Postagem em destaque

GUINÉ-CONACRI: COMUNICADO DO SG DO SINDICATO DE IMPRENSA NA GUINÉ - A luta acabou valendo a pena.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!... O jornalista guineense, Sékou Jamal Pendessa, está agora livre para ...

domingo, 29 de janeiro de 2023

Ucrânia: Lula se recusa a entregar munição para tanques.

NO BALUR I STA NA NO KUNCIMENTI, PA KILA, NO BALURIZA KUNCIMENTI!...
O governo brasileiro se opôs ao pedido da Alemanha de entrega de munição para tanques à Ucrânia. O pedido foi rejeitado pelo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. Foi ontem, sexta-feira, 27 de janeiro de 2023, que a decisão foi anunciada pelas autoridades brasileiras. Segundo o jornal "Folha de São Paulo", a foto foi tirada há uma semana, durante uma reunião do Partido dos Trabalhadores com o ministro da Defesa brasileiro e vários altos funcionários das Forças Armadas do país. A imprensa informa ainda que a decisão foi tomada às vésperas da demissão do comandante do Exército Júlio César de Arruda. “Vou enviar um sinal ao seu governo” Vale ressaltar que o governo ucraniano havia anunciado a intenção de solicitar munição para os tanques antiaéreos Gepard às autoridades brasileiras. Em novembro de 2022, Oleksi Reznikov, ministro da Defesa ucraniano, disse: “Vou enviar um sinal ao seu governo porque você tem a possibilidade de nos fornecer munição para Gepard”. Como lembrete, o anúncio da decisão do Brasil ocorre várias semanas após os distúrbios de 8 de janeiro de 2023, onde muitos apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram várias instituições, incluindo o palácio presidencial. Após esses eventos, o presidente brasileiro sentiu que o culpado era seu antecessor. Além disso, confidenciou que acredita que os desordeiros se beneficiaram da ajuda prestada de dentro do palácio. Foi nesse contexto que ele demitiu o chefe do Exército, que estava à frente do Exército desde 30 de dezembro de 2023. Segundo informações da GloboNews, ele será substituído por Thomas Ribeiro Paiva, comandante militar do Sudeste. Em discurso público, este último havia declarado que o exército continuaria “a garantir a democracia”, acrescentando que: “É o regime do povo, de alternância no poder. É o voto. E quando votamos, temos que respeitar o resultado das urnas”. fonte: https://lanouvelletribune.info/2023/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é sempre bem vindo desde que contribua para melhorar este trabalho que é de todos nós.

Um abraço!

Samuel

Total de visualizações de página