O cidadão Abel Fernando salientou que “ninguém criou desordem, ninguém partiu para a agressão, ninguém destruiu bens públicos” e que as pessoas estavam ali “pacificamente”. O activista Adolfo Campos, em entrevista, afirmou que “o país está em paz, não há motivo de as forças de segurança reprimirem, intimidarem as pessoas, baterem, prenderem”, apelando à polícia: “Quando as pessoas querem manifestar-se deixem manifestarem-se, ninguém está a roubar nada a ninguém, estamos aqui a mostrar o nosso descontentamento com a governação do país. Exigimos novas medidas para combater a fome e o desemprego, reduzir o preço dos produtos da cesta básica, além de melhorias na qualidade dos serviços de saúde, sem esquecer que a marcha é pela libertação dos presos políticos” e foi reprimida pelas autoridades nacionais. O F8 e a TV8, persistiu questionar aos agentes que alegaram a ausência de autorização do Governo da Província de Luanda e do Ministério do Interior. Mais 10 activistas e organizadores foram detidos quando se concentravam para a marcha que visava exigir a libertação de activistas considerados “presos políticos”. Os activistas Laurinda Gouveia, Adolfo Campos e os demais, organizadores da marcha, também foram detidos, segundo as autoridades policiais, que impediram os manifestantes de falarem à imprensa, alegando que a manifestação não foi autorizada pelo Governo da Província de Luanda. O activista Adolfo Campos viveu um clima de “terror” no ponto de encontro da marcha, “pela justiça e liberdade”, depois de 5 activistas terem sido detidos pelas autoridades angolanas. Adolfo Campos diz que “O MPLA pensa que este país é dele, apesar das constantes agressões, as manifestações vão continuar até que os chamados presos políticos forem libertados. No nosso ponto de vista, eles são inocentes e estão presos injustamente. Neste momento, já se esgotou todo o processo de prisão preventiva, não há justificação legal para manterem o Luther e o Tanaice presos. Os polícias retiraram cartazes e prenderam os meus colegas, nomeadamente, a Laurinda Gouveia, o Geraldo Dala, o Matulunga Cesar Kiala e já estão a vir para me deter, olhem senhores jornalistas, é triste saber isso, estão a algemar-me, estão a me a matar, estão a me afogar aí, grita e choraminga”, o activista Adolfo Campos. O largo das Heroínas foi “completamente cercado” por veículos da polícia de intervenção rápida, “num clima de terror”, aponta o activista Osvaldo Kaholo. “Há carros de água, carros blindados. A repressão da marcha já começou”, denuncia. O deputado Carlos Xavier Lucas também foi detido hoje pela polícia Nacional momentos depois da dispersão da marcha. Mesmo com uma forte chuva que a cidade capital recebeu, não impediu que a polícia partidocrata colocasse um forte aparato policial para dispersar com uso da força todas aglomerações de jovens desde o largo das Heroínas até ao Primeiro de Maio. Na origem estava a convocação de uma manifestação a exigir a libertação dos presos políticos. De realçar que, há um ano que os activistas, Gilson da Silva Moreira “Tanaece Neutro” e Luther Campos são acusados de vários crimes, entre os quais o de ultraje ao Estado. O “Tanaice Neutro”, condenado a pena de prisão suspensa de um ano e três meses, aguarda o acórdão do Tribunal da Relação face ao recurso interposto pelo Ministério Público. Já o julgamento de Luther Campos foi adiado na sexta-feira (27.01) devido ao falecimento da juíza da quarta sessão do Tribunal de Luanda, onde o activista é julgado. A defesa afirma que “já não se justifica a prisão preventiva do arguido”. São considerados “presos políticos” os activistas Tanaice Neutro, Luther Campos, presos há um ano, ainda o líder da seita religiosa “A Luz do Mundo”, José Kalupeteca, e o líder do auto-denominado Movimento do Protetorado Lunda Tchokwe, José Domingos Mateus “Zecamutchima”. O Jornal Folha 8 contactou o porta-voz do Comando Provincial de Luanda da Polícia Nacional, superintendente-chefe Nestor Goubel, sem sucesso.

Total de visualizações de página